.
Want Wikipedia to look like this?   
Click here to upgrade your Wikipedia experience
Gravatá (Pernambuco) | QuickiWiki

Gravatá (Pernambuco)

  PO

Overview

Município de Gravatá
"Terra do Morango"
"Cidade Hospedeira"
"A Capital dos Turistas"
Bandeira de Gravatá
Brasão de Gravatá
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 15 de março de 1893 (121 anos)
Gentílico gravataense
Lema Rica jóia do nosso Brasil
Padroeiro(a) Nossa Senhora Sant'Ana
Prefeito(a) Bruno Martiniano (PTB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Gravatá
Localização de Gravatá em Pernambuco
Gravatá está localizado em: Brasil
Gravatá
Localização de Gravatá no Brasil
08° 12' 03" S 35° 33' 54" O08° 12' 03" S 35° 33' 54" O
Unidade federativa  Pernambuco
Mesorregião Agreste Pernambucano IBGE/2008[1]
Microrregião Vale do Ipojuca IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Passira, Bezerros, Pombos, Chã Grande, Amaraji, Cortês, Barra de Guabiraba e Sairé.
Distância até a capital 84 km
Características geográficas
Área 513,367 km² [2]
População 85 182 hab. estatísticas IBGE/2014[3]
Densidade 165,93 hab./km²
Altitude 447 m
Clima Tropical As'
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,634 médio PNUD/2010 [4]
PIB R$ 564 717 mil IBGE/2011[5]
PIB per capita R$ 7 318 40 IBGE/2011[5]
Página oficial


História

Vista panorâmica da cidade. - Gravatá (Pernambuco)
Vista panorâmica da cidade.

O município de Gravatá teve origens numa fazenda, em 1808, pertencente a José Justino Carreiro de Miranda, local esse que servia como hospedagem para os viajantes que iam comercializar o açúcar e a carne bovina, principais produtos da época, que eram levados em embarcações do Recife até o interior. Como a navegação pelo rio Ipojuca era difícil, os comerciantes eram obrigados a fazer paradas estratégicas para evitar também que o gado perdesse peso.

Uma dessas paradas ficou conhecida como Crauatá, denominação, que deriva do tupi Karawatã ("mato que fura"), por conta da predominância de uma planta do gênero da família das bromélias, também chamada caraguatá, caroatá, caroá e gravatá.

Foi nos fins do [[século XVIII - 1797 ou princípios de 1798] que José Justino Carreiro de Miranda tomou posse da Fazenda Gravatá que, por muito tempo, serviu de hospedagem para viajantes e, como consequência natural, surgiram dois arruados, um em cada margem do rio.

Em 1816 iniciou-se a construção de uma capela dedicada a Sant'Ana que, em 1822 provavelmente em 26 de Julho, dedicado pela Igreja Católica a Sant'Ana, seria concluída por seu filho João Félix Justiniano. Em seguida, as terras foram divididas em 100 lotes e vendidas aos moradores, dando início ao povoado de Gravatá, sendo um distrito do município de Bezerros.

Finalmente no dia [(25 de Maio de 1857)], 35 anos de pois da inauguração da capela, pela Lei Provincial 422 foi a povoação elevada a Freguezia de Gravatá. Foi o primeiro vigário encomendado da nova freguezia o padre Joaquim da Cunha Cavalcanti, sendo feito o registro competente no Livro 1 de Casamentos desse ano. No Termo de Abertura está o nome do provisor Francisco José Tavares da Gama e a data de 7 de Setembro de 1857, quando chegou o padre interino. A inscrição datal da paróquia foi feita com solenidade no mesmo dia da chegada do tonsurado, da fundação efetiva do grande sonho dos católicos gravataenses. Na ocasião foi levado a efeito o primeiro batizado oficial destas terras.Foi do parvolo José, nascido no mês de julho desse ano e filho legítimo de Firmino José e Maria da Conceição. Vinte dias mais tarde, a 27 do dito mês, verificava-se o primeiro casamento, que foi,conforme documento do ato, realizado "no oratório privado do engenho "Penon", e oficiado pelo padre Francisco Seabra d'Andrade,- com certeza convidado de outra paroquia - sendo os noivos Manuel Tomás da Silva e Inez Francisca Lisboa.

Em 13 de junho de 1884, a sede do município foi elevada à categoria de cidade (Lei Provincial nº 1.805), porém sua emancipação política só veio a ocorrer após a Proclamação da República, pela Lei Orgânica dos Município, de 15 de março de 1893, quando a cidade adquiriu sua autonomia municipal e elegeu o seu primeiro prefeito, Antônio Avelino do Rego Barros.

No final do século XIX, com a inauguração da Ferrovia Great Western Railways, ligando o Recife ao sertão pernambucano, a cidade tomou considerável impulso e, aos poucos, foi definida sua vocação para o turismo, sobretudo com a construção da BR-232, em 1950, o que permitiu um melhor acesso, encurtando o tempo de viagem e vencendo o desafio da Serra das Russas. Atualmente comemora a emancipação do município no dia 15 de março.

Geografia

Relevo acidentado em Gravatá. - Gravatá (Pernambuco)
Relevo acidentado em Gravatá.

O município de Gravatá encontra-se a 84 km da capital pernambucana, Recife. A cidade conta com uma população estimada em 83.450 mil habitantes, distribuídos em uma área de 506,785 km2.

Limites

Clima

Gravatá possui clima ameno por estar localizada no Planalto da Borborema. - Gravatá (Pernambuco)
Gravatá possui clima ameno por estar localizada no Planalto da Borborema.
Gráfico climático para Gravatá
J F M A M J J A S O N D
 
 
40
 
30
20
 
 
60
 
29
20
 
 
130
 
29
19
 
 
160
 
27
19
 
 
190
 
26
20
 
 
220
 
25
18
 
 
160
 
24
16
 
 
90
 
24
15
 
 
50
 
26
17
 
 
30
 
29
19
 
 
20
 
29
19
 
 
30
 
30
20
Temperaturas em °CPrecipitações em mm
Fonte: Canal do Tempo

O clima de Gravatá é considerado tropical de altitude com média anual de 21°C, tendo como média no verão 23°C e no inverno 18°C, com alta umidade relativa do ar no decorrer do ano. O oceano Atlântico tem um papel importante na influência do clima dessa região levando umidade e ocasionando chuvas durante todo o inverno. O fato de a cidade estar localizada no Planalto da Borborema resulta em várias influências no clima de Gravatá, uma delas são as temperaturas confortáveis ou pouco altas no verão e baixas no inverno.

Apresenta duas estações o Verão (estação seca) e o Inverno (estação chuvosa).

No verão, é relativamente quente e seco. A temperatura no decorrer do verão varia de 20°C podendo chegar a 31°C. Apresentando amplitude térmica de 11°, com poucas chuvas, não passando dos 60 mm mensais. Os ventos costumam ser alísios, os meses mais quentes são: dezembro, janeiro, fevereiro e março, com poucas chuvas de verão. Os meses mais secos são: outubro e novembro. A estação seca vai de setembro (início do verão) a fevereiro.

No inverno, as temperaturas são amenas e confortáveis, chove bastante na maioria dos dias. A temperatura mínima varia de 15°C podendo chegar a máxima de 26°C (com exceções). Os meses mais chuvosos são: abril, maio e junho, variando de 150 mm a 250 mm por mês, com tempestades de inverno muitas vezes durante todo o dia. Os meses mais frios são: junho, julho e agosto, tendo nesses meses ventos fortes. A estação vai de março (início do inverno) a agosto.

Comunicação

TV Aberta

Emissoras de Rádio

Divisão distrital

  • Distrito-sede
  • Avencas
  • Mandacaru
  • Russinhas
  • São Severino
  • Uruçu-Mirim

Bairros

  • 15 de Novembro
  • Alpes Suiços
  • Área Verde
  • Bairro Novo
  • Baviera
  • Boa Vista
  • Campos do Jordão
  • Centro
  • Cohab 1
  • Cohab 2
  • Cruzeiro
  • Genésia
  • Jardim Petrópolis
  • Jardim Santana
  • Maria Auxiliadora
  • Norte
  • Nossa Senhora das Graças
  • Nova Gravatá
  • Porta Florada
  • Prado
  • Princesa De Gales
  • Riacho do Mel
  • Salgadão
  • Santo Antônio
  • São José
  • Suíça Brasileira
  • Vale do Ipojuca
  • Volta do Rio
  • São Caetano
  • Maria Auxiliadora

Hidrografia

O município está inserido na bacia do rio Ipojuca e do rio Capibaribe, além do rio Amaraji.

Relevo

O município está localizado às margens do Planalto da Borborema, sua altitude média é de 447m. Tendo picos, que ultrapassam esta, como na Serra do Maroto, no Alto do Cruzeiro etc. Seu relevo é acidentado, formado por falésias (falhas geológicas, provocadas pela erosão continuada de anos), tendo algumas regiões planas, em especial, as que margeiam o Rio Ipojuca.

Vegetação

Por ser uma região de transição entre o Agreste e a Zona da Mata, podem ser encontrados diversos exemplares tanto da Mata Atlântica, quanto da Caatinga. Enfim a vegetação da cidade é composta pela caatinga, formada por plantas caducifólias (que perdem as folhas devido aos fatores físicos externos, por exemplo, baixas temperaturas, falta de umidade etc.), plantas xerófilas (plantas com capacidade de armazenar água, e que possuem folhas especiais, com uma espessa camada de cêras [lipídios], que impedem/minimizam a evaporação) e plantas hiperxerófilas, e por plantas da mata atlântica.

Economia

Tem como principais atividades econômicas a agricultura (abacaxi, milho, algodão, batata doce, tomate, tangerina, feijão, banana, mandioca, morango), o comércio varejista e a pecuária.

Conhecido como importante polo moveleiro do Estado, concentra um grande número de fabricantes de móveis rústicos e semi-rústicos em madeira maciça, além de fibras naturais como junco, vime, ratã e cana-da-índia.

Um grande celeiro de artistas, onde muitos trabalham com o artesanato manual, com peças de todos os gêneros, desde a tradicional bonequinha da sorte passando pelos brinquedos educativos em madeira, peças em alumínio e até telas e esculturas.

Importante polo de cultivo de hortaliças e legumes do agreste pernambucano, especialmente no setor de orgânicos, produz e comercializa, em média, duas toneladas semanais, em feiras da cidade e ainda de Caruaru e Recife. Também tem papel de destaque no cultivo de plantas e flores, com a produção de diversos tipos de rosas, crisântemos e outras espécies de flores, que garante ao município o título de maior produtor de flores temperadas do Nordeste.

No setor da criação animal, destaca-se por sua vocação de criador de animais selecionados. Cavalos das raças manga larga marchador e quarto de milha; rebanho bovino das raças leiteiras Jersey, Gir, Girolando e Guzolando, ovino das raças Santa Inês, Suffolk e Texel e caprino com planteis de Bôer importados do Canadá, Estados Unidos, Alemanha e África do Sul. Além de inúmeros canis, com as raças rottweiler, boxer e cocker spaniel.

O setor imobiliário do município é um dos mais importantes do interior pernambucano, sobretudo após a duplicação da BR-232 (hoje denominada Rodovia Luiz Gonzaga) e pela oferta de terrenos e condomínios rurais que se multiplicam.

Segundo os corretores, além do município ter o metro quadrado mais caro do Estado, é o local onde mais se constroem casas em Pernambuco, com uma média de cinco por dia.

Rede Bancária

Turismo

Localizada a 80km do Recife, na rodovia BR-232 que liga Recife a Caruaru, com altitude de 447 m acima do nível do mar e com um clima agradável, temperatura média de 24 graus, Gravatá é uma das cidades do Nordeste que mais cresce com o turismo. Gravatá tem como ponto forte a arquitetura secular dos casarios, a rede hoteleira, lojas de moveis e artesanatos, As Flores e a sua gastronomia diversificada que vai dos requintados restaurantes italiano, suíço, Regionais. a tradicional comida de boteco.

Eventos

  • Todos os finais de semana, se organizam trilhas e atividades de rapel pela antiga via férrea e as pontes. As atividades mais comuns são a trilha de 6 km pelos trilhos abandonados, e o rapel negativo de 50m de altura, organizados por várias empresas particulares.
  • Todo mês ocorrem eventos católicos que são promovidos na Canção Nova de Gravatá, localizada na BR 232, KM 81 (via local). São programações com palestras, formações e shows.

O município tem-se destacado como um grande polo de turismo de eventos do estado, aquecendo a economia durante todo o ano.

  • Em janeiro, no segundo domingo, promove a sua tradicional Festa de Reis, .
  • Em fevereiro, blocos carnavalescos fazem a semana pré-carnavalesca e animam os foliões da cidade e os turistas que vem se hospedar na cidade, dentre os blocos de carnaval existe o tradicional bloco do Zé Pereira fundado há mais de cem anos que sai no sábado de carnaval, além do Carnaval da Rua do Norte, chamado Norte em Folia, e outras troças como o Bloco Pó-troça que sai no domingo de carnaval do bairro novo para o centro da cidade.
  • Durante a Semana Santa, em abril, Gravatá é um dos maiores polos de animação do estado, estando incluída no Roteiro da Paixões. Nesse período, atores locais encenam a Paixão de Cristo e são promovidos grandes shows musicais, no Pátio de Eventos, com atrações de todos os gêneros. (Estima-se que 500 mil pessoas em média visitam a cidade nesta época).
  • No mês de maio, abre-se espaço para o turismo religioso, com as Festividades de Frei Damião. Uma grande caminhada sai da Igreja Matriz de Sant'Ana e vai até a Capela do Riacho do Mel, onde Frei Damião celebrou sua primeira missa no Brasil.
  • Em junho, o São João, que apesar de explorado há pouco tempo, já é considerado um dos maiores e melhores do país.
Na segunda quinzena, no Pátio de Eventos, totalmente decorado com bandeirinhas e balões, são realizados concursos de quadrilha matuta e shows de artistas nacionais, além de atrações locais e regionais. (Neste período, a visitação à cidade chega a marca de 500 mil pessoas).
  • Em julho é comemorado o mês da padroeira da cidade, Sant'Ana, com missa todos os dias e procissão no dia 26, que lhe é dedicado.
  • Na primeira semana de agosto, acontece a Feira da Estação, encerrando o Circuito do Frio, evento realizado pelo Governo do Estado, que percorre cidades de Pernambuco com oficinas e apresentações culturais e musicais.
  • Em setembro, os setores da economia (móveis, artesanato, gastronomia, flores e morangos) promovem o Festival Cultural.
  • Em outubro (geralmente), realiza-se anualmente o Encontro Pernambucano de Veículos Antigos, que reúne mais de 200 modelos exclusivos e impecáveis.
  • Em dezembro, as principais ruas e praças da cidade são contempladas com uma decoração e iluminação toda especial para o Natal. Artistas de todos os estilos (academias de dança, corais, teatro e bandas) se apresentam em praças do centro.

Atrativos

  • Alto do Cruzeiro, onde se encontra a estátua do Cristo Redentor. O seu acesso pode ser pelos 365 degraus da denominada Escadaria da Felicidade. De lá pode-se provar a gastronomia em restaurantes locais além de observar o pôr-do-sol.
  • Polo Moveleiro, onde são comercializados os móveis rústicos em madeira maciça, tais como maçaranduba, angelim e outros.
  • Parque Monsenhor Cremildo Batista de Oliveira (Parque da Cidade).O espaço é mais uma opção de lazer para moradores e turistas que visitam o município.O ponto turístico tem 37 mil m², sendo uma pista de Cooper de 1100 m de comprimento, uma área de bicicross com 2200m², uma pista de skate com 500m², um espelho d’agua, um anfiteatro com capacidade para 1500 pessoas, praça de artes, biblioteca, posto de enfermagem, lojas e estacionamento com 140 vagas.Foi inaugurado no dia 16 de março de 2014,pelo ex-governador Eduardo Campos,autoridades,e personalidades do município.
  • Gastronomia, Gastronomia diversificada, comida italiana, suíça, regional, gaúcha.
  • Estação do Artesão, localizada na antiga estação ferroviária,ao lado do Pátio de Eventos Chucre Mussa Zarzar, onde os artesãos locais comercializam suas peças.
  • Memorial da Cidade (Casa da Cultura), localizado no antigo prédio da Cadeia Pública.
  • Balneário de Dona Nadir, situado a 12 km da cidade, com piscinas naturais e bicas.
  • Cachoeira da Palmeira, a 15 km da cidade, é explorada comercialmente.
  • Arquitetura, com suas construções dos séculos passados, como a Sede da Prefeitura (1908), a Igreja Matriz de Sant'Ana (1810), os casarios da avenida Joaquim Didier e a Capela do Cruzeiro, que dão um charme todo especial à cidade.
  • Trilhas, existem 14 túneis por onde passava a Ferrovia, como a ferrovia não está mais funcionando, várias pessoas se reúnem para fazer trilhas pelos 14 túneis sendo que 2 deles já ficam na cidade de Pombos.


Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Estimativa Populacional 2014 Estimativa Populacional 2014 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (agosto de 2014). Visitado em 29 de agosto de 2014.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 09 de setembro de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2011 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 17 dez. 2013.
This page is based on data from Wikipedia (read/edit), Freebase, Amazon and YouTube under respective licenses.
Text is released under the Creative Commons Attribution-ShareAlike License.