.
.
.
.
Want Wikipedia to look like this?   
Click here to upgrade your Wikipedia experience
Tungstênio | QuickiWiki

Tungstênio

  PO

Overview

Pix.gif Tungstênio Stylised Lithium Atom.svg
TântaloTungstênioRênio
Mo
  Cubic-body-centered.png
 
74
W
 
               
               
                                   
                                   
                                                               
                                                               
W
Sg
Tabela completaTabela estendida
Aparência
branco-acinzentado brilhante


Barras de tungstênio com cristais evaporados, parcialmente oxidado com manchas coloridas, de pureza 99,98% e um cubo de tungstênio de 1 cm3 de alta pureza (99,999%) para comparação.
Informações gerais
Nome, símbolo, número Tungstênio, W, 74
Série química Metal de transição
Grupo, período, bloco 6, 6, d
Densidade, dureza 19 250 kg/m3, 7,5
Número CAS
Número EINECS
Propriedade atómicas
Massa atômica 183,84(1) u
Raio atómico (calculado) 135 pm
Raio covalente 146 pm
Raio de Van der Waals pm
Configuração electrónica [Xe] 4f14 5d4 6s2
Elétrons (por nível de energia) 2, 8, 18, 32, 12, 2 (ver imagem)
Estado(s) de oxidação 6, 5, 4, 3, 2 (ligeiramente ácido)
Óxido
Estrutura cristalina cúbica centrada no corpo
Propriedades físicas
Estado da matéria sólido
Ponto de fusão 3 695 K
Ponto de ebulição 5 828 K
Entalpia de fusão 35,4 kJ/mol
Entalpia de vaporização 824 kJ/mol
Temperatura crítica  K
Pressão crítica  Pa
Volume molar m3/mol
Pressão de vapor 4,27 Pa a 3680 K
Velocidade do som 5 174 m/s a 20 °C
Classe magnética paramagnético
Susceptibilidade magnética 7,8x10-5
Permeabilidade magnética
Temperatura de Curie  K
Diversos
Eletronegatividade (Pauling) 2,36
Calor específico J/(kg·K)
Condutividade elétrica 18,9 × 106 S/m
Condutividade térmica 174 W/(m·K)
Potencial de ionização 770 kJ/mol
2º Potencial de ionização 1 700 kJ/mol
3º Potencial de ionização kJ/mol
4º Potencial de ionização kJ/mol
5º Potencial de ionização kJ/mol
6º Potencial de ionização kJ/mol
7º Potencial de ionização kJ/mol
8º Potencial de ionização kJ/mol
9º Potencial de ionização kJ/mol
10º Potencial de ionização kJ/mol
Isótopos mais estáveis
iso AN Meia-vida MD Ed PD
MeV
180W 0,12% 1,8×1018 a α 2,516 176Hf
181W sintético 121,2 d ε 0,188 181Ta
182W 26,5% estável com 108 neutrões
183W 14,30% estável com 109 neutrões
184W 30,64% estável com 110 neutrões
185W sintético 75,1 d β- 0,433 185Re
186W 28,43% estável com 112 neutrões
Unidades do SI & CNTP, salvo indicação contrária.


O tungstênio (português brasileiro) ou tungsténio (português europeu) (também conhecido como volfrâmio ou wolfrâmio) é um elemento químico de símbolo W e número atômico 74.

Um metal de cor branco cinza sob condições padrão, quando não combinado, o tungstênio é encontrado na natureza apenas combinado com outros elementos. Foi identificado como um novo elemento em 1781, e isolado pela primeira vez como metal em 1783. Os seus minérios mais importantes são a volframita e a scheelita. O elemento livre é notável pela sua robustez, especialmente pelo fato de possuir o mais alto ponto de fusão de todos os metais e o segundo mais alto entre todos os elementos, a seguir ao carbono. Também notável é a sua alta densidade, 19,3 vezes maior do que a da água, comparável às do urânio e ouro, e muito mais alta (cerca de 1,7 vezes) que a do chumbo.[1] O tungstênio com pequenas quantidades de impurezas é frequentemente frágil[2] e duro, tornando-o difícil de trabalhar. Contudo, o tungstênio muito puro é mais dútil, e pode ser cortado com uma serra de metais.[3]

A forma elementar não combinada é usada sobretudo em aplicações eletrônicas. As muitas ligas de tungstênio têm numerosas aplicações, destacando-se os filamentos de lâmpadas incandescentes, tubos de raios X (como filamento e como alvo), e superligas. A dureza e elevada densidade do tungstênio tornam-no útil em aplicações militares como projéteis penetrantes. Os compostos de tungstênio são geralmente usados industrialmente como catalisadores.

O tungstênio é o único metal da terceira série de transição que se sabe ocorrer em biomoléculas, usadas por algumas espécies de bactérias. É o elemento mais pesado que se sabe ser usado por seres vivos. Porém, o tungstênio interfere com os metabolismos do molibdênio e do cobre, e é algo tóxico para a vida animal.[4] [5]

História

Os primeiros relatos que se sabe hoje fazerem referência a ocorrências deste elemento remontam ao século XVI. Nessa altura, os mineiros que extraíam minério de estanho nos Montes Metalíferos, relatavam a existência de um mineral que acompanhava o minério de estanho, e que reduzia o rendimento da extração deste metal a partir do minério. Johann Gottlob Lehmann, em 1761, foi o primeiro a fundir cristais puros de volframita em nitrato de sódio.[6] A existência do tungstênio seria proposta, pela primeira vez, em 1779, por Peter Woulfe, o qual após examinar a volframita, concluiu que este mineral continha uma nova substância.[7] Em 1781, Carl Wilhelm Scheele descobriu que um novo ácido, o ácido túngstico, podia ser obtido a partir da scheelita (então chamada tungstenita). Scheele e Torbern Bergman sugeriram que poderia ser possível obter um novo metal por meio da redução deste ácido.[8] Em 1783, Juan José e Fausto Delhuyar descobriram um ácido obtido da volframita que era idêntico ao ácido túngstico. Mais tarde nesse mesmo ano, na Espanha, os irmãos conseguiram isolar o tungstênio por meio da redução do seu ácido com carvão vegetal, sendo-lhes creditada a descoberta deste elemento, publicada em setembro de 1783 na obra Analisis quimico del volfram, y examen de un nuevo metal,que entra en su composicion.[6] [9]

As primeiras aplicações do tungstênio começaram a ser desenvolvidas em meados do século XIX, química (1847) e aços (1855), e no início do século XX, filamentos (1903) e carbetos (1913).[9]

Durante a Segunda Guerra Mundial, o tungstênio teve um papel significativo nos negócios políticos de bastidores. Portugal, como principal produtor europeu do elemento, foi pressionado por ambos os lados, devido às suas jazidas de minério de volframita. A resistência do tungstênio às altas temperaturas e a sua capacidade de aumentar a resistência de ligas metálicas, tornava-o uma matéria-prima importante para a indústria do armamento.[10]

Etimologia

O termo "tungstênio" tem origem nos termos nórdicos tung sten, significando "pedra pesada", utilizados por Axel Fredrik Cronstedt em 1757 para designar o mineral que hoje se designa scheelita, descoberto na Suécia em 1750.[6] É usado em muitas línguas como nome deste elemento. O termo "volfrâmio" (ou "wolfrâmio"), usado em muitas línguas europeias (sobretudo línguas eslavas e germânicas), deriva do mineral volframita. Este, por seu lado, deriva do alemão "wolf rahm" ("fuligem de lobo", "creme de lobo"), o nome dado ao tungstênio por Johan Gottschalk Wallerius em 1747, e do qual derivou também o símbolo químico do elemento, W.[3] "Wolf rahm" por sua vez deriva de "Lupi spuma", o nome usado por Georg Agricola para este elemento em 1546, traduzido para português como "espuma" ou "creme de lobo" (a etimologia não é certa), e é uma referência às grandes quantidades de estanho perdidas na extração deste metal devido à presença de volframita no minério que continha o estanho.[11]

Características

Propriedades físicas

O tungstênio na sua forma impura é um metal de cor branca a cinza, frequentemente frágil e difícil de trabalhar, mas quando puro, pode ser facilmente trabalhado.[3] Pode ser cortado com uma serra de metais, forjado, trefilado, extrudido ou sinterizado. Dentre todos os metais na forma pura, o tungstênio tem o mais alto ponto de fusão (3 422 °C), a menor pressão de vapor e (a temperaturas acima de 1 650 °C) a maior resistência à tração.[12] Apresenta o menor coeficiente de expansão térmica entre todos os metais puros. A pequena expansão térmica e os elevados ponto de fusão e resistência do tungstênio devem-se a ligações covalentes fortes formadas entre os átomos de tungstênio pelos elétrons 5d.[13] A ligação de pequenas quantidades de tungstênio com o aço aumenta muito a resistência deste último.[1]

O tungstênio, quando exposto ao ar, forma na sua superfície um óxido (sempre trióxido de tungstênio, WO3) protetor quando formado entre os 327 e os 400 °C, porém pode ser oxidado em alta temperatura.[14]

Propriedades químicas

O tungstênio elementar é resistente ao ataque de ácidos, bases e oxigénio.[15] [16] O estado de oxidação mais comum do tungstênio é +6, porém exibe todos os estados de oxidação desde −2 até +6.[15] A combinação típica do tungstênio é com o oxigênio, formando trióxido de tungstênio amarelo, WO3, solúvel em soluções aquosas alcalinas originando íons tungstato, WO42-. Os carbetos de tungstênio (W2C e WC) são produzidos ao aquecer tungstênio em pó com carbono. W2C é resistente ao ataque químico, embora reaja fortemente com o cloro para formar hexacloreto de tungstênio (WCl6).[1]

Em solução aquosa, o tungstato dá origem a heteropoliácidos e ânions de polioxometalato sob condições neutras ou ácidas. À medida que o tungstato é submetido à ação do ácido, começa por produzir-se "paratungstato A", um íon solúvel e metaestável, W7O24-6, que com o tempo se converte no ânion menos solúvel "paratungstato B", H2W12O42-10.[17] A acidificação adicional produz o ânion muito solúvel metatungstato, H2W12O40-6, após o que é atingido o equilíbrio. O íon metatungstato existe na forma de um agrupamento simétrico de doze octaedros tungstênio-oxigênio conhecidos como ânion de Keggin. Muitos outros ânions existem como espécies metaestáveis. A inclusão de um átomo diferente, como o fósforo, no lugar dos dois hidrogênios centrais do metatungstato, produz uma ampla variedade de heteropoliácidos, como o ácido fosfotúngstico (H3PW12O40).

O trióxido de tungstênio pode formar compostos de intercalação com os metais alcalinos. Estes compostos são conhecidos como bronzes; um exemplo é o bronze de sódio-tungstênio.

Isótopos

O tungstênio de ocorrência natural consiste de cinco isótopos cujas meias-vidas são tão longas que podem ser considerados estáveis. Teoricamente, todos eles decaem para isótopos do elemento 72 (háfnio) por emissão alfa, mas tal apenas foi observado para o 180W[18] com uma meia-vida de (1,8 ± 0.2)×1018 anos; em média, isto resulta em cerca de duas emissões alfa do 180W em um grama de tungstênio natural, por ano.[19] Não foi observado o decaimento dos outros isótopos de ocorrência natural, restringindo as suas meias-vidas a:[19]

182W, T1/2 > 8,3×1018 anos
183W, T1/2 > 29×1018 anos
184W, T1/2 > 13×1018 anos
186W, T1/2 > 27×1018 anos

Foram caracterizados outros 30 radioisótopos artificiais, dos quais os mais estáveis são 181W com meia-vida de 121,2 dias, 185W com meia-vida de 75,1 dias, 188W com meia-vida de 69,4 dias, 178W com meia-vida de 21,6 dias, e 187W com meia-vida de 23,72 h.[19] Todos os restantes isótopos radioativos têm meias-vidas menores do que 3 horas, e a maioria deles tem meias-vidas abaixo dos 8 minutos.[19] O tungstênio tem também 4 meta-estados, sendo o mais estável 179mW (T½ 6,4 minutos).

Ação biológica

O tungstênio, com número atômico 74, é o mais pesado elemento químico que se sabe ser biologicamente funcional, seguido pelo iodo (Z = 53). Embora não o seja nos eucariotas, o tungstênio é usado por algumas bactérias. Por exemplo, enzimas chamadas oxirredutases usam o tungstênio de modo similar ao molibdênio ao usarem-no num complexo tungstênio-pterina com molibdopterina (a molibdopterina, apesar do nome, não contém molibdênio, mas pode formar complexos tanto com o molibdênio como com o tungstênio usados pelos seres vivos). As enzimas utilizadoras do tungstênio tipicamente reduzem ácidos carboxílicos a aldeídos.[20] Contudo, as oxirredutases de tungstênio podem também catalisar oxidações. A primeira enzima que se descobriu requerer tungstênio requer também selênio, e neste caso o par tungstênio-selênio pode funcionar de modo análogo ao par molibdênio-enxofre de algumas enzimas que requerem cofator de molibdênio.[21] Sabe-se que uma das enzimas da família das oxirredutases que por vezes usa o tungstênio (a formato desidrogenase H bacteriana) usa uma versão selênio-molibdênio da molibdopterina.[22] Embora se saiba que uma xantina desidrogenase bacteriana contendo tungstênio pode conter tungstênio-molibdopterina, bem como selênio não ligado a proteína, não foi ainda descrito de modo definitivo um complexo tungstênio-selênio.[23]

Outros efeitos bioquímicos[editar | editar código-fonte]

No solo, o tungstênio metálico oxida produzindo-se o ânion tungstato. Pode ser importado de modo seletivo ou não seletivo por alguns organismos procariotas e poderá substituir o molibdato em certas enzimas. O seu efeito sobre a ação destas enzimas é em alguns casos inibitório e em outros positivo.[24] Pensa-se que uma enzima portadora de tungstato nos eucariotas seria inerte. A química do solo determina como o tungstênio é polimerizado; solos alcalinos causam tungstatos monomêricos; solos ácidos causam tungstatos poliméricos.[25]

O tungstato de sódio e o chumbo foram estudados pelo seu efeito sobre as minhocas. Descobriu-se que o chumbo era letal em doses baixas e que o tungstato de sódio era muito menos tóxico, mas o tungstato inibia completamente a sua capacidade reprodutiva.[26]

O tungstênio foi estudado como antagonista metabólico do cobre biológico, num papel similar à ação do molibdênio. Descobriu-se que os tetratiotungstatos podem ser usados como compostos de quelação do cobre biológico, de modo similar aos tetratiomolibdatos.[27]

Aplicações

Grande plano de um filamento de tungstênio numa lâmpada de halogêneo. - Tungstênio
Grande plano de um filamento de tungstênio numa lâmpada de halogêneo.
Anel de carbeto de tungstênio (joalheria). - Tungstênio
Anel de carbeto de tungstênio (joalheria).

Aproximadamente metade do tungstênio é consumido para a produção de materiais duros (carbeto de tungstênio), sendo a outra aplicação importante o seu uso em ligas e aços. Menos de 10% é usado na produção de compostos químicos.[28]

Materiais duros

O tungstênio é usado sobretudo na produção de materiais duros baseados no carbeto de tungstênio (WC), um dos carbetos mais duros, com um ponto de fusão de 2 777 °C. WC é um bom condutor elétrico, mas W2C não tanto. WC é usado na fabricação de abrasivos resistentes ao desgaste, ferramentas de corte e lâminas de perfuradoras, serras circulares, e ferramentas de fresadoras e tornos mecânicos usadas nas indústrias de metal-mecânica, transformação de madeira, mineração, petróleo e construção[1] e representa cerca de 60% do consumo atual de tungstênio.[29]

A indústria de joalheria fabrica anéis de carbeto de tungstênio sinterizado, compósitos de carbeto/metal de tungstênio, e também de tungstênio metálico. Por vezes os fabricantes e retalhistas referem-se ao carbeto de tungstênio como um metal, mas trata-se realmente de um material cerâmico.[30] Por causa da dureza do carbeto de tungstênio, os anéis feitos deste material são extremamente resistentes à abrasão, e mantêm um acabamento brilhante por muito mais tempo que os anéis feitos com tungstênio metálico. Contudo, os anéis de carbeto de tungstênio são frágeis, e podem fissurar com um impacto forte.[31]

Ligas

A dureza e densidade do tungstênio são utilizadas para obtenção de ligas de metais pesados. Um bom exemplo é o aço rápido, que pode conter até 18% de tungstênio.[32] O ponto de fusão do tungstênio torna-o um bom material para aplicações como tubeiras de foguetes.[33] Superligas contendo tungstênio, como Hastelloy e Estelite, são usadas nas lâminas de turbinas e em peças e revestimentos resistentes ao desgaste.

Armamento

O tungstênio, geralmente em liga com níquel e ferro ou cobalto para formar ligas pesadas, é usado em penetradores por energia cinética como alternativa ao urânio empobrecido, em aplicações nas quais as propriedades pirofóricas do urânio não são requeridas (por exemplo em munições de armas ligeiras concebidas para penetrarem proteções pessoais). De igual modo, as ligas de tungstênio têm sido também utilizadas em obuses de artilharia, granadas e mísseis, para criar estilhaços supersônicos. O tungstênio também tem sido usado em explosivos de metal inerte denso, na forma de pó denso para reduzir danos colaterais ao mesmo tempo que aumenta a letalidade dos explosivos num raio pequeno.[34]

Aplicações químicas

O sulfeto de tungstênio (IV) é um lubrificante de alta temperatura e é um componente dos catalisadores de hidrodessulfurização. MoS2 é mais vulgarmente usado em tais aplicações.

Os óxidos de tungstênio são usados em esmaltes cerâmicos e os tungstatos de cálcio/magnésio são largamente usados em lâmpadas fluorescentes. Cristais de tungstatos são usados como cintiladores em física nuclear e medicina nuclear. Outros sais de tungstênio são usados nas indústrias química e de curtumes.[12]

Outros usos

Aplicações que requerem a sua alta densidade incluem dissipadores de calor, pesos, contrapesos, lastros de quilha para iates, lastros de cauda para aviões comerciais, e lastros em carros de corrida da NASCAR e Fórmula 1. É um material ideal para uso em maços para rebitagem, onde a massa necessária para obter bons resultados pode ser conseguida com uma barra compacta. Ligas de alta densidade de tungstênio com níquel, cobre ou ferro são usadas em dardos de alta qualidade[35] (para permitir um menor diâmetro e logo agrupamentos mais apertados) ou em iscas artificiais (contas de tungstênio permitem que a mosca se afunde rapidamente). Alguns tipos de cordas de instrumentos musicais são enroladas com fios de tungstênio.

A sua densidade, semelhante à do ouro, permite que o tungstênio seja usado em joalheria como uma alternativa ao ouro ou à platina.[3] [36] O tungstênio metálico é mais duro que as ligas de ouro (embora não tão duro como o carbeto de tungstênio), e é hipoalergênico, o que o torna útil para a fabricação de anéis resistentes aos riscos, especialmente em desenhos com acabamento escovado.[37]

Eletrônica

Dado que retém a sua resistência a altas temperaturas e tem alto ponto de fusão, o tungstênio elementar é usado em muitas aplicações de alta temperatura,[38] como filamentos de lâmpadas, tubos de raios catódicos e válvulas termiônicas, resistências de aquecimento, e tubeiras de foguetes.[3] O seu alto ponto de fusão torna o tungstênio também apropriado para usos aeroespaciais e a altas temperaturas como aplicações em soldagem, notavelmente na soldagem TIG (também chamada de soldagem de tungstênio gás inerte).

Devido a suas propriedades condutoras e relativa inércia química, o tungstênio é usado em elétrodos, e nas extremidades emissoras de instrumentos de feixe de elétrons que usam canhões de emissão de campo tais como microscópios eletrônicos. Em eletrônica, o tungstênio é usado como material de interligação em circuitos integrados, entre o material dielétrico dióxido de silício e os transístores. É usado em películas metálicas, que substituem a cablagem usada na eletrônica convencional por um revestimento de tungstênio (ou molibdênio) sobre silício.[39]

A estrutura eletrônica do tungstênio torna-o um dos principais materiais usados em alvos de raios X,[40] e também para blindagem de radiações de alta energia (como na indústria radiofarmacêutica para conter amostras radioativas de fluorodesoxiglicose. O pó de tungstênio é usado como material de enchimento em plásticos compósitos, que são usados como substitutos não tóxicos do chumbo em balas, e escudos antirradiação. Dado que a expansão térmica deste elemento é semelhante à do vidro borossilicato, é usado na fabricação de vedantes de juntas vidro-metal.[12]

A temperatura de transição para a supercondutividade do tungstênio puro, é menor do que 0,01 K,[41] contudo, várias ligas de tungstênio têm temperaturas de transição de até alguns K[42] [43] e são por vezes utilizadas em circuitos supercondutores de baixa temperatura.[44] [45] [46]

Ocorrência e produção

O tungstênio é encontrado nos minerais volframita (tungstato de ferro-manganês, FeWO4/MnWO4), scheelita (tungstato de cálcio, CaWO4), ferberita, stolzita e hubnerita. Importantes depósitos destes minerais situam-se na Bolívia, na Califórnia e Colorado (Estados Unidos), na China, na Áustria, em Portugal (Mina da Panasqueira), na Rússia e na Coreia do Sul (com a China produzindo aproximadamente 75% da demanda mundial).

País Produção em 2008[47] [48] Reservas em 2008[49] [50]
China 50 000 1 800 000
Rússia 3 000 250 000
Canadá 2 277 110 000
Bolívia 1 148 53 000
Áustria 1 122 10 000
Portugal 900 4 200
Estados Unidos n.d. 140 000
Resto do mundo 3 753 400 000
Totais 62 200 2 800 000
Volframita (Mina da Panasqueira, Portugal). - Tungstênio
Volframita (Mina da Panasqueira, Portugal).

Em 2008, produziram-se aproximadamente 62 200 toneladas de concentrados de tungstênio.[47] O tungstênio é extraído dos seus minérios em várias etapas. O minério acaba por ser convertido em óxido de tungstênio (IV) (WO3), o qual é aquecido com hidrogênio ou carbono para produzir pó de tungstênio.[8] Por causa do elevado ponto de fusão do tungstênio, não é comercialmente viável moldar lingotes de tungstênio. Em vez disso, o tungstênio em pó é misturado com pequenas quantidades de níquel ou outro metal pulverizado, e sinterizado. Durante o processo de sinterização, o níquel difunde-se no tungstênio produzindo uma liga.

O tungstênio também pode ser extraído pela redução com hidrogênio do hexafluoreto de tungstênio (WF6):

WF6 + 3 H2 → W + 6 HF

ou decomposição pirolítica:[39]

WF6 → W + 3 F2Hr = +)

O tungstênio não é negociado por contratos de futuros e não pode ser seguido nas bolsas como a London Metal Exchange. O preço do metal puro era cerca de 20 075 dólares por tonelada em outubro de 2008.[51]

Precauções

Dado que o tungstênio é raro e os seus compostos geralmente inertes, os efeitos do tungstênio sobre o ambiente são limitados.[52] A dose letal mediana LD50 depende fortemente do animal e do método de administração e varia de 59 mg/kg (intravenosa, coelho)[53] [54] a 5000 mg/kg (pó de tungstênio metálico, intraperitoneal, ratos).[55] [56]

Pedido de patente

O tungstênio é único entre os elementos por ter sido objeto de procedimentos legais. Em 1928, um tribunal dos Estados Unidos rejeitou a tentativa da General Electric para patenteá-lo, revogando a patente dos Estados Unidos nº #1 082 933 concedida em 1913 a William D. Coolidge.[57] [58]


Referências

The Facts on File Dictionary of Chemistry (Facts on File Science Dictionary)
John Daintith (2005)
Tungsten and the Elements of Groups 3 to 7 (Periodic Table)
N. Saunders:::Nigel Saunders (2003)
Why are some elements radioactive? Why are rubies red? Which element is used in sky writing? Find out the answers to these and other fascinating questions in ‘Tungsten and the Elements of Groups 3 to 7’. These elements are also called transition metals. So
CRC Handbook Chemistry and Physics, 85th Edition
(2004)
Get a FREE first edition facsimile with each copy of the 85th!Researchers around the world depend upon having access to authoritative, up-to-date data. And for more than 90 years, they have relied on the CRC Handbook of Chemistry and Physics for that data. This year is no exception. New tables, extensive updates, and added sections mean the Handbook has again set a new standard for reliability, utility, and thoroughness. This edition features a Foreword by world renowned neurologist and author Oliver Sacks, a free facsimile of the 1913 first edition of the Handbook, and thumb tabs that make it easier to locate particular data. New tables in this edition include: Index of Refraction of Inorganic CrystalsUpper and Lower Azeotropic Data for Binary MixturesCritical Solution Temperatures of Polymer SolutionsDensity of Solvents as a Function of TemperatureBy popular request, several tables omitted from recent editions are back, including Coefficients of Frictionand Miscibility of Organic Solvents. Ten other sections have been substantially revised, with some, such as the Table of the Isotopes and Thermal Conductivity of Liquids, significantly expanded. The Fundamental Physical Constants section has been updated with the latest CODATA/NIST values, and the Mathematical Tables appendix now features several new sections covering topics that include orthogonal polynomials Clebsch-Gordan coefficients, and statistics.
Tungsten: Properties, Chemistry, Technology of the Element, Alloys, and Chemical Compounds
Erik Lassner:::Wolf-Dieter Schubert (1999)
This definitive work is the most uptodate compendium on tungsten in over twenty years. Wolf-Dieter Schubert's scientific career and extensive research activities combined with Erik Lassner's long-term industrial and development knowledge make this an essential resource on the current status of tungsten science and technology. Consolidating new knowledge previously presented at seminars or in the technical press, Tungsten is a significant contribution to the broader acceptance of the most recent innovations in the field. The text is enhanced by over 300 illustrations.
Tungsten: Properties, Chemistry, Technology of the Element, Alloys, and Chemical Compounds
Erik Lassner:::Wolf-Dieter Schubert (1999)
This definitive work is the most uptodate compendium on tungsten in over twenty years. Wolf-Dieter Schubert's scientific career and extensive research activities combined with Erik Lassner's long-term industrial and development knowledge make this an essential resource on the current status of tungsten science and technology. Consolidating new knowledge previously presented at seminars or in the technical press, Tungsten is a significant contribution to the broader acceptance of the most recent innovations in the field. The text is enhanced by over 300 illustrations.
The Elements
John Emsley (1991)
The second edition of this widely acclaimed reference book collects together in a single volume the most important facts about all the chemical elements. Whilst retaining the alphabetical, easy-to-use format of the first edition, the opportunity has been taken to update information and to add a new section on environmental properties to go alongside the existing ones on the chemical, physical, nuclear, and electron-shell properties of the elements. All numerical data are given in SI units, and these are explained in an introduction which also explains how they can be converted to other commonly used units. At the end of the book is a series of tables listing selected properties, both in order of the elements and in rank order of the property.
Tungsten: Properties, Chemistry, Technology of the Element, Alloys, and Chemical Compounds
Erik Lassner:::Wolf-Dieter Schubert (1999)
This definitive work is the most uptodate compendium on tungsten in over twenty years. Wolf-Dieter Schubert's scientific career and extensive research activities combined with Erik Lassner's long-term industrial and development knowledge make this an essential resource on the current status of tungsten science and technology. Consolidating new knowledge previously presented at seminars or in the technical press, Tungsten is a significant contribution to the broader acceptance of the most recent innovations in the field. The text is enhanced by over 300 illustrations.
Powder Metallurgy
P. Ramakrishnan (2008)
Powder metallurgy is expanding its field of activities to include metals, alloys, intermetallics, ceramics and composites. Powder metallurgy products are finding increasing applications in automotive, machine tool, electrical, electronic and other engineering industries. The book contains selected 36 papers in the following sections * Trends in powder metallurgy. * Powder metallurgy for automotive industry. * Properties of powder metallurgy products. * Powder metallurgy for electrical/electronic industry. * Powders, processing and applications. The book will be an asset to the technical library and a valuable source for undergraduate, postgraduate and research students; scientists, engineers and technocrats dealing with powder metallurgy and particulate materials.
Tungsten (Elements)
Kerry Turrell (2003)
Metals Ions in Biological System: Volume 39: Molybdenum and Tungsten: Their Roles in Biological Processes: (Metal Ions in Biological Systems)
(2002)
Volume 39: Molybdenum and Tungsten: Their Roles in Biological Processes is devoted soley to the vital research area on molybdenum and tungsten and their role in biology. It offers a comprehensive and timely account of this fascinating topic by 40 distinguished international authorities. Topics include: transport, homeostasis, regulation and binding of molybdate and tungstate to proteins, crystallographic characterization, coordination of complexes, and biosynthesis.
  1. a b c d Daintith, John. Facts on File Dictionary of Chemistry. 4th ed. New York: Checkmark Books, 2005. ISBN 0816056498
  2. Lassner, Erik. Tungsten: properties, chemistry, technology of the element, alloys, and chemical compounds. [S.l.]: Springer, 1999. 20–21 p. p. 256. ISBN 9780306450532
  3. a b c d e Stwertka, Albert. A Guide to the elements. 2nd ed. New York: Oxford University Press, 2002. ISBN 0195150260
  4. McMaster, J. and Enemark, John H. (1998). "The active sites of molybdenum- and tungsten-containing enzymes". Current Opinion in Chemical Biology 2 (2): 201–207. DOI:10.1016/S1367-5931(98)80061-6. PMID 9667924.
  5. Hille, Russ. (2002). "Molybdenum and tungsten in biology". Trends in Biochemical Sciences 27 (7): 360–367. DOI:10.1016/S0968-0004(02)02107-2. PMID 12114025.
  6. a b c "ITIA Newsletter" (PDF), International Tungsten Industry Association, June 2005. Página visitada em 2008-06-18.
  7. (em inglês)Tungsten - Los Alamos Nationl Laboratory, Chemistry Division
  8. a b Saunders, Nigel. Tungsten and the Elements of Groups 3 to 7 (The Periodic Table). Chicago, Illinois: Heinemann Library, February-2004. ISBN 1403435189
  9. a b "ITIA Newsletter" (PDF), International Tungsten Industry Association, December 2005. Página visitada em 2008-06-18.
  10. Stevens, Donald G.. (1999). "World War II Economic Warfare: The United States, Britain, and Portuguese Wolfram". The Historian. Questia.
  11. van der Krogt, Peter. Wolframium Wolfram Tungsten. Elementymology & Elements Multidict. Página visitada em 11 de março de 2010.
  12. a b c C. R. Hammond. The Elements, in Handbook of Chemistry and Physics 81st edition. [S.l.]: CRC press, 2004. ISBN 0849304857
  13. Erik Lassner, Wolf-Dieter Schubert. Tungsten: properties, chemistry, technology of the element, alloys, and chemical compounds. [S.l.]: Springer, 1999. p. 9. ISBN 0306450534
  14. Erik Lassner, Wolf-Dieter Schubert. Tungsten: properties, chemistry, technology of the element, alloys, and chemical compounds. [S.l.]: Springer, 1999. p. 86. ISBN 0306450534
  15. a b Emsley, John E.. The elements. 2nd ed. New York: Oxford University Press, 1991. ISBN 0198555695
  16. Morse, P. M.; Shelby, Q. D.; Kim, D. Y.; Girolami, G. S.. (2008). "Ethylene Complexes of the Early Transition Metals: Crystal Structures of [HfEt4(C2H4)2−] and the Negative-Oxidation-State Species [TaHEt(C2H4)33−] and [WH(C2H4)43−]". Organometallics 27: 984–993. DOI:10.1021/om701189e.
  17. Smith, Bradley J.. (2000). "Quantitative Determination of Sodium Metatungstate Speciation by 183W N.M.R. Spectroscopy". Australian Journal of Chemistry 53 (12): 965. CSIRO. DOI:10.1071/CH00140.
  18. F. A. Danevich et al.. (2003). "α activity of natural tungsten isotopes". Phys. Rev. C 67 (1). DOI:10.1103/PhysRevC.67.014310.
    C. Cozzini et al.. (2004). "Detection of the natural α decay of tungsten". Phys. Rev. C 70 (6). DOI:10.1103/PhysRevC.70.064606.
  19. a b c d Alejandro Sonzogni. Interactive Chart of Nuclides. Brookhaven National Laboratory. Página visitada em 2008-06-06.
  20. Lassner, Erik. Tungsten: Properties, Chemistry, Technology of the Element, Alloys and Chemical Compounds. [S.l.]: Springer, 1999. 409–411 p. ISBN 0306450534
  21. Stiefel, E. I.. (1998). "Transition metal sulfur chemistry and its relevance to molybdenum and tungsten enzymes". Pure & Appl. Chem. 70 (4): 889–896. DOI:10.1351/pac199870040889.
  22. Khangulov, S. V. et al.. (1998). "Selenium-Containing Formate Dehydrogenase H from Escherichia coli: A Molybdopterin Enzyme That Catalyzes Formate Oxidation without Oxygen Transfer". Biochemistry 37 (10): 3518–3528. DOI:10.1021/bi972177k. PMID 9521673.
  23. Schrader, Thomas; Rienhofer, Annette; Andreesen, Jan R.. (1999). "Selenium-containing xanthine dehydrogenase from Eubacterium barkeri". Eur. J. Biochem. 264 (3): 862–71. DOI:10.1046/j.1432-1327.1999.00678.x. PMID 10491134.
  24. (2008) "Tungsten, the Surprisingly Positively Acting Heavy Metal Element for Prokaryotes". Annals of the New York Academy of Sciences 1125: 215–229. DOI:10.1196/annals.1419.003. PMID 18096847.
  25. Petkewich, Rachel A.. (19 January 2009). "Unease over Tungsten". Chemical & Engineering News 87 (3): 63–65. ISSN 0009-2347.
  26. Inouye, L. S. et al. . (2006). "Tungsten effects on survival, growth, and reproduction in the earthworm, eisenia fetida". Environmental Toxicology & Chemistry 25 (3). DOI:10.1897/04-578R.1.
  27. McQuaid A; Lamand M; Mason J.. (1994). "Thiotungstate-copper interactions II. The effects of tetrathiotungstate on systemic copper metabolism in normal and copper-treated rats". J Inorg Biochem 53 (3). DOI:10.1016/0162-0134(94)80005-7.
  28. Erik Lassner, Wolf-Dieter Schubert, Eberhard Lüderitz, Hans Uwe Wolf, "Tungsten, Tungsten Alloys, and Tungsten Compounds" in Ullmann's Encyclopedia of Industrial Chemistry, Wiley-VCH, Weinheim. DOI:10.1002/14356007.a27_229.
  29. The Canadian Encyclopaedia. Página visitada em 2009-05-05.
  30. Knack Planning Your Wedding: A Step-by-Step Guide to Creating Your Perfect Day. [S.l.]: Globe Pequot, 8 December 2009. 35– p. ISBN 978-1-59921-397-2 Página visitada em 7 August 2011.
  31. Ken Schultz. Ken Schultz's Essentials of Fishing: The Only Guide You Need to Catch Freshwater and Saltwater Fish. [S.l.]: John Wiley and Sons, 18 November 2009. 138– p. ISBN 978-0-470-44431-3 Página visitada em 7 August 2011.
  32. Tungsten Applications – Steel. azom.com (2000–2008). Página visitada em 2008-06-18.
  33. Ramakrishnan, P.. Powder metallurgy: processing for automotive, electrical/electronic and engineering industry. [S.l.]: New Age International, 2007-01-01. p. 38. ISBN 8122420303
  34. Dense Inert Metal Explosive (DIME). Defense-update.com. Retrieved on 2011-08-07.
  35. Turrell, Kerry. Tungsten. [S.l.]: Marshall Cavendish, 2004. p. 24. ISBN 0761415483
  36. Hesse, Rayner W.. Jewelrymaking through history: an encyclopedia. Westport, Conn.: Greenwood Press, 2007. 190–192 p. ISBN 9780313335075
  37. Gray, Theo. "How to Make Convincing Fake-Gold Bars", Popular Science, March 14, 2008. Página visitada em 2008-06-18.
  38. DeGarmo, E. Paul. Materials and Processes in Manufacturing, 5th ed.. [S.l.]: New York: MacMillan Publishing, 1979.
  39. a b Schey, John A.. Introduction to Manufacturing Processes, 2nd ed.. [S.l.]: McGraw-Hill, Inc, 1987.
  40. Hasz, Wayne Charles et al. "X-ray target" US Patent 6428904, August 6, 2002
  41. Johnson, R. T.; O. E. Vilches, J. C. Wheatley, Suso Gygax. (1966-01-17). "Superconductivity of Tungsten". Physical Review Letters 16 (3): 101–104. DOI:10.1103/PhysRevLett.16.101.
  42. Li, Wuxia; J. C. Fenton, Yiqian Wang, D. W. McComb, P. A. Warburton. (2008). "Tunability of the superconductivity of tungsten films grown by focused-ion-beam direct writing". Journal of Applied Physics 104 (9): 093913. DOI:10.1063/1.3013444. ISSN 00218979.
  43. Autler, S. H.; J. K. Hulm, R. S. Kemper. (1965-11-15). "Superconducting Technetium-Tungsten Alloys". Physical Review 140 (4A): A1177–A1180. DOI:10.1103/PhysRev.140.A1177.
  44. Shailos, A; W Nativel, A Kasumov, C Collet, M Ferrier, S Guéron, R Deblock, H Bouchiat. (2007-09). "Proximity effect and multiple Andreev reflections in few-layer graphene". Europhysics Letters (EPL) 79: 57008. DOI:10.1209/0295-5075/79/57008. ISSN 1286-4854 0295-5075, 1286-4854.
  45. Kasumov, A. Yu.; K. Tsukagoshi, M. Kawamura, T. Kobayashi, Y. Aoyagi, K. Senba, T. Kodama, H. Nishikawa, I. Ikemoto, K. Kikuchi, V. T. Volkov, Yu. A. Kasumov, R. Deblock, S. Guéron, H. Bouchiat. (2005-07-25). "Proximity effect in a superconductor-metallofullerene-superconductor molecular junction". Physical Review B 72 (3): 033414. DOI:10.1103/PhysRevB.72.033414.
  46. Kirk, M. D.; D. P. E. Smith, D. B. Mitzi, J. Z. Sun, D. J. Webb, K. Char, M. R. Hahn, M. Naito, B. Oh, M. R. Beasley, T. H. Geballe, R. H. Hammond, A. Kapitulnik, C. F. Quate. (1987-06-01). "Point-contact electron tunneling into the high-T_{c} superconductor Y-Ba-Cu-O". Physical Review B 35 (16): 8850-8852. DOI:10.1103/PhysRevB.35.8850.
  47. a b Shedd, Kim B.. "Tungsten (table 15)" (PDF), United States Geological Survey. Página visitada em 30-08-2011.
  48. Em toneladas de W contido nos concentrados produzidos
  49. United States Geological SurveyTítulo não preenchido, favor adicionar. Página visitada em 30 de agosto de 22011.
  50. Em toneladas de W
  51. Metal Bulletin. Página visitada em 2009-05-05.
  52. Strigul, N; Koutsospyros, A; Arienti, P; Christodoulatos, C; Dermatas, D; Braida, W. (Oct 2005). "Effects of tungsten on environmental systems.". Chemosphere 61 (2): 248–58. DOI:10.1016/j.chemosphere.2005.01.083. PMID 16168748.
  53. Koutsospyros, A.; Braida, W.; Christodoulatos, C.; Dermatas, D.; Strigul, N.. (2006). "A review of tungsten: From environmental obscurity to scrutiny". Journal of Hazardous Materials 136 (1): 1–19. DOI:10.1016/j.jhazmat.2005.11.007. PMID 16343746.
  54. (2002) "Metabolism and toxicity of tungsten in humans and animals.". Metal ions in biological systems 39: 741–59. PMID 11913143. also reported in Astrid Sigel, Helmut Sigel. Molybdenum and tungsten: their roles in biological processes. [S.l.]: CRC Press, 2002. p. 741 ff. ISBN 0824707656
  55. Masten, Scott (2003). Tungsten and Selected Tungsten Compounds – Review of Toxicological Literature. National Institute of Environmental Health Sciences. Página visitada em 2009-03-19.
  56. Marquet, P. et al.. (1997). "Tungsten determination in biological fluids, hair and nails by plasma emission spectrometry in a case of severe acute intoxication in man.". Journal of forensic sciences 42 (3): 527–30. PMID 9144946.
  57. General Electric Co. v. De Forest Radio Co., 28 F.2d 641, 643 (3rd Cir. 1928)
  58. Protection of global biodiversity: converging strategies. [S.l.]: Duke University Press, 1998. 333– p. ISBN 978-0-8223-2188-0 Página visitada em 7 August 2011.
This page is based on data from Wikipedia (read/edit), Freebase, Amazon and YouTube under respective licenses.
Text is released under the Creative Commons Attribution-ShareAlike License.