.
Want Wikipedia to look like this?   
Click here to upgrade your Wikipedia experience
África do Sul | QuickiWiki

África do Sul

  PO

Overview


República da África do Sul
Bandeira da África do Sul adotada após o fim do apartheid
Brasão de armas da África do Sul
Bandeira Brasão de armas
Lema: !ke e: ǀxarra ǁke (ǀXam)
Verskillende mense verenig (Africâner)
Português: Diversos povos se unem.
Hino nacional: National anthem of South Africa
Gentílico: sul-africano(a)
austro-africano(a)[1]

Localização da África do Sul

Localização da África do Sul.
Capital Pretória (executiva)
Cidade do Cabo (legislativa)
Bloemfontein (judiciária)
25°44′42″S 28°11′25″E
Cidade mais populosa Joanesburgo
Língua oficial
Governo República presidencialista
 - Presidente Jacob Zuma
 - Vice-presidente Kgalema Motlanthe
 - Presidente do Conselho Nacional de Províncias M. J. Mahlangu
 - Presidente da Assembleia Nacional Max Sisulu
 - Presidente do Tribunal Constitucional Mogoeng Mogoeng
Independência do Reino Unido 
 - União Sul-Africana 31 de Maio de 1910 
 - Estatuto de Westminster 11 de Dezembro de 1931 
 - República 31 de Maio de 1961 
Área  
 - Total 1.221.037 km² (25.º)
 Fronteira Namíbia, Botsuana, Zimbábue, Moçambique, Suazilândia e Lesoto
População  
 - Estimativa de 2010 49.991.300 hab. (25.º)
 - Censo 2001 44.819.778 hab. 
 - Densidade 41 hab./km² (170.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2011
 - Total US$ 555,340 bilhões*[2]  (25.º)
 - Per capita US$ 10 977[2]  (76.º)
PIB (nominal) Estimativa de 2011
 - Total US$ 422,037 bilhões*[2]  (29.º)
 - Per capita US$ 8 342[2]  (76.º)
IDH (2012) 0,629 (121.º) – médio[3]
Gini (2009) 63,1[4]
Moeda Rand (ZAR)
Fuso horário Tempo do Sul da África (UTC+2)
Cód. ISO ZA
Cód. Internet .za
Cód. telef. +27
Website governamental http://www.gov.za/

Mapa da África do Sul

África do Sul, oficialmente República da África do Sul, é um país localizado no extremo sul da África, entre os oceanos Atlântico e Índico,[5] com 2.798 quilômetros de litoral.[6] [7] É uma democracia parlamentar, limitado pela Namíbia, Botsuana e Zimbábue ao norte; Moçambique e Suazilândia a leste; e com o Lesoto, um enclave totalmente rodeado pelo território sul-africano.[8]

O país é conhecido por sua diversidade de culturas, idiomas e crenças religiosas. Onze línguas oficiais são reconhecidas pela Constituição do país.[5] Duas dessas línguas são de origem europeia: o africâner, uma língua que se originou principalmente a partir do holandês que é falada pela maioria dos brancos e coloured sul-africanos, e o inglês sul-africano. O inglês é a língua mais falada na vida pública oficial e comercial, entretanto, é apenas o quinto idioma mais falado em casa.[5]

Multiétnico, o país possui as maiores comunidades de europeus, indianos e multiétnicos do continente africano. Embora 70% da população sul-africana seja negra,[9] os habitantes são de diferentes grupos étnicos que falam línguas bantas, um dos nove idiomas que têm estatuto oficial.[5] Cerca de um quarto da população do país está desempregada[10] e vive com menos de 1,25 dólar por dia.[11]

A África do Sul é uma democracia constitucional, na forma de uma república parlamentar; ao contrário da maioria das repúblicas parlamentares, os cargos de chefe de Estado e chefe de governo são mesclados em um presidente dependente do parlamento. É um dos membros fundadores da União Africana, da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Nova Parceria para o Desenvolvimento da África (NEPAD), além de ser membro do Tratado da Antártida, do Grupo dos 77, da Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul, da União Aduaneira da África Austral, da Organização Mundial do Comércio (OMC), do Fundo Monetário Internacional (FMI), do G20, do G8+5 e é uma das nações BRICS. Tem ainda a melhor infraestrutura e a segunda maior economia do continente.[12] [13]

História

Pré-história

A África do Sul contém alguns dos mais antigos sítios arqueológicos e fósseis humanos do mundo.[14] [15] [16] Vários restos fósseis foram recuperados a partir de uma série de cavernas na província de Gauteng. A área é um Patrimônio Mundial pela UNESCO e foi denominada o Berço da Humanidade. Os locais incluem Sterkfontein, que é um dos mais ricos locais de fósseis hominíneas no mundo. Outros locais incluem Swartkrans, Caverna de Gondolin, Kromdraai, Caverna Coopers e Malapa. O primeiro fóssil de hominídeo descoberto na África, a Criança de Taung foi encontrado perto da cidade de Taung, na província Noroeste, em 1924. Outros restos de hominídeos foram recuperados a partir de sítos de Makapansgat em Limpopo, Cornelia e Florisbad no Estado Livre, Caverna Border em KwaZulu-Natal, na embocadura do rio Klasies em Eastern Cape e Pinnacle Point, Elandsfontein e Die Kelders caverna em Western Cape. Esses sítios indicam que várias espécies de hominídeos viviam na África do Sul há cerca de três milhões de anos, entre eles o Australopithecus africanus.[17]

Colonização europeia

Pintura da chegada de Jan van Riebeeck na Baía da Mesa (por Charles Bell). - África do Sul
Pintura da chegada de Jan van Riebeeck na Baía da Mesa (por Charles Bell).
Zulus atacam um acampamento bôer em fevereiro de 1838. - África do Sul
Zulus atacam um acampamento bôer em fevereiro de 1838.

Em 1652, um século e meio após a descoberta da Rota Marítima do Cabo, a Companhia Holandesa das Índias Orientais fundou uma estação de abastecimento que mais tarde viria ser a Cidade do Cabo.[18] A Cidade do Cabo tornou-se uma colônia britânica em 1806. A colonização européia expandiu-se na década de 1820 com os Bôeres (colonos de origem Holandesa, Flamenga, Francesa e Alemã) enquanto os colonos Britânicos se assentaram no norte e no leste do país. Nesse período, conflitos surgiram entre os grupos Xhosa, Zulu e Afrikaners que competiam por território.

Durante a década de 1830, cerca de 12 mil bôeres (mais tarde conhecido como Voortrekkers), partiram da Colônia do Cabo, onde tinham sidos submetidos ao controle britânico. Eles migraram para as regiões que mais tarde se tornariam Natal, Estado Livre de Orange e Transvaal. Os bôeres fundaram a República Sul-Africana (atual Gauteng, Limpopo, Mpumalanga e províncias do oeste e do norte) e o Estado Livre de Orange (Free State). A descoberta de diamantes, em 1867, e de ouro, em 1884, no interior do país iniciou a "Revolução Mineral" e o aumento do crescimento econômico e da imigração. Isto intensificou a subjugação dos povos indígenas pelos sul-africanos europeus. A luta para controlar esses importantes recursos econômicos foi um fator decisivo nas relações entre os europeus e os nativos e também entre os bôeres e os britânicos.[19]

As repúblicas bôeres resistiram com sucesso às invasões britânicas durante a Primeira Guerra dos Bôeres (1880-1881) usando táticas de guerrilha, que foram bem adaptados às condições locais. Os britânicos voltaram com um número maior de homens, com mais experiência e com uma nova estratégia na Segunda Guerra dos Bôeres (1899-1902), mas sofreram pesadas perdas durante os conflitos, apesar de terem sido os vencedores. Dentro do país, as políticas anti-britânicas entre brancos sul-africanos focavam na independência. Durante os períodos coloniais holandês e britânico, a segregação racial era majoritariamente informal, apesar de algumas legislações terem sido promulgadas para controlar o estabelecimento e a livre circulação de povos nativos.[20] [21] [22]

Oito anos após o fim da Segunda Guerra dos Bôeres e após quatro anos de negociação, uma lei do parlamento britânico (Ato da África do Sul de 1909) criou a União Sul-Africana em 31 de maio de 1910. A União era um domínio britânico que incluía as antigas colônias holandesas do Cabo e de Natal, bem como as repúblicas do Estado Livre de Orange e de Transvaal.[23]

A Lei das Terras dos Nativos de 1913, restringiu severamente a propriedade de terra por negros; nessa época os nativos controlavam apenas 7% do território do país. A quantidade de terra reservada para os povos indígenas foi mais tarde ligeiramente aumentada.[24] Nas repúblicas Boer,[25] já a partir da Convenção de Pretória (Capítulo XXVI).[26]

Independência, república e regime segregacionista

&quotFor use by white persons" (em português: &quotPara uso de pessoas brancas") – placa da era do apartheid. - África do Sul
"For use by white persons" (em português: "Para uso de pessoas brancas") – placa da era do apartheid.

Em 1931, a União tornou-se efetivamente independente do Reino Unido, com a promulgação do Estatuto de Westminster. Em 1934, o Partido Sul-Africano e o Partido Nacional se fundem para formar o Partido Unido, buscando a reconciliação entre os africânderes e os brancos anglófonos. Em 1939, o partido se divide sobre a entrada da União na Segunda Guerra Mundial como uma aliada do Reino Unido, uma decisão que os seguidores do Partido Nacional se opuseram.

Em 1948, o Partido Nacional, foi eleito e chegou ao poder. Esse grupo político reforçou a segregação racial, que já tinha começado sob o domínio colonial holandês e britânico. O Governo Nacionalista classificou todos os povos em três raças, com direitos e limitações desenvolvidas para cada uma. A minoria branca controlava a muito maior maioria negra. A segregação legalmente institucionalizada ficou conhecida como apartheid. Enquanto a minoria branca sul-africana usufruía do mais alto padrão de vida de toda a África (comparável aos de nações de países desenvolvidos ocidentais), a maioria negra ficou em desvantagem em quase todos os aspectos, como renda, educação, habitação e expectativa de vida. A Carta da Liberdade, adotada em 1955 pela Aliança do Congresso, exigiu uma sociedade não-racial e o fim da discriminação.[27]

A África do Sul abandonou a Commonwealth em 1961, na sequência de um referendo (onde, obviamente, só pôde participar a comunidade branca) que ditou a proclamação da república. Apesar da oposição dentro e fora do país, o governo manteve o regime do apartheid. No início do século XX alguns países e instituições ocidentais começaram a boicotar os negócios com o país por causa das suas políticas de opressão racial e de direitos civis. Após anos de protestos internos, ativismo e revolta de sul-africanos negros e de seus aliados, finalmente, em 1990, o governo sul-africano iniciou negociações que levaram ao desmantelamento das leis de discriminação e às eleições democráticas de 1994. O país então aderiu à Comunidade das Nações.

Em 1983, é adotada uma nova constituição que garante uma política de direitos limitados às minorias asiáticas, mas continua a excluir os negros do exercício dos direitos políticos e civis. A maioria negra, portanto, não tinha direito de voto nem representação parlamentar. O partido branco dominante, durante a era do apartheid, é o Partido Nacional, enquanto a principal organização política negra era o Congresso Nacional Africano (ANC), que durante quase 50 anos foi considerado ilegal.

Era pós-apartheid

Frederik de Klerk (à esquerda) e Nelson Mandela (que viria a se tornar o primeiro presidente negro do país em 1994) se cumprimentam no Fórum Econômico Mundial de 1992 em Davos, na Suíça. - África do Sul
Frederik de Klerk (à esquerda) e Nelson Mandela (que viria a se tornar o primeiro presidente negro do país em 1994) se cumprimentam no Fórum Econômico Mundial de 1992 em Davos, na Suíça.
Sul-africanos assistindo a um dos jogos da Copa do Mundo FIFA de 2010. - África do Sul
Sul-africanos assistindo a um dos jogos da Copa do Mundo FIFA de 2010.

Mais tarde, em 1990, sob a liderança do presidente F. W. de Klerk, o governo sul-africano começa a desmantelar o sistema do apartheid, libertando Nelson Mandela, líder do ANC, e aceitando legalizar esta organização, bem como outras antiapartheid. Os passos seguintes no sentido da união nacional são dados em 1991. A abertura das negociações entre os representantes de todas as comunidades, com o objetivo de elaborar uma Constituição democrática, marca o fim de uma época perturbada na África do Sul que iniciou-se em 1948 e teve seu fim em 1990, 42 anos, época esta chamada de Apartheid, que numa tradução para o português seria "segregação racial"

No dia 10 de abril de 1993, um dos principais líderes do movimento negro da África do Sul, Chris Hani, tombou vítima de dois tiros, diante da própria residência. O que seus assassinos não previram é que essa morte acabaria por acelerar o fim do apartheid. No mesmo ano, o governo e a oposição negra acordam nos mecanismos que garantam a transição para um sistema político não discriminatório. É criado um comité executivo intermediário, com maioria negra, para supervisionar as primeiras eleições multipartidárias e multirraciais, e é criado, também, um organismo que fica encarregado de elaborar uma Constituição que garanta o fim do Apartheid. Em abril de 1994 são realizadas as primeiras eleições multirraciais da história sul-africana. O ANC ganha as eleições e Nelson Mandela, formando um Governo de unidade nacional, torna-se o primeiro presidente sul-africano negro.

No período pós-apartheid, o desemprego tem sido extremamente alto quanto o país tem lutado para lidar com as muitas mudanças. Enquanto muitos negros subiram para as classes média e alta, a taxa global de desemprego de negros piorou entre 1994 e 2003.[28] A pobreza entre os brancos, antes rara, aumentou.[29] Além disso, o atual governo tem se esforçado para alcançar uma disciplina monetária e fiscal para garantir tanto a redistribuição da riqueza quanto o crescimento econômico. Desde o governo liderado pelo ANC ter assumido o poder, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do país diminuiu, apesar de ter aumentado progressivamente até meados da década de 1990.[30] Alguns atribuem isto à pandemia de HIV/AIDS e ao fracasso do governo em tomar medidas para enfrentar o problema nos primeiros anos.[31]

Em maio de 2008, motins deixaram mais de sessenta pessoas mortas.[32] O Centro pelo Direito à Moradia contra Despejos estimou que mais de 100 mil pessoas foram expulsas de suas casas.[33] Os migrantes e refugiados que procuram asilo no país eram os principais alvos, mas um terço das vítimas era de cidadãos sul-africanos.[32] Em uma pesquisa de 2006, o Projeto de Migração Sul-Africao concluiu que os sul-africanos são os que mais se opõem à imigração em todo o mundo.[34] Em 2008, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados estimou mais de 200 mil refugiados que receberam asilo na África do Sul, quase quatro vezes mais do que no ano anterior. Essas pessoas vieram principalmente do Zimbábue, embora muitos também venham do Burundi, República Democrática do Congo, Ruanda, Eritreia, Etiópia e Somália. A concorrência em empregos, oportunidades de negócios, serviços públicos e habitação levou a uma tensão entre refugiados e as comunidades que os acolheram. Apesar da xenofobia ainda é um problema no país, a violência recente não tem sido tão generalizada como foi inicialmente temido.[35]

Geografia

A África do Sul está localizada no extremo sul do continente africano, com uma região costeira que se estende por mais de 2500 km, sendo também banhada por dois oceanos (Atlântico e Índico). Com uma extensão territorial de 1 219 912 km². O país é o 25.º maior do mundo em área.

A África do Sul tem uma paisagem variada. Na parte ocidental, estende-se um grande planalto composto em parte por deserto e em parte por pastagens e savanas, cortado pelo curso do rio Orange e do seu principal afluente, o Vaal. A sul, erguem-se as cordilheiras do Karoo e, a leste, o Drakensberg, a maior cadeia montanhosa da África meridional, onde situa-se o ponto mais elevado do país no Mafadi com 3450 metros, na fronteira África do Sul-Lesoto. A norte, o curso do rio Limpopo serve de fronteira com o Botsuana e o Zimbabué. O clima varia entre uma pequena zona de clima mediterrânico, no extremo sul, na região do Cabo, a desértico a noroeste. No Drakensberg há áreas com clima de montanha e neve nos pontos mais elevados, comumente no inverno.

A maior cidade é Joanesburgo. Cidade do Cabo, Durban, Bloemfontein e Pretória são outras cidades importantes. A administração oficial (governo, tribunais, presidência e parlamento) encontra-se dispersa por Pretória (sede do Poder Executivo), Cidade do Cabo (sede do Poder Legislativo) e Bloemfontein (sede do Poder Judiciário).

Em 1998, através da Lei n.º 118, foi criado o Conselho Sul-africano de Nomes Geográficos, com o objetivo de propor a mudança dos nomes de cidades, províncias e acidentes geográficos, substituindo nomes em Inglês e em Africâner por nomes baseados em línguas africanas. Muitas alterações já foram aprovadas, outras estão em estudo. Em breve, as grandes cidades do país poderão ser conhecidas como Tshwane (Pretória), Nelson Mandela Bay (Port Elizabeth)[36] [37] , KwaKhangela (Durban)[38] , Mangaung (Bloemfontein)[39] , eMonti (East London), Mbombela (Nelspruit)[40] e Polokwane (Pietersburg), dentre outras.

Clima

A África do Sul tem, em geral, um clima temperado, em parte por estar rodeada pelos oceanos Atlântico e Índico em três lados, pela sua localização climaticamente mais leve no hemisfério sul e devido à altitude média, que sobe de forma constante em direção ao norte (em direção ao equador) e mais para o interior. Devido a esta topografia variada e pela influência oceânica, o país tem uma grande variedade de zonas climáticas.

Praia de Camps Bay, na Cidade do Cabo - África do Sul
Praia de Camps Bay, na Cidade do Cabo

As zonas climáticas variam, desde o deserto do Namibe no noroeste ao clima subtropical no leste, ao longo da fronteira com Moçambique e com o Oceano Índico. Do leste, a terra sobe rapidamente sobre uma escarpa de montanha em direção ao planalto interior conhecida como Highveld. Embora a África do Sul seja classificada como semiárida, há uma variação considerável no clima, bem como na topografia.

O extremo sudoeste têm um clima muito semelhante ao do Mediterrâneo, com invernos chuvosos e verões quentes e secos, que acolhe o famoso bioma Fynbos de pastagem e mata. Essa área também produz a maior parte do vinho na África do Sul. Esta região também é particularmente conhecida por seu vento, que sopra intermitente por quase todo o ano. A força deste vento torna o Cabo da Boa Esperança especialmente traiçoeiro para os marinheiros, causando muitos naufrágios. Mais a leste, na costa sul, a precipitação é distribuída mais uniformemente ao longo do ano, produzindo uma paisagem verde. Esta área é conhecida popularmente como a Rota dos Jardins.

A província de Estado Livre é particularmente plana devido ao fato de estar centralizada no planalto. No norte do rio Vaal, o Highveld torna-se melhor regado e não experimenta extremos de calor subtropical. Joanesburgo, no centro do Highveld, está em 1.740 metros e recebe uma precipitação anual de 760 milímetros. Os invernos nesta região são frios, embora a neve seja rara.

As altas montanhas Drakensberg, que formam a escarpa sudeste do Highveld, oferecem oportunidades limitadas de esqui no inverno. O lugar mais frio na África do Sul é Sutherland, no oeste das montanhas Roggeveld, onde as temperaturas de inverno podem alcançar -15 °C. O interior profundo tem a temperaturas mais elevadas: a temperatura de 51,7 °C foi registrada em 1948 no Cabo do Norte Kalahari perto de Upington.[41]

A Montanha da Mesa, vista da Baía da Mesa, uma importante atração turística da região da Cidade do Cabo. - África do Sul
A Montanha da Mesa, vista da Baía da Mesa, uma importante atração turística da região da Cidade do Cabo.

Biodiversidade

A África do Sul assinou a Convenção sobre Diversidade Biológica em 4 de junho de 1994 e tornou-se uma parte da convenção em 2 de novembro de 1995.[42] O país produziu posteriormente uma Estratégia Nacional de Biodiversidade e um Plano de Ação, que foi recebido pela convenção em 7 de junho 2006.[43] O país está em sexto lugar entre os dezessete países megadiversos do mundo.[44]

Inúmeros mamíferos são encontrados na região das savanas, como leões, leopardos, rinocerontes-brancos, gnus-azuis, cudos, impalas, hienas, hipopótamos e girafas. A maior parte da área de savana localiza-se no nordeste do país, como no Parque Nacional Kruger e na Reserva Mala Mala, bem como no extremo norte da Biosfera Waterberg. A África do Sul abriga muitas espécies endêmicas, como o criticamente ameaçado coelho-bosquímano (Bunolagus monticularis), do Karoo.

Não há nenhuma estimativa recente sobre o número de espécies de fungos registradas na África do Sul. Até 1945, mais de 4.900 espécies de fungos (incluindo as espécies formadoras de líquen) tinham sido registradas[45] e, após mais de 60 anos de exploração adicional, esse número tende a ser muito mais elevado. Em 2006, o número total de tipos de fungos que existem na África do Sul foi conservadoramente estimado em cerca de 200 mil espécies, mas essa estimativa não levou em conta fungos associados a insetos.[46] Se estiver correta, então o número de fungos da África do Sul supera o de espécies de plantas. Pelo menos em alguns dos principais ecossistemas sul-africanos, um percentual extremamente elevado de fungos são altamente específicos das plantas nas quais ocorrem.[47] O número de fungos sul-africanos que são endêmicos e o número dos que estão em perigo devem, portanto, ser muito mais elevado que o número de plantas ameaçadas. A estratégia de biodiversidade do país e o plano de ação não mencionam os fungos.[43]

Com mais de 20 mil espécies de plantas diferentes, ou cerca de 10% de todas as espécies vegetais conhecidas na Terra, a África do Sul é particularmente rica em diversidade de plantas. O bioma predominante na África do Sul é a pradaria, onde a cobertura vegetal é dominada por diferentes gramíneas, arbustos baixos e árvores de acácia. A vegetação torna-se ainda mais escassa no noroeste, devido à baixa pluviosidade. Existem várias espécies de suculentas que armazenam água, como as aloes e euphorbias na área seca de Namaqualand. As pradarias lentamente se transformam em um mato alto de cerrado no nordeste do país, com um crescimento mais denso. Há um número significativo de baobás nesta área, perto da extremidade norte do Parque Nacional Kruger.[48]

Demografia

Mapa da densidade populacional na África do Sul.

  <1 /km2
  1–3 /km2
  3–10 /km2
  10–30 /km2
  30–100 /km2
  100–300 /km2
  300–1000 /km2
  1000–3000 /km2
  >3000 /km2
 - África do Sul
Mapa da densidade populacional na África do Sul.
  <1 /km2
  1–3 /km2
  3–10 /km2
  10–30 /km2
  30–100 /km2
  100–300 /km2
  300–1000 /km2
  1000–3000 /km2
  >3000 /km2

África do Sul é uma nação de cerca de 50 milhões de pessoas de diversas origens, culturas, línguas e religiões. O último censo foi realizado em 2011 e o próximo será em 2021. O Statistics South Africa classifica a população em cinco categorias raciais pelas quais as pessoas podem se classificar.[49] No meio do ano 2009 os valores estimados para essas categorias foram negros com 79,3%, brancos com 9,1%, coloured (mestiços) com 9,0% e indianos e asiáticos com 2,6% da população.[50] A África do Sul tem onze línguas oficiais:[51] africâner, inglês, ndebele, sesotho do norte, sesotho do sul, swazi, tswana, tsonga, venda, xhosa e zulu. O país tem uma população majoritariamente cristã.

Mesmo com o crescimento populacional da África do Sul na última década[49] [52] (principalmente devido à imigração), o país tinha uma taxa de crescimento populacional anual de -0,501% em 2008 (est. CIA), incluindo a imigração.[53] A CIA estima que a população em 2009 na África do Sul tenha começado a crescer novamente, a uma taxa de 0,281%.[54] A África do Sul é o lar de cerca de 5 milhões de imigrantes ilegais, incluindo cerca de 3 milhões de zimbabuanos.[55] [56] [57] Uma série de motins anti-imigrantes ocorreu na África do Sul em 11 de maio de 2008.[58] [59]

África do Sul abriga uma considerável população de refugiados e requerentes de asilo. Segundo a World Refugee Survey 2008, publicado pelo Comitê estadunidense para Refugiados e Imigrantes, esta população era de aproximadamente 144.700 pessoas em 2007.[60] Grupos de refugiados e requerentes de asilo que somam mais de 10.000 pessoas incluídas do Zimbábue (48.400), República Democrática do Congo (24.800) e Somália (12.900).[60] Estas populações viviam principalmente em Joanesburgo, Pretória, Durban, Cidade do Cabo e Port Elizabeth.[60]

Assim como em muitos países africanos, a África do Sul vem experimentando uma "fuga de cérebros" nos últimos 20 anos. Isso acreditado como potencialmente prejudicial para a economia regional,[61] e é quase certamente prejudicial para o bem-estar da maioria das pessoas que dependem da infra-estrutura de saúde, tendo em conta a epidemia de HIV/AIDS.[62] A fuga de cérebros na África do Sul tende a demonstrar contornos raciais (naturalmente, dado o legado de distribuição de competências da África do Sul) e tem, portanto, resultado em grandes comunidades de brancos sul-africanos no exterior.[63]

Maiores cidades

Composição étnica

O Statistics South Africa define cinco categorias raciais pelas quais as pessoas podem se classificar no censo. As estimativas do censo de 2011 para estas categorias foi negros africanos com 79,2%, brancos com 8,9%, coloured (mestiço) com 8,9%, indiano ou asiático com 2,5% e outros/não especificado com 0,5%. O primeiro censo na África do Sul, feito em 1911, mostrou que os brancos representavam 22% da população; esse número caiu para 16% da população em 1980.[65]

Grupos populacionais dominantes na África do Sul.
  Africanos negros
  Coloured (multirraciais)
  Indianos ou asiáticos
  Brancos
  Nenhum dominante - África do Sul
Grupos populacionais dominantes na África do Sul.
  Africanos negros
  Coloured (multirraciais)
  Indianos ou asiáticos
  Brancos
  Nenhum dominante

De longe, a maior parte da própria população é classificada como "africana" ou "negra", mas esse grupo populacional não é culturalmente e/ou linguisticamente homogêneo. Os principais grupos étnicos negros incluem os zulus, xhosas, basothos (basotho do sul), bapedi (basotho do norte), vendas, tswanas, tsongas, suázis e ndebeles, os quais falam as línguas bantu.

A população coloured (multirraciais) está concentrada principalmente na região do Cabo e vem de uma combinação de origens étnicas, como os brancos, khois, sans, griquas, chineses e malaios.[66]

Os sul-africanos brancos são principalmente descendentes de holandeses, alemães, franceses huguenotes, britânicos e outros colonos europeus e judeus.[66] [67] Cultural e linguisticamente, eles são divididos em africânderes, que falam africâner, e os grupos de brancos anglófonos. A população branca tem diminuído, devido à baixa taxa de natalidade e à emigração; entre os fatores que influem na decisão dessa população de emigrar, muitos citam a elevada taxa de criminalidade e as políticas de ação afirmativa do governo.[68] [69] Desde 1994, aproximadamente 440 mil sul-africanos brancos emigraram permanentemente do país.[70] Apesar dos elevados níveis de emigração, alguns imigrantes europeus se instalaram no país nesse período. Até 2005, estima-se que 212 mil cidadãos britânicos estavam residindo na África do Sul. Até 2011, esse número pode ter crescido para 500 mil.[71] Alguns zimbabuanos brancos emigraram para a África do Sul. Alguns dos membros mais nostálgicos da comunidade são conhecidos na cultura popular como "Whenwes", por causa da frase when we were in Rhodesia... (em português: quando estávamos na Rodésia...), que eles costumam dizer ao relembrar suas vidas na antiga Rodésia.[72]

A população indiana chegou à África do Sul como trabalhadores contratados para trabalhar nas plantações de açúcar em Natal no final do século XIX e início do século XX.[66] Eles vieram de diferentes partes do subcontinente indiano, seguiam religiões diferentes e falavam línguas distintas.[66] Um grave distúrbio entre indianos e zulus eclodiu em 1949 na cidade de Durban.[73] Existe também um grupo significativo de sul-africanos chineses (cerca de 100 mil pessoas) e vietnamitas (cerca de 50 mil pessoas). Em 2008, o Superior Tribunal de Pretória determinou que os sul-africanos chineses que chegaram ao país antes de 1994 deviam ser reclassificados como mestiços. Como resultado desta decisão, cerca de 12 a 15 mil[74] dos cidadãos etnicamente chineses que chegaram antes de 1994 (o que representa de 3% a 5% do total da população chinesa no país), será capaz de se beneficiar de políticas de igualdade racial do governo.[75]

Religião

Religião na África do Sul(2007)[76]
Religião Porcentagem
Cristianismo
  
73,5%
Religiões tradicionais africanas
  
15%
Sem religião
  
8%
Islamismo
  
1,45%
Hinduísmo
  
1,25%

De acordo com o censo nacional de 2001, os cristãos representavam 79,7% da população do país. Isso inclui cristãos zion (11,1%), pentecostais (carismáticos) (8,2%), católicos romanos (7,1%), metodistas (6,8%), holandeses reformados (6,7%), anglicanos (3,8%); membros de outras igrejas cristãs representavam outros 36% da população. Os muçulmanos representam 1,5% da população, hindus cerca de 1,3%, e judeus 0,2%. 15,1% não tinha qualquer filiação religiosa, 2,3% tinha outra religião e 1,4% não estavam especificados.[77] [78] [79]

Igrejas Indígenas Africanas eram os maiores entre os grupos cristãos. Acredita-se que muitas das pessoas que alegaram ter nenhuma afiliação com qualquer religião organizada, respeitam as religiões tradicionais indígenas. Muitos povos têm práticas religiosas sincréticas, combinando influências cristãs e indígenas.[80]

Não há nenhuma evidência de que o islã tenha tido contato com os povos zulu, swazi ou xhosa da costa leste, antes da era colonial. Muitos sul-africanos muçulmanos são descritos como mestiços, nomeadamente na província de Cabo Ocidental, especialmente aqueles cujos ancestrais vieram como escravos do arquipélago indonésio (os malaios do Cabo). Outros são descritos como indianos, nomeadamente em KwaZulu-Natal, incluindo aqueles cujos antepassados vieram como comerciantes do sul da Ásia; eles têm sido acompanhados por outros povos de outras partes da África, assim como brancos ou negros naturalizados sul-africanos. Sul-africanos muçulmanos afirmam que sua é a religião que mais cresce em conversão no país.[81]

A população hindu foi primeiramente estabelecida durante o período colonial britânico, mas depois as ondas de imigração da Índia, também têm contribuíram para o aumento dessa população. A maioria dos Hindus são etnicamente do Sul da Ásia. Outras religiões minoritárias na África do Sul são sikhismo, o jainismo e a Fé Bahá'í.[78]

Idiomas

Mapa mostrando as principais línguas da África do Sul.



  Africâner
  Inglês
  Ndebele
  Xhosa
  Zulu
  SeSotho do norte


  SeSotho do sul
  Tswana
  Swazi
  Venda
  Tsonga
  Nenhuma dominante


 - África do Sul
Mapa mostrando as principais línguas da África do Sul.
  Xhosa
  Zulu
  Tswana
  Swazi
  Venda
  Tsonga
  Nenhuma dominante

A África do Sul tem onze línguas oficiais: africâner, inglês, ndebele, sesotho do norte, sesotho do sul, swazi, tswana, tsonga, venda, xhosa e zulu. Em número de línguas oficias, o país é o terceiro, apenas atrás da Bolívia e da Índia. Apesar de todas as línguas serem formalmente iguais, algumas línguas são faladas mais do que outras. De acordo com o Censo Nacional de 2001, as três línguas mais faladas em casa são o zulu (23,8%), o xhosa (17,6%) e o africâner (13,3%). Não obstante o fato de que o inglês é reconhecida como a língua do comércio e da ciência, sendo falada em casa por apenas 8,2% dos sul-africanos em 2001, uma percentagem ainda menor do que em 1996 (8,6%).[49] [51]

O país também reconhece oito outros idiomas não-oficiais: fanagalo, khwe, lobedu, nama, ndebele do norte, phuthi, san e a língua gestual sul-africana. Estas línguas não-oficiais podem ser utilizadas em determinadas utilizações oficiais em áreas limitadas, onde foi determinado que essas línguas são predominantes. No entanto, suas populações não são significadamente grandes para exigir o reconhecimento nacional.

Muitas das línguas "não oficiais" dos povos san e khoikhoi possuem dialetos regionais que se estendem em direção ao norte da Namíbia e de Botswana, além de outros lugares. Esses povos, que são uma população fisicamente distinta de outros africanos, tem sua própria identidade cultural com base em suas sociedades de caçadores-coletores. Eles têm sido marginalizados, em grande medida, e muitas das suas línguas estão em perigo de extinção.

Muitos sul-africanos brancos também falam outras línguas europeias, tais como português (falado também por angolanos e moçambicanos negros), alemão e grego, embora alguns asiáticos e indianos na África do Sul falam línguas asiáticas, como o tamil, hindi, guzerate, urdu e telugu. O francês é ainda falada pelos franceses sul-africanos, especialmente em lugares como a Franschhoek, onde existem muitos sul-africanos de origem francesa.

Problemas sócio-econômicos

Segundo uma pesquisa para o período 1998-2000 elaborada pela Organização das Nações Unidas, a África do Sul foi classificada em segundo lugar em assassinatos e em primeiro para assaltos e estupros per capita.[82] As estatísticas oficiais mostram que 52 pessoas são assassinadas todos os dias na África do Sul.[83] O número relatado de estupros por ano é de 55.000[84] e estima-se que 500 mil estupros são cometidos anualmente no país.[85] O total de crimes per capita é o 10º entre os 60 países no conjunto de dados.

O estupro é um problema comum na África do Sul, em uma pesquisa de 2009 um em cada quatro homens sul-africanos admitiram ter estuprado alguém.[86] Um em cada três das 4.000 mulheres inquiridas pela Comunidade da Informação, Capacitação e Transparência disse que tinha sido violada no ano passado.[87] A África do Sul tem uma das maiores incidências de estupros de crianças e bebês no mundo.[88] Em um levantamento realizado entre 1.500 crianças escolares no township de Soweto, um quarto de todos os meninos entrevistados disseram que "jackrolling", um termo para estupro em grupo, era algo divertido.[87]

A classe média do país busca segurança em condomínios fechados. Muitos emigrantes da África do Sul também afirmam que o crime foi um grande motivador para eles saírem do país. O crime contra a comunidade agrícola continua a ser um grande problema.[89] Outro problema enfrentado pelo país é a forte desigualdade social e econômica; as cidades sul-africanas Buffalo City, Johannesburgo e Ekurhuleni foram apontadas como as mais desiguais do mundo, segundo relatório da ONU divulgado em 2010.[90]

Política

Union Buildings é a residência oficial e o gabinete do presidente da república da África do Sul, localizado na capital administrativa do país, Pretória. - África do Sul
Union Buildings é a residência oficial e o gabinete do presidente da república da África do Sul, localizado na capital administrativa do país, Pretória.

A África do Sul tem três capitais: Cidade do Cabo, a maior das três, é a capital legislativa; Pretória é a capital administrativa e Bloemfontein é a capital judiciária. África do Sul tem um parlamento bicameral: o Conselho Nacional de Províncias (câmara alta), tem 90 membros, enquanto a Assembleia Nacional (câmara baixa) tem 400 membros.

Os membros da Câmara dos Deputados são eleitos numa base populacional por representação proporcional: metade dos membros são eleitos por listas nacionais e a outra metade são eleitos em listas provinciais. Dez membros são eleitos para representar cada província no Conselho Nacional das Províncias, independentemente da população da província. Eleições para ambas as câmaras são realizadas a cada cinco anos. O governo é formado na casa mais baixa, e o líder do partido maioritário na Assembleia Nacional é o presidente.

Desde o fim do apartheid em 1994, a política sul-africana tem sido dominado pelo Congresso Nacional Africano (ANC), que foi o partido dominante, com 60-70% dos votos. O principal adversário do governo do ANC é o partido da Aliança Democrática, que recebeu 16,7% dos votos na eleição de 2009 e 14,8% nas eleições de 2006.

Parlamento da África do Sul na Cidade do Cabo, a capital legislativa. - África do Sul
Parlamento da África do Sul na Cidade do Cabo, a capital legislativa.

O partido anteriormente dominante, o Novo Partido Nacional, que introduziu o apartheid através do seu predecessor, o Partido Nacional, optou por se fundir com o ANC, em 9 de abril de 2005. Outros grandes partidos políticos representados no Parlamento são o Congresso do Povo, que se separou do ANC e ganhou 7,4% dos votos em 2009 e o Partido da Liberdade Inkatha, que representa principalmente os eleitores zulus e que teve 4,6% dos votos nas eleições de 2009.

Desde 2004, o país teve muitos milhares de protestos populares, alguns violentos, tornando-se, de acordo com um acadêmico, o "país mais rico em protesto no mundo".[91] Muitos destes protestos têm sido organizados a partir das crescentes favelas que circundam as cidades sul-africanas.

Em 2008, a África do Sul foi classificada na 5ª entre 48 países da África subsaariana pelo Índice Ibrahim de Governança Africana. A África do Sul teve bons resultados nas categorias de Estado de Direito, Transparência e Corrupção e Participação e Direitos Humanos, mas foi perdeu pontos pelo seu desempenho relativamente pobre em Saúde e Segurança. O Índice Ibrahim é uma medida global de governança africana, com base em uma série de variáveis que refletem o sucesso com que os governos entregam bens políticos essenciais aos seus cidadãos.[92]

Lei

Interior da Corte Constitucional da África do Sul, em Joanesburgo. - África do Sul
Interior da Corte Constitucional da África do Sul, em Joanesburgo.

As principais fontes das leis sul-africanas são o direito mercantil romano-holandês e o direito pessoal baseado no direito comum inglês, como as importações de assentamentos holandes e do colonialismo britânico.[93] A primeira lei europeia na África do Sul foi trazida pela Companhia das Índias Orientais Holandesas e é chamada de direito romano-neerlandês. Foi importado antes da codificação do direito europeu no Código Napoleônico e é comparável em muitos aspectos, a lei escocesa. Este foi seguido, no século XIX pelo direito inglês, tanto comum quanto legal. A partir de 1910 com a unificação, a África do Sul tinha seu próprio parlamento, que aprovaram leis específicas para a África do Sul. Durante os anos do apartheid, a cena política do país foi dominado por figuras como B. J. Vorster e P. W. Botha, bem como membros da oposição, como Harry Schwarz, Joe Slovo e Helen Suzman.

O sistema judicial é composto por tribunais de magistrados, que tratam de casos criminais e cíveis menores menores, os Tribunais Superiores, que são tribunais de competência genérica para áreas específicas, o Supremo Tribunal de Recurso, que é a mais alta corte constitucional em todas os temas; e o Tribunal Constitucional, que cuida apenas das questões constitucionais.

De acordo com uma pesquisa realizada para o período de 1998-2000 e compilada pelas Nações Unidas, a África do Sul foi classificada em segundo lugar em assassinato e em primeiro em assaltos e estupros per capita entre todos os países pesquisados.[94] Cerca de 50 assassinatos são cometidos todos os dias no país.[95] Até março de 2009, houve 18 148 assassinatos no país, enquanto o Reino Unido registrou 662 no mesmo período.[96] A indústria da segurança privada na África do Sul é a maior do mundo,[97] com cerca de nove mil empresas cadastradas e 400 mil seguranças particulares ativos registrados, mais do que a polícia e o exército sul-africanos juntos.[98]

Forças armadas

Caça sul-africano Atlas Cheetah realiza um treinamento com o destróier norte-americano USS Forrest Sherman na Cidade do Cabo, em 2007. - África do Sul
Caça sul-africano Atlas Cheetah realiza um treinamento com o destróier norte-americano USS Forrest Sherman na Cidade do Cabo, em 2007.

A Força Nacional de Defesa da África do Sul (SANDF) foi criada em 1994,[99] [100] como uma força voluntária composta pela antiga South African Defence Force, as forças dos grupos nacionalistas africanos (Umkhonto we Sizwe e Exército de Libertação do Povo Azanian), e as forças de defesa antigo Bantustão.[99] O SANDF é subdividido em quatro ramos, o exército, a força aérea, a marinha e o Serviço Médico Sul-Africano.[101] Nos últimos anos, a SANDF se tornou uma grande força de paz no continente africano,[102] e esteve envolvido em operações no Lesoto, na República Democrática do Congo,[102] no Burundi,[102] entre outros. Tem também participado como parte das forças de paz multinacional da ONU.

A África do Sul é o único país africano que conseguiu desenvolver com sucesso armas nucleares. E tornou-se o primeiro país com poder nuclear (seguido pela Ucrânia), a desmontar e renunciar voluntariamente ao seu programa no processo de assinatura do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP), em 1991.[103] O país desenvolveu um programa de armas nucleares na década de 1970.[103] De acordo com o ex-presidente sul-africano F. W. de Klerk, a decisão de construir uma "dissuasão nuclear" foi tomada "já em 1974 em um contexto de uma ameaça expansionista soviética".[104] A África do Sul pode ter realizado um teste nuclear sobre o Atlântico em 1979,[105] apesar de Klerk afirmar que o país "nunca havia realizado um teste nuclear clandestino".[104] Seis dispositivos nucleares foram concluídos entre 1980 e 1990, mas todos foram destruídos antes da África do Sul assinar o TNP em 1991.[104]

Relações internacionais

Dilma Roussef (Brasil), Vladimir Putin (Rússia), Manmohan Singh (Índia), Hu Jintao (China) e Jacob Zuma (África do Sul) durante encontro dos líderes do BRICS em 2012. - África do Sul
Dilma Roussef (Brasil), Vladimir Putin (Rússia), Manmohan Singh (Índia), Hu Jintao (China) e Jacob Zuma (África do Sul) durante encontro dos líderes do BRICS em 2012.

Enquanto era a União Sul-Africana, o país foi o membro fundador da Organização das Nações Unidas (ONU). O então primeiro-ministro sul-africano, Jan Smuts, escreveu o preâmbulo da Carta das Nações Unidas.[106] [107] O país é um dos membros fundadores da União Africana (UA), e tem a segunda maior economia de todos os membros dessa organização.[12] [13] A África do Sul também é um membro fundador da Nova Parceria para o Desenvolvimento da África (NEPAD), da UA. O país tem desempenhado um papel fundamental como mediador de conflitos entre nações africanas na última década, como no Burundi, na República Democrática do Congo, nas Ilhas Comores e no Zimbabwe. Após o fim do regime do apartheid, a África do Sul foi readmitida na Commonwealth britânica. O país é um membro do Grupo dos 77 e presidiu a organização em 2006. A África do Sul também é membro da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), da Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul, da União Aduaneira da África Austral, do Tratado da Antártida, da Organização Mundial do Comércio (OMC), do Fundo Monetário Internacional (FMI), do G20 e do G8+5.

O presidente sul-africano Jacob Zuma e o ex-presidente chinês, Hu Jintao, atualizaram os laços bilaterais entre os dois países em 24 de agosto de 2010, quando foi assinado o Acordo de Pequim, que antecipou a elevação da "parceria estratégica" da África do Sul com a China para uma "parceria estratégica global" em temas econômicos e políticos, como o reforço do intercâmbio entre os respectivas partes governantes e legisladores.[108] [109] Em abril de 2011, a África do Sul entrou oficialmente para o grupo de países BRICS (Brasil-Rússia-Índia-China), identificado pelo presidente Zuma como os maiores parceiros comerciais do país e também como os maiores parceiros comerciais da África como um todo. Zuma afirmou que os países membros do BRICS também iriam trabalhar de forma coordenada através da ONU, do Grupo dos Vinte (G20) e do Fórum de Diálogo Índia-Brasil-África do Sul (IBAS).[110]

Subdivisões

Mapa das nove províncias da África do Sul. - África do Sul
Mapa das nove províncias da África do Sul.

A África do Sul encontra-se dividida em nove províncias desde 1994. A tabela seguinte indica, para cada uma das nove províncias, o seu código oficial ISO 3166-2:ZA, o nome em português, inglês e africâner, e a capital.

Código
ISO
Português Inglês Africâner Capital
ZA-WC Cabo Ocidental Western Cape Wes-Kaap Cidade do Cabo
ZA-EC Cabo Oriental Eastern Cape Oos-Kaap Bisho
ZA-NC Cabo Setentrional Northern Cape Noord-Kaap Kimberley
ZA-FS Estado Livre Free State Vrystaat Bloemfontein
ZA-GT Gauteng - - Joanesburgo
ZA-NL Kwazulu-Natal - - Pietermaritzburg
ZA-LP Limpopo - - Polokwane
ZA-MP Mpumalanga - - Nelspruit
ZA-NW Noroeste North-West Noord-Wes Mafikeng

As províncias encontram-se divididas em municípios metropolitanos e distritos municipais; estes últimos encontram-se subdivididos em municípios locais e zonas de gestão distrital. A delimitação dos municípios encontra-se inscrita na Constituição, portanto cada alteração implica uma emenda; a última ocorreu em abril de 2006.

Economia

A Bolsa de Valores de Joanesburgo, em Sandton, a maior bolsa de valores do continente africano. - África do Sul
A Bolsa de Valores de Joanesburgo, em Sandton, a maior bolsa de valores do continente africano.

Pela classificação da ONU a África do Sul é um país de renda média, com uma oferta abundante de recursos, com bem desenvolvidos setores financeiro, jurídico, de comunicações, energia e transportes, uma bolsa de valores que está entre as vinte melhores do mundo, e uma moderna infra-estrutura de apoio a uma distribuição eficiente das mercadorias a grandes centros urbanos em toda a região. A África do Sul ocupa 32ª posição no mundo em termos de PIB (PPC), de acordo com dados de 2009. A sua integração na economia é muito forte e constitui uma base essencial para o seu desenvolvimento.[111]

O desenvolvimento avançado do país está no entanto concentrado em torno de quatro áreas: Cidade do Cabo, Port Elizabeth, Durban e Pretória/Johannesburg. Fora destes quatro centros econômicos, o desenvolvimento é limitado e a pobreza ainda é prevalente, apesar dos esforços do governo. Por conseguinte, a grande maioria de sul-africanos são pobres. No entanto, os principais zonas marginais têm experimentado um crescimento rápido nos últimos tempos. Essas áreas incluem Mossel Bay para Plettenberg Bay; área de Rustenburg, área de Nelspruit, Bloemfontein, Cape West Coast e o Litoral Norte de KwaZulu-Natal. O desemprego é extremamente elevado e a desigualdade de renda é aproximadamente igual à do Brasil - residindo uma das razões mais salientes no facto de boa parte das empresas importantes serem capital-intensivas, não trabalho intensivas. Durante o período de 1995-2003, o número de empregos formais diminuiu e o emprego informal aumentou, o desemprego global se agravou.[28]

O rendimento médio domiciliar sul-africano diminuiu consideravelmente entre 1995 e 2000. Quanto à desigualdade racial, o Statistics South Africa informou que, em 1995, o agregado familiar médio branco ganhou quatro vezes mais do que uma família média negra. Em 2000, a família média branca ganhou seis vezes mais do que o agregado familiar médio negro.[112] As políticas de ação afirmativa para a igualdade racial têm estimulado um aumento na riqueza econômica dos negros e o nascimento de uma emergente classe média negra.[113] [114] Outros problemas são a criminalidade, a corrupção e a epidemia de HIV/AIDS. A África do Sul sofre com carga relativamente pesada regulação global, comparada aos países desenvolvidos. A propriedade e a interferência estatal impõe barreiras à entrada em muitas áreas.[115] Regulamentações trabalhistas restritivas têm contribuído para o mal-estar do desempregado.[28]

Joanesburgo, a cidade mais rica do país e de todo o continente africano, responsável por 33% do PIB da sul-africano e por 10% do PIB da África. Na imagem, o distrito de Sandton. - África do Sul
Joanesburgo, a cidade mais rica do país e de todo o continente africano, responsável por 33% do PIB da sul-africano e por 10% do PIB da África. Na imagem, o distrito de Sandton.

O governo de 1994 herdou uma economia minada por longos anos de conflito interno e por sanções externas. O governo absteve-se de recorrer ao populismo econômico. A inflação foi derrubada, as finanças públicas estavam estabilizados e alguns capitais estrangeiros foram atraídos.[116] No entanto, o crescimento foi ainda baixo.[116] No início de 2000, o então Presidente Thabo Mbeki prometeu promover o crescimento econômico e o investimento estrangeiro através do relaxamento de leis trabalhistas restritivas, acelerando o ritmo de privatização e o corte de gastos governamentais desnecessários. Suas políticas enfrentam forte oposição dos sindicatos. De 2004 em diante o crescimento econômico aumentou significativamente, assim como a formação de emprego e aumento de capital.[116]

África do Sul é o maior produtor e consumidor de energia no continente africano. A África do Sul é um destino turístico popular, e uma quantidade substancial de receita vem do turismo.[117] Entre as principais atrações são a cultura variada e pitoresca, a reservas de caça e os vinhos locais.

A Rand Sul-Africano (ZAR), é a moeda emergente mais ativamente negociada no mundo. Ele se juntou a um clube de elite das moedas, o Continuous linked settlement (CLS), onde transações de câmbio são liquidadas imediatamente, diminuindo os riscos de transações através de fusos horários. O rand era a moeda com melhor desempenho contra o dólar dos Estados Unidos (USD) entre 2002 e 2005, segundo a Bloomberg Moeda Scorecard.

Empregados empacotando peras para exportação em uma fábrica no Vale de Ceres, no Cabo Ocidental. - África do Sul
Empregados empacotando peras para exportação em uma fábrica no Vale de Ceres, no Cabo Ocidental.

A volatilidade do rand tem afetado a atividade econômica, a queda acentuada em 2001 e o atingimento de um mínimo histórico de 13,85 rands ao dólar, provocou temores de inflação e fez com que o Banco Central a aumentar as taxas de juros. O rand desde então tem se recuperado, negociado a 7,77 ZAR ao dólar em de fevereiro de 2010. No entanto, como os exportadores estão sob pressão considerável a partir de uma forte moeda nacional, muitos pedem a intervenção do governo para ajudar a suavizar o rand.

Refugiados de países pobres vizinhos incluem muitos imigrantes provenientes da República Democrática do Congo, Moçambique, Zimbabwe, Malawi e outros, que representam uma grande parcela do setor informal. Com elevados níveis de desemprego entre os pobres sul-africanos, a xenofobia é prevalente e muitas pessoas nascidas na África do Sul se sentem ressentidos com os imigrantes que são vistos como pessoas que privam a população nativa de postos de trabalho, um sentimento que tem tido credibilidade pelo fato de que muitos empregadores Sul Africano têm empregado os migrantes de outros países para salários mais baixos do que os cidadãos sul-africanos, especialmente na construção civil, turismo, agricultura e indústrias de serviços domésticos. Os imigrantes ilegais são também fortemente envolvidos no comércio informal.[118] No entanto, muitos imigrantes na África do Sul continuam a viver em condições precárias e a política de imigração do sul-africana tornou-se cada vez mais restritivas desde 1994.[119]

Os principais parceiros comerciais internacionais da África do Sul, além de outros países africanos, incluem a Alemanha, os Estados Unidos, a China, o Japão, o Reino Unido e a Espanha.[77] As principais exportações do país incluem o milho, diamantes, frutas, ouro, açúcar, metais, minerais, e . Máquinas e equipamentos de transporte constituem mais de um terço do valor das importações do país. Outras importações incluem produtos químicos, produtos manufaturados e petróleo. Recentemente a África do Sul foi incluída no grupo de países emergentes com economias promissoras, os BRICS.[120]

Panorama de uma região repleta de vinhedos em Franschhoek, província de Cabo Ocidental. - África do Sul
Panorama de uma região repleta de vinhedos em Franschhoek, província de Cabo Ocidental.

Infraestrutura

Ciência e tecnologia

Telescópios do South African Astronomical Observatory (SAAO) em Sutherland, na província do Cabo Setentrional. - África do Sul
Telescópios do South African Astronomical Observatory (SAAO) em Sutherland, na província do Cabo Setentrional.

Vários desenvolvimentos científicos e tecnológicos importantes originaram-se na África do Sul. O primeiro transplante de coração humano foi realizado pelo cirurgião cardíaco Christiaan Barnard no Hospital Groote Schuur em dezembro de 1967; Max Theiler desenvolveu uma vacina contra a febre amarela; Allan McLeod Cormack pioneira da tomografia computadorizada por raios-x e Aaron Klug que desenvolveu técnicas cristalográficas de microscopia eletrônica. Com exceção de Barnard, todos os avanços citados foram reconhecidos com Prêmios Nobel. Sydney Brenner ganhou mais recentemente, em 2002, por seu trabalho pioneiro em biologia molecular.[121]

Mark Shuttleworth fundou uma das primeiras empresas de segurança na internet, a Thawte, que foi posteriormente comprada pela líder mundial VeriSign. Apesar dos esforços do governo para incentivar o empreendedorismo em biotecnologia, outros campos de alta tecnologia e TI, não há outras empresas inovadoras notáveis fundadas na África do Sul. É um objetivo expresso do governo a transição da economia sul-africana para torná-la mais dependente da alta tecnologia, com base na constatação de que a África do Sul não pode competir com as economias do Extremo Oriente na manufatura, nem pode usufruir de sua riqueza mineral perpetuamente.

A África do Sul cultivou uma comunidade astronômica em expansão. O país abriga o Grande Telescópio Sul-Africano, o maior telescópio óptico no hemisfério sul. A África do Sul está construindo atualmente a Telescópio de Array Karoo como parte do projeto de 1,5 bilhão de euros Square Kilometre Array.[122] Em 25 de maio de 2012, foi anunciado que as sedes do Telescópio Square Kilometer Array serão divididas entre locais na África do Sul e na Austrália/Nova Zelândia.[123]

Educação

Estudantes sul-africanos de uma escola de Durban - África do Sul
Estudantes sul-africanos de uma escola de Durban

A Educação na África do Sul é a segunda melhor do continente africano, perdendo apenas para Cabo Verde. Na época do apartheid, os estudantes de todos os grupos étnicos da África do Sul iam com frequência a escolas próprias para cada etnia. Fora isso, os menores caucasianos de 18 anos que falavam inglês e africânder, apesar de serem obrigados a estudar as duas línguas, iam com frequência a instituições de ensino adequadas a cada etnia. Considerando cada menor de 18 anos, o governo pagava muito mais caro com a educação dos caucasianos do que a dos não caucasianos.[livro 1]

Entre os sete e os 16 anos, o ensino era obrigatório para os menores caucasianos de 18 anos. Cerca de 90% deles iam diariamente a escolas da rede pública de ensino. O resto ia para escolas da rede particular controladas pelo Estado. Mais de 55% terminavam o ensino médio.[livro 1]

Os menores mestiços ou asiáticos de 18 anos eram obrigados a se dirigirem à escola, entre os sete aos 14 anos, desde que habitassem áreas que dispusessem desta facilidade. Em diversas dessas regiões não existiam escolas e salas de aula para os mestiços e os asiáticos. Aproximadamente 99% desses menores de 18 anos ia para educandários religiosos controlados pelo Estado. Mais de 10% dos menores mestiços de 18 anos e 25% dos indianos alcançavam o ensino médio. Até 1981 a legislação não obrigava que os menores africanos de 18 anos fossem com frequência a instituições de ensino. Desde então, os conselhos locais podiam requerer que o governo nacional solicitasse o comparecimento dos menores de sua área, de 6 a 15 anos, para instituições de ensino, 20% dos menores africanos iam a instituições de ensino.[livro 1]

As principais universidades da África do Sul são: a Universidade do Cabo Ocidental (Cidade do Cabo), a Universidade da Cidade do Cabo (Cidade do Cabo), a Universidade do Estado Livre (Bloemfontein), a Universidade de Fort Hare (Alice), a Universidade do KwaZulu-Natal (Durban, Pietermaritzburg, Pinetown, Westville), a Universidade do Limpopo (Polokwane, Ga-Rankuwa), a Universidade do Noroeste (Mafikeng, Mankwe, Potchefstroom, Vanderbijlpark), a Universidade de Pretória (Pretória), a Universidade Rhodes (Grahamstown), a Universidade de Stellenbosch (Stellenbosch) e a Universidade do Witwatersrand (Joanesburgo).

Saúde

O impacto da AIDS tem causado uma queda na expectativa de vida do país. - África do Sul
O impacto da AIDS tem causado uma queda na expectativa de vida do país.

A expansão da SIDA (síndrome da imunodeficiência adquirida, AIDS no Brasil) é um problema alarmante no país, chegando a atingir 31% das mulheres grávidas em 2005 e uma taxa de infecção nos adultos estimada em 20%.[124] A ligação entre HIV, um vírus transmitido principalmente por contato sexual, e SIDA foi negado há muito tempo pelo presidente Thabo Mbeki e pelo ministro da saúde Manto Tshabalala-Msimang, que insiste que as muitas mortes no país são causadas por má nutrição, e muita pobreza, e não pelo HIV.[125] Em 2007, em resposta a pressões internacionais, o governo fez esforços para combater a SIDA.[126] Em setembro de 2008 Thabo Moeki foi expulso pelo Congresso Nacional Africano e Kgalema Motlanthe foi apontado para o ínterim. Uma das primeiras ações de Motlanthe foi substituir Tshabalala-Msimang pelo atual ministro da saúde, Barbara Hogan.

A SIDA afeta principalmente aqueles que são sexualmente ativos e é muito mais presente na população negra. A maioria das mortes são de pessoas economicamente ativas, resultando em muitas famílias perdendo sua principal fonte de renda. Isso tem resultado em muitos órfãos pela SIDA que em muitos casos dependem do estado para suporte financeiro e médico.[127] É estimado que há 1,2 milhões de órfãos na África do Sul.[127] Muitas pessoas mais velhas também perdem o apoio dos membros mais jovens da família. Cerca de 5 milhões de pessoas estão infectadas pela doença.[126]

A África do Sul, mesmo com muitos problemas envolvendo a saúde pública, abriga o maior hospital do mundo, o Hospital Chris Hani Baragwanath, com 173 hectares de área, 3 200 camas e 6 760 funcionários. Esse hospital fica na área de Soweto, Joanesburgo.

Energia e transportes

Após tentativas frustradas por parte do governo de estimular a construção pela iniciativa privada da capacidade de geração de energia do país, a empresa estatal fornecedora de energia Eskom começou a ter deficiência de capacidade na geração de energia elétrica e infraestrutura de distribuição em 2007. Essa falta levou à incapacidade de atender às demandas da indústria e dos consumidores em todo o país, resultando em apagões. Inicialmente a falta de capacidade foi provocada por uma falha na Central Nuclear Koeberg, mas uma falta generalizada de capacidade de produzir energia devido ao aumento da demanda tornou-se evidente desde então. A fornecedora tem sido amplamente criticada por não planejar adequadamente e construir a capacidade de geração elétrica de forma suficiente,[128] embora o governo tenha admitido que é culpado por se recusar a aprovar o financiamento para investimento em infraestrutura.[129]

A crise foi resolvida depois de alguns meses, mas a margem entre a demanda nacional e a capacidade disponível ainda é baixa (especialmente em horários de pico), e estações de energia estão sob pressão, de modo que uma outra fase de apagões é provável se alguma parte do sistema de fornecimento for interrompida por qualquer motivo.[130]

O governo e a Eskom estão planejando novas usinas, por um custo para o consumidor sul-africano. A concessionária de energia planeja ter 20 mil megawatts de energia nuclear em sua matriz até 2025.[131]

No setor dos transportes, o país conta com uma rede de 20 192 km de ferrovias e 362 099 km de rodovias, dos quais 73 506 km estão pavimentados e 239 km são classificados como autoestradas. O país conta com 567 aeroportos (a 11ª maior rede aeroviária do mundo em 2012) e seus maiores portos marítimos estão localizados nas cidades de Cidade do Cabo, Durban, Port Elizabeth, Richards Bay, Baía de Saldanha.[132]

Cultura

Não existe uma única cultura sul-africana, devido à diversidade étnica do país, e cada grupo racial tem a sua própria identidade cultural. Isto pode ser apreciado nas diferenças na alimentação, na música e na dança entre os vários grupos. Há, no entanto, alguns traços unificadores.

Belas artes

Um elande retratado em uma pintura rupestre encontrada em Drakensberg. - África do Sul
Um elande retratado em uma pintura rupestre encontrada em Drakensberg.

A arte sul-africana inclui os mais antigos objetos de artísticos do mundo, que foram descobertos em uma caverna do país e foram datados em 75 mil anos de idade. As tribos dispersas de povos khoisan que se deslocaram para a África do Sul em torno de 10.000 a.C. tinham sua própria expressão artística, vista hoje em uma infinidade de pinturas rupestres. Eles foram substituídos pelos povos bantu/nguni com suas próprias formas de arte. Novas formas artísticas evoluíram nas vilas e cidades: a arte dinâmica, que usa de tiras de plástico a aros de bicicleta. A arte popular holandesa com influências dos africânderes trekboers e os artistas brancos urbanos seguiram mudando as tradições europeias a partir de 1850 e também contribuíram para essa mistura eclética, que continua a evoluir ainda hoje.[133]

Literatura

Nadine Gordimer, escritora sul-africana ganhadora do Prêmio Nobel de Literatura de 1991. - África do Sul
Nadine Gordimer, escritora sul-africana ganhadora do Prêmio Nobel de Literatura de 1991.

A literatura sul-africana surge a partir de uma história social e política única. Um dos primeiros romances bem conhecidos escritos por um autor negro em um idioma africano foi Mhudi, de Solomon Tshekisho Plaatje, escrito em 1930.[134] Durante os anos 1950, a revista Drum tornou-se um viveiro de sátiras políticas, ficção e ensaios, dando voz à cultura negra urbana.[135]

Entre os autores sul-africanos brancos mais notáveis estão Alan Paton, que publicou o romance Cry, the Beloved Country em 1948. Nadine Gordimer se tornou a primeira sul-africana a ser agraciada com o Prêmio Nobel de Literatura em 1991. Seu romance mais famoso, July's People, foi lançado em 1981. J. M. Coetzee ganhou o Prêmio Nobel de Literatura em 2003. Na época da atribuição do prêmio, a Academia Sueca afirmou que Coetzee "em inúmeros disfarces retrata o envolvimento surpreendente do estranho".[136]

As peças de Athol Fugard regularmente estrearam nos cinemas fringe da África do Sul, Londres (The Royal Court Theatre) e Nova York. A obra The Story of an African Farm (1883), de Olive Schreiner, foi uma revelação na literatura vitoriana: é anunciado por muitos como a introdução de feminismo na forma de romance.

Culinária

Cozinha tradicional sul-africana. - África do Sul
Cozinha tradicional sul-africana.

A cultura sul-africana é diversa; alimentos de muitas culturas são apreciados por todos e especialmente comercializados para os turistas que desejam provar a grande variedade da culinária do país. A culinária sul-africana é fortemente baseada na carne grelhada enquanto um evento social tipicamente sul-africano conhecido como um braai (ou churrasco). O país também se tornou um grande produtor de vinhos, sendo que alguns dos seus melhores vinhedos encontram-se em vales em torno de Stellenbosch, Franschhoek, Paarl e Barrydale, no Cabo Ocidental.[137]

Música

Existe uma grande diversidade na música da África do Sul. Muitos músicos negros que cantavam em africâner ou inglês durante o apartheid passaram a cantar em línguas africanas tradicionais, e desenvolveram um estilo único chamado kwaito. Digna de nota é Brenda Fassie, que alcançou fama graças à sua canção "Weekend Special", cantada em inglês. Músicos tradicionais famosos são os Ladysmith Black Mambazo, e o Quarteto de Cordas do Soweto executa música clássica com sabor africano. Os cantores sul-africanos brancos e mestiços tendem a evitar temas musicais tradicionais africanos, preferindo estilos mais europeus. Existe um bom mercado para música africâner, que cobre todos os gêneros da música ocidental.

Esportes

Jogo de futebol entre África do Sul e México no estádio Soccer City, em Joanesburgo, durante a Copa do Mundo FIFA de 2010. - África do Sul
Jogo de futebol entre África do Sul e México no estádio Soccer City, em Joanesburgo, durante a Copa do Mundo FIFA de 2010.

Os esportes mais populares da África do Sul são o rugby, o críquete e o hóquei em campo (hóquei de grama, no português brasileiro). Outros esportes com prática significativa são natação, atletismo, golfe, boxe, tênis e netball. Apesar do futebol ser mais praticado entre os jovens (e estar em crescimento no país), outros esportes como o basquete, o surf e o skate estão cada vez mais populares.[138]

Entre os atletas de futebol sul-africanos que jogaram em grandes clubes estrangeiros estão Steven Pienaar, Lucas Radebe, Philemon Masinga, Benni McCarthy, Aaron Mokoena e Delron Buckley. A África do Sul sediou a Copa do Mundo FIFA de 2010 e o presidente da Fifa, Sepp Blatter, premiou o país com uma nota 9 (de uma escala de até 10) por sediar o evento esportivo com êxito.[139]

Entre as personalidades de boxe sul-africanas mais famosas estão Jacob Matlala, Vuyani Bungu, Welcome Ncita, Dingaan Thobela, Gerrie Coetzee e Brian Mitchell. O surfista de Durba, Jordy Smith, ganhou o torneio Billabong J-Bay de 2010, tornando-se o surfista nº 1 do mundo. A África do Sul é a casa de Jody Scheckter, um campeão da Fórmula Um de automobilismo em 1979. Famosos jogadores sul-africanos de críquete incluem Herschelle Gibbs, Graeme Smith, Jacques Kallis, J. P. Duminy.[140]

Os Springboks em uma parada de ônibus, após a vitória na Copa do Mundo de Rugby de 2007. - África do Sul
Os Springboks em uma parada de ônibus, após a vitória na Copa do Mundo de Rugby de 2007.

A África do Sul também produziu inúmeros jogadores de rugby de classe mundial, incluindo François Pienaar, Joost van der Westhuizen, Danie Craven, Frik du Preez, Naas Botha e Bryan Habana. O país sediou e venceu a Copa do Mundo de Rugby de 1995[141] e venceu a Copa do Mundo de Rugby de 2007, na França. Após sediar a Copa do Mundo de Rugby de 1995, o país foi o anfitrião e o vencedor do Campeonato Africano das Nações de 1996. A África do Sul também recebeu a Copa do Mundo de Críquete de 2003.[142]

Em 2004, a equipe de natação de Roland Schoeman, Lyndon Ferns, Darian Townsend e Ryk Neethling conquistou a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Atenas, quebrando simultaneamente o recorde mundial no revezamento 4x100m livre. Penelope Heyns ganhou o ouro olímpico nos Jogos Olímpicos de 1996, em Atlanta. Em 2012, Oscar Pistorius se tornou o primeiro homem duplamente amputado a competir nos Jogos Olímpicos de 2012, em Londres. No golfe, Gary Player é geralmente considerado como um dos maiores golfistas de todos os tempos, tendo conquistado o Career Grand Slam, um dos cinco jogadores que já alcançaram tal feito. Outros jogadores sul-africanos que ganharam grandes torneios são Bobby Locke, Ernie Els, Retief Goosen, Trevor Immelman, Louis Oosthuizen e Charl Schwartzel.[143]

Feriados
Dia Nome em português Nome local Notas
1 de Janeiro Dia de Ano Novo New Year’s Day
21 de Março Dia dos Direitos Humanos Human Rights Day
Festa móvel Sexta-Feira Santa Good Friday
Festa móvel Segunda-feira de Páscoa Easter Monday
27 de Abril Dia da Liberdade Freedom Day Comemora as primeiras eleições livres pós-Apartheid.
1 de Maio Dia do Trabalhador Worker’s Day
16 de Junho Dia da Juventude Youth Day Comemora os distúrbios de Soweto
9 de Agosto Dia Nacional da Mulher National women’s day
24 de Setembro Dia da Herança Heritage Day Dia em que os sul-africanos comemoram a diversidade do país
16 de Dezembro Dia da Reconciliação Day of Reconciliation
25 de Dezembro Natal Christmas Day
26 de Dezembro Dia da Boa-Vontade Day of Goodwill

Ver também

Portal A Wikipédia possui o
Portal da África do Sul

Notas

Referências

  1. Portal da Língua Portuguesa - Dicionário de Gentílicos e Topónimos
  2. a b c d South Africa. Fundo Monetário Internacional (FMI). Página visitada em 20 de setembro de 2011.
  3. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Relatório de Desenvolvimento Humano 2013 – Ascensão do Sul: progresso humano num mundo diversificado (14 de março de 2013). Página visitada em 15 de março de 2013.
  4. Gini Index. Banco Mundial. Página visitada em 2 de março de 2011.
  5. a b c d South Africa Fast Facts. SouthAfrica.info (April 2007). Página visitada em 2008-06-14.
  6. South African Maritime Safety Authority. South African Maritime Safety Authority. Página visitada em 2008-06-16.
  7. Coastline. The World Factbook. CIA. Página visitada em 2008-06-16.
  8. Encyclopædia Britannica Online. Encyclopædia Britannica, Inc..
  9. "[1]".
  10. South Africa’s Unemployment Rate Increases to 23.5%
  11. HDI. UNDP.
  12. a b Patrick McGroarty; Drew Hinshaw (07 de abril de 2014). Economia da Nigéria agora é a maior da África (em português). The Wall Street Journal. Página visitada em 07 de abril de 2014.
  13. a b Reuters (06 de abril de 2014). Nigéria ultrapassa África do Sul como maior economia africana (em português). Folha de S.Paulo. Página visitada em 07 de abril de 2014.
  14. Wymer, John. The Middle Stone Age at Klasies River Mouth in South Africa. Chicago: University of Chicago Press, 1982. ISBN 0-226-76103-7
  15. Deacon, HJ (2001). Guide to Klasies River. Stellenbosch University. Página visitada em 5 de setembro de 2009.
  16. Fossil Hominid Sites of Sterkfontein, Swartkrans, Kromdraai, and Environs.
  17. Stephen P. Broker. Hominid Evolution. Yale-New Haven Teachers Institute. Página visitada em 19 de junho de 2008.
  18. African History Timeline. West Chester University of Pennsylvania.
  19. Williams, Garner F. The Diamond Mines of South Africa, Vol II. New York: B. F Buck & Co., 1905. Chapter XX p.
  20. Bond, Patrick. Cities of gold, townships of coal: essays on South Africa's new urban crisis. [S.l.]: Africa World Press, 1999. 140 p. ISBN 9780865436114
  21. Cape of Good Hope (South Africa). Parliament. House.. (1906). "Report of the Select Committee on Location Act". Cape Times Limited.
  22. Godley, Godfrey Archibald, Welsh, William Thomson, Hemsworth, H. D. (1920) "Report of the Inter-departmental committee on the native pass laws": 2. Cape Times Limited, government printers.
  23.  Cana, Frank Richardson (1911). "South Africa". Encyclopædia Britannica (11th) 25. Cambridge University Press. 
  24. Native Land Act. South African Institute of Race Relations (19 de junho de 1913).
  25. Great Britain Colonial Office; Transvaal (Colony). Governor (1901–1905: Milner). (Janeiro de 1902). "Papers relating to legislation affecting natives in the Transvaal". His Majesty's Stationery Office.
  26. De Villiers, John Abraham Jacob. The Transvaal. London: Chatto & Windus, 1896. 30 (n46) p. Página visitada em 30 de julho de 2009.
  27. Ver texto, em inglês, em [2] (consultado em 29 de Agosto de 2009).
  28. a b c Post-Apartheid South Africa: the First Ten Years - Unemployment and the Labor Market. IMF.
  29. Zuma surprised at level of white poverty — Mail & Guardian Online: The smart news source. Mg.co.za (18 de abril de 2008). Página visitada em 30 de maio de 2010.
  30. South Africa. Human Development Report. United Nations Development Programme (2006). Página visitada em 28 de novembro de 2007.
  31. Ridicule succeeds where leadership failed on AIDS. South African Institute of Race Relations (10 de novembro de 2006).[ligação inativa]
  32. a b Broke-on-Broke Violence. Página visitada em 6 de julho de 2011.
  33. COHRE statement on Xenophobic Attacks. Página visitada em 6 de julho de 2011.
  34. Jonathan Crush (ed), The Perfect Storm: Realities of Xenophobia in Contemporary South Africa, [3], Southern African Migration Project, Cape Town & Queen's University, Canada, 2006, p. 1
  35. United Nations High Commissioner for Refugees. UNHCR Global Appeal 2011 – South Africa. UNHCR. Página visitada em 30 de outubro de 2011.
  36. http://www.mype.co.za/modules.php?name=News&file=article&sid=3035 - Notificação da mudança do nome de Port Elizabeth
  37. http://www.news24.com/News24/South_Africa/Politics/0,,2-7-12_2420458,00.html - Notificação da mudança do nome de Port Elizabeth
  38. http://www.iol.co.za/index.php?set_id=1&click_id=13&art_id=iol1187613681505N525 - Notificação da mudança do nome de Durban
  39. http://www.news24.com/News24/South_Africa/News/0,,2-7-1442_1830480,00.html - Bloemfontein muda para Thabure
  40. http://www.news24.com/News24/South_Africa/News/0,,2-7-1442_2250317,00.html - Informação sobre a mudança de nome de Nelspruit
  41. SouthAfrica.info: South Africa's geography.
  42. List of Parties. Página visitada em 8 dezembro de 2012.
  43. a b South Africa's National Biodiversity Strategy and Action Plan. Página visitada em 10 de dezembro de 2012.
  44. Biodiversity of the world by countries. Institutoaqualung.com.br. Página visitada em 30 de maio de 2010.
  45. doi:10.3114/sim.55.1.1
    Esta citação será automaticamente completada em poucos minutos. Você pode furar a fila ou completar manualmente
  46. PMID 18490969 (PubMed)
    A citação será expandida automaticamente dentro de minutos. Passe à frente na fila ou expanda à mão
  47. Marincowitz, S.; Crous, P.W.; Groenewald J.Z. and Wingfield, M.J. (2008) Microfungi occurring on Proteaceae in the fynbos. CBS Biodiversity Series 7.
  48. Plants and Vegetation in South Africa. Southafrica-travel.net. Página visitada em 30 de outubro de 2011.
  49. a b c Census 2001, Statistics South Africa.
  50. Midyear population estimates: 2009. Statistics South Africa. Página visitada em 23 February 2010.
  51. a b Constitution of South Africa, Chapter 1, Section 6. Fs.gov.za. Página visitada em 30 de maio de 2010.
  52. statssa.gov.za (PDF).
  53. The demographic status of the world's population. Global Statistics. GeoHive.
  54. https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/sf.html
  55. Anti-immigrant violence spreads in South Africa, with attacks reported in Cape Town.
  56. Escape From Mugabe: Zimbabwe's Exodus.
  57. More illegals set to flood SA.
  58. "South African mob kills migrants", BBC, 2008-05-12. Página visitada em 2008-05-19.
  59. Barry Bearak. "Immigrants Fleeing Fury of South African Mobs", New York Times, 23 May 2008. Página visitada em 2008-08-05.
  60. a b c "World Refugee Survey 2008", U.S. Committee for Refugees and Immigrants, 2008-06-19.
  61. World Bank, IMF study 2004. Jae.oxfordjournals.org (2004-12-03). Página visitada em 2010-05-30.
  62. Health Personnel in Southern Africa: Confronting maldistribution and brain drain (PDF). Página visitada em 2010-05-30.
  63. Skilled Labour Migration from Developing Countries: Study on South and Southern Africa, Haroon Bhorat et al. 2002. International Migration Programme, International Labour Office, Geneva.
  64. Census 2011: Municipal Fact Sheet. Statistics South Africa (2012). Página visitada em 13 de dezembro de 2012.
  65. Study Commission on U.S. Policy toward Southern Africa (U.S.). South Africa: time running out: the report of the Study Commission on U.S. Policy Toward Southern Africa. [S.l.]: University of California Press, 1981. p. 42. ISBN 0-520-04547-5
  66. a b c d Kristin Henrard. Minority Protection in Post-Apartheid South Africa: Human Rights, Minority Rights, and Self-Determination. [S.l.]: Greenwood Publishing Group, 2002. p. 43. ISBN 978-0-275-97353-7
  67. Overcoming Intolerance in South Africa: Experiments in Democratic Persuasion. [S.l.]: Cambridge University Press, 2005. p. 36. ISBN 978-0-521-67515-4
  68. the new great trek- the story of south africa's white exodus. Unisa.ac.za. Página visitada em 30 de outubro de 2011.
  69. User2 (7 de outubro de 1997). Policy Series. Queensu.ca. Página visitada em 30 de outubro de 2011.
  70. Midyear population estimates: 2010. Statistics South Africa. Página visitada em 23 de julho de 2010.
  71. Britons living in SA to enjoy royal wedding. Eyewitness News (28 de abril de 2011).
  72. Rhodie oldies. New Internationalist (1985). Página visitada em 29 de outubro de 2007.
  73. Current Africa race riots like 1949 anti-Indian riots: minister. Theindianstar.com. Página visitada em 30 de outubro de 2011.
  74. Conason, Joe (19 de junho de 2008). Chinese declared black. Salon.com. Página visitada em 30 de maio de 2010.
  75. We agree that you are black, South African court tells Chinese, The Times
  76. (2007–8) "Religious Intelligence". Religious Intelligence.
  77. a b South Africa. The World Factbook. CIA.
  78. a b South Africa - Section I. Religious Demography. U.S. Department of State. Página visitada em 2006-07-15.
  79. For a discussion of Church membership statistics in South Africa please refer to Forster, D. "God's mission in our context, healing and transforming responses" in Forster, D and Bentley, W. Methodism in Southern Africa: A celebration of Wesleyan Mission. Kempton Park. AcadSA publishers (2008:97-98)
  80. Department of State, USA.
  81. In South Africa, many blacks convert to Islam.
  82. NationMaster: South African Crime Statistics.
  83. Persecuted white South African Brandon Huntley made international race refugee. Times Online. September 3, 2009.
  84. Behind South Africa's Reggae Murder. Time. October 22, 2007.
  85. "SOUTH AFRICA: One in four men rape". IRIN Africa. June 18, 2009.
  86. "South African rape survey shock", BBC News, 2009-06-18. Página visitada em 2010-05-23.
  87. a b South Africa’s rape shock. BBC News (1999-01-19). Página visitada em 2010-05-30.
  88. Perry, Alex (2007-11-05). Oprah scandal rocks South Africa. Time.com. Página visitada em 2010-05-30.
  89. "Farms of fear", The Times Online, 2 April 2006. Página visitada em 2010-05-23.
  90. Quatro capitais brasileiras estão entre as mais desiguais do mundo, diz ONU - G1, 19 de março de 2010 (visitado em 19-3-2010)
  91. Article by Imran Buccus in the Mercury newspaper.
  92. Mo Ibrahim Foundation. Retrieved 2010-01-11.
  93. Pamela Snyman and Amanda Barratt (2002-10-02). Researching South African Law. Library Resource Xchange. Página visitada em 2008-06-23.
  94. South African Crime statistics. NationMaster. Página visitada em 30 de outubro de 2011.
  95. "How dangerous is South Africa?", BBC News, 17 de maio de 2010.
  96. "South African serial killer convicted of 13 murders", 'The Daily Telegraph', 23 de dezembro de 2010.
  97. South Africa has world’s largest private security industry; needs regulation - Mthethwa. DefenceWeb. Página visitada em 3 de maio de 2013.
  98. Bigger than the army: South Africa's private security forces. CNN.com. Página visitada em 3 de maio de 2013.
  99. a b Constitution of the Republic of South Africa Act 200 of 1993 (Section 224). South African Government (1993). Página visitada em 2008-06-23.
  100. Col L B van Stade, Senior Staff Officer Rationalisation, SANDF (1997). Rationalisation in the SANDF: The Next Challenge. Institute for Security Studies. Página visitada em 2008-06-23.
  101. Defence Act 42 of 2002. South African Government (2003-02-12). Página visitada em 2008-06-23.
  102. a b c Mosiuoa Lekota (2005-09-05). Address by the Minister of Defence at a media breakfast at Defence Headquarters, Pretoria. Department of Defence. Página visitada em 2008-06-23.
  103. a b Lieutenant Colonel Roy E. Horton III (BS, Electrical Engineering; MS, Strategic Intelligence) (October 1999). Out of (South) Africa: Pretoria's Nuclear Weapons Experience. USAF Institute for National Security Studies. Página visitada em 23 de junho de 2008.
  104. a b c "South Africa comes clean", Bulletin of the Atomic Scientists, Maio de 1993, pp. 3,4
  105. Christine Dodson (22 de outubro de 1979). South Atlantic Nuclear Event (National Security Council, Memorandum) (PDF). George Washington University under Freedom of Information Act Request. Página visitada em 23 de junho de 2008.
  106. Rosalind Rosenberg. (Summer 2001). "Virginia Gildersleeve: Opening the Gates (Living Legacies)".
  107. Schlesinger, Stephen E.. Act of Creation: The Founding of the United Nations: A Story of Superpowers, Secret Agents, Wartime Allies and Enemies, and Their Quest for a Peaceful World. Cambridge, Massachusetts: Westview, Perseus Books Group, 2004. 236–7 p. ISBN 0-8133-3275-3
  108. China, South Africa upgrade relations to "comprehensive strategic partnership", Xinhua News Agency, 24 de agosto de 2010
  109. "New era as South Africa joins BRICS", SouthAfrica.info, 11 de abril de 2011
  110. "SA brings 'unique attributes' to BRICS" SouthAfrica.info, 14 de abril de 2011
  111. Guilherme da Fonseca-Statter, A África do Sul e o Sistema-Mundo: Da Guerra dos Bôeres à globalização, Lisboa: Centro de Estudos Africanos & Gerpress, 2011, ISBN 978-989-96094-6-4
  112. SARPN - South Africa at www.sarpn.org.za
  113. Black middle class boosts car sales in South Africa: Mail & Guardian Online.
  114. Race against time. The Observer. January 22, 2006.
  115. Economic Assessment of South Africa 2008. OECD.
  116. a b c Economic Assessment of South Africa 2008: Achieving Accelerated and Shared Growth for South Africa. OECD.
  117. SA Economic Research - Tourism Update (PDF). Investec (October 2005). Página visitada em 2008-06-23.
  118. African Security Review Vol 5 No 4, 1996: Strategic Perspectives on Illegal Immigration into South Africa.
  119. Queens College: The Brain Gain: Skilled Migrants and Immigration Policy in Post-Apartheid South Africa.
  120. http://oglobo.globo.com/economia/miriam/posts/2011/04/14/africa-do-sul-reforca-bric-que-vira-brics-374799.asp
  121. Prêmio NobelSydney Brenner. Página visitada em 12 de maio de 2013.
  122. SKA announces Founding Board and selects Jodrell Bank Observatory to host Project Office. SKA 2011 (2 de abril de 2011). Página visitada em 14 de abril de 2011.
  123. "Africa and Australasia to share Square Kilometre Array", BBC, 25 de maio de 2012.
  124. HIV & Aids in South Africa. Avert. Página visitada em 2006-10-08.
  125. "Sack SA Health Minister" – world's AIDS experts. afrol News. Página visitada em 2006-10-08.
  126. a b info.gov.za (PDF).
  127. a b AIDS orphans. Avert. Página visitada em 2006-10-08.
  128. "Power Failures Outrage South Africa" article by Barry Bearak and Celia W. Dugger in The New York Times 31 de janeiro de 2008
  129. "S Africa cuts power to neighbours", BBC News, 21 de janeiro de 2008. Página visitada em 20 de abril de 2008.
  130. "Eskom reopens 3 power stations", News24, 14 de fevereiro de 2008. Página visitada em 14 de maio de 2009.
  131. "Eskom mulls new power stations", Fin24, 18 de setembro de 2008. Página visitada em 14 de maio de 2009.
  132. CIASouth Africa. CIA World Factbook. Página visitada em 12 de maio de 2013.
  133. World's Oldest Jewellery Found in Cave. Buzzle.com. Página visitada em 16 de abril de 2011.
  134. Sol Plaatje at web.africa.ufl.edu
  135. Wood, Sura. "Drum Review", The Hollywood Reporter, Nielsen Business Media, Inc., 2005-11-04. Página visitada em 13 de maio de 2013.
  136. "The Nobel Prize in Literature: John Maxwell Coetzee", Swedish Academy, 2 de outubro de 2003. Página visitada em 2 de agosto de 2009.
  137. South African Wine Guide: Stellenbosch, Constantia, Walker Bay and more. Thewinedoctor.com. Página visitada em 30 de outubro de 2011.
  138. Sport in South Africa. SouthAfrica.info. Página visitada em 28 de junho de 2010.
  139. Cooper, Billy (12 de julho de 2010). South Africa gets 9/10 for World Cup. Mail & Guardian. Página visitada em 9 de setembro de 2010.
  140. Peter Roebuck (21 de dezembro de 2008). Steely youths score greatest win. The Sydney Morning Herald. smh.com.au. Página visitada em 13 de maio de 2013.
  141. Rugby World Cup history. BBC (7 de outubro de 2003). Página visitada em 7 de outubro de 2006.
  142. BBCCopa do Mundo de Críquete de 2003. Página visitada em 13 de maio de 2013.
  143. PGA Tour. Charl Schwartzel Profile (em ingles). Página visitada em 22 de abril de 2013.

Bibliografia

  1. a b c ENCICLOPÉDIA Delta Universal. Rio de Janeiro: Delta, c1982. vol. 1, p. 142-155.
This page is based on data from Wikipedia (read/edit), Freebase, Amazon and YouTube under respective licenses.
Text is released under the Creative Commons Attribution-ShareAlike License.