.
.
.
.
Want Wikipedia to look like this?   
Click here to upgrade your Wikipedia experience
Mitologia grega | QuickiWiki

Mitologia grega

  PO

Overview

Busto de Zeus, em Otricoli (Sala Rotonda, Museu Pio-Clementino, Vaticano). Cópia romana de original grego, século IV AD. - Mitologia grega
Busto de Zeus, em Otricoli (Sala Rotonda, Museu Pio-Clementino, Vaticano). Cópia romana de original grego, século IV AD.

Mitologia grega é o corpo de mitos e ensinamentos que pertencem à Grécia Antiga, sobre seus deuses e heróis, a natureza do mundo, as origens e o significado de seu próprio culto e práticas rituais. Era parte da religião na Grécia antiga. Estudiosos modernos referem-se e estudam os mitos na tentativa de lançar luz sobre as instituições políticas e religiosas da Grécia Antiga e sua civilização e assim ter uma compreensão da natureza da geração do mito em si.[1]

É ainda o estudo dos conjuntos de narrativas relacionadas aos mitos dos gregos antigos, de seus significados e da relação entre eles e os povos — consideradas, com o advento do cristianismo, como meras ficções alegóricas.[2] Para muitos estudiosos modernos, contudo, entender os mitos gregos é o mesmo que lançar luz sobre a compreensão da sociedade grega antiga e seu comportamento, bem como suas práticas ritualísticas.[3]

Achados arqueológicos fornecem a principal fonte de detalhes sobre a mitologia grega, já que deuses e heróis têm grande destaque na decoração de muitos artefatos. Desenhos geométricos em cerâmica do século VIII a.C. retratam cenas do ciclo de Tróia, bem como as aventuras de Hércules. Nos seguintes períodos Arcaico, Clássico e Helenístico, Homero e várias outras cenas mitológicas aparecem, completando a evidência literária existente.[4] Os mitos também estão preservados nos Hinos homéricos, em fragmentos de poemas do Ciclo Épico, na poesia lírica, no âmbito dos trabalhos das tragédias do século V a.C., nos escritos de poetas e eruditos do Período Helenístico e em outros documentos de poetas do Império Romano, como Plutarco e Pausânias.[5] A principal fonte para a pesquisa de detalhes sobre a mitologia grega são as evidências arqueológicas que descobrem e descobriram decorações e outros artefatos, como desenhos geométricos em cerâmica, datados do século VIII a.C., que retratam cenas do ciclo troiano e das aventuras de Hércules.[5] Sucedendo os períodos Arcaico, Clássico e Helenístico, Homero e várias outras personalidades aparecem para completar as provas dessas existências literárias.[5]

A mitologia grega tem uma extensa influência sobre a cultura, as artes e a literatura da civilização ocidental e permanece como parte da herança e da linguagem ocidental. Poetas e artistas desde os tempos antigos até o presente têm sua inspiração derivada da mitologia grega e têm descoberto significados contemporâneos e relevâncias em seus temas.[6]

Seu patrimônio também influi na ciência, como no caso dos nomes dados aos planetas do Sistema Solar e em estudos teóricos, acadêmicos, psicanalíticos, antropológicos e muitos outros,[7] [8] [9] [10] além de nos dias de hoje tradições neopagãs como a Wicca serem influenciadas por ela e outras como o dianismo, a Stregheria e principalmente o dodecateísmo (ou neopaganismo helênico) tenham tentado resgatar suas crenças.

Dioniso e sátiros. Interior de um vaso com figuras vermelhas, 480 a.C. - Mitologia grega
Dioniso e sátiros. Interior de um vaso com figuras vermelhas, 480 a.C.
Hércules e Atena. Cerâmica grega antiga, 480–470 a.C. - Mitologia grega
Hércules e Atena. Cerâmica grega antiga, 480–470 a.C.

Termo e compreensão

Num contexto acadêmico, a palavra "mito" significa basicamente qualquer narrativa sacra e tradicional, seja verdadeira ou falsa.[11] [12] O sufixo "-logia", derivado do radical grego "logos",[13] [14] representa um campo de estudo sobre um assunto em particular.[14] Com a junção de ambos os termos, "mitologia grega" seria, basicamente, o estudo dos mitos gregos, ou seja, os que fazem parte da cultura da Grécia.[2] Sendo assim, o termo não só alude ao estudo dos mitos como também aos próprios mitos. Como escreve o professor e escritor português Carlos Ceia, "termo de dupla significação, indica, por um lado, o conjunto dos mitos ou narrativas míticas relativas a seres sobrenaturais, fantásticos ou de valor super humano e, por outro lado, o estudo ou interpretação dos mitos."[15]

É um termo crítico moderno e, portanto, os próprios gregos e romanos antigos não se referiam a suas crenças como "mitos" ou "mitologia", mas como religião (ver capítulo Interpretação), o que ainda hoje em dia ocorre com os neopaganistas helênicos, embora estes vivam um acontecimento moderno diferente de resgate e preservação e mesmo certos grupos de adeptos entendam o papel dos mitos como arquétipos ou símbolos (ver seção Neopaganismo e resgate).

Para mais informações sobre o histórico de interpretação dos mitos gregos, dirija-se até as sub-seções: Concepções greco-romanas e Interpretações modernas. É importante ressaltar que, nesse artigo, as palavras "mitologia" e "mito" são usadas para as narrativas tradicionais e sagradas das culturas clássicas, sem qualquer implicação de que esta ou aquela seja verdadeira ou falsa.

Mito e sociedade

As dafnefórias (1876), oléo sobre tela de Frederic Leighton: a dafnefória era um festival dedicado a Apolo celebrado pelos gregos a cada nove anos, em Tebas, Beócia.[16] - Mitologia grega
As dafnefórias (1876), oléo sobre tela de Frederic Leighton: a dafnefória era um festival dedicado a Apolo celebrado pelos gregos a cada nove anos, em Tebas, Beócia.[16]

A mitologia grega era assunto principal nas aprendizagens das crianças da Grécia Antiga, como meio de orientá-las no entendimento de fenômenos naturais e em outros acontecimentos que ocorriam sem o intermédio dos homens.[17] Os gregos antigos atribuíam a cada fenômeno natural uma criatura ou um deus diferente.[18] Certos estudiosos modernos dizem que, quando passaram a inventar meios de calcular o tempo e quando criaram mecanismos de datação como o calendário, seus mitos declinaram (ver seção Declínio logo abaixo).[18] Os poetas atribuíam esses estados térmicos, como também as relações e as características humanas, aos deuses e a outras histórias lendárias, e elas serviram durante um bom tempo como cultos ritualísticos na sociedade da Grécia antiga.[17]

Mulher ajoelhada diante de um altar. Pintura vermelha em cerâmica, ca. 510-500 a.C. Antigo Museu Ágora de Atenas. - Mitologia grega
Mulher ajoelhada diante de um altar. Pintura vermelha em cerâmica, ca. 510-500 a.C. Antigo Museu Ágora de Atenas.

Além das crianças serem educadas através dos mitos, as famílias aristocráticas da Grécia, assim como os reis, e também profissionais, como os médicos, possuíam a tradição de se ligarem genealogicamente a antepassados míticos, geralmente divinos, ou até mesmo heróicos.[17] Os comerciantes também cultuavam deuses, como Hermes, sempre em tentativa de deixá-lo satisfeito e assim conseguir bons resultados em suas vendas.[19] Além de serem habituados aos sacrifícios de animais e às orações,[20] os gregos antigos adotavam um deus particular ou um grupo deles para sua cidade, e os cidadãos construíam templos e o(s) venerava(m).[20] Essas cidades não possuíam qualquer organização religiosa oficial, mas honravam os deuses em lugares determinados, como Apolo exclusivamente em Delfos.[20]

Muitos festivais religiosos eram realizados na Grécia antiga. Alguns eram especificadamente dedicados a uma deidade particular ou cidade-estado. A Lupercalia, por exemplo, era comemorada na Arcádia e dedicada à pastoral . Existiam também os jogos que eram realizados anualmente em locais diferentes, e que culminaram nos Jogos Olímpicos da Antiguidade, realizados a quatro anos e dedicados a Zeus. Os gregos, frequentemente, encontravam desígnios dos deuses em muitas características da natureza. Os adivinhos, por exemplo, acreditavam haver mensagens divinas contidas no vôo das aves e nos sonhos.[21] Nas cidades, os oráculos — locais sagrados — eram usados por um sacerdote que, tomado por êxtase ou loucura divina, servia de intermédio entre o diálogo de um fiel e seu deus de adoração.[21]

Nas primeiras eras em que a recente filosofia vivia ao lado da tradicional mitologia, para o povo grego a sabedoria plena e completa pertencia aos deuses, mas os homens poderiam desejá-la e amá-la, tornando-se filósofos (philo= amizade, amor fraterno, respeito; sophia= sabedoria).[22]

Mito e religião

É preciso haver um esclarecimento acerca da diferença entre mito e religião. Hoje, todas as mitologias de todos os povos são entendidas como um conjunto de crenças enraizadas em relatos modernamente tidos como fictícios e imaginados pelos poetas, enquanto a religião propõe-se a criar rituais ou práticas com a finalidade de estabelecer vínculos com a espiritualidade.[17] "Mitologia" é um termo indiscutivelmente técnico e moderno e nunca utilizado pelos próprios gregos ou romanos.[21] Seus cultos compreendiam uma religião politeísta da qual os especialistas de hoje agrupam no que se chama "mitologia grega", analisando as narrativas poéticas como legados da literatura antiga, ao passo que os próprios gregos, sobretudo antes da fama da filosofia, acreditavam serem reais. Pode-se dizer que "mito" é todo o conjunto que nós compreendemos hoje o que em suas épocas os gregos chamavam "religião".

Concepção de um templo grego, onde se reverenciavam os deuses: muitas dessas obras arquitetônicas da Grécia ainda estão preservadas no território do país. - Mitologia grega
Concepção de um templo grego, onde se reverenciavam os deuses: muitas dessas obras arquitetônicas da Grécia ainda estão preservadas no território do país.

Para ficar mais claro, podemos dizer que os textos sacros dos gregos são o que chamamos agora de mitologia ou literatura da Grécia antiga. A Teogonia e Os Trabalhos e os Dias de Hesíodo, a Ilíada e a Odisseia de Homero e as Odes de Píndaro estão entre as obras que os gregos consideravam sacros.[23] Estes são os principais textos que foram considerados inspirados pelos deuses e geralmente incluem no prólogo uma invocação às Musas para que elas auxiliem o trabalho do poeta.

Os gregos faziam cultos os deuses do Olimpo, realizados em templos comuns ou em altares e, também, culto aos heróis históricos, realizados em suas respectivas tumbas.[21] Dedicados a um deus ou a um herói, os templos, decorados com esculturas (de deuses ou heróis) em relevo entre o teto e o topo das colunas, eram constituídos de pedras nobres como o mármore, usadas no alto da acrópole.[24] Os antigos teatros gregos, também, eram construídos para determinada figura mitológica, deuses ou heróis, como o teatro de Dioniso no Santuário de Apolo em Delfos.[25]

Além da religião ter sido praticada através de festivais, nela se acreditava que os deuses interferiam diretamente nos assuntos humanos e que era necessário acalmá-los por meio de sacrifícios.[21] Estes rituais de sacrifício desempenharam um papel importante na formação da relação entre o homem e o divino.[26] Um dos conceitos mais importantes quanto à moral para os gregos era o medo de cometer húbris (arrogância), o que constitui muitas coisas, do estupro à profanação de um cadáver.[27] [28]

Classificação

A gama de personagens, seres e ambientes que formam a mitologia grega podem ser separados em três partes, sendo a última um apêndice para a literatura mitológica, de onde conseguimos grande parte das informações sobre os mitos:

1. Raças, divindades, criaturas; personagens em geral, que abrange os ventos, centauros, ctónicos, ciclopes, dragões, erínias, gigantes, górgonas, hecatônquiros, harpia, musas, moiras, mortais, ninfas, deuses olímpicos, deuses primordiais, sátiros e titãs.
1 a. Aqui também são incluídos os heróis Héracles, Aquiles, Odisseu, Jasão, Argonautas, Perseu, Édipo, Teseu e Triptolemos.
2. Lugares, que abrange os ambientes em que essas figuras, na imaginação dos gregos, viveram suas aventuras, que são Delfos, Delos, Olímpia, Hades (reino), Atlântida, Olimpo, Troia, e Temiscira.
3. Literatura mitológica clássica, inclui o estudo da literatura antiga grega, que contou com nomes como Homero, que incluía em sua narrativa a crença de deuses.

Fontes

A mitologia grega é conhecida nos dias de hoje através da literatura grega e de expressões artísticas visuais como a cerâmica grega que datam do Período Geométrico[nota 1] em diante.[29] O objetivo deste capítulo é entender como nós, contemporâneos, tivemos a oportunidade de arrecadar hoje em dia informações tão antigas quanto são os mitos gregos.

Fontes literárias

A narração mítica desempenhou um papel importante em quase todos os gêneros da literatura grega. No entanto, o único manual mitográfico que sobreviveu da Grécia Antiga foi a famosa Biblioteca Mitológica, do escritor denominado Pseudo-Apolodoro,[30] que tenta conciliar os contos contraditórios dos poetas e fornece um resumo da mitologia grega e suas lendas históricas.[31] O verdadeiro Apolodoro viveu entre c. 180-120 a.C., escreveu sobre muitos destes temas e seus escritos podem ter formado a base para a coleção dessa obra, porém a Biblioteca aborda eventos que ocorreram muito tempo após sua morte, daí o nome Pseudo-Apolodoro.[31]

Ilíada, Livro VIII, linhas 245-53, manuscrito grego, final do 5º e começo do 6º século AD. - Mitologia grega
Ilíada, Livro VIII, linhas 245-53, manuscrito grego, final do 5º e começo do 6º século AD.

Entre as fontes literárias da primeira era, destacam-se os dois poemas épicos de HomeroIlíada e Odisseia. Completando esse ciclo épico, temos escritas de poetas cujos documentos foram perdidos ao longo do tempo. Apesar da sua denominação tradicional, os Hinos homéricos, hinos em coral da primeira fase da então-denominada poesia lírica,[32] não possuem relação alguma com Homero.[33] Hesíodo, possível contemporâneo de Homero, produziu Teogonia, o documento mais recente sobre mitos gregos, que elabora uma genealogia dos deuses e explica a origem dos Titãs e dos Gigantes. Os Trabalhos e os Dias, também de Hesíodo, é um poema didático sobre a vida da agricultura que apresenta os mitos de Pandora e da Era dos Homens. O poeta dá conselhos sobre a melhor maneira de ter sucesso em um mundo perigoso tornado ainda mais arriscado por esses deuses.[5] Os Trabalhos e os Dias também apresenta o mito de Prometeu, que, mais tarde, constituiu na base de uma trilogia de tragédias, possivelmente iniciada por Ésquilo, que são: Prometeu Acorrentado, Prometeu Desacorrentado e Prometeu, o Condutor do Fogo.[nota 2]

Os poetas líricos direcionaram por vezes seus temas aos mitos, todavia esse tratamento ficou cada vez menor, enquanto que sua alusões à narrativa cresceu. Os poetas líricos gregos, como Píndaro e Simónides de Ceos, e os poetas bucólicos, incluindo Teócrito, forneceram incidentes mitológicos individuais.[34] Além disso, o mito foi tema central no drama Ateniense: os dramaturgos trágicos Eurípides, Sófocles e Ésquilo produziram seus enredos envolvendo a Era dos Heróis e a Guerra de Troia. Muitas das grandes históricas trágicas (ou seja, Agamemnon e seus filhos, Édipo, Jasão e Medeia, etc.) trouxeram em sua forma clássica estas peças trágicas.

O poeta romano Virgílio, aqui retratado no manuscrito do século XV Vergilius Romanus, preservou muitos detalhes da mitologia grega em suas composições. - Mitologia grega
O poeta romano Virgílio, aqui retratado no manuscrito do século XV Vergilius Romanus, preservou muitos detalhes da mitologia grega em suas composições.

Os historiadores Heródoto e Diodoro Sículo, e os geógrafos Pausânias e Estrabão, que viajaram ao redor do mundo grego e anotaram as histórias que ouviram, forneceram numerosos mitos locais, apresentando diversas vezes versões alternativas pouco conhecidas dos mitos.[34] Heródoto, especialmente, procurou as várias tradições apresentando e encontrando as raízes históricas ou mitológicas no conflito entre a Grécia e o Oriente.[35] Heródoto procurou conciliar as origens e a mistura de diferentes conceitos culturais.

A poesia das eras Helenística e Romana, que embora tenha sido composta mais como literatura do que um exercício de culto aos mitos, contém muitos detalhes importantes que de outra forma seriam perdidos. Essa categoria inclui:

1. Os poetas romanos Ovídio, Sêneca e Virgílio.
2. Os poetas gregos da Antiguidade tardia: Antonino Liberal e Quinto de Esmirna.
3. Os poetas gregos do Período Helenístico: Apolónio de Rodes, Calímaco, Eratóstenes e Partênio.
4. Antigos romances de gregos e romanos, como Apuleio, Petrônio e Heliodoro.

Em contrapartida com o gênero lírico, a Fabulae e a Astronomica do escritor romano Higino são duas composições não-poéticas importantes sobre o mito. As obras Imagens e Descrições, de Filóstrato e Calístrato (respectivamente), são dois trabalhos literários úteis para o estudo dos mitos gregos.

Finalmente, o apologético cristão Arnóbio, citando práticas religiosas para desacreditá-las, e vários outros escritores bizantinos proporcionam detalhes importantes dos mitos, alguns deles procedentes de obras gregas perdidas durante os anos. Entre estes, inclui-se os léxicos de Hesíquio, a Suda, e os tratados de João Tzetzes e de Eustácio de Salônica. O ponto de vista moralizador cristão a respeito dos mitos gregos se resume no dito ἐν παντὶ μύθῳ καὶ τὸ Δαιδάλου μύσος (en panti muthōi kai to Daidalou musos, "em todo mito está a profanação de Dédalo"), sobre o que disse a Suda que alude o papel de Dédalo ao satisfazer a "luxúria antinatural" de Pasífae pelo trono de Posidão: "Desde que a origem e a culpa desses males se atribuíram a Dédalo e foi odiado por eles, se converteu no objeto do provérbio."[36]

Fontes arqueológicas

Aquiles (esq.) mata um prisioneiro de Troia diante de Caronte, numa pintura-vermelha etrusca, realizada no fim do século IV e início do século III a.C.. - Mitologia grega
Aquiles (esq.) mata um prisioneiro de Troia diante de Caronte, numa pintura-vermelha etrusca, realizada no fim do século IV e início do século III a.C..

A descoberta da civilização micênica pelo arqueólogo amador alemão Heinrich Schliemann no século XIX, e a descoberta da Civilização Minoica em Creta pelo arqueólogo britânico Sir Arthur Evans no século XX, ajudaram a esclarecer muitas dúvidas a respeito dos épicos de Homero e outras questões da mitologia, como as crenças em deuses e em heróis. A evidência sobre os mitos e os rituais nos sítios arqueológicos das civilizações micênica e minóica é inteiramente monumental, uma vez que a linear B (método de escrita antigo, encontrado em Creta e na Grécia continental) era usada principalmente para o registro de inventários, embora os nomes de deuses e de heróis tenham sido dificilmente revelados.[5]

O arqueólogo alemão Schliemann, em suas escavações realizadas em Micenas e Tirinto, descobriu o traço de união entre Creta e a Grécia.[37] Schliemann acreditava que a Tróia de Homero era tão antiga que só seria encontrada com escavações profundas em Hisarlik,

Existem desenhos geométricos em cerâmica datados do século VIII a.C. que retratam o Ciclo de Troia, como também as aventuras de Hércules.[5] Por dois motivos, essas representações visuais dos mitos possuem enorme importância: em primeiro lugar, muitos mitos gregos foram comprovados em desenhos de vaso antes do que na literatura escrita–das doze elaborações sobre Hércules, por exemplo, somente a aventura de Cérbero é apresentada pela primeira vez em um texto literário[38] –e, em segundo lugar, as fontes visuais muitas vezes fornecem cenas míticas que não são apresentadas em quaisquer fontes literárias existentes. Em alguns casos, a primeira representação conhecida de um mito na arte geométrica antecede, em questão de muitos anos e séculos, a sua primeira aparição conhecida na poesia arcaica.[29] Nos períodos Arcaico (750–c. 500 a.C), Clássico ( 480–323 a.C), e Helenístico, Homero e várias outras personalidades surgem para completar as evidências literárias da existência da mitologia grega.

História

"Os complexos fenómenos da natureza foram certamente os primeiros a serem explicados de forma fantástica, sendo aí que nasce verdadeiramente o primeiro conjunto de narrativas míticas organizadas em texto escrito, muito depois de terem circulado de geração em geração até ao tempo de Homero e de Hesíodo.

Carlos Ceia"[15]

A origem dos mitos da Grécia não deriva puramente da civilização grega, mas de uma mistura entre a cultura dos indo-europeus, pré-gregos, e até mesmo dos asiáticos, egípcios e outros povos com as quais os gregos estabeleceram contato.[39]

Um dos fatores de evolução da mitologia grega foi a grande transformação que ela experimentou através dos tempos, e tal transformação serviu para enriquecer sua própria cultura.[40] Os primeiros habitantes da Península Balcânica, em grande parte agricultores, atribuíam a cada aspecto da natureza um espírito.[40] Finalmente, estes espíritos vagos assumiram a forma humana e entraram na mitologia local como deuses e deusas.[40] Quando as tribos do norte invadiram a Península Balcânica, trouxeram consigo um novo panteão de deuses e crenças, voltadas à conquista, à força e à valentia, à batalha e ao heroísmo violento.[41] Outras divindades mais antigas que povoavam a mente dos habitantes agrícolas se fundiram com aquelas dos invasores mais poderosos, ou então desvaneceram-se na insignificância.[41]

A mais alta montanha da Grécia, o Monte Olimpo, em foto de 2005, onde os gregos antigos acreditavam ser a morada dos Doze Deuses.[42] - Mitologia grega
A mais alta montanha da Grécia, o Monte Olimpo, em foto de 2005, onde os gregos antigos acreditavam ser a morada dos Doze Deuses.[42]

Após a metade do período arcaico, que possuía mitos sobre as relações entre homens e deuses masculinos, os heróis tornaram-se cada vez mais aclamados, indicando o desenvolvimento paralelo da pederastia pedagógica, que pensa-se ter sido introduzido por volta de 630 a.C. Nos finais do século V a.C, os poetas haviam atribuído pelo menos um eromenos a todos os deuses importantes, exceto Ares e outras figuras lendárias.[43] Outros mitos anteriormente existentes, como o de Aquiles e o de Pátroclo, foram reinterpretadas como mitologia homossexual.[44]

O sentido da poesia épica foi criar ciclos históricos, e resultar num desenvolvimento de um senso da cronologia mitológica; assim, a mitologia grega desdobra-se como uma etapa no desenvolvimento do mundo e do homem.[45] As auto-contradições nas histórias fazem com que seja impossível montar um cronograma absoluto a respeito da Mitologia grega, mas podemos elaborar uma cronologia concordável. A história mitológica do mundo pode ser dividida em 3 ou 4 grandes períodos:

1. Mito da origem ou da era dos deuses: é a teogonia, o nascimento dos deuses, os mitos sobre a origem do planeta, dos deuses e da raça humana.
2. Era em que os homens e os deuses se mesclam livremente: histórias das primeiras interações entre deuses, semi-deuses e mortais juntos.
3. Era dos heróis (era heróica), onde a atividade divina ficou mais limitada. As últimas e maiores lendas heróicas são da Guerra de Troia e suas consequências (consideradas por alguns investigadores como um quarto período separado).[46]

Embora a Era dos deuses tem sido frequentemente alvo de interesse pelos alunos contemporâneos da mitologia grega, os autores arcaicos e clássicos possuíam uma clara preferência pela Era dos heróis. As heróicas Ilíada e Odisseia, por exemplo, estavam e ainda se encontram atualmente sobre maior destaque que a Teogonia e que os hinos homéricos – e prevaleceram em popularidade e continuidade. Sob a influência de Homero, o culto heróico conduziu uma reestruturação na vida espiritual, expresso na separação entre o reino dos deuses do reino dos mortos (heróis), e dos deuses olímpicos dos ctónicos.[47] No O Trabalho e Os Dias, Hesíodo monta um esquema de quatro Era dos homens (ou Raças): de Ouro, de Prata, de Bronze e de Ferro. Estas raças ou eras são criações separadas dos mitos dos deuses, correspondendo à Era Dourada ao reino de Cronos e sendo as seguintes raças criações de Zeus. Hesíodo intercalou a Era (ou Raça) dos heróis pouco depois da Idade do Bronze. A ultima idade foi a Idade do Ferro. Em Metamorfoses, Ovídio segue o conceito de Hesíodo e apresenta essas quatro idades.

Era dos deuses

Cosmogonia e cosmologia

Ἤτοι μὲν πρώτιστα Χάος γένετ'· αὐτὰρ ἔπειτα Γαῖ' εὐρύστερος, πάντων ἕδος ἀσφαλὲς αἰεὶ.
Pois bem, no princípio nasceu Caos; depois, Gaia de amplo seio, a eterna base de tudo

Hesíodo, Teogonia, 116-7.[48]

O Amor Conquista Tudo, representação do deus Eros, pelo pintor do barroco Caravaggio. - Mitologia grega
O Amor Conquista Tudo, representação do deus Eros, pelo pintor do barroco Caravaggio.

"Mitos de origem" ou "mitos de criação", na mitologia grega, são termos alusivos à intenção de fazer com que o universo torne-se compreensível e com que a origem do mundo seja explicada.[49] Além de ser o mais famoso, o relato mais coerente e mais bem estruturado sobre o começo das coisas, a Teogonia de Hesíodo também é visto como didático, onde tudo se inicia com o Caos: o vazio primitivo e escuro que precede toda a existência.[48] Dele, surge Gaia (a Terra), e outros seres divinos primordiais: Eros (atração amorosa), Tártaro (escuridão primeva) e Érebo.[48] Sem intermédio masculino, Gaia deu à luz Urano, que então a fertilizou. Dessa união entre Gaia e Urano, nasceram primeiramente os Titãs: seis homens e seis mulheres (Oceano, Céos, Crio, Hiperião, Jápeto, Teia (mitologia) e Reia, Têmis, Mnemosine, Febe, Tétis e Cronos); e logo os Ciclopes de um só olho e os Hecatônquiros (ou Centimanos). Contudo, Urano, embora tenha gerado estas divindades poderosas, não as permitiu de sair do interior de Gaia e elas permaneceram obedientes ao pai.[50] Somente Cronos, "o mais jovem, de pensamentos tortuosos e o mais terrível dos filhos",[51] castrou o seu pai–com uma foice produzida das entranhas da mãe Gaia–e lançou seus genitais no mar, libertando, assim, todos os irmãos presos no interior da mãe. A situação final foi que Urano não procriou novamente, mas o esperma que caiu de seus genitais cortados produziu a deusa Afrodite, saída de uma espuma da água, ao mesmo tempo que o sangue de sua ferida gerou as Ninfas Melíades, as Erínias e os Gigantes, quando atingiu a terra.[50] Sem a interferência do pai, Cronos tornou-se o rei dos titãs com sua irmã e esposa Reia como cônjuge e os outros Titãs como sua corte.

O pensamento antigo grego considerava a teogonia–que engloba a cosmogonia e a cosmologia, temas desssa subseção–como o protótipo do gênero poético e lhe atribuía poderes quase mágicos. Por exemplo: Orfeu, o poeta e músico da mitologia grega, proclamava e cantava as teogonias com o intuito de acalmar ondas e tormentas–como consta no poema épico Os Argonautas, de Apolónio de Rodes–e também para acalmar os corações frios dos deuses do mundo inferior, quando descia à Hades. A importância da teogonia encontra-se também no Hino Homérico à Hermes, quando Hermes inventa a lira e a primeira coisa que faz com o instrumento em mãos é cantar o nascimento dos deuses.[52]

Cronos Mutilando Urano, por Giorgio Vasari e Gherardi Christofano (século XVI). Palazzo Vecchio, Florença. - Mitologia grega
Cronos Mutilando Urano, por Giorgio Vasari e Gherardi Christofano (século XVI). Palazzo Vecchio, Florença.

Contudo, a Teogonia não é somente o único e mais completo tratado da mitologia grega que se conservou até nossos dias, mas também o relato mais completo no que diz respeito a função arcaica dos poetas, com sua larga invocação preliminar das Musas. Foi também tema de muitos poemas perdidos, incluindo os atribuídos à Orfeu, Museu, Epimênides, Ábaris e outros profetas legendários, cujos versos costumavam ser usados em rituais privados de purificação e em religião de mistérios. Inclusive, há indícios de que Platão se familirizou com alguma versão da teogonia órfica.[53] Poucos fragmentos dessas obras sobreviveram em citações de filósofos neoplatonistas e em fragmentos recentemente desenterrados, escritos em papiro. Um desses documentos, o papiro de Derveni, demonstra atualmente que pelo menos no século V a. C. existiu um poema teogônico-cosmogônico de Orfeu. Este poema tentou superar a Teogonia de Hesíodo e a genealogia dos deuses se ampliou com o surgimento de Nix (a Noite), marcando um começo definitivo que havia surgido antes dos seres Urano, Cronos e Zeus.[54] [55]

Deuses gregos

ἐμοὶ δὲ θαυμάσαι θεῶν τελεσάντων οὐδέν ποτε φαίνεται ἔμμεν ἄπιστον.
Para mim, quando os deuses realizam maravilhas, nada parece inacreditável.

Píndaro, Pi, P. 10.48-50.[56]

Os Doze Deuses Gregos (Zeus no trono), por Nicolas-André Monsiau (1754- 1837), finais do século XVIII. - Mitologia grega
Os Doze Deuses Gregos (Zeus no trono), por Nicolas-André Monsiau (1754- 1837), finais do século XVIII.

Quando Cronos tomou o lugar de Urano, tornou-se tão perverso quanto o pai. Com sua irmã Reia, procriou os primeiros deuses olímpicos (Héstia, Deméter, Hera, Hades, Posidão e Zeus), mas logo os devorou enquanto nasciam, pelo medo de que um deles o destronasse. Mas Zeus, o filho mais novo, com a ajuda da mãe, conseguiu escapar do destino. A mãe, pegou uma pedra, enrolou-a em um tecido e deu a Cronos, que comeu-a, pensando que fosse Zeus. O filho travou uma guerra contra seu progenitor, cujo vencedor ganharia o trono dos deuses.[50] Ao final, com a força dos Cíclopes–a quem libertou do Tártaro–Zeus venceu e condenou Cronos e os outros Titãs na prisão do Tártaro, depois de obrigar o pai a vomitar seus irmãos.[50] Para a mitologia clássica, depois dessa destituição dos Titãs, um novo panteão de deuses e deusas surgiu. Entre os principais deuses gregos estavam os olímpicos- cuja limitação de seu número para doze parece ter sido uma ideia moderna, e não antiga[57] - que residiam no Olimpo abaixo dos olhos de Zeus. Nesta fase, os olímpicos não eram os únicos deuses que os gregos adoravam: existiam uma variedade de divindades rupestres, como o deus-bode , o deus da natureza e florestas, as ninfasNáiades (que moravam nas nascentes), Dríades (espíritos das árvores) e as Nereidas (que habitavam o mar) —, deuses de rios, Sátiros, meio homem, meio bode, e outras divindades que residiam em florestas, bosques e mares. Além dessas criaturas, existiam no imaginário grego seres como as Erínias (ou Fúrias) (que habitavam o submundo), cuja função era perseguir os culpados de homicídio, má conduta familiar, heresia ou perjúrio.[58]

Olimpo (século XVIII), de Giovanni Battista Tiepolo (Museo del Prado, Madrid). - Mitologia grega
Olimpo (século XVIII), de Giovanni Battista Tiepolo (Museo del Prado, Madrid).

Para honrar o antigo panteão grego, compôs-se os famosos hinos homéricos (conjunto de 33 canções).[33] Alguns estudiosos, como Gregory Nagy, consideram que os hinos homéricos são simples prelúdios, se comparado com a Teogonia, onde cada hino invoca um deus.[59] No entanto, os deuses gregos, embora poderosos e dignos de homenagens como as presentes nestes hinos, eram essencialmente humanos (praticavam violência, possuíam ciúme, coléra, ódio e inveja, tinham grandezas e fraquezas humanas), embora fossem donos de corpos físicos ideais.[60] De acordo com o estudioso Walter Burkert, a definição para essa característica do antropomorfismo grego é que "os deuses da Grécia são pessoas, e não abstrações, ideias ou conceitos".[61] Independentemente de suas formas humanas, os deuses gregos tinham muitas habilidades fantásticas, sendo as mais importantes: ter a condição de ser imúne a doenças, feridas e ao tempo; ter a capacidade de se tornar invisível; viajar longas distâncias instantaneamente e falar através de seres humanos sem estes saberem. Os gregos consideravam a imortalidade — que era assegurada pela alimentação constante de ambrosia e pela ingestão de néctar — como a característica distintiva dos deuses.[60] [62]

Cada deus descende de uma genealogia própria, prossegue interesses próprios, tem uma certa área de especialização, e é regido por uma personalidade singular; no entanto, essas descrições surgem a partir de uma infinidade de locais arcaicos variantes, que não coincidem sempre com elas. Quando esses deuses eram aludidos na poesia, na oração ou em cultos, essas práticas eram realizadas mediante uma combinação de seus nomes e epítetos, que os identificavam por essas distinções do resto de suas próprias manifestações (e.x. Apolo Musageta era "Apolo, [como] chefe das Musas").

A maioria dos deuses foram associados a aspectos específicos de suas vidas: Afrodite, por exemplo, era deusa do amor e da beleza, Ares era deus da guerra, Hades o deus da morte e do inferno, e Atena a deusa da sabedoria, guerra e da coragem.[63] Certos deuses, como Apolo (deus do sol) e Dioníso (deus da festa e do vinho), apresentam personalidades complexas e mais de uma função, enquanto outros, como Héstia e Hélio, revelam pequenas personificações. Os templos gregos mais impressionantes tendiam a estar dedicados a um número limitado de deuses, que foram o centro de grandes cultos panhelênicos.[63] De maneira interessante, muitas regiões dedicavam seus cultos a deuses menos conhecidos e muitas cidades também honravam os deuses mais conhecidos com ritos locais característicos e lhes associavam mitos desconhecidos em outros lugares.[63] Durante a era heróica — que veremos na próxima sub-seção — o culto dos heróis (ou semi-deuses) complementou a dos deuses e ambas as criaturas se fundiram no imaginário da Grécia.

Era dos deuses e dos mortais

Afrodite e Anquises, por Annibale Carracci: o relacionamento entre a deusa da beleza e um homem mortal, demonstra como ficou frequente as relações entre deuses e humanos no imaginário grego. - Mitologia grega
Afrodite e Anquises, por Annibale Carracci: o relacionamento entre a deusa da beleza e um homem mortal, demonstra como ficou frequente as relações entre deuses e humanos no imaginário grego.

Unindo a idade em que os deuses viviam sós e a idade em que a interferência divina nos assuntos humanos era limitada, havia uma era de transição em que os deuses e os homens (mortais) se misturaram livremente. Estes foram os primeiros dias do mundo, quando os grupos se misturavam com mais liberdade do que fizeram depois. A maior parte das crenças dessas histórias foram reveladas posteriormente na obra Metamorfoses de Ovídio, e frequentemente são divididas em dois grupos temáticos: histórias de amor e histórias de castigo.[64] Ambas histórias tratam do envolvimento dos deuses com os humanos, seja de uma forma ou de outra:

  • Os contos de amor muitas vezes envolvem incesto, sedução ou violação de uma mulher mortal por parte de um deus, resultando em uma descendência histórica. Essas histórias sugerem geralmente que as relações entre deuses e mortais precisam ser evitadas, sendo que raramente esses envolvimentos possuem finais felizes.[65] Em poucos casos, uma divindade feminina procura um homem mortal e vive com ele, como no Hino Homérico à Afrodite, onde a deusa se relaciona com o príncipe Anquises e acaba concebendo o chefe troiano Eneias.[66]
O Casamento de Peleu e Tétis, por Hans Rottenhammer. - Mitologia grega
O Casamento de Peleu e Tétis, por Hans Rottenhammer.
  • Os contos de castigo envolvem a apropriação ou invenção de algum artefato cultural importante, como quando Prometeu roubou o fogo dos deuses e quando ele ou Licaão inventou o sacríficio, quando Tântalo roubou o néctar e a ambrósia da mesa de Zeus e de seus súditos, revelando-lhes o segredo dos deuses, ou quando Deméter ensinou agricultura e os Mistérios de Elêusis a Triptolemos, ou quando Mársias inventou os aulos e, com ela, ingressou num concurso musical ao lado de Apolo. As aventuras de Prometeu marcam um ponto entre a história dos deuses e a dos homens.[67] Um fragmento de papiro anônimado, datado do século III a.C., retrata vividamente o castigo que Dionísio aplicou a Licurgo, rei de Trácia, cujo reconhecimento de novos deuses chegou demasiado tarde, ocasionando horrivéis penalidades que se estenderam por toda vida.[68] A história da chegada de Dionísio para estabelecer seu culto em Trácia foi também o tema de uma trilogia de peças dramáticas do poeta antigo Ésquilo: como em As Bacantes, onde o rei de Tébas, Penteu, é castigo por Dionísio por ter sido desrespeitoso com as Ménades, suas adoradoras.[69] [70]

Ainda no assunto de relação entre deuses e mortais, há um conto antigo baseado em um tema folclórico,[71] onde Deméter está procurando por sua filha Perséfone, depois de ter tomado a forma de uma anciã chamada Doso e recebido hospitalidade de Celéu, o rei de Elêusis em Ática. Por causa de sua hospitalidade, Deméter planejou fazer imortal seu filho Demofonte, como um ato de agradecimento, mas não pôde completar o ritual porque a mãe de Demofonte, Metanira, entrou e viu seu filho rodeado de fogo, visão essa que lhe provocou, instantâneamente, um grito agudo, que enfureceu Deméter, cuja lamentação veio depois, ao refletir o fato de que os "estúpidos mortais não entendem práticas divinas".[72]


Era heróica

O fato de entre os homens e os deuses existir ainda uma terceira classe especial de heróis, que são denominados também "semi-deuses", é uma particularidade da mitologia e da religião gregas para a qual quase não existem paralelos.

Walter Burkert, 1993.[73]

A idade em que os heróis viveram na mitologia grega é conhecida como Era heróica ou Idade heróica.[74] A Era Heróica surgiu no Período Arcaico, quando os gregos imaginavam "heróis" (gr. ἥρωες; sg. ἥρως) como certos personagens de lendas épicas.[73] Embora sujeitos à mortalidade, os heróis/semi-deuses se diferenciavam dos humanos pelo fato de serem capazes de façanhas impossíveis, talvez pelo fato de serem frutos de uma relação entre um mortal e um deus.[73]

Após a ascensão do culto heróico, os deuses e os heróis constituíram a esfera sagrada e são invocados juntos nos juramentos e nas orações que são dirigidas a eles.[75] Em contraste com a era dos deuses, durante a heróica a lista de heróis nunca é fixa e definitiva; já não nascem grandes deuses, mas sempre podem surgir novos heróis do exército dos mortos. Outra importante diferença entre o culto dos deuses e o dos heróis é que o segundo dos dois se torna o centro da identidade do grupo local.[76]

Os eventos monumentais de Hércules são considerados o começo da era dos heróis. Também se anexam a eles três grandes sucessos militares: a expedição argonáutica e a Guerra de Troia, como também a Guerra de Tebas.[77]

Hércules e os Heráclidas

Hércules golpeando Geras, filho de Nyx e personificação da velhice. Figura em cerâmica vermelha da Ática, ca. 480-470 a.C. - Mitologia grega
Hércules golpeando Geras, filho de Nyx e personificação da velhice. Figura em cerâmica vermelha da Ática, ca. 480-470 a.C.

Certos estudiosos acreditam que, por de trás das complexas histórias que envolvem o mito de Hércules (ou Herácles), existiu um homem verdadeiro, talvez um senhor de vassalos em Argos.[78] Outros sugerem que o mito de Hércules é uma alegoria da passagem anual do sol pelas doze constelações do zodíaco.[78] Existe um terceiro grupo que acredita que o mito deriva de outras culturas, revelando que a história de Hércules é uma adaptação regional de mitos heróicos já estabelecidos anteriormente. Embora a existência de todas essas e muitas outras especulações, a tradição afirma que Hércules foi filho de Zeus com a mortal Alcmena, neta de Perseu.[79] Suas fantásticas façanhas, que envolvem diversos temas folclóricos, proporcionaram muito material às lendas populares. É retratado como um sacrificador, um guerreiro dotado de imenso vigor físico, com força e proezas maravilhosas, protegido por armaduras e itens das quais utilizava com destreza, demonstrando superioridade às habilidades do homem mortal comum.[79] Quanto à iconografia, nas artes visuais — pelo menos no período arcaico — Hércules sempre fora apresentado com barba, pele de leão e clava nas mãos, com grandes músculos expostos nas pernas e nos braços.[80] Já no século IV, a popularidade do herói decresceu e, talvez um pouco por isso, suas características humanas foram reforçadas mais do que as heróicas, e passou a ser representado sem barba e frequentemente sem armas de combate.[79]

Na literatura, Eurípedes escreveu a peça trágica Hércules (ou Hércules Enlouquecido, Hércules Furioso), onde explora o mito do herói, revelando sua conturbada existência, e sua vontade de cometer suicídio, mas que logo é encorajado a viver pelo amigo e rei de Atenas, Teseu.[81] Na peça As Traquinianas, Hércules aparece aqui através da escrita de Sófocles.[82] Esses dois textos da Grécia antiga, resguardados até os dias atuais, nos conferiram detalhes preciosos acerca dos mitos sobre o herói mais popular e interessante da mitologia grega.[79]

Escultura de Hércules, artista desconhecido. Arte romana datada do século II a.C., Musei Capitolini, Roma, Itália. - Mitologia grega
Escultura de Hércules, artista desconhecido. Arte romana datada do século II a.C., Musei Capitolini, Roma, Itália.

Hércules atingiu o mais alto prestígio social através de sua nomeação como ancestro oficial dos reis dóricos. Isto serviu provavelmente como legitimação para as invasões dóricas no Peloponeso. Um exemplo disto é o herói mitológico Hilo, epônimo de uma tribo dórica, que se converteu em Heráclida (nome que recebiam os numerosos descendentes de Hércules,[83] especialmente os descendentes de Hilo — outros Heráclidas existentes são Macária, Lamos, Manto, Tlepólemo e Télefo). Estes Heráclidas conquistaram os reinos peloponesos de Micenas, Esparta e Argos, alegando, segundo o mito, o direito de governá-los devido sua ascendência. A ascensão dos Heráclidas é muitas vezes denominada "Invasão Dórica" (ver artigo). Um fato interessante é que os reis lídios e, posteriormente, os reis macedôniso — como governantes de um mesmo reino — também passaram a ser Heráclidas.[84]

Embora Hércules tenha morrido, como é destino de todo mortal, por conta de seu lado humano (derivado da mãe Alcmena), alguns gregos — especialmente Píndaro, que o chamava de "herói-deus"[85] — acreditavam que, por conta de seu lado divino (advindo da descendência de Zeus), ele subiu ao Olimpo e tornou-se um deus.[79] Sua figura lendária, portanto, permeou durante algum tempo uma simbologia voltada à terra, aos heróis, ao homem mortal, mas também atencionada ao céu, aos deuses, ao divino, ao perfeito, ao ideal.[79] Essa figura mista que Hércules apresenta, em que o lado mortal e o lado divino se confundem, era muito reforçada em diversos cultos e sacrifícios realizados em Creta, onde os gregos ofereciam-lhe sacrifícios duplos, primeiramente como herói e, somente depois, como um ser divino.[86]

Além das façanhas heróicas de Hércules, outros membros dessa primeira geração de heróis, como Perseu, Teseu, Deucalião e Belerofonte, realizaram feitos muito semelhantes a ele, sempre realizando-os solitariamente, sem nenhuma outra ajuda, o que aconteceu quando enfrentaram monstros como Quimera e Medusa em mitos que beiram à contos de fadas (esses combates solitários só apresentam ainda mais a capacidade sobrehumana dessas personagens). Enviar um herói a uma morte presumida é um tema frequente nesta primeira tradição heróica, como acontece nas lendas de Perseu e de Belerofonte.[87]

Captura dos Argonautas, cerâmica ática, 460–450a.C., Louvre - Mitologia grega
Captura dos Argonautas, cerâmica ática, 460–450a.C., Louvre

Argonautas

Único épico helenístico conservado até os dias atuais, Argonautica, de Apolônio de Rodes, narra o mito da jornada de Jasão e os Argonautas para recuperarem o Velo de Ouro da mítica terra de Cólquida. Em Argonautica, Jasão é impelido à sua busca pelo rei Pélias, que havia recebido uma profecia onde um homem de sandálias se tornaria seu nêmesis. Jasão perde uma sandália em um rio da região, chegando na corte de Pélias e iniciando, assim, a epopeia. Quase todos os membros da seguinte geração de heróis, assim como Hércules, partiram com Jasão ao Argo para buscar o velo de ouro. Essa geração de heróis também inclui: o mito de Teseu, que partiu à Creta para enfrentar o Minotauro; Atalanta, a heroína feminina, Meleagro, que por sua vez tinha um ciclo épico que rivalizava com a Ilíada e a Odisseia, Idas, que lutou contra Apolo por Marpessa, os filhos de Boreas: Zeto e Calais, que desempenharam um importante papel na ilha de Fineu e na luta contra os Cinocéfalos, Laerte, pai de Ulisses e também Peleu, pai de Aquiles.

Píndaro, Apolônio e Apolodoro se esforçaram em dar listas detalhadas sobre os Argonautas.[88] Embora Apolônio tenha escrito seu poema no século III a.C, a composição da história dos argonautas é anterior à Odisseia, que demonstra familiaridades com os enredos de Jasão.[89] [90] Em épocas antigas, a expedição mítica era considerada como um fato histórico, um incidente na abertura do Mar Negro ao comércio e à colonização grega.[89] Também tornou-se muito popular, cuja função vai desde a criação de novas lendas locais à inspiração de diversas tragédias gregas.[90]

Cadmo Semeando Dentes do Dragão, por Maxfield Parrish, 1908. - Mitologia grega
Cadmo Semeando Dentes do Dragão, por Maxfield Parrish, 1908.

Casa de Atreu e Ciclo Tebano

Entre o Argo (capítulo anterior) e a Guerra de Troia (capítulo seguinte), houve uma geração conhecida por seus crimes. Isto inclui os feitos de Atreu e Tiestes em Argos. Atrás do mito da casa de Atreu (uma das principais dinastias heróicas juntamente com a Casa de Lábdaco), está o problema da devolução do poder e a forma de ascensão do trono. Os gêmeos Atreu e Tiéstes com seus descendentes desempenharam o papel de protagonistas na tragédia acerca da devolução de poder em Micenas.[91]

O Ciclo Tebano trata dos sucessos associados especialmente à Cadmo, o fundador da cidade de Tebas, e, posteriormente, com os feitos de Laio e Édipo na mesma região; uma série de histórias que levaram ao saqueio final da cidade a mando dos Epigonis e d'Os Sete Contra Tebas (não se sabe se estes figuraram no épico original).[92] Acerca de Édipo, os antigos relatos épicos têm seguido um padrão diferente (no qual ele continuou governando Tebas depois da revelação de que Jocasta era sua mãe e também posteriormente ao seu casamento com uma mulher que se converteu em mãe de seus filhos) do que conhecemos graças às tragédias — especialmente a mais famosa do assunto, Édipo Rei, de Sófocles — e aos relatos mitológicos posteriores a este texto antigo.[93]

Guerra de Troia e consequências

Em A Fúria de Aquiles , de Tiepolo (1757, afresco, Villa Valmarana, Vicenza), Aquiles está enfurecido pela ameaça de Agamemnon tirar seu despojo da guerra, Briseis, e desembainha sua espada para acertá-lo. A súbita aparição de Minerva, que no afresco segura os cabelos de Aquiles, evita o assassinato. - Mitologia grega
Em A Fúria de Aquiles , de Tiepolo (1757, afresco, Villa Valmarana, Vicenza), Aquiles está enfurecido pela ameaça de Agamemnon tirar seu despojo da guerra, Briseis, e desembainha sua espada para acertá-lo. A súbita aparição de Minerva, que no afresco segura os cabelos de Aquiles, evita o assassinato.

A mitologia grega culmina na Guerra de Troia, a famosa luta entre os gregos e os troianos, incluindo suas causas e consequências. Nos trabalhos homéricos, as principais histórias já haviam tomado forma e substância, e os temas individuais foram elaborados mais tarde, especialmente dentro dos enredos dos dramas gregos. A Guerra de Troia adquiriu também um grande interesse para a cultura romana por conta das histórias de Enéas, herói troiano, cuja jornada à Troia levou a fundação da cidade que um dia se converteria em Roma, e é recontada por Vírgilio em Eneida (cujo Livro II contém o relato mais famoso do saqueio de Troia).[94] [95]

O Ciclo da Guerra de Troia, uma coleção de poemas épicos, começa com os sucessos que levaram a guerra: Éris e a maçã de ouro, o julgamento de Páris, o rapto de Helena, e o sacríficio de Ifigénia em Aulis. Para resgatar Helena, os gregos organizaram uma grande expedição abaixo do mando do irmão de Menelau, Agamemnon, rei de Argos ou de Micenas, mas os troianos não quiseram libertá-la. A Ilíada, que se desenrola no décimo ano da guerra, narra em uma de suas páginas o combate entre Agamemnon com Aquiles, que era até então o melhor guerreiro da Grécia, e também narra as consequências da morte de Pátroclo (amigo de Aquiles) e de Heitor, filho mais velho de Príamo. Antes da morte, se uniram aos troianos dois exóticos aliados: Pentesileia e Memnon.[95]


Aquiles matou ambos, até Páris atingir seu calcanhar mortalmente com uma flecha (daí a expressão Calcanhar de Aquiles; para mais informações, veja o artigo do guerreiro). Antes de tomar Troia, os gregos tiveram que roubar da cidadela a imagem de madeira de Palas Atenas. Finalmente, com a ajuda de Atenas, eles construíram o Cavalo de Troia. Apesar das advertências de Cassandra (filha de Príamo), os gregos foram convencidos por Sinon — grego que, fingindo sua argumentação, conseguiu levar o gigantesco cavalo para dentro das muralhas de Atenas. O sacerdote Laocoonte tentou destruir o cavalo, mas acabou sendo impedido por serpentes marinhas que, com suas forças, o mataram. Ao anoitecer, a frota grega regressou e os guerreiros do cavalo abriram as portas da cidade.

O Ciclo Troiano proporcionou uma variedade de temas e se converteu em fonte principal de inspiração para os antigos artistas gregos (por exemplo, as métopas de Partenon representando o saqueio de Troia). Essa preferência artística pelos temas procedentes do ciclo troiano nos indica sua importância para a antiga civilização grega.[94] O mesmo ciclo mitológico, posteriormente, também inspirou uma série de obras literárias da Europa. Os escritores europeus medievais troianos, desconhecedores da obra de Homero, encontraram na lenda de Troia uma rica fonte de histórias heróicas e românticas e um marco que encorajou seus próprios ideais cortesãos e cavalarescos. Alguns autores do século XII, como Benoît de Sainte-Maure (em seu Poema de Troia) e José Iscano (em seu De bello troiano), descrevem a guerra simplesmente reescrevendo a versão padrão que encontraram em Dictis e Dares, seguindo o conselho de Horácio e o exemplo de Virgílio: reescrever um poema de Troia com veracidade, em lugar de contar algo completamente novo.[96]

Concepção de um trirreme da Grécia Antiga: as explorações marítimas dos gregos, uma das primeiras do homem antigo, contribuíram para a decadência do mito. - Mitologia grega
Concepção de um trirreme da Grécia Antiga: as explorações marítimas dos gregos, uma das primeiras do homem antigo, contribuíram para a decadência do mito.

Declínio

A mitologia estava no coração da vida quotidiana na Grécia Antiga.[97] Os gregos consideravam toda a gama de enredos e personagens que hoje denominamos "mitologia grega" parte de sua história. Usavam o mito para explicar fenômenos naturais, variações de cultura, inimizades e amizades. Além disso, a mitologia serviu como fonte de orgulho para se traçar ascendência de grandes líderes e heróis mitológicos ou até mesmo deuses. Poucos eram os gregos que não criam nos relatos acerca da Guerra de Troia, da Ilíada e da Odisseia. De acordo com estudiosos como Victor Davis Hanson e John Heath, o conhecimento profundo da obra homérica era considerada pelos gregos a base de sua aculturação. Homero era a "educação da Grécia" (Ἑλλάδος παίδευσις) e sua poesia, "O Livro".[98] Nas seções a seguir, veremos como gregos e romanos começaram a dar novas interpretações acerca das coisas, e como começaram a desacreditar dos poetas e dos dramaturgos. A figura do poeta era, sobretudo nos primeiros anos da era alfabetizada, a autoridade máxima, embora já nos tempos clássicos a sua posição tivesse mudado:

"Não acredito que os deuses se induljam em relações profanas; e para pôr vínculos nas mãos, eu nunca pensei ser digno de crença, nem serei agora tão persuadido, não mais acreditarei que um só deus seja dono e senhor de outro. Para a divindade, se realmente ela é uma divindade, não há desejos; isso não passa de miseráveis contos escritos por poetas." (Hércules para Teseu. Eurípides, Héracles 1340).

Embora o primeiro exemplo acima tenha sido dito por um personagem sobrehumano, Hércules, ao tentar aprofundar sua compreensão sobre os mitos gregos o próprio cidadão da Grécia antiga encontrou certas limitações e contradições nessas histórias, o que desencadeou em uma série de processos filosóficos. A filosofia surge justamente para compreender a verdade, mas de uma outra forma. Para a intelectual brasileira Marilena Chaui uma dessas contradições foi o fato de que os gregos começaram a realizar certas viagens marítimas e explorar algumas regiões das quais acreditavam serem habitadas por deuses, sendo que, quando a visitaram, puderam constatar que era povoada por outros seres humanos.[99]

Outros estudiosos acreditam que os gregos, ao inventarem o calendário, conseguiram calcular o tempo como forma de prever e entender os estados térmicos e também o Sol, a chuva e outros fatores climáticos (vistos, anteriormente, como feitos divinos e incompreensíveis) e, assim, proporcionaram uma grande mudança na crença dos mitos.[18] De forma semelhante, a invenção da moeda como forma de trocas abstratas e a escrita alfabética como forma de materialização de textos outrora propagados somente pela oratória, além da invenção da política para a exposição das opiniões sociais, seriam marcos da sociedade grega que, com o início dessa vida urbana e um tanto mais moderna, começou a tecer bases para o artesanato, o comércio e outras criações que começaram a desprezar os mitos.

Com essas mudanças, o homem veria em si mesmo uma necessidade de entendê-las e de desenvolvê-las, no que se criou a filosofia para suprir essa incompreensão.[18] Pierre Grimal compartilha dessa ideia escrevendo:

"O mito se opõe ao logos como a fantasia à razão, como a palavra que narra à palavra que demonstra. Logos e mito são as duas metades da linguagem, duas funções igualmente fundamentais da vida do espírito. O logos sendo uma argumentação, pretende convencer. O logos é verdadeiro, no caso de ser justo e conforme à 'lógica'; é falso quando dissimula alguma burla secreta (sofisma). Mas o mito tem por finalidade apenas a si mesmo. Acredita-se ou não nele, conforme a própria vontade, mediante um ato de fé, caso pareça 'belo' ou verossímil, ou simplesmente porque se quer acreditar. O mito, assim, atrai em torno de si toda a parcela do irracional existente no pensamento humano; por sua própria natureza, é aparentado à arte, em todas as suas criações."[100]
O Triunfo da Civilização, 1793. Pintura por Jacques Réattu (1760-1833). - Mitologia grega
O Triunfo da Civilização, 1793. Pintura por Jacques Réattu (1760-1833).

Há boa parcela de estudiosos modernos que crêem, portanto, que as habilidades poderosas de mudança saíram das mãos dos deuses imaginários e foram assumidas pelos homens antigos (e se estendem até nossos dias atuais, onde, por exemplo, acreditamos que uma administração política adequada — realizada e levada em frente pelos homens e não pelos deuses — pode resultar numa influência positiva nas sociedades, assim como uma administração inadequada resulta em influências negativas).[18] Outros pensadores também atribuem à vinda do cristianismo o declínio do mito grego. Antonio Salatino escreveu:

"O cristianismo também representou o fim da mitologia, um processo que conduziu ao desenvolvimento do pensamento racional, favorecendo assim o desenvolvimento da ciência. Por seu turno, as conquistas científicas dos séculos 17 e 18 reforçaram a confiança na superioridade do ser humano e fortaleceram o suposto direito do homem, baseado em fundamentos religiosos, de domínio sobre a natureza. A sobrevalorização dos conhecimentos derivados da ciência e do mundo civilizado e a negação dos valores dos povos selvagens conquistados levaram à extinção das tradições e línguas de muitas nações nativas."[101]

A astrologia, que, após a morte de Alexandre, o Grande, foi introduzida pela Mesopotâmia e pelo Egito antigo no mundo grego, chegou a um período de ouro na Roma imperial e contribuiu para a preservação dos mitos durante a Idade Média.[102] Contudo, na própria Grécia clássica, o surgimento e a popularidade do racionalismo e da filosofia criaram até mesmo um debate entre a ideia de que os corpos celestes eram mesmo divindades em oposição à ideia de que eram meras pedras vagando pelo céu:

"A posição no presente é, como eu já disse, exatamente o oposto daquilo que foi quando aqueles que examinavam esses objetos os consideravam sem alma. Entretanto, mesmo então constituíam objetos de admiração, e a convicção que é agora realmente sustentada já era motivo de suspeita de todos que os estudavam acuradamente, a saber, que se fossem sem alma, e por conseguinte destituídos de intelecto, jamais obedeceriam a cálculos de precisão tão maravilhosos. E até naquela época havia quem ousava arriscar-se a afirmar que a razão é a ordenadora de tudo que está no céu. Mas os mesmos pensadores, num equívoco quanto à natureza da alma e concebendo-a como posterior e não anterior ao corpo, transtornaram, por assim dizer, todo o universo e, acima de tudo, eles próprios." (Platão. Leis 967b et seq.).

Concepções greco-romanas

Filosofia e mito

A filosofia nasce através do mito, mas a ele acaba se opondo.[103] Ela surge no inicío do século - VI em Mileto, e estudiosos escrevem que vários fatores favoreceram este nascimento: "efervescência comercial, prosperidade material, contato com outras culturas avançadas, sistema de governo democrático e, finalmente, cidadãos com tempo livre para o estudo e a reflexão."[104] De fato, ao passo que a filosofia nascia, a preocupação de seus primeiros homens (Tales, Anaximandro e Anaxímenes, os filósofos pré-socráticos), além daquelas de ordem astronômica, era descobrir ou meramente indagar qual seria o elemento primordial do universo e da natureza, aquele que deu origem ao mundo—célebre exemplo de quanto as concepções cosmológicas da mitologia grega estavam sendo postas de lado para serem substituídas por novos estudos acerca do assunto, dessa vez racionais.[104] Nos finais do século V a.C., depois do auge da filosofia, da oratória, e da prosa, o destino e a veracidade dos mitos se tornaram incertos e as genealogias mitológicas deram lugar a uma nova concepção da origem das coisas, sendo que essa concepção tinha como prioridade a exclusão do supernatural (isto se mostra claro nas histórias tacidianas).[105] Enquanto os poetas e dramaturgos elaboravam os mitos, os historiadores e os filósofos por vezes desprezavam-os e criticavam-os.[106]

O Platão de Rafael em A Escola de Atenas (provavelmente à semelhança de Leonardo da Vinci). O filósofo expulsou o estudo de Homero, das tragédias e das tradições relacionados aos mitos gregos de sua utópica A República. - Mitologia grega
O Platão de Rafael em A Escola de Atenas (provavelmente à semelhança de Leonardo da Vinci). O filósofo expulsou o estudo de Homero, das tragédias e das tradições relacionados aos mitos gregos de sua utópica A República.

Certos filósofos radicais, como Xenófanes, começaram no século VI a. C. a rotular os textos dos poetas como blasfêmias. Queixava-se de que Homero e Hesíodo atribuiam aos deuses "tudo o que é vergonhoso e escandaloso entre os homens, pois os deuses roubam, matam, cometem adultério, e enganam uns aos outros".[107] Essa linha de pensamento encontrou sua expressão mais dramática em A República (acerca da justiça, do universo e dos diversos tipos de governo) e em Leis (que trata da lei divina e natural, da educação e da relação entre filosofia, política e religião) de Platão. Platão criou os seus próprios mitos alegóricos (como o mito da caverna e o mito de Er em A República), atacando os contos tradicionais dos trucos, e tratando os furtos e os adultérios como imorais, opondo-se ao papel central que vinham tomando na literatura grega. A crítica de Platão - que rotulava os mitos de "palavrões antigos" -[108] foi o primeiro exercício e desafio sério à tradição mitológica homérica.[109] Aristóteles, por sua vez, criticou o enfoque filosófico pré-socrático quase-mitológico e destacou que "Hesíodo e os escritores telógicos estavam preocupados unicamente com o que lhes parecia plausível e não tinham respeito pelos outros [...] Mas não merece a pena tomar a sério os escritores que alardeiam o estilo mitológico; aqueles que procedem a demonstrar suas afirmações devem ser re-examinados".[105] Mesmo no início do Império Romano, o livro Metamorfoses, do romano Ovídio, possui nos finais do poema um pseudo-discurso do filósofo e matemático grego Pitágoras que, reivindicando a vida após a morte, o vegetarianismo e a esperança, diz Porque temeis o Estige, as trevas e os nomes inexistentes, matéria para poetas [...],[110] embora o discurso de Pitágoras escrito por Ovídio seja permeado por alusões a criaturas e deuses romanos como Juno, Lúcifer, Palante, Febo, Tíndaro, entre outros.[111]

As explicações filosóficas gregas que pretendiam revisar as mitológicas criaram consequências drásticas para os seus autores: Anaxágoras, por exemplo, partiu para um auto-exílio fora de Atenas, por duvidar que a lua fosse uma deusa (explicação mitológica) e afirmar que, pelo contrário, vislumbrava em sua superfície mares e montanhas.[103] Aristóteles, que não aceitava a explicação de que o titã Atlas carregava a terra e o céu nas costas (afirmação que rotulou de "ignorância e superstição do povo grego"),[112] exilou-se por temer que terminasse como Sócrates, que obteve acusação de impiedade e morreu.[103] Sócrates foi condenado com 71 anos, acusado, entre outras coisas, de ateísmo e de corromper os jovens gregos com seus ensinamentos.[113] Meleto, poeta e um de seus acusadores, havia argumentado que "[...]Sócrates é culpado do crime de não reconhecer os deuses reconhecidos pelo Estado e de introduzir divindades novas; ele é ainda culpado de corromper a juventude. Castigo pedido: a morte".[114] Sócrates, após ficar preso a ferros durante 30 dias, morreu num método de auto-envenenamento da prisão da época,[115] ingerindo cicuta mas, antes de falecer, segundo Platão, incutiu uma dúvida a seus acusadores: "E agora chegou a hora de nós irmos, eu para morrer, vós para viver; quem de nós fica com a melhor parte ninguém sabe, exceto o Deus."[113]

Essas perseguições se estenderam épocas depois, atingindo seu auge na Idade média (onde o cristianismo substituiu a filosofia) e declinando durante o Renascimento e principalmente no Iluminismo (onde a filosofia grega começava a ser retomada e revisada).[103] Todavia, Platão não cuidou de separar si mesmo e sua sociedade da influência dos mitos: os estudiosos notam que sua própria caracterização de Sócrates baseia-se nos patronos tradicionais trágicos e homéricos, usados pelo filósofo para louvar o curso de vida e morte do seu mestre.[109] Em Apologia de Sócrates, Platão prescreve o discurso dado supostamente por Sócrates em seu julgamento:

Mas talvez pudesse alguém dizer: "Não te envergonhas, Sócrates, de te aplicardes a tais ocupações, pelas quais agora está arriscado a morrer?" A isso, porei justo raciocínio, e é o seguinte: "não estás falando bem, meu caro, se acreditas que um homem, de qualquer utilidade, por menor que seja, deve fazer caso dos riscos de viver ou morrer, e, ao contrário, só deve considerar uma coisa: quando fizer o que quer que seja, deve considerar se faz coisa justa ou injusta, se está agindo como homem virtuoso ou desonesto. Porquanto, segundo a tua opinião, seriam desprezíveis todos aqueles semi-deuses que morreram em Troia. E, com eles, o filho de Tétis, o qual, para não sobreviver à vergonha, desprezou de tal modo o perigo que, desejoso de matar Heitor, não deu ouvido à predição de sua mãe, que era uma deusa, e a qual lhe deve ter dito mais ou menos isto:
Filho, se vingares a morte de teu amigo Pátroclo e matares Heitor,
tu mesmo morrerás, porque, imediatamente depois de Heitor, o teu destino estará terminado" (Hom. Il. 18.96) [...][116]

Victor Davis Hanson e John Heath estimam que a rejeição de Platão acerca da tradição homérica não obteve boa recepção pela base da civilização grega.[109] Nesta etapa, os mitos mais antigos se mantiveram em cultos locais e seguiram influenciando a poesia e constituindo o tema principal da pintura da Grécia antiga e da escultura da Grécia antiga.[105] No teatro, de forma mais esportiva, Eurípedes elaborava intertextualidades com as antigas tradições e, embora suas personagens zombassem dos mitos tradicionais e duvidassem de boa parte deles, o foco dessas peças são completamente voltados aos mitos. A obra deste dramaturgo impugna principalmente os mitos sobre os deuses e inicia sua crítica à mitologia com um argumento similiar ao previamente expresso por Xenófanes: "os deuses, como são tradicionalmente representados, são grosseiramente antropomórficos".[107]

Racionalismo helenístico e romano

No Helenismo, a mitologia adquire o prestígio do conhecimento da elite que encontrava nos feitos de seus possessores algo pertencente a determinada classe. Ao mesmo tempo, o giro cético da idade clássica tornou-se ainda mais defendida e pronunciada.[117] O mitógrafo grego Evêmero, por exemplo, estabeleceu uma tradição cuja prioridade era buscar uma base histórica real para seres e eventos míticos.[118] Embora sua obra original (Sagradas Escrituras) esteja perdida, muito do que ele escreveu sobre o assunto foi preservado por Diodoro Sículo e Lactâncio.[119]

Cícero via-se como o defensor da ordem estabelecida, apesar de seu ceticismo em relação aos mitos e sua inclinação de fazer concepções mais filosóficas sobre as divindades. - Mitologia grega
Cícero via-se como o defensor da ordem estabelecida, apesar de seu ceticismo em relação aos mitos e sua inclinação de fazer concepções mais filosóficas sobre as divindades.

O racionalismo hermenêutico (relativo à Hermes) acerca do mito tornou-se ainda mais popular sob o Império Romano, graças às teorias fisicalistas do estoicismo e graças à filosofia espicurista. Os estoicos apresentavam explicações dos deuses e dos heróis como fenômenos físicos, enquanto que os evêmeristas compreendiam-os como figuras históricas. Contudo, os estoicos — assim como os neoplatonistas — promoviam os significados morais da tradição mitológica, frequentemente basendo-se nas etimologias gregas.[120] Mediante sua mensagem epicuriana, Lucrécio buscava expulsar os temores supersticiosos das mentes de seus vizinhos e cidadãos.[121] Lívio, igualmente, é cético acerca da tradição mitológica e clama que não tinha como intenção ajuizar tais lendas.[117] O desafio dos romanos com um forte sentido apologético da tradição religiosa era defender essa tradição enquanto concediam que isto era frequentemente um terreno fértil para a superstição. O antiquário Varrão — que considerava a religião uma instituição romana de grande importância para a preservação do bem social — dedicou rigorosos anos de sua vida a estudar as origens dos cultos religiosos. Em sua Antiquitates Rerum Divinarum (que não sobreviveu aos nossos dias, embora De Civitate Dei, de Agostinho, conserva seu foco geral), Varrão argumenta que, enquanto o homem supersticioso teme os deuses, a autêntica persona religiosa os venera como parentes de uma mesma família.[121]

Em sua obra, existiam três tipos de deuses:

  • 1. Os deuses da natureza: personificações de fenômenos como a chuva e o fogo;[121]
  • 2. Os deuses dos poetas: inventados pelos bardos sem escrúpulos para incitar as paixões;[121]
  • 3. Os deuses da cidade: inventados pelos sábios legisladores para iluminar e acalmar a população.[121]

Cotta, um acadêmico romano, ridicularizou tanto a acepção literal dos mitos como a alegórica, declarando rotundamente que ambas não teriam lugar na filosofia.[117] Cícero, por sua vez, desprezava os mitos, mas, como Varrão, era enfático em seu apoio para a religião e suas consecutivas instituições estatais.[117] É difícil saber quão baixo se estendia esse racionalismo na escala social.[117] Cícero afirma que ninguém (nem mesmo velhos, mulheres ou crianças, ou qualquer outro tipo de coisa) é tolo a ponto de crer nos terrores de Hades ou na existência de Cila, de centauros e de outras criaturas compósitas,[122] todavia o orador queixa-se constantemente do caráter supersticioso e crédulo das pessoas.[123] De natura deorum é o resumo mais exaustivo dessa linha de pensamento fixada por ele.[117]

Tendências sincronatórias

Na religião romana, o culto do deus grego Apolo (na imagem estátua romana de um original grego, no Musei Capitolini, Roma) foi sincronizado com o culto de Sol Invicto. A adoração do sol como protetor do império permanceu como principal culto imperial até ser substiuído pelo Cristianismo. - Mitologia grega
Na religião romana, o culto do deus grego Apolo (na imagem estátua romana de um original grego, no Musei Capitolini, Roma) foi sincronizado com o culto de Sol Invicto. A adoração do sol como protetor do império permanceu como principal culto imperial até ser substiuído pelo Cristianismo.

Durante a época do auge romano, apareceu uma tendência popular de sincronizar os múltiplos deuses gregos e estrangeiros em novos cultos estranhos e quase irreconhecíveis. A sincronização ocorreu principalmente pelo fato dos romanos terem um conjunto/panteão de mitos muito precário, fazendo com que a tradição de mitos gregos fossem misturadas com os principais deuses romanos (interligando equivalentes das duas tradições).[117] Os deuses Zeus e Júpiter são exemplos desse envolvimento mitológico. Ainda nessa etapa de combinação entre duas tradições mitológicas, tudo indica que a associação dos romanos com a religião oriental resultou em mais sincronizações.[124] Um exemplo é o culto do sol, introduzido em Roma depois das campanhas de Aureliano na Síria. As divindades Mitra e Baal, ambas asiáticas, foram sincronizadas com o deus grego Apolo e com Hélio numa só figura, o Deus Sol Invicto — que possuía (segundo a crença dos povos) atributos somados e, nas práticas de cultos, ritos conglomerados.[125] Apolo podia ser cada vez mais identificado na religião com Hélio ou incluso com Dionísio, mas os textos que recapitulavam seus mitos raramente refletiam essas metamorfoses. A literatura mitológica tradicional estava cada vez mais desassociada das práticas religiosas reais.

A coleção de Hinos Órficos e da Saturnália de Macróbio, conservadas desde o século II, também estão influídas pelas teorias racionalistas e pelas tendências sincronatórias. Os hinos órficos são um conjunto de composições poéticas pré-clássicas, atribuídas à Orfeu. Na realidade, estes poemas foram provavelmente compostos por vários poetas, e contém um rico conjunto de pistas sobre a mitologia pré-históricas da Europa. O objetivo da Saturnália é a de transmitir a cultura helênica que havia obtido de suas leituras, apesar de seu tratamento dos deuses ser contaminado pela mitologia e pela teologia egípcia e norte-africana (que também acabam afetando as interpretações de Virgílio). Na Saturnália, reaparecem os comentários mitográficos influídos pelos evemeristas, estoicos e pelos neoplatônicos.[120]

Interpretações modernas

O alemão Johann Joachim Winckelmann, através dos trabalhos de estudiosos como Gesner e Heyne, estabeleceu as primeiras distinções entre arte grega, greco-romana e romana. - Mitologia grega
O alemão Johann Joachim Winckelmann, através dos trabalhos de estudiosos como Gesner e Heyne, estabeleceu as primeiras distinções entre arte grega, greco-romana e romana.

A gênesis da moderna compreensão da mitologia grega é considerada por certos escolares como uma dupla reação dos finais do século XVIII contra "a tradicional atitude da animosidade do cristianismo", onde a reinterpretação cristiana dos mitos como uma "mentira" ou "fábula" havia se conservado.[126] Na Alemanha, em cerca de 1795, houve um crescente interesse por Homero e pela mitologia grega. Em Gotinha, Johann Matthias Gesner começou a dar alma aos estudos gregos, enquanto seu sucessor, Christian Gottlob Heyne, trabalhou com Johann Joachim Winckelmann, e desenvolveu as bases para a pesquisa e investigação mitológica tanto na Alemanha como em outros lugares.[127] Heyne abordou o mito como filólogo e moldou os alemães educados na concepção da antiguidade ao longo de quase meio século, durante o qual a Grécia antiga exerceu uma intensa influência na vida intelectual da Alemanha.[128]

A mitologia comparativa é a comparação dos mitos de diferentes culturas que possui a intenção de identificar os temas e as características compartilhadas.[129] A mitologia comparativa tem servido a uma variedade de fins acadêmicos. Por exemplo: os estudiosos têm utilizado as relações entre os diversos mitos para rastrear a evolução das religiões e das culturas, para propor origens comuns de diferentes culturas, e para apoiar várias teorias psicológicas. Falando em psicologia, as modernas interpretações do mito grego abriram espaço para uma abrangente compreensão psicológica acerca deles. Alguns estudiosos propõem que mitos de diferentes culturas revelam a mesma, ou semelhante, força psicológica no trabalho dessas culturas. Assim, alguns pensadores freudianos têm identificado histórias semelhantes à história grega de Édipo em culturas diferentes. Eles argumentam que estas histórias refletem as diferentes expressões do Complexo de Édipo nessas culturas.[130] De mesmo modo, pensadores junguianos têm identificado imagens, temas e padrões que aparecem, do mesmo modo, nos mitos de muitas culturas diferentes. Eles acreditam que essas semelhanças são resultados de arquétipos presentes no inconsciente coletivo dos níveis mentais de cada pessoa.[131]

Enfoques comparativos e psicanalíticos

Max Müller é considerado um dos fundadores da mitologia comparativa. Em seu Mitologia Comparativa (1867), Müller analisa a &quotperturbadora" similaridade entre as mitologias de &quotraças selvagens" com as das primeiras europeias. - Mitologia grega
Max Müller é considerado um dos fundadores da mitologia comparativa. Em seu Mitologia Comparativa (1867), Müller analisa a "perturbadora" similaridade entre as mitologias de "raças selvagens" com as das primeiras europeias.

O desenrolar da filologia comparativa no século XIX — junto com os descobrimentos etnológicos do século XX — fundou a "ciência da mitologia".[132] Desde o Romantismo, todo o estudo dos mitos era comparativo: Wilhelm Mannhardt, James Frazer e Stith Thompson ampliaram o foco comparativo para recoletar e classificar os temas do folclore e da mitologia.[132] Em 1871, Edward Burnett Tylor publicou seu Primitive Culture, onde aplicou o método comparativo com a intenção de explicar a origem e a evolução da religião.[133] [134] O procedimento de Taylor de agrupar o material mítico, ritualístico e cultural de culturas ampliamente separadas influenciou tanto Carl Gustav Jung como Joseph Campbell.[133] Max Müller aplicou a nova ciência da mitologia comparativa ao estudo dos mitos, no qual se detectou os restos distorcionados do culto à natureza ariana.[132] Bronisław Malinowski enfatizou as formas nas quais os mitos cumpriam funções sociais comuns.[132] Claude Lévi-Strauss e outros estruturalistas compararam as relações formais e paternas em mitos de todo o mundo.[132]

Károly Kerényi foi um dos maiores estudiosos de mitologia e línguas clássicas do século XX.[135] - Mitologia grega
Károly Kerényi foi um dos maiores estudiosos de mitologia e línguas clássicas do século XX.[135]

Sigmund Freud, com a psicanálise, introduziu uma concepção transhistórica e biológica do homem a uma visão do mito como expressão de ideias reprimidas.[136] Através de mitos como o de Édipo,[137] Freud estabeleceu concepções inovadoras a respeito da mente humana, criando teorias diferentes de tudo o que se tinha pensado até então,[138] como o Complexo de Édipo[137] e, fundamentalmente, a ideia de inconsciente.[137] Essa sugestão encontraria um importante ponto de acercamento entre as visões estruturalistas e psicoanalísticas dos mitos no pensamento de Freud. Carl Gustav Jung estendeu o enfoque transhistórico e psicológico com sua teoria do inconsciente coletivo e os arquétipos (patronos arcaicos herdados), às vezes codificiados nos mitos, que são derivados da mesma.[5] Segundo Jung, "os elementos estruturais que formam os mitos devem ser apresentados na psique inconsciente".[139] Comparando a metodologia de Jung com a teoria de Joseph Campbell, Robert A. Segal conclui que "para interpretar um mito, Campbell simplesmente identifica os arquétipos nele. Uma interpretação de A Odisseia, p. ex., mostraria como a vida de Odisseu se ajusta a um patrono heróico. Jung, pelo contrário, considera a identificação de arquétipos meramente no primeiro passo da interpretação de um mito".[140] Károly Kerényi, um dos fundadores dos estudos modernos do mito grego,[135] e um dos maiores estudiosos de tal folclore,[135] abandonou seus primeiros pontos de vista sobre os mitos para aplicar as teorias de arquétipos de Jung à mitologia grega.[141] Segundo Kerényi, a mitologia grega é "um conjunto de contos sobre deuses, deusas, batalhas heróicas e jornadas ao mundo subterrâneo, sendo contos famosos, mas já não tão propícios a possíveis reformulações."[142]

Teorias da origem

Júpiter e Tétis (1811), quadro do francês neoclássico Dominique Ingres. - Mitologia grega
Júpiter e Tétis (1811), quadro do francês neoclássico Dominique Ingres.

Existem diversas teorias sobre a origem da mitologia grega. De acordo com a Teoria Escritural, todas as lendas mitológicas procedem de relatos dos textos sagrados, no qual os feitos reais foram disfarçados e, posteriormente, alterados.[143] A Teoria Histórica, por sua vez, defende a tese de que todas as personas mencionadas na mitologia foram uma vez seres humanos reais, e as lendas sobre elas são meras adições de épocas posteriores (assim, supõem-se que a história de Éolo surgiu do fato de que este era governante de algumas ilhas do Mar Tirreno).[143] Já a Teoria Alegórica supõe que todos os mitos antigos eram alegóricos e simbólicos,[143] embora tivessem em seu contexto determinada verdade moral, religiosa ou filosófica ou um fato histórico que, com o passar do tempo, passaram a ser aceitas como verdade.[144] Finalmente, a Teoria Física se adere à ideia de que os elementos como ar, fogo e água foram originalmente objetos de adoração religiosa, sendo que as principais deidades passaram a ser personificações desses poderes da natureza.[143] Max Müller tentou compreender uma forma religiosa indo-europeia determinando sua manifestação "original": em 1891, ele afirmou que "o descobrimento mais importante que se tem feito no século XIX a respeito da história antiga da humanidade [...] foi essa simples equação: Dyeus-pitar sânscrito = Zeus grego = Júpiter latino = Tyr nórdico."[133] Em outros casos, perto dos paralelos o cárater e a função sugerem uma herança comum, mas a ausência de evidências linguísticas faz com que seja difícil prová-la, como na comparação entre Urano e o Varuna sânscrito, ou entre as Moiras e as Nornas.[145] [146]

Afrodite e Adônis, cerâmica com figuras vermelhas em forma de aríbalo, ca. 410 a.C, Louvre. - Mitologia grega
Afrodite e Adônis, cerâmica com figuras vermelhas em forma de aríbalo, ca. 410 a.C, Louvre.

A arqueologia e a mitografia, numa outra consideração, tem revelado que os gregos foram inspirados por algumas civilizações da Ásia Menor e do Oriente Próximo. Adônis parece ser o equivalente grego — mais claramente nos cultos do que em suas histórias míticas — de um "deus moribundo" do Oriente Próximo.[147] Tudo indica que Cíbele, por sua vez, tem suas raízes na cultura anatólica, enquanto grande parte da iconografia de Afrodite surge das deusas semíticas.[147] Existem possíveis paralelismos entre as gerações divinas mais antigas (Caos e seus filhos) e Tiamat em Enuma Elish.[148] Segundo o estudioso Meyer Reinhold, "os conceitos teogônicos do Oriente Próximo, incluindo a sucessão divina mediante a violência e os conflitos gerados pelo poder, encontraram seu caminho [...] na mitologia grega."[149] Seguindo as origens indo-europeias e do Oriente Próximo, alguns investigadores especulam sobre as obrigações da mitologia grega com as sociedades pré-helênicas: Creta, Micenas, Pilos, Tebas e Orcómeno.[150] Os historiadores da religião estavam fascinados por várias configurações de mitos aparentemente antigos relacionados com Creta (o deus como toro, Zeus e Europa, Pasífae que produz toro e dá a luz ao Minotauro; etc.).[151] O professor Martin P. Nilsson concluiu que todos os grandes mitos da Grécia antiga estavam atados aos centros micênicos e âncorados em épocas pré-históricas.[151] Todavia, de acordo com Walter Burkert, a iconografia do período do palácio cretentese praticamente não tem dado confirmação alguma sobre a veracidade de todas estas teorias.[150]

Legado e importância

"O mito é o nada que é tudo.[...]"

Fernando Pessoa[152]

Localizada na juntura da Europa, Ásia e África, a Grécia é o berço de nascimento da democracia,[153] da filosofia ocidental,[154] dos Jogos Olímpicos, da Literatura ocidental e da historiografia, bem como da Ciência política, dos mais importantes princípios matemáticos, e também o berço de nascimento do teatro ocidental, incluindo os gêneros do drama, tragédia e o da comédia.[155] Apaixonados pelo debate e pela controvérsia,[156] os gregos criaram os primeiros ordenamentos políticos com cunho democrático, onde compartilhavam e defendiam argumentações.[156] Esses princípios fundamentais definiram o curso do mundo ocidental, e também divulgaram a mitologia grega, que ainda se torna eficiente, segundo muitos autores, para a educação acadêmica nas escolas de ensino fundamental e superior, como também para um entendimento mais profundo e filosófico do ser humano, como veremos a seguir:

Educação e literatura

Em Como e por que ler os clássicos universais desde cedo (2002), livro que dá dicas de como impor de forma criativa e prazerosa os grandes clássicos da cultura ocidental para as crianças,[157] Ana Maria Machado considera a cultura grega antiga como um tesouro da humanidade que desperta entusiasmo a muitos leitores de diferentes épocas.[158] Machado ainda complementa: "[a cultura grega antiga] são uma fonte inesgotável, onde sempre podemos beber. Para muita gente, eles são os mais fascinantes de todos os clássicos. Provavelmente são os que mais marcaram toda a cultura ocidental."[158]

"Os jovens que têm cultura clássica estão menos sujeitos a se deixarem escravizar por seitas limitadoras, por religiões aprisionadoras. Eles têm uma liberdade espiritual trazida pela consciência de que a cultura tem sua história, seu desenvolvimento, sua diversidade."

—JAA Torrano, 2005.[159]

Hoje em dia, a preocupação escolar acerca da criação de um "aluno leitor" bem formado, principalmente em países em desenvolvimento como o Brasil, busca caminhos na literatura grega que aproximem esse aluno das histórias míticas enraizadas em temas como amor, ódio, felicidade e morte, para que esses alunos sintam-se seduzidos pelo bom livro, a fim de se interessarem por literatura.[160] Para o estudioso Roland Barthes,[161] se todas as disciplinas desaparecessem dos currículos universitários, bastaria que permanecesse a literatura porque essa contém todas as outras.[161] A literatura grega, segundo Barthes, contribuiria para a formação de leitores críticos e sensíveis com sua realidade, porque "[são] um logro magnífico que permite ouvir a língua fora do poder, no esplendor de uma revolução permanente da linguagem."[161]

Para alguns estudiosos e pesquisadores em educação, restou aos cargos da pedagogia compartilhar e criar interesse na leitura de uma bibliografia competente e agradável ao aluno.[160] Se, por um lado, a utilização da mitologia grega nas salas das faculdades ou das escolas pode parecer uma atividade sem originalidade, a professora Kênia Maria de Almeida Pereira, em um ensaio da Universidade Federal de Uberlândia, defende que estudá-la seria "[...] uma atividade complexa e atual, rica em detalhes, prazerosa e surpreendente."[162] Ela cita Julia Kristeva, que afirmava que todo texto se converte num mosaico de citações, de absorção e transformação de outros textos,[163] e também cita Umberto Eco, para quem os livros sempre falam de outros livros e qualquer história conta uma história já contada,[164] além de dizer: "[...]todo texto devora outro, numa espécie de antropofagia infinita, em que o artista digere as linhas alheias para recompor seu próprio texto: eis aí uma das facetas da originalidade."[165]

A professora sugere que os pedagogos trabalhem com textos gregos clássicos que tratem da mitologia, e com textos prosaicos ou poéticos da literatura brasileira (e outras) que façam intertextualidade com esses primeiros.[166] Tal método estaria estabelecendo uma maior aproximação da literatura nacional e os temas que ela aborda,[166] como também aguçando a leitura dos alunos para observarem casos em que o poeta cita outros.[166] Kênia encerra seu ensaio citando o livro Pedagogia da Autonomia, de Paulo Freire, em que ele diz que "o educador é aquele profissional que desencadeia o exercício da curiosidade, da intuição e da imaginação em seus educandos."[167] O professor cumpriria seu papel ao destacar a curiosidade no estudante, que seria capaz de conjecturar, comparar, e provocar, e essas inquietações iriam ser a base para a formação de seu espírito crítico, que também pesquisa e devota a leitura, numa forma de usá-la como ferramenta auxiliadora de segurança, competência e generosidade em seu caminho acadêmico e profissional posterior ao universitário.[167]

Cultura: língua e atividade

Profissionais envolvidos com filosofia, história, letras, teatro e religião são frequentemente solicitados a conhecerem a língua grega uma vez que esse conhecimento possibilita a leitura dos textos de referência na forma original.[168] Conhecer a língua grega implica ter a possibilidade de ler os mitos gregos com a riqueza de detalhes em que foram originalmente escritos.[169] Seguindo esse pensamento, profissionais envolvidos com psicologia e psicanálise, ou com a sociologia, se beneficiariam na atividade da leitura original, uma vez que Sigmund Freud abriu uma série de estudos acerca do mito de Édipo, enquanto que Marx se debruçou sobre Prometeu.[169] O domínio do grego clássico propicia uma vantagem prática na elaboração de textos em língua portuguesa, uma vez que esta tenha em sua estrutura palavras derivadas de equivalentes gregos,[170] e o aprendizado de sua etimologia auxiliaria na deducação e dissecação de muitos significados de palavras e expressões em outras línguas.[171] Através do domínio de sua linguagem, a cultura grega se aproxima de tal forma que é possível desvendar as origens de muitas características da própria origem de quem a estuda, além do estudioso ser capaz de fazer contrastes necessários entre as duas, como também investigar sua visão e sua ação no mundo, uma vez que a cultura e a língua andam juntas.[172]

Por meio de todo esse aspecto cultural e línguistico, os mitos aparecem como sendo uma alternativa ou um caminho de conhecimento do mundo e dos seres humanos, talvez um modo de conhecer as questões fundamentais da existência humana,[173] como veremos na próxima subseção.

Preservação, humanismo, psicologia, antropologia

Através dos mitos, e de outros aspectos de sua cultura, aos gregos antigos são creditadas muitas contribuições ao mundo Ocidental de hoje, dentre as quais:

• o desenvolvimento harmonioso do corpo e da mente humana;[174]
• a cidade autônoma;[174]
• a concepção da arte;[174]
• a especulação filosófica.[174]
Prometeu Carregando Fogo, por Jan Cossiers: preservado pelo século XVII, o mito de Prometeu é considerado humanista a partir do momento que ele rouba fogo divino e compartilha com os humanos, numa tentativa comum de tornar-se o dono do mundo.[175] [176] - Mitologia grega
Prometeu Carregando Fogo, por Jan Cossiers: preservado pelo século XVII, o mito de Prometeu é considerado humanista a partir do momento que ele rouba fogo divino e compartilha com os humanos, numa tentativa comum de tornar-se o dono do mundo.[175] [176]

A mitologia grega foi retomada e revista nas artes e nos campos intelectuais dos séculos posteriores àqueles em que tinha se originado, e a preservação de seus mitos contribuiu fundamentalmente na compreensão do ser humano enquanto figura do humanismo.[177] [178] Em Linguagem e Mito, o filósofo Ernst Cassirer afirma que "[...]a mitologia irrompeu com mais força nos tempos mais antigos da história do pensamento humano, mas nunca desapareceu por inteiro".[179] Sendo assim, os mitos gregos influíram, indiscutivelmente, na filosofia, na parapsicologia, e nas consciências educacionais, ecológicas e sobre nós mesmos.[180] [181] [182] [183] Na psicologia, especificamente, os simbolismos da mitologia grega representam um papel fundamental: os psicólogos associam a borboleta a uma estreita relação entre a mente do homem e a sua natureza espiritual, bem como a transformação, alma, libertação, sorte, sensualidade, e psiquê[184] (cuja origem vem do grego psyché).[185] Muito antes, contudo, os gregos representavam a alma humana como uma borboleta, como meio de dar-lhe o significado simbólico de transformação, e da passagem da vida corpórea para a vida espiritual.[185] [186] Portanto, muitos dos conceitos atuais se apoiaram em heranças que a mitologia da Grécia nos legou. Para Mircea Eliade, "os mitos gregos, efetivamente, narram não apenas a origem do Mundo, dos animais, das plantas e do homem, mas também de todos os acontecimentos primordiais em consequência dos quais o homem se converteu no que é hoje um ser mortal, sexuado, organizado em sociedade, obrigado a trabalhar para viver, e trabalhando de acordo com determinadas regras."[187]

Maria Lucia Gili Massi,[188] chefe da área de desenvolvimento de recursos humanos, apontou numa entrevista de maio de 2005, que os "mitos ajudam a entender relações humanas."[188] Para o professor de Literatura e História da Arte Fábio Brazil,[189] conhecer os mitos, "sejam eles polinésios, tupinambás, maias, sumérios ou gregos não é o estudo de um fenômeno local e temporal, é o estudo e conhecimento da resposta simbólica do homem diante da natureza interna e externa à sua psique [...]", e reforça que os mitos gregos "[são] para nós um ato de autoconhecimento."[189] Segundo Brazil, através dessa convenção olhar o mito pela face da religião fará com que olhemos também seus desdobramentos na história e na arte; se olharmos o mito pela face da arte, olharemos, inevitavelmente, seus desdobramentos na religião e na história e, por último, se o olharmos através da história, inevitavelmente seremos obrigados a olhá-lo também na arte e na religião.[189] Para o francês Lévi-Strauss, fundador da antropologia estruturalista,[190] as narrativas míticas, com seu poder de fascinar por meio de heróis audaciosos, ainda são fontes de vigor, resistência, e de referência para os ocidentais.[191] No livro O Cru e o Cozido (2004), Strauss afirma que os mitos gregos são vantajosos por serem capazes de configurarem-se em "analogias universais que, independentes da língua materna de cada um, podem ser familiares a todos nós."[191]

Influência

Artes

Europa e América do Norte

O Nascimento de Vênus, de Botticelli (c. 1485–1486, Uffizi, Florença) é uma Venus Pudica revivida para um novo ponto de vista da antiguidade pagã: muitos a compreendem como o resumo do espírito renascentista.[5] - Mitologia grega
O Nascimento de Vênus, de Botticelli (c. 1485–1486, Uffizi, Florença) é uma Venus Pudica revivida para um novo ponto de vista da antiguidade pagã: muitos a compreendem como o resumo do espírito renascentista.[5]

A ampla adoção do Cristianismo no Ocidente não freou a popularidade dos mitos greco-romanos. Com o redescobrimento da antiguidade clássico no Renascimento, a poesia de Ovídio se converteu em uma influência importante para a imaginação dos poetas, dramaturgos, músicos e artistas ocidentais.[5] [192] Desde os primeiros anos do Renascimento, personalidades como Leonardo da Vinci, Michelângelo e Rafael retrataram os temas pagãs da mitologia grega adicionando temas cristianos mais convencionais.[192] Mediante o latim e as obras de Ovídio, os mitos gregos influenciaram poetas medievais e renascentistas como Petrarca, Boccaccio e Dante, na Itália.[5]

Goethe nutria um imenso interesse pela atitude dos deuses olímpicos, em detrimento de motivos mais humanos.[193] - Mitologia grega
Goethe nutria um imenso interesse pela atitude dos deuses olímpicos, em detrimento de motivos mais humanos.[193]

No Norte da Europa, a mitologia grega nunca alcançou a mesma importância nas artes visuais, mas sua influência na literatura foi colossal. Os mitos gregos produziram efeitos na imaginação inglesa de nomes como Chaucer e John Milton e seguiu em destaque de Shakespeare à Robert Bridges, no século XX. Racine da França e Goethe da Alemanha reviveram os dramas do teatro grego antigo, re-interpretando os mitos mais antigos.[5] [192] Embora o Iluminismo tenha estendido por toda a Europa uma reação contra os mitos gregos, estes continuaram sendo uma importante fonte de material para os dramaturgos, incluindo os autores de libretos de muitas óperas, como Händel e Mozart.[192] Em finais do século XVIII, o Romantismo proporcionou um aumento no entusiasmo da cultura grega, incluindo a mitologia. Na Grã-Bretanha, novas traduções em cima das tragédias gregas e das obras de Homero inspiraram poetas (como Alfred Tennyson, Keats, Byron e Shelley) e pintores contemporâneos (como Lord Leighton e Lawrence Alma-Tadema).[192] Em épocas mais recentes, os temas clássicos foram re-interpretados pelos dramaturgos Jean Anouilh, Jean Cocteau e Jean Giraudoux na França, Eugene O'Neill nos Estados Unidos e T.S. Eliot na Grã-Bretanha, e por novelistas como James Joyce e André Gide.[5]

Brasil e Portugal

Em Camões, a mitologia serve como &quotoficina de imagens; corpo poético para a revelação de forças hostis ou benéficas da natureza, das relações sociais e do coração humano; e veículo da fé do poeta num Deus único, eterno e superior aos homens".[194] - Mitologia grega
Em Camões, a mitologia serve como "oficina de imagens; corpo poético para a revelação de forças hostis ou benéficas da natureza, das relações sociais e do coração humano; e veículo da fé do poeta num Deus único, eterno e superior aos homens".[194]

A mitologia grega foi utilizada pelos lusófonos de forma expressiva e ampla, sendo aproveitada em campos como a música, a literatura e notavelmente o teatro, refletindo as características de seus mitos com os aspectos sociais condizentes com seu tempo. Em sua magnum opus Os Lusíadas, Luís de Camões modelou sua linguagem adotando a mitologia grega com o intuito de ordenar e enfatizar seu poema.[194] Camões acreditava que poetizar a mitologia era dar "uma unidade de ação e um enredo dinâmico ao seu poema e usufruir do sentido autônomo de beleza que as imagens possuem".[195] Sua obra é vista como uma tentativa de converter os mitos em termos de realidade histórica, servindo-se do estilo clássico para elevar os ideais do Cristianismo.[196] Certos críticos observam que Camões atribui a Vênus características harmoniosas e de organização para representar o espírito do Ocidente, enquanto que Baco é a corporização do espírito do Oriente, com características vaidosas e desorganizadas.[194] Seu estilo é visto como uma espécie sem definições definitivas.[197]

A obra de Lobato introduz uma ampla variedade de deuses, semideuses, heróis e outras criaturas mitológicas engendradas em linguagens apropriadas para sua literatura infanto-juvenil.[198] - Mitologia grega
A obra de Lobato introduz uma ampla variedade de deuses, semideuses, heróis e outras criaturas mitológicas engendradas em linguagens apropriadas para sua literatura infanto-juvenil.[198]

Monteiro Lobato — apaixonado pela influência que a cultura grega sobrepôs na língua portuguesa[199] — explorou a tradição da mitologia grega cumprindo seus projetos ligados a um público infanto-juvenil (dessa forma, a obra de Lobato foi norteada através de sua compreensão de que o mito grego era o alimento do espírito, algo que ele especifica no mito nacional do Saci).[200] Lobato, cuja intertextualidade dá-se por meio de uma linguagem simples (às vezes incluindo definições de vocábulos),[199] retomou temas mitológicos em obras como O Minotauro e Os Doze Trabalhos de Hércules, adotando uma linguagem infantil em ambas as obras.[198] Suas intenções eram transmitir mensagens sobre família, educação e imaginação, ao mesmo tempo que mostrava "o maravilhoso [do mundo mitológico]" como a "pueril mágica do cotidiano".[198] Antes de Lobato, a intertexualidade já se dava por meio do Padre Antonio Vieira, que escrevia seus sermões em território brasileiro, utilizando muitas vezes as figuras de Narciso, de Midas e das Parcas para referir-se à vaidade, a avareza e a morte, explicando: "Só uma coisa há que não pode passar, porque o que nunca foi, não pode deixar de ser, e tais parece que foram as fábulas que neste mesmo tempo se inventaram e fingiram."[201] Inspirado pelas Metamorfoses de Ovídio, Cruz e Silva produziu doze metamorfoses, inteiramente influenciado pelo mito grego.[202]

No século XVIII, Gonzaga incorporou a mitologia clássica em Marília de Dirceu, utilizando da tradição arcadista de retomar a cultura grega em obras literárias.[203] - Mitologia grega
No século XVIII, Gonzaga incorporou a mitologia clássica em Marília de Dirceu, utilizando da tradição arcadista de retomar a cultura grega em obras literárias.[203]

Na poesia, destacam-se: Prosopoéia, de Bento Teixeira (poeta fascinado por Camões),[162] cuja estrofe XV faz referência à Proteu;[204] Marília de Dirceu, escrito por Tomás Antônio Gonzaga no século XVIII, época em que o Arcadismo retomava o costume de citar textos da Grécia clássica,[203] onde Gonzaga diz, "[...] O terno corpo despido/ E de Amor, ou de Cupido…";[205] Vozes D'África, poema do baiano Castro Alves, em que ele cita Prometeu,[206] incluindo hipérboles e comparações ao seu estilo romântico;[203] o poema Helena, de Luiz Delfino, onde há alusões a Helena de Troia, Paros e à Grécia antiga;[207] Augusto dos Anjos, adepto do Simbolismo e com seu pessimismo típico, evoca a figura da Quimera no poema Versos Íntimos,[208] onde há uma espécie de angústia perante o século novo e a ameaça da Primeira Guerra Mundial;[166] o poema do Modernismo Bacanal, de Manuel Bandeira, onde Bandeira cita o nascimento do vinho e do teatro, com a figura de Dionísio, além de saudar: "Evoé Baco!",[209] e — finalmente — Carlos Drummond de Andrade com o poema Rapto, onde o evoca a cena bizarra de Ganimedes sendo raptado pelo Deus Júpiter na porta de uma boate carioca.[210] [211]

Em Vinicius, a mitologia aparece como um meio de dizer sobre amor, paixão e música. - Mitologia grega
Em Vinicius, a mitologia aparece como um meio de dizer sobre amor, paixão e música.

Vinicius de Moraes escreveu Orfeu da Conceição originalmente em 1942, reescreveu seu texto em 1955, e a peça só foi montada em 1956 no Rio de Janeiro.[212] A peça baseia-se no mito de Orfeu, que descia até Hades com Eurídice cantando docemente para que os mortos deixassem os dois passarem.[213] Aproveitando os dotes musicais que os gregos antigos atribuíam a Orfeu, cantor e instrumentista da lira, Moraes fez de seu Orfeu um condutor de bonde e sambista que mora num morro do Rio de Janeiro.[212] A obra de Vinicius, que é vista como uma tentativa de unir o drama com a poesia lírica,[212] rendeu o álbum musical Orfeu da Conceição com as músicas da peça, uma adaptação ítalo-franco-brasileira famosa e premiada para o cinema intitulada Orfeu Negro, sob a direção de Marcel Camus, e também um de seus grandes sucessos com Tom Jobim: a canção "Se Todos Fossem Iguais a Você".[212] [214] Aliás, a peça marcou o início da amizade e da produção artística dos dois,[215] [216] sendo esse acontecimento, para Vinicius, o ponto principal dos resultados obtidos por ele em sua composição da obra.[214]

A obra de Saramago, como a de Chico, adota a mitologia para falar de política e situações da contemporaneidade. - Mitologia grega
A obra de Saramago, como a de Chico, adota a mitologia para falar de política e situações da contemporaneidade.

Oduvaldo Viana Filho adaptou para a televisão brasileira o texto de Medeia, do grego Eurípedes, e, a partir dessa produção, Chico Buarque de Holanda e Paulo Pontes recuperaram o mito de Medeia ao escreverem um musical intitulado Gota d'água (1975),[217] retratando o abandono que Joana, a personagem principal, sofre pelo marido, e as consequências trágicas que a levam a assassinar os próprios filhos numa favela do Rio de Janeiro, à semelhança de Medeia, que os assassinou após ser deixada por Jasão.[213] Ambientada numa área urbana do Rio de Janeiro, a tragédia incorporava em seu texto mais de quatro mil versos,[217] e sua primeira encenação teve Bibi Ferreira no papel principal.[217] Gota d'água, de Buarque e Pontes, é vista como um drama que tenta focalizar a realidade brasileira da década de 1970 e sua desigualdade social, a resistência de sua democracia durante sua ditadura militar,[218] e sua política autoritarista,[219] bem como os temas mais universais como a traição, moralidade e o amor (presentes no original grego). José Saramago, em território português, publicou O Homem Duplicado em 2002, revestindo o mito de Anfitrião a um estilo pós-morderno ao narrar as consequências que o personagem Tertuliano vem a sofrer por ter perdido sua individualidade após se envolver com uma cultura alienante e massificadora.[213] Através desse enredo, Saramago propõe uma reflexão sobre política e cidadania e estabelece uma intertextualidade moderna e criativa da mitologia grega.[213]

Neopaganismo e resgate

Neopaganistas helênicos do Supremo Conselho dos Gentios Helenos no festival anual Prometheia, junho de 2006, Grécia. - Mitologia grega
Neopaganistas helênicos do Supremo Conselho dos Gentios Helenos no festival anual Prometheia, junho de 2006, Grécia.

Com o advento do Neopaganismo, surgiram grupos de homens da Grécia moderna interessados em resgatar os mitos gregos e adorá-los como religião e verdade. De fato, esse grupo neopagão não os vê como mitos e não veneram o que hoje conhece-se como "mitologia grega", e sim são resgatadores da religião da Grécia Antiga. O Dodecateísmo (também chamado de Neopaganismo Helênico) desde a década de 1990 tenta reviver as práticas religiosas da Grécia antiga. Este movimento, por vezes englobado dentro de um mais amplo chamado Reconstrucionismo politeístico helênico, prega o politeísmo, a ortopraxia, e reconhece os doze deuses olímpicos (Zeus, Hera, Posidão, Apolo, Ártemis, Afrodite, Ares, Hefesto, Atena, Hermes, Deméter, Héstia e Dionísio), embora dentro do Dodecateísmo tenham surgido grupos e/ou organizações menores que preferem focar seus rituais em um deus ou deuses específicos. O Supremo Conselho dos Gentios Helenos (em grego, Ύπατο Συμβούλιο των Ελλήνων Εθνικών ou YSEE) se estabeleceu em 1997 e está rapidamente se tornando a organização preeminente que representa a religião em todo o mundo helênico. Não se sabe ao certo quantos adeptos existem dentro do Neopaganismo Helênico, contudo sabe-se que há uma comunidade significativa nos Estados Unidos e que cerca de 2.500 pessoas participaram do festival anual chamado Prometheia de 2005, promovido pelo YSEE. Mesmo tradições que não sofram influência direta do mundo grego se interessam pela mitologia grega. É o caso da Wicca que, embora foque na religião celta e no Culto Bruxo, possui adeptos ecléticos que simpatizam com antigos conceitos de mente, corpo e espírito legado da filosofia grega.[220] Com a primeira evidência de uma prática pagã de bruxaria nos anos 30 (o que hoje é reconhecido como Wicca),[221] [222] na Inglaterra, diversos grupos pelo país, em Norfolk,[223] Cheshire[224] e outros, estavam abertos a influências de diversas outras fontes como o Romantismo, as religiões asiáticas e também a mitologia grega.[225]

Ver também

Notas

  1. Período Geométrico: trata-se de uma fase da arte grega, caracterizada por pinturas em vasos, que data de 900 a.C a 800 a.C.
  2. Prometeu Acorrentado: o texto da peça está em domínio público e pode ser lido em pdf ou em html através das seguinte ligações: Prometeu Acorrentado (html); Prometeu Acorrentado (pdf). Ligação externa: Ebooks Brasil.org.

Referências

Understanding the Odyssey: A Student Casebook to Issues, Sources, and Historic Documents
Claudia D. Johnson:::Vernon Johnson (2003)
For thousands of years, The Odyssey has resonated throughout the Western world. Homer has been an original source of inspiration to writers, painters, sculptors, and filmmakers, as well as a vital source of information about the mythology, history, and culture of ancient Greece. This casebook uniquely blends commentary and primary documents, situating the epic within historical contexts that are important for students to understand.The literary analysis chapter is ideal for readers coming to The Odyssey for the first time, introducing the work with a chronology of events and identification of major characters and themes. Topical chapters carefully consider matters of mythology, geography, archeology, and class issues pertinent to The Odyssey. Excerpts from classical and scholarly sources, including Herodotus, Plato, Thucydides, and Bulfinch, help students understand the historical framework, and materials from government documents and newspaper accounts help students make connections betweenThe Odyssey'S≪/i> thematic ideas and current events, such as the September 11th attacks and the ongoing conflict in Ireland.
Archaeology as Cultural History: Words and Things in Iron Age Greece
Ian Morris (1991)
This book shows the reader how much archaeologists can learn from recent developments in cultural history.
Greek Religion: Archaic and Classical
Walter Burkert (1991)
This is the first major synthesis of Greek religion to appear for a generation. A clearly structured and readable survey for classical scholars and students, it will also be generally welcomed as the best modern account of any polytheistic religious system. The text builds up an impressive and coherent picture of the current state of knowledge about the religion of the ancient Greeks.
Myth: Its Meaning and Functions in Ancient and Other Cultures (Sather Classical Lectures)
G. S. Kirk (1973)
The Routledge Handbook of Greek Mythology: Based on H.J. Rose's Handbook of Greek Mythology
Robin Hard (2003)
This new edition is a completely rewritten and revised version of Rose's original, seminal, text. Adding a huge amount of new material, Robin Hard incorporates the results of the latest research into his authoritative accounts of all the gods and heroes. The narrative framework of the book includes helpful signposting so that the book can be used as work of reference, and alongside the narrative chapters, it includes full documentation of the ancient sources, maps, and genealogical tables. Illustrated throughout with numerous photographs and line drawings, it will remain the definitive account of ancient Greek mythology for generations to come.
The Oxford Illustrated History of Greece and the Hellenistic World (Oxford Illustrated Histories)
(2001)
From the epic poems of Homer to the glittering art and architecture of Greece's Golden Age, to the influential Roman systems of law and leadership, the classical Greek world established the foundations of our culture as well as many of its most enduring achievements. Now, in this vividly illustrated volume, readers can embrace the spirit of the classical world, from the eighth to the first centuries B.C., a period unparalleled in history for its brilliance in literature, philosophy, and the visual arts. This work also treats the Hellenization of the Middle East by the monarchies established in the area conquested by Alexander the Great. The editors, all celebrated classicists, intersperse chapters on political and social history with sections on literature, philosophy, and the arts, and reinforce the historical framework with maps and historical charts. Moreover, the contributors--thirty of the world's leading scholars--present the latest in modern scholarship through masterpieces of wit, brevity, and style. Together with hundreds of excellent illustrations, theses entries provide both a provocative and entertaining window into our classical heritage.
Myth and Poetry in Lucretius (Cambridge Classical Studies)
Monica R. Gale (1994)
Lucretius' De Rerum Natura is a philosophical epic, devoted to the exposition of Epicurean philosophy. Since the system was materialistic, and highly critical of myth and poetry, Lucretius' use of mythological language and imagery is surprising. Dr. Gale considers the poem against the background of earlier and contemporary views of myth, and suggests that Lucretius was well aware of the tension between his two roles as poet and philosopher, and attempted to resolve it by developing a bold and innovative theory of myth and poetry.
Medieval Mythography, Volume 1: From Roman North Africa to the School of Chartres, A.D. 433-1177 (v. 1)
Jane Chance (1994)
The mythic world of Juno, Jupiter's consort, is one of flesh and begetting, of suffering and death, and of poetry itself. Exploring the relationship between that realm of the classical gods and the sphere of medieval mythographers, Jane Chance illuminates the efforts of medieval writers to understand human existence and the forces of nature in relation to Christian truth.
The Nature of the Gods (Oxford World's Classics)
Cicero (1998)
Cicero's philosophical works are now exciting renewed interest and more generous appreciation, in part because they provide vital evidence of the views of the (largely lost) Greek philosophers of the Hellenistic age, and partly because of the light they cast on the intellectual life of first-century Rome. The Nature of the Gods is a central document in this area, for it presents a detailed account of the theologies of the Epicureans and of the Stoics, together with the critical objections to these doctrines raised by the Academic school.
Religions of Rome: Volume 1: A History
Mary Beard:::John North:::Simon Price (1998)
This book offers a radical new survey of more than a thousand years of religious life in Rome, from the foundation of the city to its rise to world empire and its conversion to Christianity. It sets religion in its full cultural context, between the primitive hamlet of the eighth century BC and the cosmopolitan, multicultural society of the first centuries of the Christian era.
Prolegomena to the Study of Greek Religion (Mythos Books)
Jane Ellen Harrison (1991)
Jane Harrison examines the festivals of ancient Greek religion to identify the primitive "substratum" of ritual and its persistence in the realm of classical religious observance and literature. In Harrison's preface to this remarkable book, she writes that J. G. Frazer's work had become part and parcel of her "mental furniture" and that of others studying primitive religion. Today, those who write on ancient myth or ritual are bound to say the same about Harrison. Her essential ideas, best developed and most clearly put in the Prolegomena, have never been eclipsed.
Structure & Creativity in Religion (Religion Reason Ser. : No 14)
Douglas Allen (1978)
Theorizing About Myth
Robert A. Segal (1999)
For 200 years the subject of myth - its origin, function, and significance - has been addressed again and again, first by theologians and philosophers and then by anthropologists, sociologists, and psychologists. From the outset the topic has sparked intense debates, with differing opinions expressed on everything from issues of epistemology and methodology to the meaning of "myth" itself. In this collection of essays, Robert A. Segal surveys the contours of this ongoing discussion, comparing and evaluating the leading theories of myth. Among the theorists discussed are Edward Tyler, William Robertson Smith, James Frazer, Jane Harrison, S.H. Hooke, Mircea Eliade, Rudolf Bultmann, Hans Jonas, Sigmund Freud, C.G. Jung, Joseph Campbell, Claude Levi-Strauss, and Hans Blumenberg.
Essays on a Science of Mythology
Carl G. Jung:::Carl Kerenyi (1969)
Essays on a Science of Mythology is a cooperative work between C. Kerényi, who has been called "the most psychological of mythologists," and C. G. Jung, who has been called "the most mythological of psychologists." Kerényi contributes an essay on the Divine Child and one on the Kore (the Maiden), together with a substantial introduction and conclusion. Jung contributes a psychological commentary on each essay. Both men hoped, through their collaboration, to elevate the study of mythology to the status of a science.In "The Primordial Child in Primordial Times" Kerényi treats the child-God as an enduring and significant figure in Greek, Norse, Finnish, Etruscan, and Judeo-Christian mythology. He discusses the Kore as Athena, Artemis, Hecate, and Demeter-Persephone, the mother-daughter of the Eleusinian mysteries. Jung speaks of the Divine Child and the Maiden as living psychological realities that provide continuing meaning in people's lives.The investigations of C. Kerényi are continued in a later study, Eleusis: Archetypal Image of Mother and Daughter (Princeton).
Bulfinch's Greek and Roman Mythology: The Age of Fable (Dover Thrift Editions)
Thomas Bulfinch (2000)
Vivid, classic retellings of the myths of Greece and Rome, along with stories of the Norse gods and heroes. Zeus and Hera, Apollo, Jason and the golden fleece, the wanderings of Ulysses and Aeneas, the deeds of Thor, many more seminal stories underlying Western culture.
When the Norns Have Spoken: Time and Fate in Germanic Paganism
Anthony Winterbourne (2004)
Approaches to Greek Myth
(1989)
"Well organized, edited and arranged, this text is of unquestioned value to all teachers of mythology, to the advanced student of the classics and to the research scholar, a welcome resource volume". -Classical World.
Myth and the Polis (Myth and Poetics)
(1991)
This fresh and thought-provoking book deepens our understanding of the dynamic relationship between the creation of myth and the development of the ancient Greek polis, or city-state, during crucial periods in archaic and classical Greece. Examining the diverse texts which crystallized Greek oral tradition, nine chapters by a multidisciplinary group of scholars focus both on the role of the community as the shaper and transmitter of myth and on the function of myth and ritual in the development of political authority in Greek society.
Greek Religion: Archaic and Classical
Walter Burkert (1991)
This is the first major synthesis of Greek religion to appear for a generation. A clearly structured and readable survey for classical scholars and students, it will also be generally welcomed as the best modern account of any polytheistic religious system. The text builds up an impressive and coherent picture of the current state of knowledge about the religion of the ancient Greeks.
In Search of the Trojan War, Updated edition
Michæl Wood (1998)
Tales of Troy and its heroes--Achilles and Hector, Paris and the legendary beauty Helen--have fired the human imagination for 3,000 years. With In Search of the Trojan War, Michael Wood brings vividly to life the legend and lore of the Heroic Age in an archaeological adventure that sifts through the myths and speculation to provide a fresh view of the riches and the reality of ancient Troy.This gripping story shows why the legend of Troy forms the bedrock of Western culture and why its past is a paradigm of human history. Wood's meticulous scholarly sleuthing yields fascinating evidence about the continuity and development of human civilization in the Aegean and Asia Minor. With its 50 feet of debris resulting from constant rebuilding, human destruction, earthquake, and abandonment, the mound of Troy contains the beginnings and ends of new races and civilizations.This edition includes a new preface, a new final chapter, and an addendum to the bibliography that take account of dramatic new developments in the search for Troy with the rediscovery, in Moscow, of the so-called Jewels of Helen and the re-excavation of the site of Troy, which began in 1988 and is yielding new evidence about the historical city.
Wiccan Roots: Gerald Gardner and the Modern Witchcraft Revival
Philip Heselton (2001)
  1. "Volume: Hellas, Article: Greek Mythology". Encyclopaedia The Helios. (1952). 
  2. a b Sacconi, Antonio. Minidicionário Sacconi. Verbete: mitologia 1-2 (sobre mitologia grega), p. 462.
  3. "Volume: Hellas, Article: Greek Mythology". Encyclritualopaedia The Helios. (1952).
  4. "Greek Mythology". Encyclopædia Britannica. (2002). 
  5. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas BritanGrek
  6. John Miles Foley. Homer's Traditional Art. Penn State Press; 2010. ISBN 978-0-271-04178-0. p. 43.
  7. Dundes, "Madness", p. 147
  8. Doty, p. 11-12
  9. Segal, p. 5
  10. "Guia Geográfico Grécia". Acessado em 18 de julho de 2010.
  11. (em inglês) termo "mito", Dicionário OED. Acesso: 27 de janeiro de 2009
  12. (em inglês) termo "mito", Princeton Wordnet. Acesso: 27 de janeiro de 2009
  13. Aninha Duarte, Introdução à Crítica de Arte (2004), p.18. Acesso: 27 de janeiro de 2009
  14. a b Terra, Ernani. De Nícola, José. Português: De olho no mundo do trabalho. Editora Scipione (1ª Edição, 2006). pág.209, cap.4.
  15. a b Carlos Ceia. "Mitologia". E-Dicionário de Termos Literários. Acesso: 16 de novembro de 2010.
  16. RIBEIRO JR., W.A. As dafnefórias. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. Disponível em www.greciantiga.org/img/index.asp?num=0534. Consulta: 1 de fevereiro de 2009.
  17. a b c d Ribeiro Jr, Wilson A. "Introdução à mitologia grega". Grecia Antiga.Org. Acesso: 30 de agosto de 2008.
  18. a b c d e Chaui, Marilena: Convite à Filosofia (2005), p. 37
  19. Sem nome, "Mitologia Grega", em Sua Pesquisa. Acesso: 31 de janeiro de 2009
  20. a b c Nome do autor não-definido, "Adorações e crenças". Acesso: 31 de janeiro de 2009
  21. a b c d e Ribeiro Jr, Wilson A. "Mitologia e religião para iniciantes". Grecia Antiga.Org. Acesso: 1 de fevereiro de 2009.
  22. Terra, Ernani. De Nícola, José. Português: De olho no mundo do trabalho. Editora Scipione (1ª Edição, 2006). pág.98, cap.16.
  23. Religions of the ancient world: a guide
  24. RIBEIRO JR., W.A. Arte grega para iniciantes. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. Disponível em www.greciantiga.org/arquivo.asp?num=0313. Consulta: 1 de fevereiro de 2009.
  25. RIBEIRO JR., W.A. O teatro de Dioniso em Delfos. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. Disponível em www.greciantiga.org/arquivo.asp?num=0432. Consulta: 1 de fevereiro de 2009.
  26. Meuli 1946
  27. Omitowoju, P.36
  28. Cartledge, Millet & Todd, P.126
  29. a b F. Graf, Greek Mythology, 200
  30. Breve dicionário mito-labirintiano. Guia: Letra A, segundo verbete. Acesso: 30 de agosto de 2008.
  31. a b R. Hard, The Routledge Handbook of Greek Mythology, 1
  32. Miles, Classical Mythology in English Literature, 7
  33. a b Ribeiro Jr, Wilson A. "Hinos homéricos". greciaantiga.org. Acesso: 21 de setembro de 2008.
  34. a b Klatt-Brazouski, Ancient Greek and Roman Mythology, xii
  35. P. Cartledge, Os espartanos, 60, e Os gregos, 22
  36. Pasiphae, Encyclopedia: Greek Gods, Spirits, Monsters
  37. Héber Salvador de Lima. Os Deuses que não morreram. LOYOLA; ISBN 978-85-15-01367-8. p. 145.
  38. Homero, Iliad, 8. Poema épico sobre a Guerra de Troia.
  39. Ribeiro Jr, Wilson A. "Os Mitógrafos". Grecia Antiga.Org. Acesso: 30 de agosto de 2008.
  40. a b c Johnson, C. D. (2003), Entendendo a Odisseia, 17–18, Greenwood Press. ISBN 0-313-30881-0.
  41. a b Albala-Johnson-Johnson, Understanding the Odyssey, 18
  42. Sem nome, "Grécia", em Mingau Digital. Acesso: 31 de janeiro de 2009
  43. A. Calimach, Lovers' Legends: The Gay Greek Myths, 12–109
  44. W.A. Percy, Pederastia e Pedagogia na Grécia Arcaica, 54
  45. K. Dowden, Os usos da Mitologia grega, 11
  46. G. Miles, Mitologia Clássica na Literatura Inglesa, 35
  47. W. Burkert, Religião Grega, 205
  48. a b c Ribeiro Jr, Wilson A. "Gênese". greciaantiga.org. Acesso: 5 de setembro de 2008.
  49. Colégio Rainha da Paz. "Mitos de origem". Acesso: 5 de setembro de 2008.
  50. a b c d Ribeiro Jr, Wilson A. "O titã Cronos". greciaantiga.org. Acesso: 6 de setembro de 2008.
  51. Hesíodo, Teogonia, versos 116-138.
  52. Hino Homérico à Hermes, 414–435
  53. G. Betegh, The Derveni Papyrus, p. 147
  54. W. Burkert, Religião Grega, p. 236
  55. G. Betegh, O Papiro de Derveni, p. 147
  56. Ribeiro Jr, Wilson A. "Introdução aos deuses olímpicos". greciaantiga.org. Acesso: 21 de setembro de 2008.
  57. H.W. Stoll, Religião e Mitologia dos Gregos, p. 8
  58. Brito, Rafael.Alguns Deuses, Coribantes, Dáctilos e Erínias. Templo do Conhecimento. Acesso: 21 de setembro de 2008.
  59. G. Nagy, Greek Mythology and Poetics, p. 54
  60. a b Vara Branco, Alberto Manuel. A Mitologia Grega, uma concepção genial produzida pela humanidade: os condicionalismos religiosos e históricos na Civilização Helénica, p.6
  61. W. Burkert, Religião grega, 182
  62. Cláudio Moreno,"mitologia e linguagem (4): hermético, néctar e sirene", SuaLingua. Acesso: 22 de setembro de 2008.
  63. a b c H.W. Stoll, Religion and Mythology of the Greeks, p. 20
  64. G. Mile, Classical Mythology in English Literature, p. 38
  65. G. Mile, Classical Mythology in English Literature, p. 39
  66. Ribeiro Jr, Wilson A. "Afrodite". greciaantiga.org. Acesso: 21 de setembro de 2008
  67. Morris, I. (1999), Archaeology As Cultural History: Words and Things in Iron Age Greece, p.291, Blackwell Publishing. ISBN 0-631-19602-1.
  68. J. Weaver, Plots of Epiphany, 50
  69. R. Bushnell, A Companion to Tragedy, p. 28
  70. K. Trobe, Invoke the Gods, p. 195
  71. Flávia Silvia, Deméter, deusa da fertilidade - Mitologia Grega, 2ª parte: O mitologema de Deméter e Perséfone, WordPress, 1 de junho de 2008
  72. Hino Homérico a Deméter, versos 255–274
  73. a b c Ribeiro Jr, Wilson A."Introdução aos mitos heróicos". greciaantiga.org. Acesso: 21 de setembro de 2008.
  74. F.W. Kelsey, An Outline of Greek and Roman Mythology, p. 30
  75. W. Burkert, Greek Religion, 205
  76. Burkert, W. (2002), Greek Religion: Archaic And Classical, 205–206, Blackwell Publishing. ISBN 0-631-15624-0
  77. F.W. Kelsey, An Outline of Greek and Roman Mythology, 30
    * H.J. Rose, A Handbook of Greek Mythology, 340
  78. a b C. F. Dupuis, The Origin of All Religious Worship, p. 86
  79. a b c d e f Ribeiro Jr, Wilson A. "Heracles". Grecia Antiga.Org. Acesso: 27 de agosto de 2008.
  80. Ribeiro Jr, Wilson A. "Heracles", Iconografia. Acesso: 27 de agosto de 2008.
  81. Para mais detalhes da peça de Eurípedes, ver: Ribeiro Jr, Wilson A. "Héracles, de Erípedes". Acesso: 27 de setembro de 2008
  82. Para mais detalhes da peça de Sófocles, ver: Ribeiro Jr, Wilson A. "As traquinianas". Acesso: 27 de setembro de 2008
  83. Ribeiro Jr, Wilson A. "Os Heráclidas". Acesso: 27 de setembro de 2008
  84. Heródoto, As histórias, i.6–7
  85. Pi. N. versos 3.22
  86. BURKERT, W. Religião Grega na Época Clássica e Arcaica, pag. 405
  87. Kirk, G. S. (1973), Myth: Its Meaning and Functions in Ancient and Other Cultures, pag. 183, University of California Press. ISBN 0-520-02389-7.
  88. Apolodoro, Biblioteca e Epítome, i.9.16;
    Apolonio, Argonáuticas, i.20 y sig.;
    Píndaro, Odes Píticas iv.1
  89. a b Verbete "Argonaut". Encyclopaedia Britannica. (2002).
  90. a b P. Grimmal, The Dictionary of Classical Mythology, pág.58
  91. Y. Bonnefoy, Greek and Egyptian Mythologies, p. 103
  92. R. Hard, The Routledge Handbook of Greek Mythology, p. 317
  93. Hard, R. (2003), The Routledge Handbook of Greek Mythology: Based on H.J. Rose's “Handbook of Greek Mythology”, p. 311–317, Routledge. ISBN 0-415-18636-6.
  94. a b Verbete "Trojan War". Encyclopaedia The Helios. (1952).
  95. a b Verbete "Troy". Encyclopaedia Britannica. (2002).
  96. D. Kelly, The Conspiracy of Allusion, p. 121
  97. Albala-Johnson-Johnson, Understanding the Odyssey, 15
  98. Hanson-Heath, Who Killed Homer, 37
  99. Benito S. Pepe. "Do Mito à Filosofia, O caso da Astronomia. Acesso: 28 de setembro de 2008
  100. GRIMAL, Pierre. A mitologia grega, p. 8 – 9.
  101. Antonio Salatino, "Nós e as plantas". Revista Brasil. Bot., São Paulo, V.24, n.4 (suplemento), p.483-490, dez. 2001.
  102. Carlos Parada, "Brief history of the Greek myths: From the beginnings to the end of the Middle Ages". Acessado em 16 de julho de 2010.
  103. a b c d Wellington de Lucena Moura. "Filosofia e mito". Acesso: 28 de setembro de 2008
  104. a b RIBEIRO JR., W.A. "Os milesianos". Portal Graecia Antiqua, São Carlos. Disponível em www.greciantiga.org/arquivo.asp?num=0151. Consulta: 30 de março de 2011.
  105. a b c Griffin, J. (1986), «Greek Myth and Hesiod» The Oxford Illustrated History of Greece and the Hellenistic World, p. 80, Oxford University Press. ISBN 0-19-285438-0.
  106. Miles, G. (1999), Classical mythology in English literature: a critical anthology, p. 7–8, Londres, Nueva York: Routledge. ISBN 978-0-415-14755-2.
  107. a b Fritz, G. (1996 reimpr.), Greek Mythology: An Introduction, p. 169–170, Johns Hopkins University Press. ISBN 0-8018-5395-8.
  108. Platón, Teeteto, 176b
  109. a b c Hanson-Heath,Who Killed Homer, p. 37 ISBN 0-684-84453-2.
  110. Met. Livro XV. Versos 154-55.
  111. Met. Livro XV. Versos 164, 189, 191, e 232, respectivamente.
  112. MARX, K. Diferença da Filosofia da Natureza de Demócrito e de Epicuro. Tradução: Conceição Jardim e Eduardo Lúcio Nogueira. Lisboa, Editorial Presença. 1972, pág. 204.
  113. a b Guia do Estudante - Atualidades Vestibular + Enem 2011, edição 12, p.93. Editora Abril.
  114. Jean Brun, pág. 37
  115. Sem nome. "Sócrates". educ.pt Acesso: 30 de setembro de 2008
  116. Platão, Apologia de Sócrates. Retirado de: Apologia de Sócrates, Trad. Maria Lacerda de Souza, p.13 (em domínio público)
  117. a b c d e f g Gale, M. (1994), Myth and Poetry in Lucretius, p.87–89, Cambridge University Press. ISBN 0-521-45135-3.
  118. Verbete "Euhemerus". Em Encyclopædia Britannica, 2002
  119. R. Hard, The Routledge Handbook of Greek Mythology, p.7.
  120. a b Chance, J. (1994), Medieval Mythography: From Roman North Africa to the School of Chartres, A.D. 433–1177, 69, University Press of Florida. ISBN 0-8130-1256-2.
  121. a b c d e Walsh, P. G. (1998), The Nature of the Gods, xxvi–xxvii, Oxford University Press. ISBN 0-19-282511-9.
  122. Cicero, Tusculanae disputationes, i.11
  123. Cicero, De divinatione, ii.81
  124. Beard, M.; North, J. A., Simon, R. F. P. (1998), Religions of Rome: A History, p. 259, Cambridge University Press. ISBN 0-521-31682-0.
  125. Hackin, J. (1932), Mitologia asiática, p. 38. ISBN 1-4179-7695-0.
  126. Ackerman, R. (1991 reimpr.), «Introdução» Prolegomena to the Study of Greek Religion, xv, Princeton University Press. ISBN 0-691-01514-7.
  127. Fritz, G. (1996 reimpr.), Greek Mythology: An Introduction, p. 9, Johns Hopkins University Press. ISBN 0-8018-5395-8.
  128. F. Graf, Mitologia grega, p.9
  129. Littleton, p. 32
  130. Johnson e Price-Williams, passim
  131. Graves, p. 251
  132. a b c d e Verbete "myth": Encyclopædia Britannica, 2002.
  133. a b c Allen, D. (1978), Structure and creativity in religion: hermeneutics in Mircea Eliade's phenomenology and new directions, p.9–12, Walter de Gruyter. ISBN 90-279-7594-9.
  134. Segal, R. A. (1999), Theorizing About Myth, p.16, University of Massachusetts Press. ISBN 1-55849-191-0.
  135. a b c Daniel Silva, "Resenha: Deuses Gregos, de Karl Kerényi" (08/3/2008) Acesso: 7 de dezembro de 2008
  136. Caldwell, R. S. (1995), The Origin of the Gods: A Psychoanalytic Study of Greek Theogonic Myth, p.344, Oxford University Press. ISBN 0-19-507266-9
  137. a b c Alex Vaz, O mundo dos mitos, p.2
  138. ÉDIPO, APOLO E DIONISO: Mitologia grega e a Psicanálise. Acesso: 2 de fevereiro de 2009
  139. Jung, C. G.; Kerényi, K. (2001 reimpr.), The Psychology of the Child Archetype Essays on a Science of Mythology, p.85, Princeton University Press. ISBN 0-691-01756-5.
  140. Segal, R. A. (4 de abril de 1990). The Romantic Appeal of Joseph Campbell. Christian Century: p.332–335.
  141. Fritz, G. (1996 reimpr.), Greek Mythology: An Introduction, p.38, Johns Hopkins University Press. ISBN 0-8018-5395-8.
  142. Jung-Kerényi, Essays on a Science of Mythology, p.1–2
  143. a b c d Bulfinch, T. (2000), Bulfinch's Greek and Roman Mythology: The Age of Fable, p.241–242, Dover Publications. ISBN 0-486-41107-9.
  144. Medeiros, Manoela. Afrodite e a Mitologia, p. 1
  145. Poleman, H. I. (marzo de 1943). Review of “Ouranos-Varuna. Etude de mythologie comparee indo-europeenne by Georges Dumezil”. Journal of the American Oriental Society 63 (1): p.78–79.
  146. Winterbourne, A. (2004), When the Norns Have Spoken: Time and Fate in Germanic Paganism, p.87, Fairleigh Dickinson University Press. ISBN 0-8386-4048-6.
  147. a b Edmunds, L. (1990), Approaches to Greek Myth, p.184, Johns Hopkins University Press. ISBN 0-8018-3864-9.
  148. Segal, R. A. (1991), Adonis: A Greek Eternal Child Myth and the polis, Cornell University Press. ISBN 0-8014-2473-9.
  149. Reinhold, M. (20 de outubro de 1970). The Generation Gap in Antiquity. Proceedings of the American Philosophical Society 114 (5): 347–365.
  150. a b Burkert, W. (2002), Greek Religion: Archaic And Classical, p.23–24, Blackwell Publishing. ISBN 0-631-15624-0.
  151. a b Wood, M. (1998), In Search of the Trojan War, p.112, University of California Press. ISBN 0-520-21599-0.
  152. Sem nome, "O Enigma em Pessoa: Introdução à Obra de Fernando Pessoa". Acesso: 29 de janeiro de 2008
  153. Finley, M. I. Democracy Ancient and Modern. 2d ed., 1985. London: Hogarth.
  154. History of Philosophy, Volume 1 by Frederick Copleston
  155. Brockett, Oscar G. History of the Theatre. sixth ed., 1991. Boston; London: Allyn and Bacon.
  156. a b Sem nome, "Grego Clássico: Apresentação" (2005), NELE. Acesso: 29 de janeiro de 2008
  157. Editora Objetiva, Sinopse: Como e Por que Ler os Clássicos Universais Desde Cedo. Acesso: 1 de fevereiro de 2009
  158. a b MACHADO, 2002, p. 26
  159. Dialética trágica marca obra de Ésquilo. Folha de São Paulo, caderno MAIS!, edição de 16 de janeiro de 2005.
  160. a b Almeida Pereira, Kênia Maria de; A universidade e a formação do aluno leitor, Universidade Federal de Uberlândia, p. 1.
  161. a b c BARTHES (1978, p.16)
  162. a b Almeida Pereira, Kênia Maria de; A universidade e a formação do aluno leitor, Universidade Federal de Uberlândia, p. 3.
  163. KRISTEVA, 1974
  164. ECO (1984, p.20-1).
  165. PEREIRA (1998, p.196).
  166. a b c d Almeida Pereira, Kênia Maria de; A universidade e a formação do aluno leitor, Universidade Federal de Uberlândia, p. 5.
  167. a b Almeida Pereira, Kênia Maria de; A universidade e a formação do aluno leitor, Universidade Federal de Uberlândia, p. 8.
  168. Sem nome, "Grego Clássico :: Por que estudar Grego?::Interesse profissional", NELE. Acesso: 29 de janeiro de 2008
  169. a b Sem nome, "Grego Clássico :: Por que estudar Grego?::Conhecimento dos mitos", NELE. Acesso: 29 de janeiro de 2008
  170. Sem nome, "Grego Clássico :: Por que estudar Grego?::Habilidades_lingüísticas", NELE. Acesso: 29 de janeiro de 2008
  171. Sem nome, "Grego Clássico :: Por que estudar Grego?::Etimologia", NELE. Acesso: 29 de janeiro de 2008
  172. Sem nome, "Grego Clássico :: Por que estudar Grego?::Distanciamento entre culturas", NELE. Acesso: 29 de janeiro de 2008
  173. Sem nome, "Grego Clássico :: Por que estudar Grego?::Questões fundamentais da existência humana", NELE. Acesso: 29 de janeiro de 2008
  174. a b c d RIBEIRO JR., W.A. A influência dos gregos. Portal Graecia Antiqua, São Carlos. Disponível em www.greciantiga.org/arquivo.asp?num=0024. Consulta: 1 de fevereiro de 2009.
  175. LACROIX (1997, p.25)
  176. Ana Paula Quíntela Ferreira Sottomayor, "A Esperança de Prometeu" (1995), Revista da Faculdade de Letras, Língua e Literatura, Porto, XII, pp. 221-231.
  177. Martins Melo, António Maria; A mitologia clássica no humanismo do renascimento português, Universidade Católica Portuguesa, Braga.
  178. Dircenéa De Lázzari Corrêa, "Arteterapia Humanista e Desenvolvimento Espiritual" (2000). Acesso: 29 de janeiro de 2008
  179. CASSIRER (1992, p.19).
  180. Sem Nome, "Introdução à Parapsicologia". Acesso: 29 de janeiro de 2009
  181. Daniely Gonçalves Lopes Vieira, A importância da Mitologia para o Atual Estado de Consciência. Acesso: 29 de janeiro de 2009
  182. Leonardo Daniel Ribeiro Borges, Mitologia Grega e a Consciência Ecológica, Universidade Federal de Goiás.
  183. Sem nome, "Filosofia, Mito e Pré-Socráticos" (pdf)
  184. Mr.Tlaloc, "Borboleta: Símbolo da Alma" (2007). Acesso: 29 de janeiro de 2008
  185. a b Arroyo, 1975, p.27
  186. Guimarães, 1996, p.267-268
  187. ELIADE (1994, p.16).
  188. a b Vitorino Marcello. "Entrevista: Mitos ajudam a entender relações". Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares. Acesso: 30 de agosto de 2008.
  189. a b c Brazil, Fábio. Mitologia grega: um convite à curiosidade.doc (documento do microsoft word). Documento presente em Lendo e Aprendendo.gov. Acesso: 29 de agosto de 2008.
  190. "Antropologia estruturalista", em Babylon. Acesso: 29 de janeiro de 2008
  191. a b STRAUSS (2004, p.8).
  192. a b c d e Burn, L. (1992), Mitos gregos, p.75–76, Madrid: Ediciones Akal. ISBN 84-460-0117-9.
  193. Biblioteca de Ouro da Literatura Universal, Vol. 9 - Édipo Rei, Sófocles. Trad., prefácio e notas: Agostinho da Silva, 1988.
  194. a b c De acordo com Gabriel Perissé, apud Luiz Roberto Wagner in "Como argumentar um texto expositivo?". Reportagem de Língua Portuguesa UOL. Acesso: 16 de novembro de 2010.
  195. António José Saraiva e Óscar Lopes. História da Literatura Portuguesa. 6a ed., Porto, Porto Editora, s/d., p. 355.
  196. Hernâni Cidade. Luís de Camões. 2a ed., Lisboa, Revista da Faculdade de Letras, 1953, vol. II – O Épico, 113.
  197. Álvaro Lins. Discurso sobre Camões e Portugal. Rio de Janeiro, Serviço de Documentação do Ministério da Educação e Cultura, 1956, p. 52-3.
  198. a b c Sem nome, "José Bento Monteiro Lobato reconta a Mitologia Grega", in: Recanto das Letras. Acesso: 13 de maio de 2009.
  199. a b Ericka Sophie Bratsiotis, A mitologia grega na obra do minotauro de Monteiro Lobato, in: http://biblioteca.universia.net. Acesso: 13 de maio de 2009.
  200. Ângela Maria de Oliveira Lignani, "Monteiro Lobato e Isabel Allende: apropriações míticas e mitológicas", Conclusão p. 11,
  201. “Sermão da Primeira Dominga do Advento”. Em: Os sermões. São Paulo, Difusão Européia do Livro, 1968, p. 139.
  202. Helena Costa Toipa, "A Presença das Metamorfoses de Ovídio nas Metamorfoses de Cruz e Silva". Acesso: 5 de outubro de 2008
  203. a b c Almeida Pereira, Kênia Maria de; A universidade e a formação do aluno leitor, Universidade Federal de Uberlândia, p. 4.
  204. TEIXEIRA, 1977, p.20
  205. GONZAGA (1977), p.19
  206. ALVES (1986, p.290)
  207. DELFINO (1998, p.38)
  208. ANJOS: 1995, p.280
  209. BANDEIRA, 1996, p.157
  210. ANDRADE, 1998, p.230
  211. Almeida Pereira, Kênia Maria de; A universidade e a formação do aluno leitor, Universidade Federal de Uberlândia, p. 6.
  212. a b c d Maria Lúcia Candeias, "Análise crítica do texto Orfeu da Conceição" (4 de fevereiro de 2002). Acesso: 28 de janeiro de 2008
  213. a b c d Pachane, Graziela G. A Literatura e suas Interlocuções na Sala de Aula da Educação Superior. Uberlândia, MG: Edibrás, 2005.
  214. a b "Orfeu da Conceição, o início da parceria Tom e Vinicius", JB, 1956
  215. "Canção do Amor Demais CD "em Apresentação". Biscoito Fino. Acesso: 28 de janeiro de 2008
  216. Sem nome, "Sobre Orfeu da Conceição". Acesso: 20 de janeiro de 2008
  217. a b c Fortuna Crítica: Gota d'água, de Chico Buarque e Paulo Pontes. Chico Buarque Sítio Oficial. Acesso:28 de janeiro de 2008
  218. Souza; Dolores Puga Alves de, "Tradições e Apropriações da Tragédia: Gota D'água Nos Caminhos da Medeia Clássica e da Medeia Popular" (2005), Universidade Federal de Uberlândia, Revista Fênix, Resumo, p.1.
  219. Souza; Dolores Puga Alves de, "Tradições e Apropriações da Tragédia: Gota D'água Nos Caminhos da Medeia Clássica e da Medeia Popular" (2005), Universidade Federal de Uberlândia, Revista Fênix, p.14 e seguintes.
  220. Hine, Phil, citado em Evans, Dave (2007). The History of British Magick after Crowley. Hidden Publishing. Página 204.
  221. Heselton, Philip. Wiccan Roots: Gerald Gardner and the Modern Witchcraft Revival. Freshfields, Chieveley, Berkshire: Capall Bann Pub., novembro-2001. OCLC 46955899 ISBN 1861631103
  222. Nevill Drury. "Why Does Aleister Crowley Still Matter?" Richard Metzger, ed. Book of Lies: The Disinformation Guide to Magick and the Occult. Disinformation Books, 2003.
  223. Bourne, Lois (1998). Dancing With Witches. Hale. Página 51.
  224. Heselton, Philip (2003). Gerald Gardner and the Cauldron of Inspiration. Capall Bann. Página 254.
  225. D. Hudson Frew (Morgann) (1991). Crafting The Art Of Magic: A Critical Review. Wildideas.net. Página visitada em 14 de novembro de 2010..

Bibliografia

Literária (gregas, romanas, e brasileiras)

Trata-se da bibliografia literária citada no corpo do presente artigo:

Principal (em português, inglês e espanhol)

Bibliografia principal acerca de estudos, ensaios e concepções sobre mitologia grega, usada nas notas de rodapé da seção "Referências":

  • ARROYO , S. Astrologia, Psicologia e os Quatro Elementos. 2. ed. Trad. de Maio Miranda. São Paulo: Editora Pensamento, 1985.
  • BRANDÃO, J. S. Mitologia Grega. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1986-1987. 3 v.
  • CARPENTER, T. H. Art and Myth in Ancient Greece. London: Thames and Hudson, 1991.
  • COMMELIN, P. Mitologia Grega e Romana. Trad. E. Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1993.
  • DOWDEN, K. Os Usos da Mitologia Grega. Trad. C. K. Moreira. Campinas: Papirus, 1994.
  • GRIMAL, P. Dicionário da Mitologia Grega e Romana. 2ª ed. Trad. V. Jabouille. Lisboa: DIFEL, 1993.
  • GUIMARÃES , R. Dicionário da Mitologia Grega. São Paulo: Cultrix, 1996.
  • HAMILTON, E. A Mitologia. Trad. M. L. Pinheiro. Lisboa: Dom Quixote, 3ª ed., 1983.
  • LACROIX, Michel. Princípio de Noé ou a Ética da Salvaguarda, Lisboa: Instituto Piaget, 1997.
  • MACHADO, Ana Maria. Como e por que ler os clássicos universais desde cedo. Objetiva: Rio de Janeiro, 2002.
  • MALHADAS, D.; MOURA NEVES, M. H. Antologia dos Poetas Gregos de Homero a Píndaro. Araraquara: FFCLAr-UNESP, 1976.
  • HUMBERT, J. Mitologia griega y romana. Trad. B. O. O. Barcelona: Gustavo Gili, 1997.
  • KERÉNYI, C. Os Heróis Gregos. Trad. O. M. Cajado. São Paulo: Cultrix, 1993.
  • BARTHES, Roland. Aula. São Paulo: Cultrix, 1978.
  • KERÉNYI, C. Os Deuses Gregos. Trad. O. M. Cajado. São Paulo: Cultrix, 1993.
  • KIRK, G. S. La Naturaleza de los Mitos Griegos. Trad. B. M. Maragall y P. Carranza. Barcelona: Labor, 1992.
  • MAVROMATAKI, M. Mythologie Grecque et Culte. Trad. M. Grobéty. Athènes: Haïtalis, 1997.
  • RADICE, B. Who's who in the Ancient World. London: Penguin, 1973.
  • SERBH, K. Greek Mythology. Athens: Ekdotike, 1998.
  • SISSA, G.; DETIENNE, M. Os deuses gregos. Trad. R. M. Boaventura. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
  • SOUSA, E. História e Mito. Brasília: Ed. UnB, 1981.
  • BRANDÃO, Junito de Sousa. Mitologia grega. Petrópolis: Vozes, 2002.
  • BULFINCH, Thomas. O livro de ouro da mitologia grega: história de deuses e heróis. São Paulo: Ediouro, 2000.
  • CASSIRER, Ernst. Linguagem e mito. São Paulo: Perspectiva, 1992.
  • DELFINO, Luiz. Melhores poemas. São Paulo: Global, 1988.
  • ECO, Umberto. Seis passeios pelos bosques da ficção. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.
  • ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1994.
  • FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
  • HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1984.
  • KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. São Paulo: Perspectiva, 1984.
  • MELETÍNSKI, E. M. Os arquétipos literários. São Paulo: Ateliê, 1988.
  • MINDLIN, Dulce Maria V. Ficção e mito. Goiânia: CEGRAF, 1992.
  • PEREIRA, Kênia Maria de Almeida. A poética da resistência em Bento Teixeira e Antônio José da Silva, o Judeu. São Paulo: Annablume, 1988.
  • SEVCENKO, Nicolau. A corrida para o século XXI. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.
  • SPALDING, Tassilo. O Dicionário de Mitologia Greco-Latina. Belo. Horizonte: Itatiaia, 1965.
  • TEIXEIRA, Bento. Prosopopéia. São Paulo: Melhoramentos, 1977.
Adicional

Bibliografia adicional acerca da Grécia antiga e sua cultura, como também de seus mitos:

  • CARTLEDGE, P. (Org.). História Ilustrada da Grécia Antiga. Trad. L. Alves e A. Rebello. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.
  • CONTI, F. Como Reconhecer a Arte Grega. Trad. M. Torres. São Paulo: Martins Fontes, 1984.
  • FUNARI, P. P. A. Grécia e Roma. Campinas: Contexto, 2001.
  • HAMILTON, E. A Mitologia. 3. ed. Trad. M. L. Pinheiro. Lisboa: Dom Quixote, 1983.
  • SOUZA E SILVA, Maria de Fátima. Ensaios sobre Eurípides. Lisboa: Cotovia, 2005. 406 p.
  • RUBESTEIN, Richard E. Herdeiros de Aristóteles. Trad. V. Ribeiro. Rio de Janeiro: Rocco, 2005
  • MAFFRE, J. J. A Vida na Grécia Clássica. Trad. L. Magalhães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1989.
  • MONTEIRO LOBATO, J. B. O Minotauro. São Paulo: Brasiliense, 1958.
  • MONTEIRO LOBATO, J. B. Os Doze Trabalhos de Hércules. São Paulo: Brasiliense, 1958. 2 v.
  • LLOYD-JONES, H. (Coord.). O Mundo Grego. Trad. W. Dutra. Rio de Janeiro: Zahar, 1977.
  • ROBERT, F. A Literatura Grega. Trad. G. C. Cardoso de Souza. São Paulo: Martins Fontes, 1987.
  • PRIETO, M. H. U. Dicionário de Literatura Grega. Lisboa: Verbo, 2001.
This page is based on data from Wikipedia (read/edit), Freebase, Amazon and YouTube under respective licenses.
Text is released under the Creative Commons Attribution-ShareAlike License.