.
Want Wikipedia to look like this?   
Click here to upgrade your Wikipedia experience
São Paulo (cidade) | QuickiWiki

São Paulo (cidade)

  PO

Overview

Município de São Paulo
"Terra da garoa"
"Sampa"
"Pauliceia"

Do topo, da esquerda para a direita: Ponte Octávio Frias de Oliveira; Museu de Arte de São Paulo (MASP) na Avenida Paulista; Catedral Metropolitana de São Paulo; visão geral do centro velho da cidade; Parque Ibirapuera; Estação da Luz e panorama da cidade à noite.
Bandeira de São Paulo
Brasão de São Paulo
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 25 de janeiro de 1554 (460 anos)
Gentílico paulistano
Lema Non dvcor dvco
"Não sou conduzido, conduzo"
Prefeito(a) Fernando Haddad (PT)
(2013–2016)
Localização
Localização de São Paulo
Localização de São Paulo em São Paulo
São Paulo está localizado em: Brasil
São Paulo
Localização de São Paulo no Brasil
23° 32' 52" S 46° 38' 09" O23° 32' 52" S 46° 38' 09" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Metropolitana de São Paulo IBGE/2013 [1]
Microrregião São Paulo IBGE/2013 [2]
Região metropolitana São Paulo
Municípios limítrofes
Distância até a capital 1 015 km[3] [4]
Características geográficas
Área 1 522,986 km² (SP: 9º)[5]
População 11 895 893 hab. (SP: 1º) –  estimativa populacional - IBGE/2014[6]
Densidade 7 810,9 hab./km²
Altitude 760 m [7]
Clima Subtropical úmido Cfa[8]
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,805 (SP: 14°) – muito alto PNUD/2010[9]
PIB R$ Aumento477 005 597 mil (BR: 1º) – IBGE/2011[10]
PIB per capita R$ 42 152,76 IBGE/2011[11]
Página oficial
Prefeitura www.capital.sp.gov.br
Câmara www.camara.sp.gov.br


Do topo, da esquerda para a direita: Ponte Octávio Frias de Oliveira; Museu de Arte de São Paulo (MASP) na Avenida Paulista; Catedral Metropolitana de São Paulo; visão geral do centro velho da cidade; Parque Ibirapuera; Estação da Luz e panorama da cidade à noite. - São Paulo (cidade)
Do topo, da esquerda para a direita: Ponte Octávio Frias de Oliveira; Museu de Arte de São Paulo (MASP) na Avenida Paulista; Catedral Metropolitana de São Paulo; visão geral do centro velho da cidade; Parque Ibirapuera; Estação da Luz e panorama da cidade à noite.

São Paulo (pronuncia-se AFI[sɐ̃w̃ ˈpawlu] link=. ouça) é um município brasileiro, capital do estado de São Paulo e principal centro financeiro, corporativo e mercantil da América do Sul.[12] É a cidade mais populosa do Brasil, do continente americano, da lusofonia e de todo o hemisfério sul.[6] São Paulo é a cidade brasileira mais influente no cenário global, sendo considerada a 14ª cidade mais globalizada do planeta,[12] recebendo a classificação de cidade global alfa, por parte do Globalization and World Cities Study Group & Network (GaWC).[13] O lema da cidade, presente em seu brasão oficial, é "Non ducor, duco", frase latina que significa "Não sou conduzido, conduzo".[14]

Fundada em 1554 por padres jesuítas, a cidade é mundialmente conhecida e exerce significativa influência nacional e internacional, seja do ponto de vista cultural, econômico ou político. Conta com importantes monumentos, parques e museus, como o Memorial da América Latina, o Museu da Língua Portuguesa, o Museu do Ipiranga, o MASP, o Parque Ibirapuera, o Jardim Botânico de São Paulo e a avenida Paulista, e eventos de grande repercussão, como a Bienal Internacional de Arte, o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1, São Paulo Fashion Week e a São Paulo Indy 300.

O município possui o 10º maior PIB do mundo,[15] representando, isoladamente, 11,5% de todo o PIB brasileiro[10] e 36% de toda a produção de bens e serviços do estado de São Paulo, sendo sede de 63% das multinacionais estabelecidas no Brasil,[16] além de ter sido responsável por 28% de toda a produção científica nacional em 2005.[17] A cidade também é a sede da Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBovespa), a segunda maior bolsa de valores do mundo em valor de mercado.[18] São Paulo também concentra muitos dos edifícios mais altos do Brasil, como os edifícios Mirante do Vale, Itália, Altino Arantes, a Torre Norte, entre outros.

São Paulo é a sétima cidade mais populosa do planeta e sua região metropolitana, com cerca de 20 milhões de habitantes,[19] é a oitava maior aglomeração urbana do mundo.[20] Regiões ao redor da Grande São Paulo também são metrópoles, como Campinas, Baixada Santista e Vale do Paraíba; além de outras cidades próximas, que compreendem aglomerações urbanas em processo de conurbação, como Sorocaba e Jundiaí. Esse complexo de metrópoles — o chamado Complexo Metropolitano Expandido — ultrapassa 30 milhões de habitantes (cerca de 75% da população do estado) e forma a primeira megalópole do hemisfério sul.[21]

História

Período colonial

Fundação de São Paulo, quadro de 1913 de Antônio Parreiras. - São Paulo (cidade)
Fundação de São Paulo, quadro de 1913 de Antônio Parreiras.

A povoação de São Paulo de Piratininga surgiu em 25 de janeiro de 1554 com a construção de um colégio jesuíta por doze padres, entre eles Manuel da Nóbrega e José de Anchieta, no alto de uma colina escarpada, entre os rios Anhangabaú e Tamanduateí.[22] Tal colégio, que funcionava num barracão feito de taipa de pilão, tinha, por finalidade, a catequese dos índios que viviam na região do Planalto de Piratininga, separados do litoral pela Serra do Mar, chamada pelos índios de "Serra de Paranapiacaba".[23]

O nome São Paulo foi escolhido porque o dia da fundação do colégio foi 25 de janeiro, mesmo dia no qual a Igreja Católica celebra a conversão do apóstolo Paulo de Tarso, conforme disse o padre José de Anchieta em carta à Companhia de Jesus:[24]

Cquote1.svg A 25 de Janeiro do Ano do Senhor de 1554 celebramos, em paupérrima e estreitíssima casinha, a primeira missa, no dia da conversão do Apóstolo São Paulo e, por isso, a ele dedicamos nossa casa![24] Cquote2.svg
José de Anchieta

O povoamento da região do Pátio do Colégio teve início em 1560, quando, na visita de Mem de Sá, governador-geral do Brasil, à Capitania de São Vicente, este ordenou a transferência da população da Vila de Santo André da Borda do Campo, que fora criada por Tomé de Sousa em 1553, para os arredores do colégio, denominado "Colégio de São Paulo de Piratininga", local alto e mais adequado (uma colina escarpada vizinha a uma grande várzea, a Várzea do Carmo, por um lado e, pelo outro lado, por outra baixada, o Vale do Anhangabaú), para melhor se proteger dos ataques dos índios.[22] Desta forma, em 1560, a Vila de Santo André da Borda do Campo foi transferida para a região do Pátio do Colégio de São Paulo e passou a se denominar Vila de São Paulo, pertencente à Capitania de São Vicente.[25]

Pátio do Colégio, no Centro Histórico de São Paulo. Neste local, foi fundada a cidade, em 1554. O prédio atual é uma reconstrução feita na segunda metade do século XX, tendo, como modelos, o colégio e igreja jesuítas que foram erigidos no local em 1653.[26] - São Paulo (cidade)
Pátio do Colégio, no Centro Histórico de São Paulo. Neste local, foi fundada a cidade, em 1554. O prédio atual é uma reconstrução feita na segunda metade do século XX, tendo, como modelos, o colégio e igreja jesuítas que foram erigidos no local em 1653.[26]

São Paulo permaneceu, durante os dois séculos seguintes, como uma vila pobre e isolada do centro de gravidade da colônia, o litoral e se mantinha por meio de lavouras de subsistência. São Paulo foi, por muito tempo, a única vila no interior do Brasil. Esse isolamento de São Paulo se dava principalmente porque era dificílimo subir a Serra do Mar a pé da Vila de Santos ou da Vila de São Vicente para o Planalto de Piratininga. Subida esta que era feita pelo Caminho do Padre José de Anchieta.[27] Mem de Sá, quando de sua visita à Capitania de São Vicente, proibira o uso do "Caminho do Piraiquê" (hoje Piaçaguera), por serem, nele, frequentes os ataques dos índios.[22]

Em 22 de março de 1681, o Marquês de Cascais, donatário da Capitania de São Vicente, transferiu a capital da Capitania de São Vicente para a Vila de São Paulo, que passou a ser a "Cabeça da Capitania". A nova capital foi instalada, em 23 de abril de 1683, com grandes festejos públicos.[28]

Por ser a região mais pobre da colônia portuguesa na América, em São Paulo teve início a atividade dos bandeirantes, que se dispersaram pelo interior do país à caça de índios porque, sendo extremamente pobres, os paulistas não podiam comprar escravos africanos. Saíam, também, em busca de ouro e de diamantes. A descoberta do ouro na região de Minas Gerais, na década de 1690, fez com que as atenções do reino se voltassem para São Paulo. Foi criada, então, em 3 de novembro de 1709, a nova Capitania Real de São Paulo e Minas do Ouro, quando foram compradas, pela coroa portuguesa, a Capitania de São Paulo e a Capitania de Santo Amaro de seus antigos donatários. Em 11 de julho de 1711, a Vila de São Paulo foi elevada à categoria de cidade. Logo em seguida, por volta de 1720, foi encontrado ouro, pelos bandeirantes, nas regiões onde se encontram hoje a cidade de Cuiabá e a Cidade de Goiás, fato que levou à expansão do território brasileiro para além da Linha de Tordesilhas.[29]

Quando o ouro esgotou, no final do século XVIII, teve início o ciclo econômico paulista da cana-de-açúcar, que se espalhou pelo interior da Capitania de São Paulo. Pela cidade de São Paulo, era escoada a produção açucareira para o Porto de Santos. Nessa época, foi construída a primeira estrada moderna entre São Paulo e o litoral: a Calçada do Lorena.[30]

Período imperial

Após a Independência do Brasil, ocorrida onde hoje fica o Monumento do Ipiranga, São Paulo recebeu o título de Imperial Cidade, conferido por Dom Pedro I do Brasil em 1823. Em 1827, houve a criação de cursos jurídicos no Convento de São Francisco (que daria origem à futura Faculdade de Direito do Largo de São Francisco), e isso deu um novo impulso de crescimento à cidade, com o fluxo de estudantes e professores, graças ao qual, a cidade passa a ser denominada Imperial Cidade e Burgo dos Estudantes de São Paulo de Piratininga.[31] [32]

Outro fator do crescimento de São Paulo foi a expansão da produção do café, inicialmente na região do Vale do Paraíba paulista, e depois nas regiões de Campinas, Rio Claro, São Carlos e Ribeirão Preto. De 1869 em diante, São Paulo passa a beneficiar-se de uma ferrovia que liga o interior da província de São Paulo ao porto de Santos, a Estrada de Ferro Santos-Jundiaí, chamada de A Inglesa.[32]

Surgem, no final do século XIX, várias outras ferrovias que ligam o interior do estado à capital, São Paulo. São Paulo tornou-se, então, o ponto de convergência de todas as ferrovias vindas do interior do estado. A produção e exportação de café permite à cidade e à província de São Paulo, depois chamada de Estado de São Paulo, um grande crescimento econômico e populacional.[32]

De meados desse século até o seu final, foi o período que a província começou a receber uma grande quantidade de imigrantes, em boa parte italianos, dos quais muitos se fixaram na capital, e as primeiras indústrias começaram a se instalar.[32]

República Velha

Guilherme Gaensly. Rua Libero Badaró, sentido Praça do Patriarca, c. 1920. Instituto Moreira Salles, São Paulo. - São Paulo (cidade)
Guilherme Gaensly. Rua Libero Badaró, sentido Praça do Patriarca, c. 1920. Instituto Moreira Salles, São Paulo.

Com o fim do Segundo Reinado e início da República a cidade de São Paulo, assim como o estado de São Paulo, tem grande crescimento econômico e populacional, também auxiliado pela política do café com leite e pela grande imigração europeia e asiática para São Paulo. Sobre o grande número de imigrantes na capital paulista, Cornélio Pires recolheu, em seu livro "Sambas e Cateretês", uma modinha, de 1911, de Dino Cipriano, que descreve a impressão que o homem do interior tinha da capital paulista:[33]

Cquote1.svg  !Só úa coisa aquí in S. Pólo que eu já ponhei in reparo: que só se vê é estrangero! Brasilêro é muito raro! Cquote2.svg
Dino Cipriano[34]

Durante a República Velha (1889-1930), São Paulo passou de centro regional a metrópole nacional, se industrializando e chegando a seu primeiro milhão de habitantes em 1928. Seu maior crescimento, neste período, relativo se deu, na década de 1890, quando dobrou sua população. O auge do período do café é representado pela construção da segunda Estação da Luz (o atual edifício) no fim do século XIX e pela avenida Paulista em 1900, onde se construíram muitas mansões.[33]

O vale do rio Anhangabaú é ajardinado e a região situada à sua margem esquerda passa a ser conhecida como Centro Novo. A sede do governo paulista é transferida, no início do século XX, do Pátio do Colégio para os Campos Elísios. São Paulo abrigou, em 1922, a Semana de arte moderna que foi um marco na história da arte no Brasil. Em 1929, São Paulo ganha seu primeiro arranha-céu, o edifício Martinelli.[33]

As modificações realizadas na cidade por Antônio da Silva Prado, o Barão de Duprat e Washington Luís, que governaram de 1899 a 1919, contribuíram para o clima de desenvolvimento da cidade; alguns estudiosos consideram que a cidade inteira foi demolida e reconstruída naquele período.[35]

Com o crescimento industrial da cidade, no século XX, para a qual contribuiu também as dificuldades de acesso às importações durante a Primeira Guerra Mundial, a área urbanizada da cidade passou a aumentar, sendo que alguns bairros residenciais foram construídos em lugares de chácaras. A partir da década de 1920 com a retificação do curso de rio Pinheiros e reversão de suas águas para alimentar a Usina Hidrelétrica Henry Borden, terminaram os alagamentos nas proximidades daquele rio, permitindo que surgisse na zona oeste de São Paulo, loteamentos de alto padrão conhecidos hoje como a "Região dos Jardins".[33] [36]

Revolução de 1932 à contemporaneidade

Multidão reunida em protesto ao assassinato dos estudantes MMDC durante a Revolução Constitucionalista de 1932. - São Paulo (cidade)
Multidão reunida em protesto ao assassinato dos estudantes MMDC durante a Revolução Constitucionalista de 1932.

Em 1932, São Paulo se mobiliza no seu maior movimento cívico: a revolução constitucionalista, quando toda a população se engaja na guerra contra o "Governo Provisório" de Getúlio Vargas. Em 1934, com a reunião de algumas faculdades criadas no século XIX e a criação de outras, é fundada a Universidade de São Paulo (USP), hoje a maior do Brasil.[37] [38] Outro grande surto industrial deu-se, durante a Segunda Guerra Mundial, devido à crise na cafeicultura na década de 1930 e às restrições ao comércio internacional durante a guerra, o que fez a cidade ter uma taxa de crescimento econômico muito elevada que se manteve elevada no pós-guerra.[39]

Em 1947, São Paulo ganha sua primeira rodovia asfaltada: a Via Anchieta (construída sobre o antigo traçado do Caminho do Padre José de Anchieta), liga a capital ao litoral paulista. Na década de 1950, São Paulo era conhecida como A cidade que não pode parar e como A cidade que mais cresce no mundo.[39]

São Paulo realizou uma grande comemoração, em 1954, do "Quarto Centenário" de fundação da cidade. É inaugurado o Parque do Ibirapuera, lançados muitos livros históricos e descoberta a nascente do rio Tietê em Salesópolis. Com a transferência, a partir da década de 1950, de parte do centro financeiro da cidade que fica localizado no centro histórico (na região chamada de "Triângulo Histórico"), para a Avenida Paulista, as suas mansões foram, na sua maioria, substituídas por grandes edifícios.[39]

Avenida Prestes Maia, onde hoje está o Anhangabaú, em 1974. - São Paulo (cidade)
Avenida Prestes Maia, onde hoje está o Anhangabaú, em 1974.

No período da década de 1930 até a década de 1960, os grandes empreendedores do desenvolvimento de São Paulo foram o prefeito Francisco Prestes Maia e o governador do estado de São Paulo Ademar de Barros, o qual também foi prefeito de São Paulo entre 1957 e 1961. Prestes Maia projetou e implantou, na década de 1930, o "Plano de Avenidas para a Cidade de São Paulo", que revolucionou o trânsito de São Paulo.[40]

Estes dois governantes são os responsáveis, também, pelas duas maiores intervenções urbanas, depois do Plano de Avenidas, e que mudaram São Paulo: a retificação do rio Tietê com a construção de suas marginais e do Metrô de São Paulo: em 13 de fevereiro de 1963, o governador Ademar de Barros e o prefeito Prestes Maia criaram as comissões (estadual e municipal) de estudos para a elaboração do projeto básico do Metrô de São Paulo, e destinaram ao Metrô suas primeiras verbas.[41]

No início dos anos 1960, São Paulo já somava quatro milhões de habitantes. Iniciado a sua construção em 1968, na gestão do prefeito José Vicente de Faria Lima, o metrô paulistano começou a operar comercialmente em 14 de setembro de 1974 e atualmente conta com uma rede de 75,5 quilômetros de extensão e 63 estações.[42]

Atualmente, o crescimento tem-se desacelerado, devido ao crescimento industrial de outras regiões do Brasil. As últimas décadas atestaram uma nítida transformação em seu perfil econômico, que vem adquirindo, cada vez mais, matizes de um grande polo nacional de serviços e negócios, sendo considerada, hoje, um dos mais importantes centros de comércio global da América Latina.[43]

Vista panorâmica da cidade com destaque para o Espigão da Paulista - São Paulo (cidade)
Vista panorâmica da cidade com destaque para o Espigão da Paulista

Geografia

São Paulo é a capital do estado mais populoso do Brasil, São Paulo, situando-se próximo ao paralelo 23º32'52'' sul e do meridiano 46º38'09'' oeste. A área total do município é de 1 522,986 km², de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sendo o nono maior em extensão territorial.[5] De toda a área do município, 968,3248 km² são de áreas urbanas, sendo a maior área urbana do país.[7]

São Paulo está localizada junto à bacia do rio Tietê, tendo as sub-bacias do rio Pinheiros e do rio Tamanduateí papéis importantes em sua configuração. São Paulo tem a altitude média de 760 metros.[7] O ponto culminante do município é o Pico do Jaraguá, com 1 135 metros,[44] localizado Parque Estadual do Jaraguá, na serra da Cantareira, onde se encontra também a segunda maior floresta urbana do mundo, no Parque da Cantareira.[45] [46]

O intenso processo de conurbação atualmente em curso na Grande São Paulo tem tornado inefetivas as fronteiras políticas entre os municípios da região, criando uma metrópole cujo centro está em São Paulo e atinge municípios, como por exemplo, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema (a chamada Região do Grande ABC), Osasco e Guarulhos, entre várias outros. A Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) foi criada no ano de 1973 e atualmente é constituída por 39 municípios, sendo a maior aglomeração urbana do Brasil e a terceira maior das Américas,[20] com 20 820 093 habitantes.[6] Seu Produto Interno Bruto (PIB) somava em 2009 cerca de 613 bilhões de reais.[10]

Clima

Tempestade com relâmpagos na cidade. - São Paulo (cidade)
Tempestade com relâmpagos na cidade.

O clima de São Paulo é considerado subtropical úmido (do tipo Cfa/Cwa na classificação climática de Köppen-Geiger),[8] com diminuição de chuvas no inverno e temperatura média anual em torno dos 19,3 °C, tendo invernos brandos e verões com temperaturas moderadamente altas, aumentadas pelo efeito da poluição e da altíssima concentração de edifícios. O mês mais quente do ano é fevereiro (22,4 °C), e o mais frio é julho (15,8 °C).[47] A precipitação média é de 1 441 milímetros anuais, concentrados principalmente no verão.[48] O tempo de insolação é de cerca de 2 000 horas anuais,[49] e a umidade do ar é relativamente elevada, com médias entre 75 % e 80 %.[50] As estações do ano são relativamente bem definidas: o inverno é ameno e subseco, e o verão, moderadamente quente e chuvoso. Outono e primavera são estações de transição. Geadas ocorrem esporadicamente em regiões mais afastadas do centro, e em invernos rigorosos, em boa parte do município.[51]

Maiores acumulados de chuva em 24 horas registrados
em São Paulo (Mirante de Santana) por meses
Mês Acumulado Data Mês Acumulado Data
Janeiro 106,4 mm 16/01/1991 Julho 70,8 mm 02/07/1976
Fevereiro 109,5 mm 28/02/2011 Agosto 45,9 mm 28/08/2000
Março 106,2 mm 11/03/1994 Setembro 78,1 mm 09/09/2009
Abril 77,9 mm 25/04/1991 Outubro 72,7 mm 07/10/1991
Maio 140,4 mm 25/05/2005 Novembro 91,1 mm 25/11/2002
Junho 74 mm 15/06/1987 Dezembro 151,8 mm 21/12/1988
Fonte: Rede de dados do INMET. Período: 1961 a 2013.[52]

Apesar da maritimidade que evita maiores variações de temperatura, a altitude de São Paulo faz com que nos meses mais quentes sejam poucas as noites e madrugadas quentes na cidade, sendo que as temperaturas mínimas raramente são superiores a 23 °C num período de 24 horas. No inverno, porém, o ingresso de fortes massas de ar polar acompanhadas de excessiva nebulosidade às vezes fazem com que as temperaturas permaneçam muito baixas, mesmo durante a tarde. Tardes com temperaturas máximas que variam entre 14 °C e 16 °C são comuns até mesmo durante o outono e o início da primavera. Durante o inverno, já houve vários registros de tardes em que a temperatura sequer ultrapassou a marca dos 10 °C, como em 15 de agosto de 1999.[53]

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período entre 1961 a 2013, a menor temperatura registrada em São Paulo, no Mirante de Santana, foi de 0,8 °C em 10 de julho de 1994,[54] mas o recorde mínimo foi de -2,1 °C, registrada em 2 de agosto de 1955.[55] Já a maior temperatura atingiu a marca de 37 °C em 20 de janeiro de 1999.[56] O maior acumulado de chuva observado em 24 horas foi de 151,8 milímetros em 21 de dezembro de 1988 e o maior volume ocorrido em um mês foi de 607,9 milímetros em março de 2006.[57]

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para São Paulo Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 37 34,7 34,3 33,4 31,7 28,8 30,2 33 35,3 36,6 35,3 34,8 37
Temperatura máxima média (°C) 27,3 28 27,2 25,1 23 21,8 21,8 23,3 23,9 24,8 25,9 26,3 24,9
Temperatura média (°C) 22,1 22,4 21,8 19,7 17,4 16,3 15,8 17,1 17,9 19 20,2 21,1 19,2
Temperatura mínima média (°C) 18,7 18,8 18,2 16,3 13,8 12,4 11,7 12,8 13,9 15,3 16,6 17,7 15,5
Temperatura mínima registrada (°C) 11,9 12,4 12 6,8 3,7 1,2 0,8 3,4 3,5 7 7 10,3 0,8
Chuva (mm) 237,4 221,5 160,5 72,6 71,4 50,1 43,9 39,6 70,7 126,9 145,8 200,7 1 441
Dias com chuva (≥ 1 mm) 15 14 11 7 6 4 4 4 7 10 11 14 107
Umidade relativa (%) 80 79 80 80 79 78 77 74 77 79 78 80 78,4
Horas de sol 170,6 162,2 167,1 165,8 182,3 172,6 187,1 175,3 152,6 153,9 163 150,8 2 003,3
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (médias climatológicas de 1961 a 1990;[47] [58] [59] [48] [60] [49] [50] recordes de temperatura de 1961 a 2013).[54] [56]

Problemas ambientais

Poluição visível no rio Tietê. A degradação dos recursos hídricos é um problema crônico da cidade. - São Paulo (cidade)
Poluição visível no rio Tietê. A degradação dos recursos hídricos é um problema crônico da cidade.

A poluição do ar no município é intensa,[61] devido principalmente à enorme quantidade de automóveis que circulam diariamente em suas ruas, avenidas e rodovias. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estabelece um limite de 20 microgramas de material particulado por metro cúbico de ar como uma média anual segura. Em uma avaliação realizada pela OMS entre mais mil cidades ao redor do mundo em 2011, a cidade de São Paulo foi classificada na 268ª posição entre as mais poluídas, com uma taxa média de 38 microgramas por metro cúbico, índice bastante superior ao limite imposto pela organização, mas inferior ao de outras cidades brasileiras, como o Rio de Janeiro (64 microgramas por metro cúbico).[62] Um estudo de 2013 apontou que a poluição atmosférica na cidade causa mais mortes do que os acidentes de trânsito.[63]

Além da poluição atmosférica, o município tem sérios problemas devido à poluição hídrica, concentrada principalmente em seus dois principais rios, o rio Tietê e o rio Pinheiros, que estão altamente degradados e são alguns dos rios mais poluídos do país.[64] Atualmente o rio Tietê passa por um programa de despoluição que dura alguns anos.

Smog visto no horizonte da região do Ibirapuera. - São Paulo (cidade)
Smog visto no horizonte da região do Ibirapuera.

O problema do abastecimento equilibrado de água para a cidade - e para a metrópole, de uma forma geral - também se configura como questão preocupante: São Paulo possui poucas fontes de água em seu próprio perímetro, tendo de buscá-la em bacias hidrográficas distantes. O problema da poluição da água também é agravado pela ocupação irregular das áreas de mananciais, ocasionada pela expansão urbana, impulsionada pela dificuldade de acesso à terra e à moradia em áreas centrais por parte da população de baixa renda[65] e associada à especulação imobiliária e precariedade nos novos loteamentos. Com isto, também ocorre uma sobrevalorização do transporte individual sobre o transporte coletivo - levando à atual taxa de mais de um veículo para cada dois habitantes e agravando o problema da poluição ambiental.[66]

Parques e espaços públicos

Com 21% da área do município coberta por área verde[67] (incluindo reservas ecológicas), São Paulo possui quarenta parques municipais e estaduais,[68] como o Parque Estadual Turístico da Cantareira, que abriga uma das maiores florestas urbanas do planeta com 7 900 hectares,[69] o Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, o Parque Ibirapuera, o Parque Ecológico do Tietê, o Parque Estadual do Jaraguá, tombado como Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 1994, a Área de Proteção Ambiental Capivari-Monos, o Parque Estadual da Serra do Mar, o Parque Anhanguera, o Parque Villa-Lobos, o Parque do Povo, entre outros. Apesar disso, a cidade de São Paulo possui apenas entre cinco e seis metros quadrados de área verde por habitante, abaixo dos 12 m² por habitante recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).[70]

Panorama de um dos lagos do Parque Ibirapuera com o Obelisco e a cidade ao fundo. Em 2013 foi eleito o melhor parque da América do Sul pelos usuários do site TripAdvisor.[71] - São Paulo (cidade)
Panorama de um dos lagos do Parque Ibirapuera com o Obelisco e a cidade ao fundo. Em 2013 foi eleito o melhor parque da América do Sul pelos usuários do site TripAdvisor.[71]

Demografia

Crescimento populacional
Censo Pop.
1872 31 385
1890 64 934 106,9%
1900 239 620 269,0%
1920 579 033 141,6%
1940 1 326 261 129,0%
1950 2 198 096 65,7%
1960 2 781 446 26,5%
1970 5 924 615 113,0%
1980 8 493 226 43,4%
1991 9 646 185 13,6%
2000 10 434 252 8,2%
2010 11 244 369 7,8%
Fonte:[72]

São Paulo é o município mais populoso do estado e do Brasil. Sua população estimada pelo IBGE em 2014 foi de 11 895 893 habitantes, com uma densidade demográfica de 7 762,3 habitantes por quilômetro quadrado.[6] Em 2010, a população do município foi contada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 11 244 369 habitantes, apresentando uma densidade populacional de 7 383,11 habitantes por km².[73] Conforme o censo de 2010, 5 323 385 habitantes eram homens e 5 920 984 habitantes eram mulheres. Ainda segundo o mesmo censo, 99,1% da população era urbana (11 125 243 habitantes viviam na zona urbana e 19 126 na zona rural).[73] [74] Segundo o censo de 2010 do IBGE, a população paulistana é formada por: brancos (60,64%), pardos (30,51%), negros (6,54%), amarelos (2,19%) e indígenas (0,12%).[75]

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de São Paulo (ano 2010), considerado muito alto pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), é de 0,805, sendo o 14° maior de todo estado de São Paulo. Considerando apenas a Educação, o índice é de 0,725 (alto), enquanto o do Brasil é 0,637;[76] o índice da longevidade é de 0,855 (o brasileiro é 0,816); e o de renda é de 0,843 (o do país é 0,739).[9] A renda per capita é de 32 493,96 reais.[10]

O coeficiente de Gini do município, que mede a desigualdade social, é de 0,45 (2003), sendo que 1,00 é o pior número e 0,00 é o melhor.[77] A incidência da pobreza, medida pelo IBGE, é de 28,09%, o limite inferior da incidência de pobreza é de 26,16%, o superior é de 30,02% e a incidência da pobreza subjetiva é de 10,60%.[77]

Imigrantes e migrantes

Imigrantes italianos posando para fotografia no pátio central da Hospedaria dos Imigrantes (atual Memorial do Imigrante), ca. 1890. - São Paulo (cidade)
Imigrantes italianos posando para fotografia no pátio central da Hospedaria dos Imigrantes (atual Memorial do Imigrante), ca. 1890.

São Paulo é a cidade mais multicultural do Brasil e uma das mais diversas do mundo. Desde 1870, aproximadamente 2,3 milhões de imigrantes chegaram ao estado, vindos de todas as partes do mundo. Atualmente, é a cidade com as maiores populações de origens étnicas italiana, portuguesa, japonesa, espanhola, libanesa e árabe fora de seus países respectivos,[78] e com o maior contigente de nordestinos fora do Nordeste.[79]

A comunidade italiana é uma das mais fortes, marcando presença em toda a cidade. Dos dez milhões de habitantes de São Paulo, 60% (seis milhões de pessoas) possuem alguma ascendência italiana. São Paulo tem mais descendentes de italianos que qualquer outra cidade italiana (a maior cidade da Itália é Roma, com 2,5 milhões de habitantes). Ainda hoje, os italianos agrupam-se em bairros como o Bixiga, Brás e Mooca para promover comemorações e festas.[80] No início do século XX, o italiano e seus dialetos eram tão falados quanto o português na cidade, o que influenciou na formação do dialeto paulistano da atualidade.[81] São Paulo é a segunda maior cidade consumidora de pizza do mundo. São seis mil pizzarias produzindo cerca de um milhão de pizzas por dia.[82] [83]

A comunidade portuguesa também é bastante numerosa, e estima-se que três milhões de paulistanos possuem alguma origem em Portugal.[84] A colônia judaica representa mais de 60 mil pessoas em São Paulo e concentra-se principalmente em Higienópolis (presença maior) e no Bom Retiro (presença menor, atualmente). A partir do século XIX, e especialmente durante a primeira metade do século XX, São Paulo recebeu também imigrantes alemães (no atual bairro de Santo Amaro), espanhóis e lituanos (no bairro Vila Zelina). Podemos destacar também a importante comunidade armênia, com suas diversas instituições instaladas nas proximidades dos bairros Bom Retiro, próximo a Estação Armênia do Metrô, Imirim e Brás. Os armênios fizeram do comércio e da fabricação de calçados suas principais atividades.[85]

Com a decadência da imigração europeia e asiática após a década de 1930, passou a predominar a vinda de migrantes, em sua maioria oriundos da região Nordeste do Brasil.[86]

A cidade já contava com população afrodescendente no século XIX, mas foi a partir da segunda metade do século XX que a população de origem africana cresceu rapidamente, através da chegada de pessoas de outros estados brasileiros, principalmente da zona litorânea da Bahia.[87] De acordo com o IBGE, em 2005, pelo menos cerca de 30% da população paulistana tinham alguma ascendência africana; isto é, declaravam-se como "pretos" e "pardos".[88]

Uma das colônias mais marcantes da cidade é a de origem árabe. Os libaneses e sírios chegaram em grande número entre os anos de 1900 a 1930. Hoje seus descendentes estão totalmente integrados à população brasileira, embora aspectos culturais de origem árabe marcam até hoje a cultura da capital paulista. Restaurantes de comida árabe abundam por toda a cidade, vendendo pratos que já entraram definitivamente na culinária brasileira: quibe, esfiha, charutinho de repolho etc.[89] A rua 25 de Março foi criada pelos árabes, que eram em sua maioria comerciantes.[90]

A cidade de São Paulo possui o maior número de pessoas que se declaram de origem asiática (amarelos) do Brasil. Cerca de 456 mil pessoas são de origem oriental,[91] dos quais 326 mil são japoneses. A comunidade japonesa da cidade é a maior fora do Japão. Imigrantes vindos do Japão começaram a chegar em 1908, e imigraram em grande número até a década de 1950. A maior concentração de orientais da cidade está no distrito da Liberdade. Este distrito de São Paulo possui inúmeros restaurantes japoneses, lojas com peças típicas do Japão, e nele veem-se letreiros escritos em japonês e ouve-se muito o idioma. A colônia coreana da cidade também é notável. São mais de 60 mil pessoas de origem sul-coreana, particularmente concentrados no Bom Retiro, Aclimação e Liberdade. No bairro da Aclimação é possível encontrar diversos restaurantes coreanos, além de locadoras de vídeo e mercearias coreanas. Os chineses são bastante numerosos nos distritos da zona central da cidade, como o Brás e a Liberdade.[85]

Região central da cidade vista do Edifício Itália. - São Paulo (cidade)
Região central da cidade vista do Edifício Itália.

Religiões

Tal qual a variedade cultural verificável em São Paulo, são diversas as manifestações religiosas presentes na cidade. Embora tenha se desenvolvido sobre uma matriz social eminentemente católica, tanto devido à colonização quanto à imigração — e ainda hoje a maioria dos paulistanos declara-se católica —, é possível encontrar atualmente na cidade dezenas de denominações protestantes diferentes, assim como a prática do islamismo, espiritismo, entre outras. O budismo e as religiões orientais também têm relevância entre as crenças mais praticadas pelos paulistanos. Estima-se que existem mais de cem mil seguidores budistas, seichonoitas e hinduístas.[92] Também são consideráveis as comunidades judaica, mórmon, e das religiões afro-brasileiras.[93]

De acordo com dados do censo de 2000 realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população de São Paulo está composta por: católicos (68,11%), protestantes (15,94%), pessoas sem religião (8,97%), espíritas (2,75%), budistas (0,65%), judeus (0,36%) ,muçulmanos(0,33%) e outros (2,90%).[93]

A Igreja Católica divide o território do município de São Paulo em quatro circunscrições eclesiásticas: a Arquidiocese de São Paulo, a Diocese de Santo Amaro, a Diocese de São Miguel Paulista e a Diocese de Campo Limpo, sendo estas três últimas sufragâneas da primeira. O arquivo da arquidiocese, denominado Arquivo Metropolitano Dom Duarte Leopoldo e Silva, localizado no bairro do Ipiranga, guarda um dos mais importantes patrimônios documentais do Brasil.[94]

A Catedral Metropolitana de São Paulo (conhecida como Catedral da Sé), localizada na Praça da Sé, é considerada um dos cinco maiores templos góticos do mundo.[95] A Igreja Católica reconhece como padroeiros da cidade: São Paulo de Tarso[96] e Nossa Senhora da Penha de França.[97]

A cidade possui os mais diversos credos protestantes ou reformados, como a Comunidade Evangélica Sara Nossa Terra, a Igreja Cristã Maranata, Igreja Luterana, a Igreja Presbiteriana, a Igreja Metodista, a Igreja Episcopal Anglicana, as igrejas batistas, a Igreja Assembleia de Deus, a Igreja Adventista do Sétimo Dia, a Igreja Mundial do Poder de Deus, a Igreja Universal do Reino de Deus, a Congregação Cristã no Brasil, entre outras.[93]

Na cidade existem também cristãos de várias outras denominações, tais como as Testemunhas de Jeová e os membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (também conhecida como Igreja Mórmon).[93]

Indicadores socioeconômicos

Mapa dos distritos de São Paulo por índice de desenvolvimento humano, de acordo com o Atlas de Trabalho e Desenvolvimento da Cidade de São Paulo - Atlas Municipal, em 2007.[98] - São Paulo (cidade)
Mapa dos distritos de São Paulo por índice de desenvolvimento humano, de acordo com o Atlas de Trabalho e Desenvolvimento da Cidade de São Paulo - Atlas Municipal, em 2007.[98]

São Paulo possui um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) muito alto (0,805), o décimo quarto maior do estado e o 28º do Brasil.[9] Porém a distribuição do desenvolvimento humano na cidade não é homogênea. Os distritos mais centrais em geral apresentam IDH superior a 0,9, gradualmente diminuindo à medida que se afasta do centro, até chegar a valores de cerca de 0,7 nos limites do município. Isto se deve a questões históricas, uma vez que a área central, sobretudo a localizada entre os rios Pinheiros, Tietê e Tamanduateí, foi o local onde mais se concentraram os investimentos e o planejamento urbano por parte do poder público[99] , bem como onde se instalou, historicamente, quase a totalidade da elite econômica da cidade. As populações de mais baixa renda, por não terem como arcar com o custo de vida dessas áreas, acabam assim ocupando as áreas nas bordas do município, mais desprovidas de infraestrutura.[100]

O IDH estabelece três critérios para avaliação: o índice de educação, longevidade e renda. O fator "educação" do IDH no município atingiu em 2010 a marca de 0,725 – patamar considerado alto, em conformidade aos padrões do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD)[9] – ao passo que a taxa de analfabetismo indicada pelo último censo demográfico do IBGE foi de 4,9%, superior apenas à porcentagem verificada nas cidades de Curitiba, Porto Alegre, Florianópolis, Rio de Janeiro, Vitória e Belo Horizonte.[101] [102] Os melhores distritos classificados pelo IDH em educação são Moema, Jardim Paulista e Pinheiros, os piores são Marsilac, Jardim Ângela e Grajaú.[98]

Tomando-se por base o relatório do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) de 2007, São Paulo obteve a nona colocação entre as capitais brasileiras.[103] Na classificação geral do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) de 2007, três escolas da cidade figuraram entre as 20 melhores no exame, sendo os colégios Vértice, Bandeirantes e Móbile os respectivos terceiro, décimo quarto e vigésimo colocados.[104] Contudo – e em consonância aos grandes contrastes verificados na metrópole –, em algumas regiões periféricas e empobrecidas, o aparato educacional público de nível médio e fundamental é ainda deficitário, dada a escassez relativa de escolas ou recursos. Nesses locais, a violência costuma impor certas barreiras ao aproveitamento escolar, constituindo-se em uma das causas preponderantes à evasão ou ao aprendizado carencial.[105]

Pelo Índice de Gini, que mede a desigualdade social, os distritos de Vila Andrade, Vila Sônia e Tremembé possuem a maior disparidade econômica. Todos os índices são publicados no Atlas do Trabalho e Desenvolvimento de São Paulo, uma ferramenta eletrônica que abriga mais de 200 indicadores socioeconômicos da capital.[98]

Um ranking mundial de qualidade de vida, elaborado pela consultoria internacional em recursos humanos Mercer, aponta a capital paulista na 117ª posição entre 221 cidades e a terceira posição entre as quatro cidades brasileiras do ranking, atrás somente de Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre, e à frente de Brasília. O status ecológico em um ranking paralelo aponta a cidade na 148ª posição.[106] [107]

Criminalidade

9º DP do Carandiru, uma das cinco melhores delegacias do mundo e a melhor da América Latina.[108] - São Paulo (cidade)
DP do Carandiru, uma das cinco melhores delegacias do mundo e a melhor da América Latina.[108]

De acordo com o Estudo Global de Homicídios 2011, divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU), no período entre 2004 e 2009 a taxa de homicídios caiu de 20,8 para 10,8 assassinatos por 100 mil habitantes. A ONU apontou São Paulo como exemplo de como grandes cidades podem diminuir a criminalidade.[109] Índices de criminalidade, como o homicídio, têm diminuído continuamente por 8 anos.[110] O número de assassinatos em 2007 foi 63% mais baixo do que em 1999.[111]

Em 2008, a cidade de São Paulo ocupava a 493ª posição na lista das cidades mais violentas do Brasil. Entre as capitais, era a quarta menos violenta, registrando, em 2006, índices de homicídios superiores apenas aos de Boa Vista, Palmas e Natal.[112] [113]

Em uma pesquisa sobre o Índice de Homicídios na Adolescência (IHA), divulgada em 2009, São Paulo ficou no 151º lugar entre 267 cidades com mais de cem mil habitantes.[114] Em novembro de 2009, o Ministério da Justiça e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública divulgaram uma pesquisa que apontou a São Paulo como a capital brasileira mais segura para jovens.[115] Entre os anos de 2000 e 2010, a cidade de São Paulo reduziu em 78% a sua taxa de homicídios.[116] De acordo com dados do "Mapa da Violência 2011", publicado pelo Instituto Sangari e pelo Ministério da Justiça, a cidade de São Paulo tem a menor taxa de homicídios por 100 mil habitantes entre todas as capitais do Brasil.[117]

Governo

Por ser a capital do estado de São Paulo, a cidade também é sede do Palácio dos Bandeirantes (Governo Estadual) e da Assembleia Legislativa.[118]

O Poder Executivo do município de São Paulo é representado pelo prefeito e seu gabinete de secretários, seguindo o modelo proposto pela Constituição Federal. A lei orgânica do município e o atual Plano Diretor da cidade, porém, determinam que a administração pública deva garantir à população ferramentas efetivas de manifestação da democracia participativa, o que faz com que a cidade seja dividida em subprefeituras, cada uma delas liderada por um subprefeito nomeado pelo prefeito.[119]

O Poder Legislativo é representado pela câmara municipal, composta por 55 vereadores eleitos para cargos de quatro anos (em observância ao disposto no artigo 29 da Constituição, que disciplina um número mínimo de 42 e máximo de 55 para municípios com mais de cinco milhões de habitantes).[120] Cabe à casa elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao Executivo, especialmente o orçamento municipal (conhecido como Lei de Diretrizes Orçamentárias).[121]

Em complementação ao processo legislativo e ao trabalho das secretarias, existem também uma série de conselhos municipais, cada um deles versando sobre temas diferentes, compostos obrigatoriamente por representantes dos vários setores da sociedade civil organizada. A atuação e representatividade efetivas de tais conselhos, porém, são por vezes questionadas. Os seguintes conselhos municipais estão atualmente em atividade: Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (CMDCA); da Informática (CMI); dos Deficientes Físicos (CMDP); da Educação (CME); da Habitação (CMH); do Meio Ambiente (CADES); da Saúde (CMS); do Turismo (COMTUR); dos Direitos Humanos (CMDH); da Cultura (CMC); da Assistência Social (COMAS) e das Drogas e Álcool (COMUDA).

Pertence também à prefeitura (ou é esta sócia majoritária em seus capitais sociais) uma série de empresas responsáveis por aspectos diversos dos serviços públicos e da economia de São Paulo:

Relações internacionais

As cidades-irmãs da cidade de São Paulo estão regulamentadas através da lei nº 14 471/2007.[128]

Subdivisões

Localização População Área
Zona est. de 2008 em km²
Central' 328.597 31
Noroeste' 1.007.691 144
Norte ou Nordeste 1.181.582 152
Leste 1 1.212.099 140
Leste 2 1.342.924 68,8
Sudeste 1.494.770 128
Sul 2.346.913 607
Centro-Sul 715.910 74
Oeste 872.817 128
Cidade de São Paulo
10.940.311 1509
Fonte:[129]

O município de São Paulo está, administrativamente, dividido em trinta e uma subprefeituras, cada uma delas, por sua vez, divididas em distritos, sendo estes últimos, eventualmente, subdivididos em subdistritos (a designação "bairro", porém, não existe oficialmente, embora seja usualmente aplicada pela população). Os atuais distritos foram criados pela lei municipal nº 11 220 de 20 de maio de 1992, e as atuais subprefeituras pela lei municipal n° 13 399, de 1º de agosto de 2002.[130] [131] As subprefeituras estão oficialmente agrupadas em nove regiões (ou "zonas"), levando em conta a posição geográfica e história de ocupação. Entretanto, há certos órgãos e instituições (companhias telefônicas, zonas eleitorais, etc.) que adotam uma divisão diferente da oficial.[119] Cabem às subprefeituras os serviços ordinários à população, dessa forma, descentralizando alguns serviços rotineiros.[119]

A divisão política oficial da cidade leva em conta tanto características histórico-culturais dos diferentes bairros de São Paulo como fatores de ordem prática (como a divisão de duas subprefeituras em uma avenida importante). Porém, muitas vezes tal divisão não reflete a percepção socioespacial que a população local tem dos lugares: há regiões da cidade que não são oficialmente reconhecidas pela prefeitura, de forma que sua delimitação seja informal e abranja diferentes distritos e subprefeituras, mantendo o nome por tradição, contiguidade física ou facilidade de localização. O fenômeno tende a se repetir na cidade inteira e considerado de forma ampla, pode levar a uma não identificação dos moradores com as instâncias políticas locais.[119]

Além da divisão política, há também uma divisão em nove zonas geográficas, cada uma delas representada por cores diferentes nas placas de ruas e na cor dos ônibus que circulam na região. Essas regiões são estabelecidas radialmente, usando apenas critérios topográficos, e, salvo algumas exceções, não têm uma homogeneidade urbana, nem qualquer distinção administrativa, com exceção do centro histórico e do centro expandido, onde vigora o rodízio municipal.[132]

Subprefeituras do município de São Paulo[133]
  Subprefeitura Área População     Subprefeitura Área População
1 Aricanduva 21,5 km² 266 838 Mapa sp.svg 17 Mooca 35,2 km² 305 436
2 Butantã 56,1 km² 345 943 18 Parelheiros 353,5 km² 110 909
3 Campo Limpo 36,7 km² 508 607 19 Penha 42,8 km² 472 247
4 Capela do Socorro 134,2 km² 561 071 20 Perus 57,2 km² 109 218
5 Casa Verde 26,7 km² 313 176 21 Pinheiros 31,7 km² 270 798
6 Cidade Ademar 30,7 km² 370 759 22 Pirituba 54,7 km² 390 083
7 Cidade Tiradentes 15 km² 248 762 23 26,2 km² 373 160
8 Ermelino Matarazzo 15,1 km² 204 315 24 Santana 34,7 km² 327 279
9 Freguesia do Ó 31,5 km² 391 403 25 Tremembé 64,1 km² 255 435
10 Guaianases 17,8 km² 283 162 26 Santo Amaro 37,5 km² 217 280
11 Ipiranga 37,5 km² 427 585 27 São Mateus 45,8 km² 422 199
12 Itaim Paulista/Vila Curuçá 21,7 km² 358 888 28 São Miguel Paulista 24,3 km² 377 540
13 Itaquera 54,3 km² 488 327 29 Vila Maria 26,4 km² 302 899
14 Jabaquara 14,1 km² 214 200 30 Vila Mariana 26,5 km² 311 019
15 Lapa 40,1 km² 270 102 31 Vila Prudente 33,3 km² 523 138
16 M'Boi Mirim 62,1 km² 480 823

Economia

Edifícios comerciais no Brooklin Novo. Em destaque, a Avenida Luís Carlos Berrini (esquerda), a Ponte Estaiada, o Centro Empresarial Nações Unidas e a Marginal Pinheiros {direita, ao fundo). - São Paulo (cidade)
Edifícios comerciais no Brooklin Novo. Em destaque, a Avenida Luís Carlos Berrini (esquerda), a Ponte Estaiada, o Centro Empresarial Nações Unidas e a Marginal Pinheiros {direita, ao fundo).
Atividades econômicas de São Paulo por número de empregados - (2012)[134] - São Paulo (cidade)
Atividades econômicas de São Paulo por número de empregados - (2012)[134]

São Paulo possui o maior PIB dentre as cidades brasileiras, o décimo maior do mundo e, segundo projeção da PricewaterhouseCoopers, será o sexto maior em 2025.[15] Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2011 seu Produto Interno Bruto (PIB) foi de 477 005 597 205,00 reais, o que equivale a cerca de 11,5% do PIB brasileiro, 36% de toda a produção de bens e serviços do estado de São Paulo e 21% da economia da região sudeste.[10] De acordo com uma pesquisa divulgada Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio), se fosse um país, a cidade de São Paulo poderia ser classificada como a 36ª maior economia do mundo, acima de nações como Portugal, Finlândia e Hong Kong. De acordo com o mesmo estudo, o município sedia 63% dos grupos internacionais instalados no país e 17 dos 20 maiores bancos.[135] Sua região metropolitana possui um PIB de cerca de 613 bilhões de reais (dados de 2009).[136] Segundo dados do IBGE, a rede urbana de influência exercida pela cidade no resto do país abrange 28% da população e 40,5% do PIB brasileiro.[137]

A capital paulista é a sexta cidade do mundo em número de bilionários, segundo a listagem da revista Forbes considera como referência o endereço principal dos 1 210 bilionários da lista de 2011 feita pela revista, com base em valores convertidos para o dólar norte-americano.[138] Entretanto, a crise financeira de 2008-2009 afetou a renda média domiciliar per capita dos moradores de São Paulo, que, em 2008, era de 816,40 reais, o que posiciona a cidade na oitava colocação no ranking das capitais brasileiras, atrás de Florianópolis, Porto Alegre, Vitória, Brasília, Curitiba, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.[139] Segundo pesquisa da consultoria Mercer sobre o custo de vida para funcionários estrangeiros, São Paulo está entre as dez cidades mais caras do mundo, classificada na décima posição en 2011, 11 postos acima de sua clasificação de 2010, e na frente de cidades como Londres, Paris, Milão e Nova Iorque.[140] [141]

Um dos maiores centros financeiros do Brasil e do mundo, São Paulo passa hoje por uma transformação em sua economia. Durante muito tempo a indústria constituiu uma atividade econômica bastante presente na cidade, porém São Paulo tem atravessado nas últimas três décadas uma clara mudança em seu perfil econômico: de uma cidade com forte caráter industrial, o município tem cada vez mais assumido um papel de cidade terciária, pólo de serviços e negócios para o país. Em São Paulo, por exemplo, está sediada a Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (BM&FBovespa), a bolsa oficial do Brasil. Em 2012, a BMF&Bovespa era a oitava maior bolsa de valores do mundo em capitalização de mercado.[18] [142]

Painel de cotações da BM&FBovespa. - São Paulo (cidade)
Painel de cotações da BM&FBovespa.
Rua Oscar Freire, na região dos Jardins, eleita a oitava rua mais luxuosa do planeta.[143] - São Paulo (cidade)
Rua Oscar Freire, na região dos Jardins, eleita a oitava rua mais luxuosa do planeta.[143]

O município tem alguns centros financeiros espalhados por seu território, concentrados na região das subprefeituras da Sé, Pinheiros e Santo Amaro. O principal e mais famoso deles a avenida Paulista, que abriga sedes de bancos, multinacionais, hotéis, consulados e se impõe como um dos principais pontos turísticos e culturais da cidade. O centro da cidade, que apesar de ter sido ofuscado pelas centralidades econômicas mais recentes, abriga a bolsa de valores, diversas empresas e hotéis. Além destes, outras regiões que se destacam por sua intensa e moderna verticalização, pela presença de hotéis de luxo e empresas multinacionais são as regiões das avenidas Brigadeiro Faria Lima e Luís Carlos Berrini.[144]

Muitos analistas também têm apontado São Paulo como uma importante "cidade global" (ou "metrópole global", classificação dividida apenas com o Rio de Janeiro entre as cidades brasileiras[145] ). Como cidade global, São Paulo tem acesso às principais rotas aeroviárias mundiais, às principais redes de informação, assim como sedia filiais de empresas transnacionais de importância global, além de importantes instituições financeiras, mesmo estando conectada marginalmente aos fluxos transnacionais de pessoas, investimentos e empregos.[146]

O urbanista João Sette Whitaker Ferreira, entretanto, considera que a desigualdade social e a segregação espacial descaracterizam São Paulo como uma cidade global.[147] Apesar de ser o centro financeiro do país, São Paulo apresenta também alto índice de negócios ligados à economia informal.[148] Neste mesmo cenário, segundo dados de 2001 da prefeitura do município,[149] cerca de 10% dos paulistanos vivia abaixo da linha de pobreza.

A cidade de São Paulo também tem se consolidado em um polo de comércio de produtos contrabandeados, pirateados e falsificados,[150] em geral localizados em alguns pontos do centro da cidade como a Rua 25 de Março, a rua Santa Ifigênia e áreas próximas a estações de metrô. Os artigos em geral são CDs com versões piratas de softwares, filmes ou álbuns em CD e DVD,[151] ou então acessórios e itens de vestuário, principalmente mochilas e tênis de marcas internacionais, entre outros artigos. Nos últimos anos, porém, tem crescido a apreensão desses artigos pirateados.[152]

Turismo

São Paulo destaca-se mais como uma cidade marcada pelo turismo de negócios que pelo turismo recreativo. Grandes redes de hotéis cujo público-alvo é o corporativo estão instaladas na cidade e possuem filiais espalhadas em várias das suas centralidades. Toda a infraestrutura para eventos da cidade faz com que ela seja sede de 75% principais feiras do país. Dentre as principais, estão o Salão do Automóvel de São Paulo, a Couromoda e a Francal, entre outras.[153]

A cidade ainda promove uma das mais importantes semanas de moda do mundo, a São Paulo Fashion Week, sendo um dos principais centros geradores de tendências em moda.[154]

O turismo cultural também possui relevância para a cidade, especialmente quando se têm em vista os vários eventos internacionais que ocorrem na metrópole, como a Bienal de Artes de São Paulo e os vários shows de celebridades estrangeiras que, quando se apresentam no Brasil, escolhem poucas metrópoles.[153]

A cidade possui inúmeras atividades culturais e uma vida noturna que é considerada umas das melhores do país. Há diversos cinemas, teatros, museus e centros culturais, alguns atendendo a parcela de maior poder aquisitivo, outros contemplando mais o público popular, o que leva muitos a dizerem que "sempre há um programa para se fazer em São Paulo". A rua Oscar Freire, de acordo com a Mystery Shopping International, foi eleita uma das oito ruas mais luxuosas do mundo,[143] e São Paulo, a 25ª "cidade mais cara" do planeta.[155]

De acordo com a International Congress & Convention Association (ICCA), São Paulo ocupa o primeiro lugar entre as cidades que mais recebem eventos internacionais no Continente Americano e a 12ª posição no mundo, depois de Viena, Paris, Barcelona, Singapura, Berlim, Budapeste, Amsterdã, Estocolmo, Seul, Lisboa e Copenhague.[156] De acordo com um estudo feito pela MasterCard em 130 cidades ao redor do mundo, a capital paulista foi o terceiro destino mais visitado da América Latina (atrás da Cidade do México e de Buenos Aires), com 2,4 milhões de viajantes estrangeiros, que gastaram 2,9 bilhões de dólares em 2013 (o valor mais alto entre as cidades da região). Além disso, estima-se que a metrópole se torne a mais visitada da América Latina até 2017.[157]

A diversidade de povos e culturas que construíram a cidade faz também com que a rica gastronomia da região seja por si só um grande atrativo turístico. Essa afirmação pode ser comprovada através da ampla variedade gastronômica da cidade, que abrange mais de 50 tipos de culinária. Durante o 10º Congresso Internacional de Gastronomia, Hospitalidade e Turismo (CIHAT) realizado em 1997, a cidade recebeu o título de "Capital Mundial da Gastronomia" de uma comissão formada por representantes de 43 nações.[158] O município tem ganhado espaço em diversos jornais internacionais (ex.: The New York Times, The Wall Street Journal e CNN), que demonstram a pluralidade cultural da capital paulista para todo o mundo.[159]

Panorâmica da reta principal do Autódromo José Carlos Pace (Interlagos), durante o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula Um de 2009. - São Paulo (cidade)
Panorâmica da reta principal do Autódromo José Carlos Pace (Interlagos), durante o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula Um de 2009.

Infraestrutura urbana

Vista da cidade a partir do Edifício Itália. Em destaque, o Edifício Copan (esquerda), projetado por Oscar Niemeyer, e o Ipiranga 165, a antiga sede do Hotel Hilton de São Paulo. - São Paulo (cidade)
Vista da cidade a partir do Edifício Itália. Em destaque, o Edifício Copan (esquerda), projetado por Oscar Niemeyer, e o Ipiranga 165, a antiga sede do Hotel Hilton de São Paulo.

Desde o começo do século XX, São Paulo é o principal centro econômico da América Latina. Com a primeira e a segunda guerras mundiais e a Grande Depressão, as exportações do café aos Estados Unidos e Europa foram fortemente afetadas, forçando os ricos cafeicultores a investir nas atividades industriais que transformariam São Paulo no maior centro industrial do Brasil. As novas vagas de trabalho contribuíram para atrair um número significativo de imigrantes (sobretudo da Itália)[80] e de migrantes, especialmente dos estados do Nordeste.[86] De uma população de apenas 32 mil pessoas em 1880, São Paulo passa a ter 8,5 milhões de habitantes em 1980. O rápido crescimento demográfico trouxe como consequência inúmeros problemas para a cidade.[72]

São Paulo é praticamente toda servida pela rede de abastecimento de água potável.[160] A cidade consome uma média de 221 litros de água/habitante/dia enquanto a ONU recomenda o consumo de 110 litros/dia. A perda de água é de 30,8%.[161] No entanto entre 11 a 12,8% das residências não possui rede de esgoto, depositando dejetos em fossas e valas.[160] Sessenta por cento do esgoto coletado é tratado.[161] Segundo dados do IBGE e da Eletropaulo a rede elétrica atende quase 100% das residências. A rede de telefonia fixa ainda é precária, com cobertura de 67,2%.[160] A coleta de lixo domiciliar cobre todas as regiões do município mas ainda é insuficiente, atingindo cerca de 94% da demanda, em distritos como Parelheiros e Perus.[160] Cerca de 80% do lixo produzido diariamente pelos paulistanos é exportado para outras cidades, como Caieiras e Guarulhos.[162] A reciclagem atinge cerca de 1% das 15 mil toneladas de lixo produzidas diariamente.[162]

Tecidos urbanos

Favela do Jardim Jaqueline, no distrito de Vila Sônia, com edifícios residenciais ao fundo. - São Paulo (cidade)
Favela do Jardim Jaqueline, no distrito de Vila Sônia, com edifícios residenciais ao fundo.

São Paulo possui uma miríade de tecidos urbanos. Os núcleos originais da cidade apresentam-se verticalizados, caracterizados pela presença de edifícios comerciais e de serviços; e as periferias desenvolvem-se, de forma geral, com edificações de dois a quatro andares - embora tal generalização certamente encontre exceções no tecido da metrópole. Comparada a outras cidades globais (como as cidades-ilha de Nova Iorque e Hong Kong), porém, São Paulo é considerada uma cidade de "edifícios baixos". Seus maiores edifícios raramente atingem quarenta andares, e a média entre os edifícios residenciais é de vinte. Todavia, é a terceira cidade no mundo em quantidade de prédios, de acordo com a página especializada em pesquisa de dados sobre edificações Emporis Buildings,[163] além de possuir o maior arranha-céu do país, o Mirante do Vale, também conhecido como Palácio Zarzur Kogan, com 170 metros de altura.[164]

São comuns as seguintes regiões, caracterizadas de acordo com seu tecido urbano:

  • Casario composto por sobrados de classe média, recuados em relação ao lote, em bairros predominantemente residenciais ou comerciais.
  • Periferias nas quais a legislação de ocupação do solo é menos respeitada, composta por sobrados ou residências térreas mas com densidade maior que o casario supracitado
  • Bairros de classe média, normalmente localizados em um anel periférico imediatamente seguinte ao Centro da cidade, mas não tão distantes quanto as periferias extremas, ocupados por condomínios verticais (edifícios de apartamentos isolados em meio ao lote, contendo quase 50% de espaço livre e normalmente de acesso privativo).
  • Regiões verticalizadas do Centro da cidade, variando bastante a relação entre a largura da rua e a altura dos edifícios.
  • Novas regiões verticalizadas e com edifícios mais recuados e com maior presença do automóvel (como a Nova Faria Lima e a região da avenida Luís Carlos Berrini).
  • Regiões de condomínios fechados horizontais, de acesso restrito.
  • Regiões tradicionalmente caracterizadas como favelas.
Região verticalizada do Centro da cidade. Na fotografia, em destaque o edifício Altino Arantes. Do lado esquerdo está uma parte do prédio do Banco do Brasil, enquanto à direita está o Martinelli, o primeiro arranha-céu construído na América Latina.[165] - São Paulo (cidade)
Região verticalizada do Centro da cidade. Na fotografia, em destaque o edifício Altino Arantes. Do lado esquerdo está uma parte do prédio do Banco do Brasil, enquanto à direita está o Martinelli, o primeiro arranha-céu construído na América Latina.[165]

Tal heterogeneidade de tecidos, porém, não é tão previsível quanto o modelo genérico pode fazer imaginar. Algumas regiões centrais da cidade passaram a concentrar indigentes, tráfico de drogas, comércio ambulante e prostituição, o que incentivou a criação de novas centralidades do ponto de vista socioeconômico. A caracterização de cada região da cidade também passou por várias mudanças ao longo do século XX. Com o deslocamento de indústrias para outras cidades ou estados, várias áreas que antes abrigavam galpões de fábricas transformaram-se em áreas comerciais ou mesmo residenciais.[166]

A mais caracterizada mudança no perfil econômico da cidade, porém, é o chamado vetor sudoeste, área da cidade que engloba as regiões oeste e centro-sul. A expressão refere-se à tendência do mercado imobiliário (e das empresas em geral) em "levar" o centro da cidade para regiões antes consideradas periféricas, seguindo em geral a direção nordeste-sudoeste, com algumas poucas exceções. Esta tendência pode ser acompanhada desde as primeiras décadas do século XX: partindo da região do Triângulo histórico (núcleo original da cidade), a centralidade socioeconômica da cidade (que difere da centralidade geográfica) passou para a região do Centro Novo (do outro lado do Vale do Anhangabaú), e mais tarde para a região da avenida Paulista. Nas últimas duas décadas, este processo tem levado tal centralidade principalmente para a região das avenidas Faria Lima e Berrini. Fora dessa região, existem também outras áreas como os distritos de Tatuapé e Santana, que também se desenvolveram e tornaram-se centralidades socioeconômicas regionais, funcionando ainda como pólo de comércio, serviços e lazer para outras localidades fora do eixo de desenvolvimento principal do município.[166]

As regiões que permanecem afastadas destas centralidades acabam, na maioria dos casos, servindo como bairros-dormitórios. Isto se deve ao processo de planejamento urbano da cidade ao longo do século XX, que manteve as áreas de habitação popular isoladas das centralidades principais do município.[167] Ao crescimento demográfico estiveram associados processos de especulação imobiliária que aceleraram a ocupação de áreas periféricas com pouca infraestrutura, em alguns casos fomentados pelos próprios programas urbanísticos estatais de habitação popular.[168] Nas últimas décadas, algumas famílias de baixa renda passaram a ocupar irregularmente regiões de mananciais.[169]

A constante mudança da paisagem paulistana devido às alterações tecnológicas de seus edifícios tem sido uma característica marcante da cidade, apontada por estudiosos como Benedito Lima de Toledo. Segundo Toledo, em um período de um século, entre meados de 1870 e 1970 a cidade de São Paulo foi praticamente demolida e reconstruída no mínimo três vezes. Estes três períodos são caracterizados pelos processos construtivos típicos de suas épocas: em um primeiro momento a cidade apresentava-se como um emaranhado de construções em taipa de pilão, situação que perdurou desde o período colonial até as últimas décadas do século XIX. No início do século XX, a cidade foi rapidamente transformada e passou a apresentar-se como uma cidade de alvenaria, importando métodos de construção e arquiteturas europeias. Enfim, com a necessidade de verticalização e expansão e a popularização de avanços tecnológicos, a cidade foi novamente demolida e reconstruída em concreto armado e metal, constituindo parte da paisagem atual. De cada um dos períodos anteriores restam poucos exemplares: algumas poucas residências bandeiristas preservadas e o Museu de Arte Sacra de São Paulo são os únicos resquícios da "cidade de taipa". Da mesma maneira, da "cidade de alvenaria", são preservados ainda edifícios como o da Pinacoteca do Estado.[166]

No entanto, segundo dados do censo de 2000 do IBGE, da fundação SEADE e de pesquisas feitas pela prefeitura de São Paulo no período 2000-2004,[170] o município apresentava até aquele momento um déficit de aproximadamente 800 mil unidades habitacionais. Isto equivaleria, segundo tais pesquisas, a aproximadamente três milhões de cidadãos sem acesso à habitação formal ou em habitações precárias: nestes números constam a população de loteamentos clandestinos e irregulares, a população moradora de favelas e a população moradora de cortiços.[171] Tal déficit equivaleria, segundo alguns autores, a aproximadamente um décimo de todo o déficit habitacional nacional (estimado em aproximadamente oito milhões de unidades[172] ). Em 2006, dos 1 522,986 km² do município de São Paulo, 31 km² eram ocupados por mais de duas mil favelas.[173]

Aliado ao problema do déficit habitacional está o fato de que, ainda segundo dados das pesquisas em distritos censitários do IBGE e da fundação SEADE, a cada ano as áreas centrais da cidade - correspondentes às regiões centrais tradicionais e àquelas ligadas ao já citado vetor sudoeste - apresentam uma taxa negativa de crescimento demográfico (de -5% entre 2000 e 2008).[174]

Planejamento urbano

Avenida Paulista, um importante centro financeiro e um dos pontos turísticos mais característicos da cidade.[175] - São Paulo (cidade)
Avenida Paulista, um importante centro financeiro e um dos pontos turísticos mais característicos da cidade.[175]

São Paulo possui um histórico de ações, projetos e planos ligados ao urbanismo e ao planejamento urbano que podem ser traçados até as administrações de Antônio da Silva Prado, Barão de Duprat, Washington Luís e completado por Francisco Prestes Maia. Porém, de uma forma geral, a cidade constituiu-se ao longo do século XX, saltando de vila à metrópole, por meio de uma série de processos informais ou irregulares de expansão urbana. Desta forma, São Paulo difere consideravelmente de cidades brasileiras como Belo Horizonte e Goiânia, cuja expansão inicial seguiu determinações de um plano e de um projeto urbano original, ou de uma cidade como Brasília, cujo plano piloto fora inteiramente desenhado previamente à construção da cidade.[176]

Por outro lado, a sucessão de loteamentos periféricos e dos processos de requalificação e reconstrução de tecidos já consagrados, comuns na cidade ao longo de sua evolução, foi eventualmente acompanhada de planos urbanísticos que tentavam ordenar segundo diretrizes de planejamento a lógica informal própria da constituição da cidade. Se as primeiras intervenções de Prado e Teodoro possuíam caráter pontual, tais planos procuraram, ora setorialmente integrados e ora isolados, a definição de padrões a serem seguidos na produção de novos espaços urbanos e na regulação dos anteriores.[176]

A eficácia histórica de tais planos em cumprir aquilo a que, aparentemente, se propunham, porém, tem sido apontada por alguns planejadores e historiadores diversos como questionável. Por outro lado, outros destes mesmos estudiosos alegam que tais planos foram produzidos visando o benefício exclusivo das camadas mais abastadas da população, enquanto as camadas populares ficariam relegadas aos processos informais tradicionais.[177] Em São Paulo, até meados da década de 1950, os planos apresentados para a cidade ainda possuíam um caráter haussmanniano, ou seja, eram baseados na ideia de "demolir e reconstruir". Podem-se citar planos como os apresentados pelo então prefeito Prestes Maia para o sistema viário paulistano (conhecido como Plano de Avenidas) ou o de Saturnino de Brito para as marginais do rio Tietê.[176]

Em 1968 é proposto o Plano Urbanístico Básico que se desdobraria no Plano Diretor Integrado de Desenvolvimento de São Paulo, desenvolvido durante a gestão de Figueiredo Ferraz. O principal resultado deste plano foi aquilo que ficou conhecido como lei de zoneamento e que vigorou até 2004, quando foi substituída pelo atual Plano Diretor. Naquele zoneamento, aprovado em 1972, notava-se uma clara proteção às chamadas Z1 (zonas cuja definição de uso era exclusivamente residencial e era destinada às elites da cidade) e uma certa indefinição da maior parte da cidade, classificada como Z3 (vagamente regulamentada como "zona mista" mas sem definições mais claras a respeito de suas características). Desta forma, tal zoneamento incentivou o crescimento de bairros periféricos dotados de edifícios de baixo gabarito aliados a processos de especulação imobiliária ao mesmo tempo que valorizava regiões nas quais se permitia construir edifícios altos.[178]

Saúde

O Instituto do Câncer, um dos melhores centros especializados da América Latina,[179] é parte do complexo do Hospital das Clínicas - São Paulo (cidade)
O Instituto do Câncer, um dos melhores centros especializados da América Latina,[179] é parte do complexo do Hospital das Clínicas

São Paulo é um dos principais polos de saúde na América Latina. Entre seus melhores hospitais estão o israelita Hospital Albert Einstein, classificado como o melhor da América Latina,[180] o Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, o maior complexo hospitalar latino-americano,[181] o Hospital Sírio-Libanês e o Instituto do Câncer, o maior centro de oncologia da América Latina.[179]

O município é a sede de instituições de todos os três níveis de governo: federal, estadual e municipal. O setor privado de saúde também é relevante e a grande parte dos melhores hospitais brasileiros está localizada na cidade. Os serviços públicos de saúde são geralmente de responsabilidade do governo municipal e estão espalhados por todo o território municipal, com um total de 770 unidades básicas de saúde (UBS), clínicas ambulatoriais e de emergência, e 17 hospitais. A Secretaria Municipal de Saúde tem 59 mil funcionários, entre eles mais de 8.000 médicos e 12.000 enfermeiros. Em setembro de 2009, a cidade de São Paulo tinha 32.553 ambulatórios, centros e escritórios de profissionais (médicos, dentistas e outros); 217 hospitais, com 32.554 leitos; 137.745 profissionais de saúde, sendo 28.316 médicos.[182]

Mobilidade urbana e acessibilidade

Marginal Tietê, a principal via expressa da cidade. - São Paulo (cidade)
Marginal Tietê, a principal via expressa da cidade.

A cidade de São Paulo sofre um problema comum a outras grandes metrópoles mundiais: o grande congestionamento de carros em suas principais vias. O transporte coletivo, no entanto, representa um papel fundamental no dia a dia da metrópole. São Paulo conta com uma imensa estrutura de linhas de ônibus, com uma frota de cerca de quinze mil unidades[183] entre ônibus comuns e articulados (cerca de 10 mil), trólebus (215 veículos) e micro-ônibus (cerca de 5 mil). Em 2003, iniciou-se uma grande reformulação no sistema de transporte público na cidade que reduziu significativamente o grande número de lotações clandestinas, que em sua maioria foram recadastradas e organizadas em cooperativas.[184]

Na cidade, em média, existe um veículo para cada dois habitantes, totalizando mais de 6 milhões de unidades somente.[185] Além disso, São Paulo possui a terceira maior frota de táxis da América Latina[186] e a maior frota de helicópteros do mundo.[187]

Os trens da CPTM, o Metrô e o sistema de interligação entre eles completam o sistema municipal e estadual de transporte na cidade.

O sistema viário do município é notadamente heterogêneo, especialmente do ponto de vista rodoviário. A cidade é cortada por duas grandes vias que têm papel estruturador, tanto na escala infraurbana quanto na metropolitana: a Marginal Tietê e a Marginal Pinheiros. Estas duas "artérias" são consideradas as principais vias estruturais (ou vias expressas) do município, sendo que, a elas, conectam-se diversas rodovias estaduais e federais, dentre as quais a Anchieta, Anhanguera, Raposo Tavares, Dutra (acesso ao Vale do Paraíba e ao Rio de Janeiro), Fernão Dias (acesso a Belo Horizonte), Imigrantes (acesso à Praia Grande), Bandeirantes (acesso à região de Campinas), Castelo Branco e Ayrton Senna (acesso à Guararema). Está em construção o Rodoanel Mário Covas, que permitirá o acesso a vários municípios da região metropolitana de São Paulo.[188]

Trecho Sul do Rodoanel Mário Covas. - São Paulo (cidade)
Trecho Sul do Rodoanel Mário Covas.

Com uma frota de 5 392 692 veículos em 2007,[189] estima-se que São Paulo alcançou uma taxa de motorização de 0,454 veículos por habitante, o que corresponde aproximadamente a um veículo para cada dois habitantes. A taxa média no Brasil é de 0,24, o que coloca São Paulo entre os municípios com maior nível de motorização do país, superado só por alguns como São Caetano do Sul (0,739), Curitiba (0,545) e Goiânia (0,512).[190]

O congestionamento de veículos na cidade é recorrente, principalmente, mas não restrito, aos horários de pico. Desde 1996, a prefeitura adota medidas paleativas para amenizar os problemas causados pelo trânsito, como a adoção do Rodízio Municipal, a restrição de estacionamentos (Zona Azul) e de circulação de caminhões e veículos de carga. O recorde de congestionamento da cidade foi o de 344 km, em maio de 2014.[191]

Hoje, como medidas para solucionar o problema do trânsito, investe-se a ampliação do metrô, na construção de mais corredores de ônibus, no alargamento da Marginal Tietê e na construção do Rodoanel Metropolitano e existem estudos para uma futura implementação de pedágio urbano.[192]

Em relação ao transporte aéreo a cidade possui dois principais aeroportos: Aeroporto de Congonhas/São Paulo[193] , que serve voos domésticos e o Aeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos[194] , locializado na município de Guarulhos, que serve voos domesticos e internacionais, sendo um dos principais aeroportos internacionais do Brasil, além destes aeroportos possui o Aeroporto Campo de Marte[195] que serve para helicopteros e aviões de pequeno porte. Com exceção do aeroporto internacional de Guarulhos, concedido à iniciativa provada pelo governo federal,[196] todos estes centros aeroviários são operados pela estatal Infraero.

Transporte público

Terminal Rodoviário Tietê, o segundo maior terminal rodoviário do mundo.[197] - São Paulo (cidade)
Terminal Rodoviário Tietê, o segundo maior terminal rodoviário do mundo.[197]
Interior da estação metro-ferroviária da Luz. Juntas, as redes de trens urbanos e metrô percorrem 334 quilômetros. - São Paulo (cidade)
Interior da estação metro-ferroviária da Luz. Juntas, as redes de trens urbanos e metrô percorrem 334 quilômetros.

Os sistemas de transporte público também apresentam certa heterogeneidade e, eventualmente, alguma contraditoriedade. São comuns críticas ao sistema no sentido de que os vários sistemas que o compõem não respondem a uma mesma autoridade de planejamento, o que resultaria em situações paradoxais e duplicação de esforços. Tal fato se deve, primariamente, pelo fato de os dois principais meios de transporte público (o metrô e os ônibus) serem administrados por esferas diferentes: o Metrô de São Paulo,[198] a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM)[199] e a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU),[200] são empresas cujo sócio principal é o Estado de São Paulo, enquanto o sistema de ônibus municipais (composto por diversas empresas particulares) responde à São Paulo Transporte (SPTrans), entidade municipal.[201]

Na zona norte da cidade encontra-se o Terminal Rodoviário Tietê, o segundo maior do mundo,[197] que possui linhas de ônibus para diversos municípios paulistas e para muitos outros estados do país, além de linhas para outros países sul-americanos, como Chile, Argentina, Paraguai, Uruguai e Peru.[202] [203] É integrado à estação do metrô Portuguesa-Tietê.[204] Existem também outros terminais rodoviários, como o Terminal Intermodal da Barra Funda (zona oeste), com destinos para outros estados brasileiros, e o Terminal Intermunicipal Jabaquara (zona sul), com linhas de ônibus para várias cidades do litoral paulista.[202]

A malha metro-ferroviária da cidade tem 335 quilômetros de extensão, sendo 75 quilômetros de linhas administradas pelo Metrô de São Paulo (34,6 quilômetros inteiramente subterrâneo), com cinco linhas em operação e 63 estações de embarque,<[205] e 258 quilômetros de linhas administradas pela Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). A CPTM e o Metrô transportam em média 5,9 milhões de pessoas por dia,[206] e algumas linhas subterrâneas que estão sendo construídas vão adicionar ainda mais passageiros ao sistema dentro dos próximos cinco anos.

Segundo dados da administração atual espera-se expandir o sistema de trens urbanos de São Paulo para mais de 500 quilômetros nos próximos 10 anos.[207] O The Metros, principal premiação do setor metroviário no mundo, fez uma conferência no dia 23 de março de 2010, no Reino Unido, que analisou os 70 maiores metropolitanos do mundo, que deu resultado como o de São Paulo o melhor metrô das Américas, superando a dos Estados Unidos, Canadá e México.[208]

Educação e ciência

A cidade de São Paulo tem um sistema de ensino primário e secundário, público e privado, e uma variedade de profissionais de escolas técnicas. Com 2 725 estabelecimentos de ensino fundamental, 2 998 unidades pré-escolares, 1 199 escolas de nível médio e 146 instituições de nível superior, a rede de ensino da cidade é a mais extensa do país.[209] Ao total, são 2 850 133 matrículas e 153 284 docentes registrados.[209]

O fator "educação" do IDH no município atingiu em 2010 a marca de 0,725 – patamar considerado alto, em conformidade aos padrões do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD)[9] – ao passo que a taxa de analfabetismo indicada pelo último censo demográfico do IBGE foi de 4,9%, superior apenas à porcentagem verificada nas cidades de Curitiba, Porto Alegre, Florianópolis, Rio de Janeiro, Vitória e Belo Horizonte.[101] [102]

Tomando-se por base o relatório do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) de 2007, São Paulo obteve a nona colocação entre as capitais brasileiras[103] e o 1 903º lugar no ranking geral dos municípios.[210] Na classificação geral do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) de 2007, três escolas da cidade figuraram entre as 20 melhores do ranking, sendo os colégios Vértice, Bandeirantes e Móbile os respectivos terceiro, décimo quarto e vigésimo colocados.[104] Contudo – e em consonância aos grandes contrastes verificados na metrópole –, em algumas regiões periféricas e empobrecidas, o aparato educacional público de nível médio e fundamental é ainda deficitário, dada a escassez relativa de escolas ou recursos. Nesses locais, a violência costuma impor certas barreiras ao aproveitamento escolar, constituindo-se em uma das causas preponderantes à evasão ou ao aprendizado carencial.[105]

Contemplado por expressivo número de renomadas instituições de ensino e centros de excelência, São Paulo é o maior polo de pesquisa e desenvolvimento do Brasil, responsável por 28% da produção científica nacional – segundo dados de 2005.[17] [211]

No cenário atual, destacam-se importantes universidades públicas e privadas, muitas delas consideradas centros de referência em determinadas áreas. Entre as muitas instituições de ensino superior, podem-se destacar o Instituto Federal de São Paulo (IFSP),[212] a Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP),[213] a Universidade Estadual Paulista (UNESP)[214] e a Universidade de São Paulo (USP),[211] criada em 1934, quando incorporou a histórica Faculdade de Direito de São Paulo, no Largo de São Francisco. Entre as universidades públicas, a USP é aquela com o maior número de vagas de graduação e de pós-graduação no Brasil, sendo responsável também pela formação do maior número de mestres e doutores do mundo,[215] bem como responsável por metade de toda a produção científica do estado de São Paulo e mais de 25% da brasileira.[216] Como o Brasil é responsável por cerca de 2% da produção mundial, pode-se dizer que a USP é responsável por 0,5% das pesquisas do mundo.[215] Instituições filiadas à universidade incluem o Instituto Butantan, pólo de pesquisa biomédica fundado em 1901, e atualmente vinculado à Secretaria de Saúde de São Paulo, fabrica antígenos e vacinas diversos, e é o maior produtor nacional de soros antiofídicos.[217] Centro de renome internacional em pesquisa científica de animais peçonhentos, conta com 14 laboratórios e um núcleo de biotecnologia.[218]

O município também possui universidades particulares de grande reputação nacional e internacional, como a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)[219] e a Universidade Presbiteriana Mackenzie,[220] além de diversos institutos de ensino superior e pesquisa em áreas específicas, entre os quais podem ser destacados a Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) (engenharia, artes e ciências humanas),[221] a Fundação Getúlio Vargas (FGV) (administração e direito)[222] e a Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).[223]

Cultura

São Paulo é considerada polo cultural no Brasil, tendo-se consolidado como local de origem de toda uma série de movimentos artísticos e estéticos ao longo da história do século XX. Apesar de tradicionalmente rivalizar com o Rio de Janeiro o status de sede das principais instituições culturais do país, é em São Paulo que existe o maior mercado para a cultura, tendo hoje se consolidado como uma das principais capitais culturais do Brasil e da América Latina.[224]

A cultura da cidade de São Paulo foi largamente influenciada pelos diversos grupos de imigrantes que ali se estabeleceram, principalmente italianos. São Paulo possui uma ampla rede de teatros, casas de show e espetáculo, bares e grandes eventos culturais como a Bienal de São Paulo e a Virada Cultural. Instituições de ensino, museus e galerias de arte não raro empregam superlativos em suas descrições (sedia, por exemplo, a maior universidade pública do país — a Universidade de São Paulo — a maior universidade privada — a Universidade Paulista — e a maior casa de espetáculos do país, o Credicard Hall).[225] Entre os museus mais famosos da cidade estão Museu de Arte de São Paulo (MASP), o Museu do Ipiranga, o Museu de Arte Sacra, o Museu da Língua Portuguesa, a Pinacoteca do Estado de São Paulo, entre outras instituições de renome. Também abriga um dos cinco maiores parques zoológicos do mundo, o Parque Zoológico de São Paulo.[226]

A literatura na cidade de São Paulo começa com a chegada dos missionários da Companhia de Jesus, cujos membros são conhecidos como jesuítas, no início do século XVI. Os padres jesuítas Manuel da Nóbrega e José de Anchieta são considerados os fundadores da capital paulista.[227] Durante o século XIX a cidade teve grandes nomes da literatura como o escritor Álvares de Azevedo, representante da fase ultrarromântica do romantismo. Porém, os escritores paulistanos só atingem independência cultural e projeção nacional no início do século XX, com o movimento modernista brasileiro, principalmente após a realização da Semana de Arte Moderna em 1922.[228] Durante essa época surgem importantes escritores da literatura brasileira como Mário de Andrade e Oswald de Andrade, responsáveis pela introdução do modernismo no país e produtores de uma extensa e importante obra literária, dramatúrgica e crítica para a cultura brasileira.[229]

Um dos artistas grafiteiros &quotOs Gêmeos", no festival Indie Hip Hop de 2009. - São Paulo (cidade)
Um dos artistas grafiteiros "Os Gêmeos", no festival Indie Hip Hop de 2009.

A cidade possui nomes de renome como Adoniran Barbosa, cujos sucessos mais lembrados são Saudosa Maloca e Trem das Onze, e os Demônios da Garoa, grupo de samba da década de 1940 ainda em atividade considerado o "Conjunto Vocal Mais Antigo do Brasil em Atividade".[230] O município também foi o berço de várias bandas de rock nas décadas de 1960, 1970 e 1980, como os Os Mutantes,[231] o Ultraje a Rigor e os Titãs.[232] Entre os cantores paulistanos contemporâneos de maior reconhecimento, estão artistas como Ana Cañas, Criolo, Emicida, Maria Gadú, Maria Rita, Mallu Magalhães, Marcelo Jeneci, Racionais MC's, Tiê, entre outros. São Paulo também é um dos principais centros de música erudita do Brasil, sendo local de nascimento de compositores internacionalmente reconhecidos como Osvaldo Lacerda e Amaral Vieira, e palco durante o ano todo de apresentações de concertos e óperas em suas diversas salas, como a Sala São Paulo, o Teatro Municipal de São Paulo, o Teatro São Pedro e o Teatro Alfa. A Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp) é considerada o melhor conjunto sinfônico da América Latina.[233]

São Paulo é um dos principais centros de comunicação do Brasil e da América Latina, por reunir em seu território a sede de vários grandes grupos de comunicação. Dois dos jornais mais influentes do país[234] são publicados na cidade, ambos com reputação internacional: a Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo (o jornal mais antigo da cidade ainda em circulação).[235] No campo da televisão, a cidade foi pioneira com a criação da primeira emissora do país, a TV Tupi, pelo empresário Assis Chateaubriand, em setembro de 1950.[236] A cidade também foi pioneira em publicidade, sendo que nela foi instalada a primeira agência de publicidade do país, chamada "A Eclética", em 1914. Atualmente, o município é um grande centro publicitário nacional e internacional.[237] São Paulo também concentra um grande número de editoras que produzem algumas das principais publicações do Brasil. Entre elas destaca-se o Grupo Abril.[238]

Esportes

Fachada do Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, conhecido popularmente como Pacaembu. - São Paulo (cidade)
Fachada do Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, conhecido popularmente como Pacaembu.

A cidade sedia eventos esportivos de importância nacional e internacional, como o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1, realizado no Autódromo de Interlagos, o São Paulo Indy 300, evento que faz parte da IndyCar Series e é realizado no Circuito Anhembi,[239] [240] e o Aberto de São Paulo de Tênis, realizado no Complexo de Tênis do Parque Villa-Lobos. Também realiza-se na cidade a tradicional Corrida de São Silvestre. Entre os principais eventos dos quais São Paulo foi sede, estão a Copa do Mundo FIFA de 1950,[241] os Jogos Pan-Americanos de 1963[242] e o Mundial Interclubes de 2000,[243] além de ser a cidade-sede que recebeu a Abertura da Copa do Mundo FIFA de 2014 (e mais cinco partidas do mesmo torneio).[244] A cidade conta também com um Jockey Club, onde a primeira corrida aconteceu em 29 de outubro de 1876.[245]

O município é sede de três grandes clubes brasileiros de futebol: Corinthians, Palmeiras (fundado por italianos) e São Paulo FC. Além do chamado "Trio de Ferro", ainda conta com outras agremiações futebolísticas, como a Portuguesa de Desportos, o Juventus e o Nacional.[246] A cidade conta com cinco grandes estádios: Morumbi, do São Paulo FC;[247] Pacaembu, da administração municipal; Estádio Palestra Itália, da S.E. Palmeiras (atualmente em reforma para dar lugar à Arena Palestra Itália); Estádio do Canindé, da Portuguesa de Desportos[247] e a Arena do Corinthians, do Sport Club Corinthians Paulista, localizado em Itaquera, zona leste da cidade, com capacidade planejada para 48 mil pessoas.[248] Conta também com diversos ginásios de vôlei e basquete, quadras de tênis, e muitas outras arenas esportivas, como o Estádio do Ibirapuera, destinado principalmente ao atletismo.[249]

Panorama da Arena Corinthians, na zona leste do município, pouco antes do início da partida entre Uruguai e Inglaterra, durante a Copa do Mundo FIFA de 2014 - São Paulo (cidade)
Panorama da Arena Corinthians, na zona leste do município, pouco antes do início da partida entre Uruguai e Inglaterra, durante a Copa do Mundo FIFA de 2014

Ver também

Referências

  1. Unidade Territorial: 3515 - Metropolitana de São Paulo - SP Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2013). Página visitada em 27 de setembro de 2013.
  2. Unidade Territorial: 35061 - São Paulo - SP Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2013). Página visitada em 27 de setembro de 2013.
  3. Distâncias rodoviárias Areaseg. Página visitada em 31 de dezembro de 2010.
  4. Capitais dos estados Atlas Geográfico do Brasil. Página visitada em 1 de janeiro de 2011.
  5. a b IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  6. a b c d Estimativa populacional 2014 IBGE Estimativa populacional 2014. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2014). Página visitada em 29 de agosto de 2014.
  7. a b c Embrapa. São Paulo. Página visitada em 23 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 23 de agosto de 2011.
  8. a b Climate Summary (em inglês) Weatherbase. Página visitada em 2 de maio de 2014. Cópia arquivada em 2 de maio de 2014.
  9. a b c d e Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 31 de julho de 2013.
  10. a b c d e Produto Interno Bruto dos Municípios 2007-2011 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 21 dezembro 2013.
  11. Produto Interno Bruto dos Municípios 2011 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 21 dezembro 2013.
  12. a b Pimenta, Angela. Esqueça os países. O poder está com as cidades Revista Exame.
  13. GaWC, Univ. Loughborough. Inventory of World Cities.
  14. Sem nome. Brasão & Divisa da Cidade de São Paulo. Acesso: 23 de Janeiro, 2009
  15. a b São Paulo será 6ª cidade mais rica do mundo até 2025, diz ranking Price Waterhouse & Coopers e BBC Brasil (08 de novembro de 2009). Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  16. Cidade do Mundo Secretaria de Relações Internacionais de São Paulo.
  17. a b Assessoria de Comunicação e Imprensa Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) (17 de junho de 2005). Página visitada em 8 de setembro de 2008.
  18. a b Sobre a Bolsa BM&FBovespa. Página visitada em 20 de março de 2010.
  19. Tabela 793 – População residente, em 1º de abril de 2007: Publicação Completa Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA) (14 de novembro de 2007). Página visitada em 10 de agosto de 2008.
  20. a b World Gazetteer – Welt: Ballungsräume. Página visitada em 10 de agosto de 2008.
  21. "A primeira macrometrópole do hemisfério sul", Jornal Estadão. Página visitada em 12/10/2008.
  22. a b c AZEVEDO MARQUES, Manuel Eufrásio, Província de São Paulo, Editora Itatiaia, 1980
  23. SampaArt: O Caminho do Padre José de Anchieta. Página visitada em 12 de março de 2012. Cópia arquivada em 22 de março de 2012.
  24. a b Portal São Francisco: História da cidade de São Paulo - Fundação. Página visitada em 12 de março de 2012. Cópia arquivada em 22 de março de 2012.
  25. Luís Indriunas. HowStuffWorksComo surgiu e cresceu São Paulo. Página visitada em 12 de março de 2012. Cópia arquivada em 22 de março de 2012.
  26. The Origins of the City: Patio do Colegio Sao Paulo (em inglês) São Paulo Info. Página visitada em 10 de setembro de 2011. Cópia arquivada em 22 de março de 2012.
  27. PRESTES DE ALBUQUERQUE, Júlio, No Rancho de Paranapiacaba, Casa Mayença, São Paulo, 1922
  28. Cylaine Maria das Neves. "Marquês+de+Cascais"+1683&source=bl&ots=UmbwPZe1uy&sig=1fUK5s40dy8IM5YUHEYUjLnhSWc&hl=pt-BR&sa=X&ei=s5ZdT_qPCZKltweckbmGDw&ved=0CDUQ6AEwAg A vila de São Paulo de Piratininga: fundação e representação. Página visitada em 12 de março de 2012.
  29. ELLIS JÚNIOR, Alfredo, O Bandeirismo Paulista e o Recuo do Meridiano, Companhia Editora Nacional, São Paulo, 1934.
  30. Danilo Ribeiro Gallucci. Almanaque Brasil: Primeira estrada pavimentada aproxima São Paulo de Santos. Página visitada em 12 de março de 2012. Cópia arquivada em 22 de março de 2012.
  31. Companhia de Processamento de Dados de São Paulo (PRODAM): Imperial Cidade e Burgo dos Estudantes (1822 -1889). Página visitada em 12 de março de 2012. Cópia arquivada em 22 de março de 2012.
  32. a b c d Paula Porta, Antonio Arnoni Prado, Alzira Campos, Adriano Luiz Duarte (2004). História da cidade de São Paulo: A cidade no Império, 1823-1889. Página visitada em 12 de março de 2012.
  33. a b c d Prefeitura de São Paulo: Abrindo os trilhos para a locomotiva (5 de outubro de 2005). Página visitada em 12 de março de 2012. Cópia arquivada em 22 de março de 2012.
  34. PIRES, Cornélio, Sambas e Cateretês, Editora Unitas Ltda, São Paulo, 1932
  35. Toledo, 2004
  36. Jéssika Torrezan (29 de junho de 2011). Revista VejaA história dos Jardins. Página visitada em 12 de março de 2012. Cópia arquivada em 22 de março de 2012.
  37. Turismo (4 de março de 2010). História de São Paulo. Página visitada em 3 de janeiro de 2011. Cópia arquivada em 30 de março de 2012.
  38. Baty, Phil. The goals will come Times Higher Education. Página visitada em 30 de outubro de 2010.
  39. a b c São Paulo 450 anos: Cidade Moderna (1930-1960). Página visitada em 28 de março de 2012. Cópia arquivada em 30 de março de 2012.
  40. PRESTES MAIA, Francisco, Plano de Avenidas para a Cidade de São Paulo, Editora Melhoramentos, São Paulo, 1930
  41. O Estado ajuda a Prefeitura a resolver o problema crucial da cidade: o metrô, Diário Oficial do Estado de São Paulo, página 1, 14 de fevereiro de 1963
  42. Metrô de São Paulo1974. Página visitada em 14 de março de 2012. Cópia arquivada em 30 de março de 2012.
  43. São Paulo ocupa 56ª posição em ranking de comércio global BBC Brasil. Página visitada em 13 de outubro de 2008. Cópia arquivada em 22 de março de 2012.
  44. Cidade de São Paulo. Pico do Jaraguá. Página visitada em 5 de março de 2011.
  45. A maior floresta urbana do mundo Parque Estadual da Pedra Branca. Página visitada em 22 de novembro de 2008.
  46. Gabriela Taussig Fujita (março de 2005). Água para os ecossistemas Revista Terra da Gente. Página visitada em 22 de novembro de 2008.
  47. a b Temperatura Média Compensada (°C) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 12 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  48. a b Precipitação Acumulada Mensal e Anual (mm) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 12 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  49. a b Insolação Total (horas) Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 12 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  50. a b Umidade Relativa do Ar Média Compensada (%) Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 12 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  51. Eugenio Hackbart (5 de junho de 2007). Onda de frio garante raras imagens de geada dentro da cidade de São Paulo METSUL. Página visitada em 24 de março de 2014. Cópia arquivada em 24 de março de 2014.
  52. Série Histórica de Dados - Precipitação (mm) - São Paulo (Mirante de Santana) Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 24 de março de 2014.
  53. Histórico de Medições para São Paulo em 15/08/1999 Weather Underground. Página visitada em 24 de novembro de 2008.
  54. a b Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Mínima (ºC) - São Paulo (Mirante de Santana) Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 24 de março de 2014.
  55. São Paulo registra menor temperatura em quase oito anos Portal Notícias R7 (28 de junho de 2011). Página visitada em 26 de abril de 2014. Cópia arquivada em 24 de junho de 2012.
  56. a b Série Histórica - Dados Diários - Temperatura Máxima (ºC) - São Paulo - Mirante de Santana Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 24 de março de 2014.
  57. Série Histórica - Dados Mensais - Precipitação Total (mm) Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 26 de abril de 2014.
  58. Temperatura Máxima (°C) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 12 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  59. Temperatura Mínima (°C) Instituto Nacional de Meteorologia (1961-1990). Página visitada em 12 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  60. Número de Dias com Precipitação Maior ou Igual a 1 mm (dias) Instituto Nacional de Meteorologia. Página visitada em 12 de junho de 2014. Cópia arquivada em 4 de maio de 2014.
  61. School of Public Health, University of Sao Paulo. (2003). "Air pollution and children's health in Sao Paulo (1986-1998)". Soc Sci Med. 53 (Dec): 2013–2022.
  62. Revista VejaRio tem ar mais poluído que Cubatão e São Paulo, diz OMS (26 de setembro de 2011). Página visitada em 27 de setembro de 2013.
  63. G1Estudo aponta que poluição mata mais que o trânsito em São Paulo (24 de setembro de 2013). Página visitada em 27 de setembro de 2013.
  64. O Estado de S. Paulo: Rio mais poluído do País, Tietê é também o mais rico e populoso (22 de setembro de 2013). Página visitada em 27 de setembro de 2013.
  65. Whately, Marussia; Blauth, Fernanda; Weiss, Bruno; "Haverá água para todos?" in Le Monde Diplomatique Brasil, edição de janeiro de 2008; São Paulo: Instituto Pólis
  66. Carros de R$ 6 mil antecipariam apagão no trânsito Notícias Terra (22 de setembro de 2007). Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  67. Mapa Verde Prefeitura de São Paulo. Página visitada em 25 de janeiro de 2011.
  68. Parques Municipais Prefeitura de São Paulo. Página visitada em 20 de março de 2010.
  69. Parque Estadual da Cantareira Governo do Estado de São Paulo. Página visitada em 18 de setembro de 2010.
  70. Paulistanos carentes de áreas verdes Eco. Página visitada em 27 de junho de 2009.
  71. Edison Veiga (30 de agosto de 2014). O Estado de S. PauloO sessentão que não sai de moda.
  72. a b Histórico demográfico do município de São Paulo Prefeitura de São Paulo. Página visitada em 24 de novembro de 2008. Cópia arquivada em 28 de março de 2012.
  73. a b CENSO 2010 - SÃO PAULO Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  74. Tabela 2.1 - População residente, total, urbana total e urbana na sede municipal, em números absolutos e relativos, com indicação da área total e densidade demográfica, segundo as Unidades da Federação e os municípios – 2010 IBGE (2010). Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  75. Tabela 3145 - População residente por sexo, situação do domicílio e cor ou raça - Resultados Preliminares do Universo IBGE (2010). Página visitada em 1º de abril de 2012.
  76. Destaques PNUD (2010). Página visitada em 9 de agosto de 2013.
  77. a b Cidades@ - IBGE (2003). Mapa de Pobreza e Desigualdade - Municípios Brasileiros 2003. Página visitada em 25 de janeiro de 2011.
  78. Brasile, la stella del Sud Archivio Storico dell'Emigrazione Italiana (11 de dezembro de 2007). Página visitada em 20 de novembro de 2008.
  79. Nordestinos são vítimas de preconceitos Folha Online. Página visitada em 20 de novembro de 2008.
  80. a b A capital paulista tem sotaque italiano (em português) Agência Brasil. Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  81. Italianos - História da Comunidade Prefeitura Municipal de São Paulo.
  82. São Paulo consome mais pizza do que a Itália JB Online.
  83. Consumo de pizzas na capital paulista só perde para Nova Iorque UOL Notícias (10 de julho de 2008). Página visitada em 20 de novembro de 2008.
  84. Mais de três milhões de portugueses moram na cidade Agência Brasil.
  85. a b Fernanda Pereira Neves e Matheus Magenta (25 de janeiro de 2009). Folha de S. PauloAsiáticos e sul-americanos são os principais povos que imigram para São Paulo. Página visitada em 28 de março de 2012.
  86. a b Monia Ferrari/UFSCar. A Migração Nordestina para São Paulo no segundo governo Vargas (1951-1954) – Seca e desigualdades regionais. Página visitada em 4 de setembro de 2011.
  87. Migrantes Governo do Estado de São Paulo. Página visitada em 24 de novembro de 2008.
  88. SEADEMaior população negra do país (2006). Página visitada em 28 de março de 2012.
  89. Giving Brazil a taste of Arabia BBC.
  90. Árabes encontram paz e prosperidade em São Paulo Agência Brasil.
  91. São Paulo - Quatro séculos e meio (em português) Agência Brasil. Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  92. Gilberto Baptista Castilho e Marília Gomes Ghizzi Godoy (Abril de 2006). Universidade São MarcosA presença de valores orientais na cultura brasileira: as novas religiões japonesas. Página visitada em 29 de março de 2012.
  93. a b c d Tabela 2094 — População residente por cor ou raça e religião IBGE (2000). Página visitada em 24 de novembro de 2008.
  94. Arquidiocese de São Paulo. Página visitada em 28 de março de 2012.
  95. Lívia Marra (1 de outubro de 2002). Reaberta, catedral da Sé (SP) tem missas diárias e visitas guiadas Folha de São Paulo. Página visitada em 24 de novembro de 2008.
  96. Canção NovaApóstolo Paulo é novo padroeiro da cidade (24 de janeiro de 2008). Página visitada em 28 de março de 2012.
  97. Prefeitura de São Paulo: Subprefeitura da Penha - Histórico. Página visitada em 28 de março de 2012.
  98. a b c Prefeitura de São Paulo: Atlas de Trabalho e Desenvolvimento da Cidade de São Paulo. Página visitada em 28 de março de 2012.
  99. Villaça, 1998; Maricato, 1996; Rolnik, 2003
  100. Eunice Ribeiro Durham (abril de 1986). A Sociedade Vista da Periferia. Página visitada em 29 de março de 2012.
  101. a b Analfabetismo na cidade do Rio de Janeiro Governo do Estado do Rio de Janeiro (junho de 2002). Página visitada em 5 de agosto de 2008.
  102. a b Rio e São Paulo são as cidades com mais analfabetos do País UOL Notícias da Educação (5 de junho de 2003). Página visitada em 5 de agosto de 2008.
  103. a b No IDEB, 'pior' cidade raspa nota zero; maioria tira menos de 5 UOL Educação (26 de abril de 2007). Página visitada em 5 de agosto de 2008.
  104. a b As 20 melhores escolas do país no ENEM 2007 Portal G1 (3 de abril de 2008). Página visitada em 5 de agosto de 2008.
  105. a b Virada Social leva serviços gratuitos ao Jardim Elisa Maria Governo do Estado de São Paulo. Página visitada em 8 de agosto de 2008.
  106. BBC/G1. (26 de maio de 2010). São Paulo ocupa 117ª posição em ranking mundial de qualidade de vida, acesso em 26 de maio de 2010
  107. BBC/O Estado de S.Paulo. (26 de maio de 2010).São Paulo ocupa 117ª posição em ranking de qualidade de vida, acesso em 26 de maio de 2010
  108. Lessandro Vendrame e Kerma Matos (Qui, 01/03/07). Serra e Marzagão visitam 9º DP, um dos cinco melhores do mundo Secretária de Segurança Pública - Governo do Estado de São Paulo. Página visitada em 18 de setembro de 2010.
  109. Revista ExameRedução do índice de homicídios em SP surpreende ONU (6 de outubro de 2011). Página visitada em 11 de outubro de 2010.
  110. Estatísticas Secretaria de Segurança Pública website. Página visitada em 21 de março de 2010.
  111. Uma vitória sobre o crime Época magazine website (31 de janeiro de 2008). Página visitada em 14 de fevereiro de 2008.
  112. Mapa da Violência dos Municípios Brasileiros 2008 Rede de Informação Tecnológica Latino Americana (RITLA) (29 de janeiro de 2008). Página visitada em 26 de outubro de 2008.
  113. Angela Pinho (30 janeiro de 2008). Número de homicídios cai no Brasil Folha Online. Página visitada em 14 de fevereiro de 2008.
  114. Demétrio Weber (21 de julho de 2009). Violência: índice de mortes do Rio é três vezes maior que o de SP O Globo Online. Página visitada em 22 de julho de 2009.
  115. SP é capital com menos jovens expostos à violência, diz pesquisa G1 (24 de novembro de 2009). Página visitada em 25 de novembro de 2009.
  116. SEm 10 anos, novo perfil do crime em SP O Estado de S. Paulo (13 de fevereiro de 2011). Página visitada em 15 de fevereiro de 2010.
  117. WAISELFISZ, Julio Jacobo (2011). Mapa da Violência 2011 Instituto Sangari. Página visitada em 5 de março de 2011.
  118. Prefeitura de São Paulo: São Paulo, da taipa ao concreto. Página visitada em 29 de março de 2012.
  119. a b c d Secretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras. O que é Secretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras. Página visitada em 18 de setembro de 2010.
  120. EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 58, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009 Senado Federal. Página visitada em 24 de novembro de 2008.
  121. Prefeitura de São Paulo: LDO – Lei de Diretrizes Orçamentárias. Página visitada em 29 de março de 2012.
  122. São Paulo Turismo. Sobre a São Paulo Turismo. Página visitada em 18 de setembro de 2010.
  123. ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRANSPORTES PÚBLICOS. CIA. ENGENHARIA DE TRÁFEGO - CET/SP. Página visitada em 18 de setembro de 2010.
  124. Prefeitura de São Paulo. História. Página visitada em 18 de setembro de 2010.
  125. Prefeitura de São Paulo. Empresa. Página visitada em 18 de setembro de 2010.
  126. Prefeitura de São Paulo. Empresa. Página visitada em 18 de setembro de 2010.
  127. A SPTrans. Página visitada em 18 de setembro de 2010.
  128. Prefeitura Municipal de São Paulo. Lei nº 14 471 de 10 de julho de 2007. Página visitada em 10 de novembro de 2008.
  129. Observatório Cidadão - Rede Nossa São Paulo, esse site análisa as 31 subprefeituras e os 96 distritos
  130. LEI Nº 13.399, DE 1º DE AGOSTO DE 2002 - DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DE SUBPREFEITURAS NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS Portal da Prefeitura de São Paulo. Página visitada em 19 de junho de 2012. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012.
  131. LEI Nº 11.220, DE 20 DE MAIO DE 1992 - INSTITUI A DIVISÃO GEOGRÁFICA DA ÁREA DO MUNICÍPIO EM DISTRITOS, REVOGA A LEI Nº 10.932, DE 15 DE JANEIRO DE 1991, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.. Página visitada em 19/06/2012.
  132. Ruas de São Paulo ganham novas placas de identificação Prefeitura de São Paulo. Página visitada em 18 de setembro de 2010.
  133. Secretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras. Dados Demográficos dos Distritos pertencentes às Subprefeituras Secretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras. Página visitada em 27 de setembro de 2010. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2012.
  134. Atividades econômicas do Brasil por empregados (2012) Plataforma DataViva.. Página visitada em 13 de janeiro de 2014.
  135. O Estado de S. PauloCidade de São Paulo gera R$ 14 mil de riqueza por segundo (24 de janeiro de 2013). Página visitada em 25 de janeiro de 2013.
  136. IBGE: metade do PIB de SP está na região metropolitana Jornal "O Estadão" (20 de dezembro de 2007). Página visitada em 24 de novembro de 2008.
  137. IBGE divulga relação das 12 cidades mais influentes do país G1 (10 de outubro de 2008).
  138. Patricia Lara (21 de maio de 2011). SP é a sexta cidade no mundo em número de bilionários Agência Estado. Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  139. Crise global afetou mais SP, diz FGV, O Estado de São Paulo, 9 de outubro de 2009.
  140. Worldwide Cost of Living survey 2011 - Top 50 cities: Cost of living ranking (em inglês) Mercer (2011-07-12). Página visitada em 2011-07-22.
  141. SP é a 10ª cidade mais cara do mundo para estrangeiros; RJ é a 12ª UOL Noticias. Página visitada em 22 de julho de 2011.
  142. Revista Exame (2012). As 10 maiores bolsas do mundo em capitalização de mercado Exame.abril.com. Página visitada em 25 de janeiro de 2013.
  143. a b Ricardo Gallo. Incompleta, Oscar Freire inaugura sua nova cara. Página visitada em 26 de dezembro de 2007.
  144. Heitor Frúgoli Jr. Centralidade em São Paulo: trajetórias, conflitos e negociações na metrópole São Paulo 450 Anos. Página visitada em 15 de dezembro de 2010.
  145. Tendências da segregação social em metrópoles globais e desiguais: Paris e Rio de Janeiro nos anos 1980 Eure (Santiago). Página visitada em 24 de novembro de 2008.
  146. Zeuler Lima. Enclaves globais em São Paulo: urbanização sem urbanismo? Portal Vitruvius. Página visitada em 17 de fevereiro de 2008.
  147. Ferreira, João Sette Whitaker; O mito da cidade global, tese de doutorado apresentada à FAUUSP, 2003; Fix, Mariana; São Paulo: Cidade global; São Paulo: Boitempo, 2007
  148. Estudo sobre a economia informal em São Paulo Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (IETS). Página visitada em 17 de fevereiro de 2008.
  149. Perfil de jovens pobres em São Paulo revela aumento de escolaridade Folha Online (23 de agosto de 2001). Página visitada em 22 de novembro de 2008.
  150. Marcelo Mora (10 de julho de 2008). ‘25 de Março’ é pólo irradiador da pirataria, diz delegado G1. Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  151. Priscila Trindade (16 de dezembro de 2009). Prefeitura faz operação contra pirataria em São Paulo Agência Estado. Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  152. Prefeitura destrói 1,5 milhão de CDs e DVDs piratas e contrabandeados Prefeitura Municipal de São Paulo (SP) (18 de dezembro de 2007). Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  153. a b São Paulo Turismo S/A (SP Turis): O melhor destino para seus eventos e negócios. Página visitada em 29 de março de 2012.
  154. Carol Garcia. São Paulo Fashion Week e a expansão de valor agregado às marcas participantes Moda Brasil. Página visitada em 20 de novembro de 2008.
  155. São Paulo entre as 25 cidades mais caras do mundo RFI (24 de julho de 2008). Página visitada em 22 de novembro de 2008.
  156. Paris ties with Vienna as top conference city in ICCA rankings (Maio de 2009). Página visitada em Junho de 2009.
  157. BBC BrasilSP pode virar principal destino turístico na AL em 2017, aponta estudo (11 de julho de 2014). Página visitada em 12 de julho de 2014.
  158. Retrospectiva Congresso Internacional de Gastronomia, Hospitalidade e Turismo. Página visitada em 21 de março de 2010.
  159. Cobertura de jornais internacionais revela São Paulo ao mundo (Março de 2013). Página visitada em 29 de Março de 2013.
  160. a b c d Município em Dados: Infra-estrutura Prefeitura de São Paulo
  161. a b Abastecimento de água e esgotamento sanitário nas capitais brasileiras, em 2004 (pdf)
  162. a b O Estado de S.Paulo. (14 de maio de 2010). A sustentabilidade urbana, acesso em 14 de maio de 2010
  163. Skyline Ranking Emporis.com. Página visitada em 20 de novembro de 2008.
  164. Sylvio Rocha Nogueira. A verticalização predial e o melhor urbanismo brasileiro Revista SIM. Página visitada em 22 de novembro de 2008.
  165. Heitor e Silvia Reali. Edifício Martinelli Andreato Comunicação e Cultura. Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  166. a b c Luís Indriunas. HowStuffWorksPlanejamento urbano em São Paulo. Página visitada em 29 de março de 2012.
  167. Cf. Feldman, 2005 e Villaça, 2001
  168. Rolnik, 2007; Maricato, 2003 ([1])
  169. Maricato, op. cit.
  170. O Déficit Habitacional e a invasão do edifício Prestes Maia Prefeitura de São Paulo (26 de feveiro de 2006). Página visitada em 22 de novembro de 2008.
  171. Idem, excerto: (…)3,4 milhões residem em moradias precárias, 1,6 milhões em loteamentos clandestinos ou irregulares, 1,2 milhão em favelas e 600 mil em cortiços.
  172. Luiza Bragion. Déficit habitacional exige medidas urgentes ComCiência. Página visitada em 20 de novembro de 2008.
  173. Metrópole O Estado de S. Paulo (23 de novembro de 2006). Página visitada em 20 de novembro de 2008.
  174. São Paulo tem queda no crescimento populacional Terra Notícias (24 de janeiro de 2008). Página visitada em 24 de novembro de 2008.
  175. Paulista e Masp: destino mais procurado pelos turistas Veja São Paulo.
  176. a b c Marisa Varanda Teixeira Carpintéro (2007). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)[12URBANA2_CARPINTERO.pdf Tempo e História no Plano de Avenidas]. Página visitada em 29 de março de 2012.
  177. Feldman, Sarah; Planejamento e zoneamento: São Paulo 1947-1972; São Paulo: Edusp, 2002, ISBN 8531408482
  178. Feldman, 2004. Op. cit.; Villaça, 1998, op. cit.
  179. a b Folha de S. PauloNovo instituto do câncer irá atender planos de saúde (7 de maio de 2008). Página visitada em 6 de novembro de 2012.
  180. Hospital Albert Einstein: Einstein no 1º lugar no ranking dos melhores Hospitais da América Latina. Página visitada em 6 de novembro de 2012.
  181. Notícias Hospitalares: Gestão do complexo: O Hospital das Clínicas de São Paulo, o maior complexo hospitalar da América Latina, busca novos caminhos para melhorar sua gestão. Página visitada em 6 de novembro de 2012.
  182. Datasus. DATASUS Datasus.gov.br. Página visitada em 6 de novembro de 2012.
  183. São Paulo em Movimento - Frota de linhas municipais de ônibus Prefeitura de São Paulo. Página visitada em 21 de março de 2010.
  184. Prefeita entrega certificados de regularidade a empresas de fretamento APROVETUR. Página visitada em 24 de novembro de 2008.
  185. São Paulo deve atingir hoje a marca de 6 milhões de veículos Folha Online (21 de fevereiro de 2008). Página visitada em 20 de novembro de 2008.
  186. Números da Metrópole SPMetrópole. Página visitada em 1 de maio de 2010.
  187. Carolina Garcia (19 de agosto de 2013). São Paulo passa a ter a maior frota de helicópteros do mundo e adota restrições IG. Página visitada em 27 de setembro de 2013.
  188. Segunda Fase do Rodoanel deve diminuir trânsito de caminhões na marginal. Página visitada em 31 de janeiro de 2011.
  189. São Paulo Governo do Estado de São Paulo. Página visitada em 20 de março de 2010.
  190. Curitiba capital mais motorizada do País, seguida por Goiânia.
  191. São Paulo registra maior trânsito de sua história (23/05/2014). Página visitada em 13/05/2014. Cópia arquivada em 13/06/2014.
  192. Investimento em transporte público é única solução para trânsito de SP, dizem especialistas Uol Notícias (01/05/2011). Página visitada em 12/032012.
  193. InfraeroAeroporto de São Paulo/Congonhas. Página visitada em 29 de março de 2012.
  194. InfraeroAeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos. Página visitada em 29 de março de 2012.
  195. InfraeroAeroporto Campo de Marte. Página visitada em 29 de março de 2012.
  196. Jornal NacionalPrivatização de três aeroportos brasileiros rende R$ 24,5 bilhões (6 de fevereiro de 2012). Página visitada em 29 de março de 2012.
  197. a b Do G1, em São Paulo, com informações do SPTV (21 de novembro de 2007). G1Terminal Tietê comemora 25 anos nesta terça.
  198. Metrô de São PauloQuem somos. Página visitada em 29 de março de 2012.
  199. Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM): A Companhia. Página visitada em 29 de março de 2012.
  200. Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU): Quem somos. Página visitada em 29 de março de 2012.
  201. São Paulo Transporte (SPTrans): A SPTrans. Página visitada em 29 de março de 2012.
  202. a b Folha Online - Especial - 2006 - São Paulo 452 (23 de janeiro de 2006). Página visitada em 31 de janeiro de 2011.
  203. TERMINAIS RODOVIÁRIOS - Socicam - Terminais de Passageiros. Página visitada em 31 de janeiro de 2011.
  204. METRÔ - SP - Mapa da Rede - Linha 1-Azul - Estação Portuguesa-Tietê. Página visitada em 31 de janeiro de 2011.
  205. Metrô de São Paulo - Mapa da Rede.
  206. Metrô terá novos cargos de confiança para evitar greve G1 (3 de agosto de 2007). Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  207. All the main projects from the São Paulo railway and underground system for the next 10 years can be found on the Metrô and CPTM.
  208. Metrô de São Paulo é escolhido como o melhor das Américas abn. Agência Brasileira de Notícias (2 de abril de 2010). Página visitada em 05/04/2010.
  209. a b IBGE Cidades Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
  210. Ideb: São Paulo fica em 1 903º lugar no ranking. Inep analisará dados contestados por secretaria de Educação O Globo. Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  211. a b Universidade de São Paulo (1997). A USP. Página visitada em 19 de abril de 2011.
  212. IFSP. Instituto Federal de São Paulo - Campus São Paulo. Página visitada em 19 de abril de 2011.
  213. Universidade Federal de São Paulo (2006). UNIFESP - Campus São Paulo. Página visitada em 19 de abril de 2011.
  214. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Unidades. Página visitada em 19 de abril de 2011.
  215. a b Reitora da USP nega queda em produção científica (25 de janeiro de 2009). Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  216. Roberto C. G. Castro (30 de maio a 05 de junho de 2005). Os números da inovação no País Jornal da USP. Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  217. Apresentação Instituto Butantan. Página visitada em 6 de agosto de 2008.
  218. Unidades de pesquisa Instituto Butantan. Página visitada em 6 de agosto de 2008.
  219. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2010). Campi/Unidades Suplementares. Página visitada em 19 de abril de 2011.
  220. Universidade Presbiteriana Mackenzie (2011). Universidade Presbiteriana Mackenzie. Página visitada em 19 de abril de 2011.
  221. FAAP. Fundação Armando Álvares Penteado. Página visitada em 19 de abril de 2011.
  222. Sistema de Bibliotecas da FGV. Biblioteca Karl A. Boedecker (SP). Página visitada em 20 de abril de 2011.
  223. Escola Superior de Propaganda e Marketing. ESPM - São Paulo. Página visitada em 20 de abril de 2011.
  224. São Paulo: Capital Cultural do Brasil BrasilViagem.com. Página visitada em 24 de novembro de 2008.
  225. Revista ExameA invasão Estrangeira (8 de dezembro de 2003). Página visitada em 29 de março de 2012.
  226. Conheça o Zoo Fundação Parque Zoológico de São Paulo (2007). Página visitada em 22 de novembro de 2008.
  227. Antonio Carlos Olivieri. UolO que se escrevia sobre a colônia. Página visitada em 29 de março de 2012.
  228. Literatura com sotaque paulistano HowStuffWorks. Página visitada em 18 de setembro de 2010.
  229. Modernismo no Brasil Itaú Cultural. Página visitada em 18 de setembro de 2010.
  230. Demônios da Garoa Demônios da Garoa. Página visitada em 20 de março de 2010.
  231. Os Mutantes: Biografia. Página visitada em 29 de março de 2012.
  232. Ultraje a Rigor: Biografia. Página visitada em 29 de março de 2012.
  233. Música Governo do Estado de São Paulo. Página visitada em 22 de novembro de 2008.
  234. Paulino Motter. The role of the media in educational policy formation and legitimation in Brazil: 1995-2008. [S.l.]: Universidade do Wisconsin-Madison, 2008.
  235. O Estado de S. PauloHistórico - Grupo Estadão. Página visitada em 31 de março de 2012.
  236. Netsaber (biografias) – Assis Chateaubriand
  237. Adolpho Queiroz. Primórdios da publicidade na cidade de São Paulo e o pioneirismo de João Castaldi. Página visitada em 31 de março de 2012.
  238. Institucional Abril Media
  239. Band (26 de janeiro de 2010). Fórmula Indy divulga traçado do circuito de São Paulo. Página visitada em 11 de fevereiro de 2010.
  240. Prefeitura de São Paulo (2009). São Paulo sediará abertura do Mundial de Fórmula Indy. Página visitada em 7 de novembro de 2010.
  241. Portal TerraCopa de 1950. Página visitada em 31 de março de 2012.
  242. Portal TerraSão Paulo 1963. Página visitada em 31 de março de 2012.
  243. FIFAUma festa no país do futebol. Página visitada em 31 de março de 2012.
  244. Revista VejaCidades-sede da Copa de 2014 (Janeiro de 2009). Página visitada em 31 de março de 2012.
  245. Jockey Club de São Paulo. Página visitada em 20/03/2012.
  246. Copa 2014 - São Paulo. Página visitada em 20/03/2012.
  247. a b Stadiums in Brazil (São Paulo) World Stadiums. Página visitada em 24 de novembro de 2008.
  248. Corinthians. Página visitada em 7 de abril de 2012.
  249. Parque do Ibirapuera: Ginásio do Ibirapuera. Página visitada em 31 de março de 2012.

Bibliografia

  • ________, Planejamento Prefeito Ademar de Barros 1957 - 1961, Departamento de Urbanismo - Secretaria de Obras - Prefeitura Municipal de São Paulo, 1961.
  • Arantes, Otília; Maricato, Ermínia; Vainer, Carlos; A cidade do pensamento único; Petrópolis: Vozes, 2000
  • Bonduki, Nabil; Habitar São Paulo: Reflexões sobre a gestão urbana; São Paulo: Editora Liberdade, 2000; ISBN 85-7448-032-0
  • Campos Neto, Cândido Malta; Os rumos da cidade: Urbanismo e modernização em São Paulo; São Paulo: Senac, 2002
  • Feldman, Sarah; São Paulo: Planejamento e zoneamento - 1947-1972; São Paulo: Edusp, 2005; 8531408482
  • Maricato, Ermínia; Produção capitalista da casa e da cidade no Brasil industrial; São Paulo: Álfa Ômega, 1982
  • Porta, Paula (org); História da cidade de São Paulo - 3 volumes; São Paulo: Editora Paz e Terra, 2004
  • Rolnik, Raquel; A cidade e a lei. Legislação, política urbana e territórios na cidade de São Paulo; São Paulo: Studio Nobel, 2007
  • Toledo, Benedito Lima de; São Paulo: três cidades em um século; São Paulo: Editora Cosac e Naify, 2004; ISBN 85-7503-356-5
  • Villaça, Flávio; Espaço intraurbano no Brasil; São Paulo: Studio Nobel, 2001, ISBN 85-85445-75-0
This page is based on data from Wikipedia (read/edit), Freebase, Amazon and YouTube under respective licenses.
Text is released under the Creative Commons Attribution-ShareAlike License.